Punhalada

Cerca de 68 frases e pensamentos: Punhalada

Porque meu amigo, por que meu irmão, cravaste em mim seu punhal.

Jaburu

Acada punhalada mais forte, acada traição mais atenta.

Fenixit76

Em alguns momentos meu olhar é mais perfurante que um punhal !!

KÁTIA OSORIO

A dor da perda de um grande amor e um punhal que corta a carne gradativa e paulatinamente, destruindo o sentimento, como se o corpo fosse sendo despedacado

Larissa Linhares

Por trás de um sorriso pode haver um punhal.por trás de um suposto amigo, pode estar seu pior inimigo. As aparências enganam, é preciso estar alerta e saber olhar além do que seus olhos podem ver.

lourizania

TRAIÇÃO.
O que mata não são as punhaladas recebidas pelas costas, mas sim o veneno lançado nos ferimentos pelas línguas peçonhentas dos traidores.

Márcio Souza

Um adeus, pode ferir mais que qualquer punhalada que seja.

Karla Verssan

Vc não sabe o que é sentir saudade
É uma punhalada na alma que deixa uma dor que não passa
É um desejo violento e humilde de dizer te amo quero teus beijos quentes e suaves,sentir seus braços me aquecendo nesse frio que não tem fim
Colar-te junto a mim por toda eternidade
Para que nosso amor venha nos da frutos e mais frutos de alegria
Sinto saudade por que não posso sentir raiva
Porque o que eu realmente sinto...
É amor..

Mickaely nascimento de oliveira

"Eu prefiro a afiada espada da verdade do que o cego punhal da hipocrisia."

Billy Nelson

A gente se decepciona com pessoas que jamais imaginou se decepcionar, toma punhalada nas costas e mesmo assim, continua acreditando que existam pessoas de verdade. Considera como prioridade pessoas que no fundo não te consideram nem como colegas, entrega confiança a quem só merece desconfiança. Esse é o problema, abrimos as portas da nossa casa e do nosso coração a estrangeiros, e no final como qualquer estrangeiro, elas sempre vão embora. Algumas partidas são inevitáveis e completamente necessárias para que a vida prossiga.

Desconhecido

Dentro de um corpo.......
Um punhal....
Aspecto negro.....
De punhos na garganta...
Floresta de tontas palavras.......
Obsessiva descoberta...
Gente de saliva salgada....
Serpente falsa e altiva....
Mentira poética feita em brincadeira..
Bebendo o vinho para não vomitar fogo.....
Ruas cinzentas...caminhos transparentes...
São podres de palavras....
Onde a minha alma confia...
Pode-se parir um pensamento.....
Enterrando o punhal.....
Acabemos com este poema ilusionista....
Onde já chamaram de mentiroso......
Violento...... e até alquimista....
Dentro de um corpo.......
Uma floresta de tontas palavras.......
Obsessiva descoberta.......
De saliva salgada....
Nunca os gestos....
Serão feitos de falsas mentiras....
Donde a minha alma confia...
Em palavras podres....
Para parir um pensamento......
Enterraram num pinhal......
Com o punhal acabemos...
Este poema ilusionista......
Mentiroso......violento....
Sádico e até alquimista....
Bebendo o vinho para não vomitar fogo.....!!

IsabelMoraisRibeiro

Rebenta a manhã como um punhal
de gritos
na caserna
O arame farpado
que serve de paredes frágeis a este quartel
improvisado
foi cortado durante a noite
Há marcas evidentes do inimigo
e da sua passagem traiçoeira
por aqui
Estremece o sangue nas veias
a raiva corta os pulsos
e o medo apodera-se de todos nós
Não há heróis,
existe apenas
a cruz de guerra entregue ao pai
ou ao filho que o pai não conheceu
e a memória sentida
escrita no mármore da sepultura


In “Há o Silêncio em Volta” (poética de guerra), edições Vieira da Silva do poeta Alvaro Giesta

Alvaro Giesta

Punhal,

O amor é como um punhal
Dilacera a alma, corta a carne em mil pedaços
É egoísta
Não mede esforços para atingir os seus objetivos
Chega de mansinho, se esgueirando como um animal faminto
Observando a sua presa até que possa dominá-la.
E mesmo assim, as pessoas sempre estão a sua procura
Mas quando percebem que viraram mercês
Tentam fugir, mas como?
Como escapar desta força avassaladora que nos domina o corpo e a alma?
Se sentindo vencido o pobre mortal se rende á força potente que o dominou.
Enfim, este é o amor - frio punhal que o acertou!!!!
Sêphora Andaluza

Sêphora Andaluza

És que esteve ao meu lado fingindo de santo, para que na verdade estive-se com um punhal pronto para me acertar pelas costas, e quando fizer isso, estarei preparado para cair e me levantar por cima forte!

Bruno Alves (Greg)

Cuidado com seu amor, pois podem vir ferir te com o punhal do ódio.

Cleiton Santana

Lança da morte, punhal ferido...
De espinhos numa flor, sem medo,
Sem temor, amor que abraça-me...
Que foge comigo, devassa-me os sentidos
Entranha-se na pele, como um grito colorido,
Voz rouca de um eco que acompanha-me
Esquizofrênicos sentidos de lembranças
Feitos de vozes, gritos, gemidos, suspiros
Que iluminam de esperança as lágrimas caídas,
De uma quimera fora do tempo esquecido,
Vivido de dor, fogo interno neste inverno antigo..!!!

IsabelMoraisRibeiro

A pior punhalada é a que não corta e nem sangra..
É a que rasga silenciosamente a nossa alma..

A falsidade.


..

sonia solange da silveira ssolsevilha poetisa do cerrado

As vezes certas palavras entram em nossos ouvidos e chegam ao nosso coração como um punhal.

Soraia Alves

dói, fazer pelo próximo e levar um punhal traiçoeiro, feito a cobra congelada que colocada dentro de casa ao lado da lareira depois morde o seu socorrista e simplesmente diz: "esta é minha natureza". Então diante desta resposta, resta apenas ser de nossa natureza excluir qualquer sentimento a estes que chegam e mesmo àqueles velhos que se acham donos da verdade e da razão, entregar-lhes o cetro de deus(minúsculo mesmo - pois este não é o DIVINO CRIADOR) e deixá-los simplesmente se enforcarem, ou se afogarem no mar que acham estarem abrindo pra fazerem a passagem, eis que o Divino há de julgá-los e o mar em meio a travessia há de fechar-se e assim, a justiça divina há de se fazer. O Hoje poderá ser a glória deles, Mas o amanhã será a colheita, e os espinhos do caminho, serão os frutos que terão, sem dúvidas de que não há salvação a eles por terem tanto ferido o seu próximo, e principalmente aqueles que só estavam a servir-lhes com o bem.

Italo Leonelo Junior Italo Leonelo D Leon Junior

Italo Leonelo Junior

São como um cristal, as palavras. Algumas, um punhal,um incêndio. Outras, orvalho apenas. Secretas vêm, cheias de memória. Inseguras navegam: barcos ou beijos,as águas estremecem.
Desamparadas, inocentes,leves. Tecidas são de luz
e são a noite. E mesmo pálidas verdes paraísos lembram ainda.
Quem as escuta? Quem as recolhe, assim, cruéis, desfeitas,
nas suas conchas puras?
Eugénio de Andrade

Eugénio de Andrade