Quando o Amor Termina

Cerca de 1267 frases e pensamentos: Quando o Amor Termina

O Amor termina quando a ausência já não desperta saudade, já não doi.

Saindo do casulo

A Amizade às vezes termina em amo, mas o amor nunca termina em amizade.

Charles Caleb Colton

Nada termina, onde há o amor de verdade .. ao não ser que esse amor se acabe, mas nada é por acaso, pois um amor construido com o tempo não se acaba como um dia termina para que outro começe .. atitudes, acabam mostrando se era mesmo o AMOR ...

Mônica Alves

A Amizade as vezes pode se tornar Amor, o Amor raramente termina em Amizade, mas ambos se tornam sempre apenas Lembraças.

Remo Yaconi Urrutia

Saudade! Onde começa e termina?
Depois do amor, na cama?
Na despedida, quando alguém diz que nos amas
Ou afogada num copo de bar, na esquina?



Eu a sinto na mesma proporção em que amo.
Seu começo, seu fim
Acontecem dentro de mim,
Até consigo vê-la, em cada lágrima que derramo!



Chega sempre do mesmo jeito,
Sorrateiramente invade e toma conta do peito,
Altera o sorriso, entristece o olhar!



Desarruma planos, desejos
Faz sonhar com o roçar de corpos...carinhos...beijos...
Saudade, que me leva a pensar em ti, te desejar!

Desconhecido

"Todos já amamos, mas só sabemos que não é amor de verdade quando tudo acaba.
E se não existir um cara?
Ou dois, ou três, ou quatro, ou cinco?
E se o amor de verdade não existir e estivermos com medo de admitir isso?
Nós nos produzimos, fingimos ser algo que não somos, viramos nossa vida do avesso e nos perdemos em algo que sonhamos ser melhor do que o que achamos que somos.
E se aquilo que procuramos simplesmente não existir?
Por que tudo tem que ser tão... apenas tão?"

"Você namoraria o seu melhor amigo?"

Amor ou Amizade

O amor acaba. Numa esquina, por exemplo, num domingo de lua nova, depois de teatro e silêncio; acaba em cafés engordurados, diferentes dos parques de ouro onde começou a pulsar; de repente, ao meio do cigarro que ele atira de raiva contra um automóvel ou que ela esmaga no cinzeiro repleto, polvilhando de cinzas o escarlate das unhas; na acidez da aurora tropical, depois duma noite votada à alegria póstuma, que não veio; e acaba o amor no desenlace das mãos no cinema, como tentáculos saciados, e elas se movimentam no escuro como dois polvos de solidão; como se as mãos soubessem antes que o amor tinha acabado; na insônia dos braços luminosos do relógio; e acaba o amor nas sorveterias diante do colorido iceberg, entre frisos de alumínio e espelhos monótonos; e no olhar do cavaleiro errante que passou pela pensão; às vezes acaba o amor nos braços torturados de Jesus, filho crucificado de todas as mulheres; mecanicamente, no elevador, como se lhe faltasse energia; no andar diferente da irmã dentro de casa o amor pode acabar; na epifania da pretensão ridícula dos bigodes; nas ligas, nas cintas, nos brincos e nas silabadas femininas; quando a alma se habitua às províncias empoeiradas da Ásia, onde o amor pode ser outra coisa, o amor pode acabar; na compulsão da simplicidade simplesmente; no sábado, depois de três goles mornos de gim à beira da piscina; no filho tantas vezes semeado, às vezes vingado por alguns dias, mas que não floresceu, abrindo parágrafos de ódio inexplicável entre o pólen e o gineceu de duas flores; em apartamentos refrigerados, atapetados, aturdidos de delicadezas, onde há mais encanto que desejo; e o amor acaba na poeira que vertem os crepúsculos, caindo imperceptível no beijo de ir e vir; em salas esmaltadas com sangue, suor e desespero; nos roteiros do tédio para o tédio, na barca, no trem, no ônibus, ida e volta de nada para nada; em cavernas de sala e quarto conjugados o amor se eriça e acaba; no inferno o amor não começa; na usura o amor se dissolve; em Brasília o amor pode virar pó; no Rio, frivolidade; em Belo Horizonte, remorso; em São Paulo, dinheiro; uma carta que chegou depois, o amor acaba; uma carta que chegou antes, e o amor acaba; na descontrolada fantasia da libido; às vezes acaba na mesma música que começou, com o mesmo drinque, diante dos mesmos cisnes; e muitas vezes acaba em ouro e diamante, dispersado entre astros; e acaba nas encruzilhadas de Paris, Londres, Nova York; no coração que se dilata e quebra, e o médico sentencia imprestável para o amor; e acaba no longo périplo, tocando em todos os portos, até se desfazer em mares gelados; e acaba depois que se viu a bruma que veste o mundo; na janela que se abre, na janela que se fecha; às vezes não acaba e é simplesmente esquecido como um espelho de bolsa, que continua reverberando sem razão até que alguém, humilde, o carregue consigo; às vezes o amor acaba como se fora melhor nunca ter existido; mas pode acabar com doçura e esperança; uma palavra, muda ou articulada, e acaba o amor; na verdade; o álcool; de manhã, de tarde, de noite; na floração excessiva da primavera; no abuso do verão; na dissonância do outono; no conforto do inverno; em todos os lugares o amor acaba; a qualquer hora o amor acaba; por qualquer motivo o amor acaba; para recomeçar em todos os lugares e a qualquer minuto o amor acaba.

