Roça

Cerca de 49 frases e pensamentos: Roça

O que apenas roça os outros fere-me até o sangue.

Stendhal

O blando é muito mais forte que o duro. A água é mais forte que a roca, o amor é mais forte que a violência.

Hermann Hesse

" - Gosto De Costeletas De Porco e Presunto Da Roça, Batatas Em Creme, Coisas Assim. Gosto de Molho Caipira, Que é Feito De Presunto,Bacon, Coisas Assim. é a Gordura Na Qual Voce Frita As Coisas. Como Muito Jell-O (Gelatina) De Frutas." E♥E

Elvis Presley

A ROÇA
Aqui na roça nóis si deita
sempre muito agarradinho
nóis si inrósca, si ajeita,
passa a noite coladinho
Nossa cama di madêra
é ondi nóis faiz o ninho
i passa a noiti intêra
trocanu nossos carinho
Nóis véve cum amô
Anqui na nossa paióça
cum as bença di nosso sinhô
cuidâno da nossa roça
Quanu di noite esfria
Nós ajunta us cubertô
i juntinho si inrudia
tocanu nosso calô
I ansim nós passa a vida
eu i minha companhêra
às veiz nóis inté qui briga
mais é coisa passagêra
Adespois vem a vontade
di dá uns beijo moiádo
i nu finzinho da tarde
nóis fica juntinho agarrado.

POEMAS CAIPIRA

Caipirinha

SONHUS
(cumpadi Caipirinha)

Sonhei tantu cum vancê
Seim ao menus ti vê
Neim tão pôcu ti conhecê
Mais só queria qui fosse vancê

Meu marditu coração ti imaginô
E dentru deli si formô
E ansim si transformô
Em um novu i grandi amô

Cadê vancê qui num chegô
Sozinhu aqui iêu tô
Precisânu di vancê
Meu coração só qué ti vê
Mais num sei queim é vancê

Veim aqui
Num me dexa tão sortu
Veim lugu pra iêu
Meu amô é tantu
Mais u desancantu
Podi tudu distruí

Veim logu meu sonhu
Veim me fazê acordá
Cum você quero vivê
Noiti i dia seim pará

Caipirinha - O poetinha da roça

VIDA PERDIDA
(cumpadi Caipirinha!

Pra vancê iêu guardei
Meus mió momentus
Pra vancê iêu ti dei
Todus meu pensamentus

Pra vancê iêu fiquei
Pra vancê se guardei
Vida intêra pra vancê
A minha tie dediquei

Fiz di vancê minha vida
E da sua vida u meu norti
Fui cum ela sonhandu
Sonhei tantu e tão forti

Que inté si isqueci di acordá
Quânu acordei tomei um sustu
Foi um sustu tão forti
Pra iêu foi comu a morti

Quânu ví o sonhu tinha passadu
I muitu tardi si acordei
Procurei pru vancê o restu da minha vida
I nunca mais ti incontrei

Caipirinha - O poetinha da roça

PRECURANU UM AMÔ!

Fui au incontro da noiti
Vaguemu pelas madrugada
Preguntei a todas as instrelas
Ondi anda minha amada?

A lua num me disse nada
As pedra da rua neim me arrespondero
As fulô, tudu drumindu naquea hora
Ansim me arresorvi vim simbora

Intão ao raiá da orora
Cum o sór imprranu a noiti
Preguntei: aqueceu meu amô?
E eli neim uma palavra falô!

Intão seguind minha istrada
Infeitada de árvuris e fulô
Cuns passarinhu em revuada
Preguntei se viru meu amô

A rosa, toda facêra
Oiô pra margarida e falô
Esse tá tãum perdidu
Que neim sabi du seu amô

U pé di piqui todu prosa
Se balançanu pro de jambu rosa
Sorrisu matrêru comentô
Esse Caipirinha num percebeu
Seu amô num si perdeu!

A coruja inteligenti
Se arresorveu cunversá
Caipirinha venhá cá
Que vô lhe preguntá!
Já procurô u seu amô
Aondi ele devi di tá?

Tenhu certeza que não!
Ocê lá num procurô
Seu amô há di istá
Onde ocê o dexô!

Tá certu dona coruja!
Intão pra lá vô vortá
Vô prega nu sonu
E continuá a sonhá!

Caipirinha - O poetinha da roça

BRINCADERA DI RIMÁ

Vâmu brincá di fazê versu e rimá?
É só fazê versu e rimá, acumpanhandu us versu di trais, us anteriô!
Se ocê num sabê iscrevê im caipirêis, num faiz má ... O importanti é brincá!

