Pensamentos Mais Recentes

O ROSTINHO LINDO
DA PÉROLA NEGRA

A MENINA ANJJO
QUE MORA NAS NUVENS

E QUE VIVEU EM MIM
















TÍTULO : QUE MORA NAS NUVENS
AUTOR : WHYTTIFIELD / JEMAVENI
REGISTRO : 01022004040440001001
01022004040440010046
LIVRO (S) : PÉROLA NEGRA

WHYTTIFIELD SAUNDERS

RESPOSTA DE STEFANY, PARA HELEUTÉRIO.

Eu acho que tenho um coração na cabeça.
Por isso, sinto que penso
e/ou penso que sinto (todo dia)
essas coisas tolas e coloridinhas,
Que são piores do que cinema, fotografia
e outras tantas ondas,
De gentes ultra diferentinhas
e super maneiras.

Mas, odeio poesia.
Coisa mais boba,
besta,
Difícil de se entender,
Parece de gente 'beba',
dizendo o que mal se sente
Sentindo o que nem se diz.

Eu gosto das coisas mais diretas
e 'desfingidas'.
E gosto também da fresta,
mas sem muita ladainha.
Detesto a hipocrisia, Prefiro ação patética.
Se erra ou se acerta,
nem investe na estética

Eu gosto do que não se mira.
(JECONIAS E A SAGRADA FAMÍLIA (PORQUE NEM TUDO QUE NÃO PRESTA SE APRENDE NA RUA))

JP Azevedo

DOS DIÁRIOS DE HELEUTÉRIO

A minha vaidade é dona da razão,
dar-se pela servidão de quem ama e desama por ansiedade
Enquanto tua saudade ap(r)onta pro meu coração,
vossa beldade mal sabe
do vácuo onde brota à saudade
paixão.

É que este espaço singular
há de, também, ocupar-se
d’outras artes de mistério
imprevisto
E o homem pode ser
bem mais que apenas isso
a que tem sido reduzido
sem a mínima necessidade.

A minha, tua, nossa, vontade
é só mais um vazio (...).

(JECONIAS E A SAGRADA FAMÍLIA (PORQUE NEM TUDO QUE NÃO PRESTA SE APRENDE NA RUA))

JP Azevedo

Já diria Freud vivemos em um ambiente
a onde temos que viver como se fossemos de aço
mais com uma capa de carne.
o tamanho da minha incredulidade me leva
a crer que a existência de minha força vem
totalmente de um ser maravilhoso e majestoso
Ser esse que muda a essência dos meus dias Deus sempre será oo meu mais doce e eterno sorriso.

Jardim do Freud

AMOR

Por buscar os sabores mais certos
nos jardins das flores errantes
Aromas desabrocham em meus versos
finos traços de teu semblante

Raros riscos de se correr
colorem em tu’alva moldura
Reinvenção de tua face, em meu ser,
maquiada por teu louco amante

Em distinto jeito de sentir
o que o instinto já faz com destreza
Diz não ao que o mundo faz rir,
e algo que é vão já vê com beleza

Se divinal é o que é natureza,
de grandeza que dá nas alturas,
Compus céu sob a tua candura
d’onde brotam os mais lindos luares

Dos suspensos jardins que floraste
ramam seivas de todas artes
Por desígnios, meus, de amar-te,
trago partes em literatura.

JP Azevedo

Preciso te ver mais vezes
te amar constante
gostar com gosto

Sonhar contigo
lembrar teu rosto
querer teu corpo

Comer você

Preciso nos compreender
saber de tu
ser tua luz

(Re)acender-te
fazendo festa
brindar teu riso

Pirando juntos

Comemorando-nos.

JP Azevedo

Castigado pelo sol
Consolado pela lua
Iludido por estrelas
Sequestrado pela noite

É de minha natureza.

JP Azevedo

Se todos os dias fosse cores não teria
bons risos após o término do dia.

Jardim do Freud

Porque sem voz o verso ainda tem vez,
sem o aval de vocês, riscos de insensatez
se impõem a invisibilidade

Por simples razão de insistir,
grita sua má qualidade
aos quatro cantos de mim

A cada palavra sua verdade
que, ao traço de insanidade,
faz da vontade o próprio fim.

JP Azevedo

DE VIRGÍNIA PARA HELEUTÉRIO

Se eu fosse feliz
não seria Poeta
E se fosse Atleta,
jamais Atriz

Se Imperatriz,
eu nunca Sereia
Rolar nas areias,
se quer, nem pensar

Saber do impossível,
nem sonho daria
Ao sabor das estrelas,
sempre a ignorar

Insensível a vagar
sem saber do intangível,
Sem querer me encontrar,
não teria você

E então,
caro Hele,
eu nada seria
Pois não saberia
viver sem amar.
(DO TEXTO "JECONIAS E A SAGRADA FAMÍLIA (PORQUE NEM TUDO QUE NÃO PRESTA SE APRENDE NA RUA))

JP Azevedo

Não é por inocência
que tenho o impossível como referência.
Apenas não me limito ao viável,
uma vez que o provável já tenho em mãos.

Essa minha (im)prudência é (in)dispensável,
(n)a ampliação da existência.
Insistência num processo inevitável,
consciência de constante (des)construção.

JP Azevedo

Só prefiro um amor que não me seja só amor
Mas, que ainda por amor, um pouquinho de razão,
um tanto admiração e um qualquer de gratidão,
e que me seja bem tranquilo, mas traquino e transgressor,
como sempre sei que sou, e ainda sigo indo(...)

