Preservação da Natureza

Cerca de 58 frases e pensamentos: Preservação da Natureza

Temos o dever de preservar a Natureza,
para termos o direito de viver nela.

Miral Pereira dos santos

HOJE
DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE

Se preservarmos a natureza
estaremos preservando a vida das futuras gerações...
Façamos isto com firmeza,
estaremos salvando multidões..
Cuidar do meio ambiente
faz parte dessa atitude conciente...

mel - ((*_*))

melanialudwig

Preserve a natureza.
Não destrua.
Ela faz parte de sua vida.

Lena Sacchetto

Quem nao trabalha pela preservaçao da natureza, e uma ameça para as geraçoes futuras.

Miral Pereira dos santos

O Criador faz a perfeição
Resta ao homem a preservação

Iara Schmegel

Por quê o mal toma conta do mundo?
-Porque a gente que é do bem não tá fazendo nada.
Preserve o que há de mais belo em você.
A natureza agradece.

Anna Soares

Se fala tanto em preservação, mas o ser humano não consegue tirar o dedo do gatilho contra a natureza

Jader Amadi

Feliz é aquele que é humilde e sábio o bastante para apreciar e preservar as coisas simples e belas que a natureza coloca no seu caminho todos os dias!

Odilon Euzébio

A natureza carrega em si mesma todas as marcas dos processos de renovação do amor de Deus pela criação, que acontece num ciclo infindável de misericórdia, vida, dádiva e graça. Quem consegue discernir este ciclo de cuidado, a preserva e respeita como fruto de gratidão.

Ana DAraújo

Quando chegamos aqui já encontramos a natureza pronta para nos servir, então não podemos destruir o que não pertence a nós, porque preservar faz parte da educação de cada um

Jader Amadi

Oração da natureza

Ivone Boechat

Senhor, no silêncio da alvorada,
venho pedir-te um favor:
que os homens,
respeitem meu ninho,
minha eterna morada,
dá-lhes um pouco mais de amor,
só um pouquinho,
Senhor,
quase nada.

Amanhecer 4ª.edição 2014 RJ

Ivone Boechat

Que é do amor a natureza, que por gentileza, haja e faça sua parte. Cuide e desfrute do que é nosso, Preservação ta no sangue irmãos.

Sabrine Figueredo

"Enquanto o Verde Existir"

A Natureza é minha
a natureza é sua,
a natureza é nossa!
Devemos preservar,
para não acabar
e o futuro continuar.

Jardins, florestas e reservas
não interessa?
O futuro há de acabar,
enquanto o ser humano não preservar,
Quando o ser humano irá se irá se importar?

O verde pelos prédios;
O verde pelos edifícios;
O verde pelas casas;
O verde pelas estradas.

Enquanto o verde existir,
vida haverá por aqui.
Quando o verde se acabar,
a vida se extinguirá.

Preserve, ame e trate!
Assim as maravilhas de Deus
prevalecerão enquanto o ser humano
se importar e o verde preservar.

Rickson Jordan

Ou você cuida da natureza ou ela fará a mesma coisa com você!