Intáo?! Vâmu brincá!
********************************************
Sô o primêru a iscrevê
E os versu dexá
Queru iTô gostanu di acumpanhá
As rima du pessoá
Tá ficanu muitu ingraçadu
Vê ocis tudo rimá

Mais tá fartânu muita gente
Que faiz parte dessi lugá
Ocêis intão cunvida os amigu
Pra vim brincá di rimántão vê voismicê
Meus iscritus acompanhá
***********************
Vâmu iscrevê uma história
Há quantas mão aguentá
Ela cumeça com a lua
E seu lindu brilhá
**********************
Bão sinhá Rachel
Seje beim-vinda no Recantu
Se achegue mêmu di mansinhu
E cum nois podi ficânu

Abri intão seu coração
E di presenti dê pra nóis
Uns versinhu, uma melodia
Umas rima e umas canção

Inté e um beju nu seu coração!
*********************************
Bão Pessoá?!
(Cumpadi Caipirinha)

Bão pessoá, que sodade de ocêis
Tive passanu pruns bão apertu
Mais num me deixei se intregá
E to aqui otraveiz

Num sô homi de pedi arrego
Nas hora apertada que Deus me dá
Num corro das provação
Memu que seja pesado meu jacá

Nas andança da vida se aprendi
Que o Pai num dá pra nois peso maió
Que os lombo consegue carregá
Intão esse peso foi fácil suportá

To de vorta pra cá
Adispois de descançá
Aos pouco vou inté
Uns causo novo contá

A oceis tudo iêu agradeçu
Pelas preocupação e carinhu
Nunca se senti sozinho
Andanu no meu caminho

Intão, intão e um abraçu
Beim apertadinho
Do cumpadi Caipirinha
*******************************

Caipirinha - O poetinha da roça

Sou o vento que vos roça os cabelos,
Sou o sol que vos aquece o corpo,
Sou a chuva que vos dança no rosto,
Sou o aroma das flores no ar e as flores que
exalam a sua fragrância,
Sou o princípio do vosso primeiro pensamento,
Sou o fim do último,
Sou a ideia que iluminou o vosso momento mais
brilhante,
Sou a glória da sua realização,
Sou o sentimento que alimentou a coisa mais
amorosa que jamais realizaram,
Sou a parte de vós que anseia por esse momento
repetidamente.
O que quer que para vós resulte, o que quer que
o faça acontecer - qualquer que seja o ritual,
cerimónia, demonstração, meditação, pensamento,
canção, palavra ou acção necessária para que
vocês se re-unam, façam-no.
FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE MIM.

Neale Walsch

Meia hora de roça resolve qualquer tristeza.

Thimer

Eu vou para qualquer lugar
tenho pressa em chegar.
Chegarei.
Chego a lagoa, a roça,
a rodovia, a praia, a dança, a quadrilha.
Dançarei.
Cantando, abraçando, perdendo, beijando,
lendo, traindo.
A quem? A mim?
Irei.
Eu vou, Eu vi!
O nascer do dia quando morri.
A cela trancar, e a inspiração chegar...
Vivi!

Isly Costa

Poesia - O caboclo do Sertão

Sou matuto, sou da roça, tenho orgulho da mão grosa, sou amante do sertão. Sou caipira, minha nossa senhora, ando de pés no chão.
Sou sacudido no machado, gosto de lidar com gado montado no meu alazão.
Para espantar os mosquitos uso a fumaça do meu pito e clareio a noite com luz do lampião.
La o sol se esconde mais cedo por detrás do arvoredo da noite não tenho medo me adormeço na solidão.

Autor - Carlim do som

Sou violeiro não nego, do meu interior não abro mão, gosto mesmo é da roça, aqui eu tenho paz e emoção. Que chegue um sujeito bem arrumado, com sotaque fino e todo endinheirado, não me compra e não me vendo, não me venha com julgamento, pois nem assim eu abro mão.

Uéliton Junior

Essa abóbora madurinha aí é das boas, igualzinho àquelas que colhíamos lá na roça nos tempos de criança! Abraços.

Luiz Maria Borges dos Reis

Natal sem fome? pura propaganda enganosa.... e o resto do ano quem precisa de amor é roça.

Renato Bisturi

PASSEIO NO TEU MAPA

Eu gosto quando o meu corpo roça o teu
Corpo é um fio tenso exposto o cobre.
Tão bom as temperaturas repousadas
Que queima e se presente
Quando vem o tempo com outro renque
De passistas.
Eu admiro o teu corpo e em mim
Se faz de dor quando te afastas
E o que mais me diz do teu corpo
São seus alcances, suas aduncas de ir e desandar.
Pois de me proferir o teu corpo
Ruboriza o meu, de conflagrar no fogo
De todos os arrabaldes permeados
Dos cuidados, que amor não contrasta.
Gosto de apalpar o fundo do teu corpo
De beijar-te aqui ali
Ir voltar trazendo o gosto
Dos teus jardins dourados.
Gosto de afundir-me com meus olhos
Nos pedaçosmoles
Colinas brancasecoloridas
Gosto de pacientemente alancear teus cortes
Do seu dissimulo ínmã e o que der que freme
Mitra teu corpo subdividido