Paulo Mendes Campos

O amor, quando acaba, parece que ele nunca existiu. Você olha pra pessoa, assim, na sua frente. E aí você fala “Pô, eu quase me matei por uma porcaria dessa aí?"

Cazuza

O amor eterno não existe. Mesmo a mais forte paixão tem seu tempo de vida. Chega seu dia, se acaba, nasce outro amor. Por isso mesmo o amor é eterno, porque se renova. Terminam as paixões, o amor permanece.

Jorge Amado

Um amor como o nosso está fadado a acabar. E eu já não tenho mais fôlego pra soprar a fogueira.

Cazuza

O amor, tão nobre, tão denso, tão intenso, acaba. Rasga a gente por dentro, faz um corte profundo que vai do peito até a virilha, o amor se encerra bruscamente porque de repente uma terceira pessoa surgiu ou simplesmente porque não há mais interesse ou atração, sei lá, vá saber o que interrompe um sentimento, é mistério indecifrável. Mas o amor termina, mal-agradecido, termina, e termina só de um lado, nunca se encerra em dois corações ao mesmo tempo, desacelera um antes do outro, e vai um pouco de dor pra cada canto. Dói em quem tomou a iniciativa de romper, porque romper não é fácil, quebrar rotinas é sempre traumático. Além do amor existe a amizade que permanece e a presença com que se acostuma, romper um amor não é bobagem, é fato de grande responsabilidade, é uma ferida que se abre no corpo do outro, no afeto do outro, e em si próprio, ainda que com menos gravidade.

E ter o amor rejeitado, nem se fala, é fratura exposta, definhamos em público, encolhemos a alma, quase desejamos uma violência qualquer vinda da rua para esquecermos dessa violência vinda do tempo gasto e vivido, esse assalto em que nos roubaram tudo, o amor e o que vem com ele, confiança e estabilidade. Sem o amor, nada resta, a crença se desfaz, o romantismo perde o sentido, músicas idiotas nos fazem chorar dentro do carro.

Martha Medeiros

O mais lindo mistério que avisto no amor é que mesmo quando ele termina, ainda assim ele nunca acaba!

Reinaldo Ribeiro - O Poeta do Amor

Não gosto de persuadir e sim prefiro conquistar. Porque amor que termina é sempre aquele que exigiu luta anterior!

Reinaldo Ribeiro - O Poeta do Amor

Quem é comprado pelos elogios, normalmente é revendido para a arrogância e termina escravizado pela miséria!

Reinaldo Ribeiro - O Poeta do Amor

Quem procura pela paz no que está fora de si, geralmente termina vazio por dentro!

Reinaldo Ribeiro - O Poeta do Amor

Mas uma frase hoje me intriga : “mas nem tudo acaba quando termina” . Será que terminou ou é apenas uma pausa que o destino nos deu . Bom , só o mesmo poderá dizer .

Mundo da Mika

Eu sempre penso - é só um trago, talvez mais um, mais um porque esta me fazendo bem - .. E quando eu vejo já se apagou, acabou e eu continuo vazia vendo a fumaça ir. Sempre termina assim, vendo você ir e deixando tanto de você aqui.

Mundo da Mika

"O verdadeiro amor não tem final feliz, porque o amor verdadeiro nunca acaba."

Miley Cyrus

Não ame pela beleza, pois um dia ela acaba. Não ame por admiracão, pois um dia você se decepciona. Ame apenas, pois o tempo nunca pode acabar com um amor sem explicação.

Madre Teresa de Calcuta

"Amor quando é amor não definha
E até o final das eras há de aumentar.
Mas se o que eu digo for erro
E o meu engano for provado
Então eu nunca terei escrito
Ou nunca ninguém terá amado."

Shakespeare