Pois se não sendo como digo, eu prefiro amar amigo,
mesmo longe e sem querer, que a dor da ida queira volta,
e as voltas tortas vir me ver amargamente incompreendido,
é melhor já desatar, sem querer comprometer,
aos riscos de se correr, vou-me- fi(n)co e sem alarde,
com a parte que me cabe desse desenlace, lance, lindo.

Sei que um par é importante, mas não basta só romance.
É(u) preciso muito mais.

JP Azevedo

Ser pai é mais fácil que ser filho
Os filhos aprendem chorando
e, aos pais, ensinam sorrindo

Os pais, aos filhos, vão moldando
Já os filhos preferem nos lapidar
Juntos, vamos nos aprimorando
Vivenciando o amor e seus efeitos

Sabendo, com jeito, nos melhorar
Ensinando, aprendendo,
sorrindo e chorando
Brincando!

JP Azevedo

O cético é surdo
O místico é besta
E o bobo é maduro,
Pois sabe viver

Se não concordas
é por crendice
ou falta de fé
LIBERTE-SE!

JP Azevedo

Não peça-me o favor
de não mais me declarar
Só deixo de falar de amor
quando meu coração cansar

Não me venha de contestação
nem finja que enjoou
E se a moça se incomodar,
que me chame de careta

Pois se pensas que vou maneirar,
querendo que eu não mais ame
Tenha certeza que vou rimar
Beleza com seu nome

Mas se insistes em ir a diante
Com seus planos de me parar
Sua boba, não se engane

Pegue sua boca
E vem me calar

JP Azevedo

Senti um gosto (in)diferente,
na memória,
Que tem cheiro de liberdade
e parece música

E eu, que desafinei,
na hora de revelar,
Tive que abdicar
do verso que almejei

Porque, nem toda poesia
vai além de ser sentida,
Marcada na alma apaixonada
de quem ama e apenas sonha
Mais nada.

JP Azevedo

Olhei para o céu.
Azul,
Me lembrei do mar,
Aquele azul infinito,
Do caralho.
Lembrei de ti, como...

Gabriel de S. Moreira

Eu pedi pra’s estrelas
um pouquinho do brilho
que ela pôs nos teus cílios
pra molhar meu olhar

É mal de enfeitiçar,
amor,
o desejo que nasce em mim
E por isso aos céus pedi
todo encanto que fosse seu

Eu que nem sei rezar
quase comprometi
o meu dom de voar
Me atirei sobre ti

De perder o juízo
bom
Mal paixão que se vai
nem vem
Me ensinar a não ser quem sou
E, por isso, nem quero mais

Eu prefiro mais solto
Eu prefiro mais louco
Eu prefiro um pouco
De um bocado de paz

JP Azevedo

Aprendi que abandonar velhas opiniões formadas sobre tudo era se libertar de mentes preguiçosas e sem perspectivas do novo.

Paulo Ursaia

Por baixo de teus braços cruzados
contem-se o afago
de um abraço oprimido

Mas, do peso que se esconde em teus cachos
só quem sabe é o sábio
Travesseiro amigo

Dos litros de risos horrores,
nada há de vós ser revelado
Entre amores amargos
e outras dores,
Maquiaram-lhes
E eu desmistifico

Das ilusões que compõem seus castelos,
tudo passará despercebido
Não há flores, nem cores e outros versos
É rimar teus mistérios
que me faz seu preferido.

JP Azevedo

A maior conquista nesta existência é obter Sabedoria.
Nosso maior tesouro do qual poderemos levar para além do túmulo

Paulo Ursaia

NÃO ME DEIXE SORRIR!
Quantas vezes me vistes,
assim,
no auge da tua euforia?

NÃO ME DEIXE SORRIR!
Quantas vezes
meu semblante de fracasso
surtiu-lhe um efeito palhaço,
ante ao calvário de minha agonia?

NÃO ME DEIXE SORRIR!
Nem, tão pouco, seguir
para além dos primeiros risos
Se tua festa compete comigo,
tire minha gargalhada do alto
ou tenha-me como um enlouquecido

Mas,
NÃO ME DEIXE SORRIR!
Pois não tem a menor graça
quaisquer das que lhes sejam as risadas
que te façam sentir afrontada,
como em beirada de um precipício

Então
NÃO ME DEIXE AOS SORRISOS!
Porque, cheia de altos e baixos,
a alegria é uma gangorra secreta
E o peso da equidade
não tem a menor relevância
A não ser para nos pregar peças,

Como em crianças, que jogam à vera,
Nessa brincadeira de mal gosto
chamada viver.

Mas, por favor,
Trate de acabar(-me) com isso,
NÃO ME PERMITA SE QUER MAIS UM RISO!

Pare, logo, de sofrer.

JP Azevedo

Nossa percepção tridimensional deste momento às vezes se confunde com o conhecimento adquirido, colocando em check a verdade da realidade.
Independentemente da dúvida, mantenha-se sempre no compasso e no esquadro ∴

Paulo Ursaia

Sem que nem porque,penso em você todos os dias da minha vida seu sorriso brilhante ilumina a minha vida

Draculemihawk

O poeta e a atleta
resolveram combinar:
Ela parou de correr
pra ele parar de fumar

Ela mais contemplativa
e ele menos desregrado,
Pela paixão que os mantém inspirados,
Até que o poema acabou

Então,
O poeta bebeu,
a atleta malhou
E o verso morreu

Rimoso,
do coração,
infartado.

JP Azevedo