Naeno Rocha

Nasci em Gandu, uma cidade minúscula, quase uma roça. E ainda adentrei mais ainda no interior, pois vivi boa parte da minha infância, na roça. Tomei banho de rio, comi piaba, subia em árvore, comia fruta fresca (sem agrotóxico), comia ovo e galinha do terreiro. Andava de cavalo. Descascava aipim na "casa de farinha". Brincava de roda, dançava ao som de uma radiola vermelha de pilha. Ia a missa do vô Queno (única época que bebíamos refrigerante) e a noite dançava incansavelmente ao som de "Pisa na barata, mata essa barata". Dormíamos as 20:00hs quando o gerador de energia era desligado e acordávamos as 6:00 da manhã junto com o canto dos galos. Tive como referência mãe e tias que tinham as mãos um facão e com ele podavam pé de cacau, cortavam cacho de banana e matavam cobras. E por isso que hoje, tanto eu como minhas primas e irmãs, por vermos os exemplos dessas mulheres tão fortes e guerreiras, e apesar na não andarmos com facão, muito menos matarmos cobras, somos capazes de vencer os leões das dificuldades que aparecem nas nossas vidas. Por conta desses exemplos de mulheres destemidas e fortes não é qualquer vendaval que nós derrubam. O ADULTO QUE SOMOS HOJE É O REFLEXO DO QUE VIVEMOS NA INFÂNCIA. E EU, ALÉM DE TER UMA INFÂNCIA MUITO FELIZ, ME TORNEI O QUE SOU HOJE, UMA MULHER FORTE, DECIDIDA. E MESMO QUE APAREÇAM AS COBRAS PELO CAMINHO, ELAS NÃO ME IMPEDIRÃO DE CONTINUAR.

Flávia Lage

O Mineiro e o Nordestino

O mineiro estava voltando de seu serviço na roça, quando um nordestino parou em sua frente e lhe perguntou:
-Descurpe mais vô tê que ataiá ocê.
O mineiro responde:
-Uai! Num intendi um A que cê falô!
-Ataiá, ocê num sabe u qui é ataiá?
-Cê tomô pincumel? Doidimais! Só tô vortando do trabáio, vô pega o bicho qui vaivolta lá no podions.
-A tá, ocê é minero, ataiá é tira ocê do caminho, mais que qui cê falô memo?
-Podions homi! Eu vô pega o podions!
-Mais que qui é isso homi?
-O bicho qui vaivolta!
-E o que qui é bicho que vaivolta?
-Ô homi! Cê num é minero, fica sem intendê!
-Ocê num é nordestino, intão tamém fica sem intendê...
Afinal de contas nenhum dos dois entendeu nada que o outro falou.
-Uai! Mai cê num queria deixar eu passa porque?
-Isqueci u qui eu ia fala, agora ocê já deve tê perdido esse bicho que vaivolta qui cê falô. Óia, cê num qué bate um papo?
-Acho qui a mastumate e o kidicarne vai tê qui isperá.
E o nordestino começou a conversar com o mineirinho.
-Num sei o qui ocê disse, mais o tal kidicarne deve ser qui ocê vai comê carne, eu num tô aperriano ocê não, né?
-Uai! Aperriano que qui é isso?
-Eita! Ô meu pai! É icomodar!
-A tá bão, se é assim, cê tá sim.
-Tô! Nossa, cê tomô muita sustança hoje homi! Num intendo esse dialeto seu!
-Num sei o qui é sustança nem dialeto, mai num intendo nada qui cê fala.
-Uai! Lembrei agora qui isqueci o pexe denduforno, e larguei badacama minha iscodidente. Nossinhora! O pexe torro e a iscodidente sujo tudo!
-Agora que num intendi nada. Ocê já vai?
-Tô ino, e eu ainda num intendi nada qui cê falô! É hoje qui eu pego esse trem bão, sô!
-Até mais procê, tamém num intendi nada que ocê falô. E porque qui minero só fala ''Uai'' e ''Trem bão, sô''?
-Jeitinho di minero, né uai? E uai, nordestino só fala ''arretado'' e ''oxenti''?
-Jeitinho de nordestino arretado, né?

Dannala

Lida na roça

É áspera a manhã, quase madrugada, fria e preguiçosa. Levanta-se dos lençóis gastos e calça o chinelo, ralo de outras caminhadas. Mira as botas que aguardam para a lida, frouxamente repousadas à porta.
Serve o café bem quente. Ecoa o tilintar da xícara no silêncio da roça. Mais um dia começa para quem provê os frutos da terra.
Folha, grãos, sol nascente e mãos na lida: cenário simples de criação que a natureza opera – e o produtor, junto a ela, para gerar e servir a seu próximo o pão de cada dia.

Julianne lam

O meu namorado é da banda
Ele roca guitarra, enquanto eu canto
Meu namorado é legal, mas não quanto eu
Meu namorado tem olhos azuis
Meu namorado é um fumante de quinta categoria
Meu namorado é um cara largado.
Meu namorado curte poesias
Meu namorado não me ama
Meu namorado é um simples sujeito que não me ama
Meu namorado é um babaca que roubou o meu coração, com o seu jeito de tocar guitarra
Meu namorado é um cara lindo que todas as meninas da cidade deseja
Meu namorado é um cara esperto
Meu namorado é um tremendo pegador
Mas o que posso fazer se ele roubou o meu coração?

larissa