Reforma Protestante

Cerca de 118 frases e pensamentos: Reforma Protestante

Protestante, o mesmo que uma criança que toma leite em um copo de vidro, e ao cair se quebra, agora chora pelo leite derramado!!!

Everton Cavalcanti

Deus não criou o evangelho católico, protestante, espírita ou seja lá qual for a designação. Nós os criamos com nossas traduções e interpretações e, diga-se de passagem, no mais das vezes, de acordo com nossas próprias conveniências

Ary Campos

Não sei que ideia fraca é essa no meio "protestante" que a gente não tem que passar pelas lutas e dissabores da vida. Como se nós estivéssemos numa bolha protegidos de qualquer vírus da dor ou sofrimento. Mil vezes não!!! Somos humanos e, por isso, sofremos, choramos e lamentamos as durezas da nossa caminhada!.

Alcindo Almeida

Precisamos nos unir além de nossas barreiras confessionais, tanto católicos, ortodoxos e protestantes, para nos opormos como Cristãos contra a cultura pós-moderna e as tendências do antiteísmo de desqualificar a verdade.

Jackson da Mata

Quando culpar o capitalismo, não se esqueça também de culpar a ética protestante, base que outorga o trabalho como divino.

Bruno Latorre

Dentro do cristianismo protestante, sou da linha Pentecostal por entender que o 'NEO'pentecostalismo é uma metamorfose errônea, uma mutação maligna, uma aberração da pureza do evangelho de CRISTO e da Palavra de DEUS, que comercializa o evangelho da graça de CRISTO. O 'neo'pentecostalismo é, na minha visão, uma forma espúria, que compara-se ao crime de estelionato.

Dermeval Reis Junior

Não prego o Calvinismo, não sou Protestante, nem adepto de reformistas. Não sigo a moda religiosa nem nomes de Igrejas. Minha doutrina é a Bíblia, meu combustível é a fé, minha vida é a placa da Igreja!

Tiago Belinha

Um povo que se diz protestante,mas reprime e oprime quem protesta. Um povo que julga os de fora, mas não julga os que estão dentro.

Fábio Mazza

Reforma em nossa conduta baseado nas formas primitivas. Não Há reforma no que não pode mudar de forma. Não devemos reformular o que era, é e sempre será. Reformistas tiveram intenções emergenciais, em vista da eclesiologia falida. Foram suspiros de desespero no intuito de melhoria. Quanto mais ramos (denominações doutrinarias) temos na árvore, mais distantes ficamos do tronco (igreja), da essência, da fonte geradora de vida...

Tiago Belinha

O que melhora o atendimento é o contato afetivo de uma pessoa com outra. O que cura é a alegria, o que cura é a falta de preconceito.

Nise da Silveira (1905-1999) - Médica - reforma psiquiatra brasileira

Há uma coisa em comum entre a política e a igreja no nosso país. Ambas precisam de reforma.

Kléber Novartes

Estou em reforma para melhor atender
Para melhor conhecer
Para melhor me compreender

Estou em reforma para ampliar minha visão
Para andar na multidão
E não me perder no turbilhão

Estou em reforma pra mudar meu jeito
Pra voltar no tempo
Pra me achar sem medo

Estou em reforma porque acredito
Que tudo é possível
Que tudo tem jeito...

Zu Kawaguchi

Existe uma ira que provoca mudanças. Ela estava em Jesus no templo e em Lutero na reforma.

Kléber Novartes

Reforma de Pensar?

Comunismo, faliu.
Capitalismo, no vermelho.
Samba e escambo?

Francismar Prestes Leal

Um Mistério que É Revelado



Reforma em seu sentido geral significa trazer algo ou alguém à sua condição original. E é assim que deve sr entendido o que Deus fez através de homens como Calvino, Lutero, Zwinglio e muitos outros no século XVI, em relação à verdade da Sua Palavra revelada na Bíblia, notadamente quanto ao que se refere ao modo correto da vida cristã.
Aqueles homens não estavam portanto empreendendo uma luta contra um determinado sistema religioso, mas lutando para que a verdade das Escrituras fosse mantida no mundo, e especialmente na vida daqueles que chegam ao conhecimento da verdade por meio da fé em Jesus Cristo.
Recentemente alguém me dizia que cada religião possui a sua verdade, e que seria bom que todos tivessem uma só verdade, de modo que não haveria conflito entre as religiões.
Todavia, há que se considerar que a verdade é a pessoa do próprio Cristo, conforme Ele o afirma expressamente na Bíblia, e do que deram testemunho os apóstolos que com Ele haviam vivido no passado. Os próprios apóstolos foram melhor informados acerca da verdade espiritual que envolve a pessoa de Jesus, quando Ele ressuscitou e ascendeu ao céu, tendo lhes deixado o Espírito Santo como Consolador, Mestre e Guia.
Porque importa conhecer a Jesus em espírito, que é eterno, e não segundo a matéria que se desgasta e passa.
Importava que assim fosse, porque a verdade de Deus é de caráter eminentemente espiritual e pode ser conhecida somente em espírito, por aqueles que andam no Espírito Santo, e permitem serem instruídos por Ele quanto à aplicação da verdade da Palavra de Deus revelada na Bíblia, às suas vidas.
Por pressuposto básico, ninguém conhecerá esta verdade a não ser por revelação do próprio Deus, porque ela permanece em mistério para todos, até que venha a ser revelada pelo Espírito Santo a todo que:
- se humilhar reconhecendo-se pecador;
- se arrepender desta condição de possuir uma natureza pecaminosa;
- buscar a Deus para que seja purificado de toda má consciência e obras pecaminosas;
- converter-se a Deus se esforçando por renunciar ao velho modo de vida que Ele abomina, com todas as suas práticas impuras e maliciosas;
- confiar inteira e exclusivamente em Cristo para que seja justificado do pecado, e regenerado e santificado pelo Espírito Santo.
Vemos assim, que se é unicamente por este caminho que se pode conhecer efetivamente a Deus em espírito, e ter comunhão com Ele, então não é para ficarmos surpresos que sejam poucos os que O conhecem de fato, comparativamente à sociedade como um todo.
A razão disto não se encontra no desejo de Deus, que não tem prazer na condenação espiritual de ninguém, antes que se converta e viva eternamente, mas nos próprios corações endurecidos daqueles que não se dispõem a atender as condições que anteriormente enumeramos, que entre outras, configuram o que é necessário para que possamos ser feitos participantes da natureza divina, ou seja, estarmos convertidos a Jesus Cristo.
Esta participação da vida de Deus é uma chamada para viver na luz, e portanto, quando se ama as trevas, é impossível achar o único Deus verdadeiro que habita na luz na qual não há qualquer treva espiritual.
O mistério de Deus é revelado em Jesus Cristo. Ele tem prazer em fazê-lo conhecido de nós. Mas, como dissemos antes, é impossível conhecê-lo enquanto não atendermos às condições para a aproximação de Deus, que é santo, justo, perfeito, amoroso e puro.
Ninguém se sinta desencorajado de se aproximar do Senhor Jesus, porque Ele tem prometido não lançar fora a nenhum que o buscar, e isto, porque esta aproximação não é fundamentada na nossa perfeição espiritual ou mesmo moral – porque isto será moldado em nós com o passar do tempo – mas na graça perdoadora do evangelho, que considera como sendo o próprio ato de obediência a nossa sinceridade em desejar fazer progressos no conhecimento do Senhor e da Sua graça, e também por comprovarmos a sinceridade deste desejo, por nos empenharmos em fazer a Sua vontade, conforme podemos aprender acerca da mesma na Bíblia.

Silvio Dutra

A Sempre Presente Necessidade de Reforma

Conhecendo o Presente pelo que Sucedeu no Passado

Reformar, seguindo a etimologia da própria palavra (re – formar), significa trazer novamente à forma original.
Não se trata portanto de criar algo novo, ou de se acrescentar ou retirar algo do que se tornou envelhecido, como muitos assim o entendem, mas manter o estado original de algo que foi mudado.
A chamada Reforma Protestante tinha este caráter. Ela não foi basicamente uma luta contra a Igreja Romana, mas um esforço em fazer com que o genuíno evangelho de Jesus Cristo fosse pregado e ensinado à igreja, tal e qual se encontra registrado nas páginas da Bíblia, para ser por ela praticado.
O evangelho não necessita de reforma, porque está revelado de uma vez para sempre nas páginas das Escrituras, especialmente nas do Novo Testamento.
Quem necessita então sempre de reforma é a igreja, porque esta sim, é dada a se desviar da prática dos mandamentos ordenados pelo Senhor em Sua Palavra.
As repreensões dirigidas por nosso Senhor a igrejas nos capítulos 2 e 3 de Apocalipse bem demonstram esta necessidade de reforma pela via do arrependimento e retorno à estrita obediência aos Seus mandamentos.
Mesmo no caso das duas igrejas que não receberam repreensões (Esmirna e Filadélfia), todavia foram alertadas sobre a necessidade de permanecerem na fidelidade em que se encontravam na ocasião.
O conteúdo destas repreensões e advertências do Senhor muito nos ajudam a entender o estado presente da igreja em todo o mundo. Podemos ter uma visão correta da necessidade específica de reforma de cada uma delas, a partir do que lhes é recomendado por nosso Senhor Jesus Cristo, a cabeça da Igreja.
Veja o caso da igreja em Éfeso:

“Apo 2:1 A o anjo da igreja em Éfeso escreve: Estas coisas diz aquele que conserva na mão direita as sete estrelas e que anda no meio dos sete candeeiros de ouro:
Apo 2:2 Conheço as tuas obras, tanto o teu labor como a tua perseverança, e que não podes suportar homens maus, e que puseste à prova os que a si mesmos se declaram apóstolos e não são, e os achaste mentirosos;
Apo 2:3 e tens perseverança, e suportaste provas por causa do meu nome, e não te deixaste esmorecer.
Apo 2:4 Tenho, porém, contra ti que abandonaste o teu primeiro amor.
Apo 2:5 Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te e volta à prática das primeiras obras; e, se não, venho a ti e moverei do seu lugar o teu candeeiro, caso não te arrependas.
Apo 2:6 Tens, contudo, a teu favor que odeias as obras dos nicolaítas, as quais eu também odeio.
Apo 2:7 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao vencedor, dar-lhe-ei que se alimente da árvore da vida que se encontra no paraíso de Deus.”

Por que Éfeso foi repreendida a ponto de ser ameaçada a deixar de ser igreja (remoção do candeeiro), caso não se arrependesse de ter abandonado o primeiro amor e suas primeiras obras, uma vez que fora elogiada por sua correta ortodoxia, por seu labor, rejeitando os falsos apóstolos e o seu ensino, e rejeitando toda forma de hierarquismo eclesiástico (nicolaítas), perseverando e suportando provas por causa do nome de Jesus sem se deixar esmorecer?
Éfeso nos ajuda a entender porque apesar de pregarmos e defendermos o verdadeiro evangelho, ainda corremos o risco de não praticá-lo em nossas vidas, ou seja, não guardarmos os mandamentos do Senhor relativos à nossa santificação. É possível ser ouvinte da Palavra verdadeira e não praticá-la na vida. Este era o problema com Éfeso e com um grande número de igrejas em nossos dias.
Santificação não decorre de apenas se conhece, pregar e ensinar o evangelho verdadeiro, mas em colocá-lo em prática em nossos pensamentos, ações e palavras.
O primeiro amor aqui referido pelo Senhor, certamente reporta aos dias em que sob a direção do apóstolo Paulo e Timóteo aquela igreja andou em verdadeira santidade de vida, amando e praticando os mandamentos do Senhor registrados na Bíblia.
Mas como Éfeso era uma cidade cosmopolita, e na qual se encontrava o colossal templo e culto à deusa Diana ou Astarte, e tendo a maioria dos convertidos sido alcançados de uma vida pagã e idolátrica, eles deviam ser muito tentados em voltar ao antigo modo de vida de adoração pagã, na qual o adorador serve a quem quiser e vive como quiser.
O cristianismo todavia não é inclusivista, mas exclusivista pois admite somente a adoração do único Deus vivo e verdadeiro e que se pratique somente a Sua Palavra.
Não admira que encontremos no final da primeira epístola de João, uma advertência quanto à necessidade de se guardarem os seus destinatários incontaminados da idolatria.
E certamente Éfeso contava entre os destinatários originais daquela primeira epístola do apóstolo, uma vez que por anos ele havia se fixado em Éfeso e havia supervisionado todas as igrejas da Ásia Menor, especialmente as mencionadas nos capítulos 2 e 3 de Apocalipse.
Nada justifica a falta de reforma da igreja, mesmo quando se encontra debaixo de forte perseguição, como foi o caso de todas aquelas sete igrejas do Apocalipse, uma vez que o imperador romano Domiciano estava assolando a igreja no período do seu reinado (81-96 d.c.) exigindo que fosse adorado como Senhor e Deus. O próprio João foi deportado para Patmos por sua ordem, e muitos crentes estavam sendo martirizados.
Todavia, Éfeso permaneceu firme e perseverou conforme testemunho do próprio Senhor Jesus.
O que poderia se esperar a mais de uma igreja perseverante como aquela?
Santificação.
Sempre será procurado pelo Senhor o fruto da santificação nos Seus servos, independentemente das circunstâncias em que estejam vivendo.
O argumento de que a pressão da mídia é muito forte em nossos dias, que as fontes de tentação são múltiplas e variadas, que a iniquidade tem corroído terrivelmente toda a sociedade, enfim, tudo o que for contra a possibilidade de se manter uma vida santa sem pressões, não será justificado pelo Senhor por não praticarmos os Seus mandamentos.
Isto deve ser visto na vida, partindo do coração, sendo um amor não apenas de palavras, mas por obras e de fato.
Veja que Éfeso tinha muitas obras, mas não eram as obras da fé. E por isso lhe foi requerido o retorno à prática das primeiras obras que faziam em santificação.
Não existe portanto uma reforma de igreja dissociada do testemunho da nossa própria vida.
Muitos ouvirão o verdadeiro evangelho por anos seguidos, e no entanto, não permitirão que o Espírito Santo reforme os seus corações, trazendo-lhes à condição em que sempre deveriam se encontrar, a saber, crescendo na graça e no conhecimento de Jesus pela prática amorosa de todos os Seus mandamentos.

Silvio Dutra

A reforma íntima só acontece, quando exercitamos o auto conhecimento, conhecendo nossas virtudes e imperfeições, para que possamos fazer nossa reforma íntima e em consequência a nossa transformação moral.

Rodrigo de Abreu