D. Mallmith

"Como podeis vós comprar ou vender o céu, o calor, a terra? A Idéia nos parece estranha.
Se nós possuímos a frescura do ar e os espelhamentos da água, de que maneira poderá V. Excia. comprá-los?
Cada pedaço desta terra é sagrado para meu povo. Cada espinho luminoso do pinheiro, cada rio areento, cada bruma nos bosques, cada clareira, cada zoeira de insetos é sagrado na lembrança e na vivência de meu povo. A seiva que corre nas árvores lembra meu povo.
Os mortos dos homens brancos esquecem onde nasceram, já que vão passear dentre as estrelas.
Nossos mortos jamais esquecem esta terra magnífica, pois, ela é a mãe do homem vermelho. Nós somos uma parte da terra e ela faz parte de nós. As flores perfumadas são nossas irmãs; o cervo, o cavalo, a grande águia, são nossos irmãos. As cristas rochosas, os aromas das pradarias, o calor de nossos cavalos e o homem – todos são da mesma família.
Assim, o Grande Chefe de Washington, mandando dizer que quer comprar nossa terra, ele está pedindo demais a nós. Manda o Grande Chefe dizer que nos reservará lugares onde poderemos viver, confortavelmente entre nós. Ele será nosso pai e, nós, seus filhos. Pensaremos, portanto, na vossa oferta de comprar nossa terra. Mas, não será fácil. Pois, esta terra, para nós, é sagrada.
A água cintilante que corre nos riachos e rios não é só água, mas também, o sangue de nossos ancestrais. Se nós vendermos a terra, vós direis a seus filhos que ela é sagrada e que, cada reflexo das águas claras dos lagos fala dos fatos e das lembranças dentro da vida de meu povo. O murmúrio da água é a voz do pai do meu pai.
Os rios são nossos irmãos. Eles saciam nossa sede. Os rios levam nossas canoas e nutrem nossos filhos. Se nós vendermos nossa terra, vós deveis vos lembrar e ensinar a seus filhos que os rios são nossos irmãos e os vossos, e vós deveis doravante dar aos rios a ternura que mostrais para um irmão.
Sabemos que o homem branco não entende de nossos costumes. Um pedaço de terra parece, a ele, o pedaço da terra vizinho, pois é um estranho que chega, às escuras, e se apossa da terra de que tem necessidade.
A terra não é sua irmã, mas sua inimiga, e uma vez conquistada, o homem branco vai mais longe. Ele abandona o jazigo de seus avós e isso não o aborrece. Ele tira a terra de seus filhos, e isso não o aborrece. O túmulo de seus avós e o patrimônio de seus filhos caem no esquecimento. Ele trata sua mãe, a terra, e seu irmão, o céu, como mercadorias de comprar, a pilhar, a vender como carneiros ou pérolas brilhantes. Seu apetite arrasará a terra e não deixará nela mais que um deserto.
Não sei, nossos costumes são diferentes dos vossos. As imagens de vossas cidades faz mal aos olhos do homem vermelho. Mas, talvez isso pode ser porque o homem vermelho é um selvagem e não entende.
Não há mais lugar calmo nas cidades do homem branco. Não há lugar para ouvir as folhas caindo na primavera, ou para ouvir a zoeira das asas de um inseto. Mas, talvez, isso pode ser porque sou um selvagem e não compreendo. A barulheira parece estourar os ouvidos. E que interesse tem-se em viver se o homem não pode ouvir o grito solitário do corvo noturno ou o coaxar das rãs ao redor de um acude, à noite? Eu sou vermelho, e não entendo. O Índio prefere o doce barulho do vento, lançando-se como uma flecha sobre o espelho de um lago, e o aroma do vento, dele mesmo, molhado pela chuva do dia, ou perfumado pelo pinheiro mando.
O ar é precioso ao homem vermelho, pois todas as coisas participam do mesmo sopro – o animal, a árvore, o homem, eles dividem, todos, o mesmo sopro. O homem branco parece não lembrar do ar que respira. Mas se nós vendermos nossa terra, vós deveis vos lembrar que o ar nos é precioso e que o ar dá seu espírito a todos que ele faz viver. O vento, que deu a nosso avô o primeiro fôlego, recebeu, também, seu último suspiro. E se nós vendermos nossa terra, vós deveis separá-la e a ter como sagrada, como um lugar onde até mesmo o homem branco poderá sentir o vento, adoçado pelas flores dos pinheiros.
Nós pensaremos, portanto, na vossa oferta de comprar nossas terras. Mas, se decidirmos aceitá-la, eu porei uma condição: o homem branco deve tratar os animais selvagens como irmãos.
Eu sou um selvagem e não conheço outra maneira de viver. Vi mais de mil bisontes apodrecendo nos campos, abandonados pelo homem branco, que os abateu de um trem que passava. Eu sou um selvagem que não compreende como o "cavalo de ferro", largando fumaça, pode ser mais importante que o bisonte que nós matamos só para viver.
O que é o homem sem os animais? Se todos os animais desaparecerem, o homem morrerá dentro de uma grande solidão. Assim, o que aconteceu com os animais, acontecerá, brevemente aos homens. Todas as coisas dependem uma das outras.
Vós deveis ensinar a seus filhos que o chão que eles pisam é feito das cinzas de nossos avós. Dizei a vossos filhos, para que eles respeitem a terra, que ela foi enriquecida pelas vidas de nossa raça. Ensinai a vossos filhos aquilo que ensinamos aos nossos: que a terra é nossa mãe. Tudo que acontecer a à terra, acontecerá aos filhos da terra. Se os homens cospem no chão eles cospem sobre eles mesmos. Ao menos, sabemos isto: a terra não é do homem; o homem pertence à terra. Isto, nós sabemos. Todas as coisas são como o sangue que une a mesma família. Todas as coisas são dependentes. Tudo aquilo que acontece à terra, acontece ao filho da terra. Não foi o homem que teceu a teia de sua vida; ele não passa de um fio dessa teia. Tudo o que ele fizer para essa teia, ele o faz para si mesmo.
Mesmo o homem branco, com quem Deus passeia e conversa como dois amigos em comuns, não pode fugir do destino comum. Depois de tudo, nós, talvez, sejamos irmãos. Veremos. Há uma coisa que sabemos, e que o homem branco descobrirá, talvez um dia: é que nosso Deus é o mesmo Deus. Podeis pensar, agora, em possuir a nossa terra como quereis; mas vós não podereis. É o Deus do homem, e sua piedade é igual para o homem vermelho e branco.
Esta terra lhe é preciosa, e danificá-la é acumular de desprezo seu Criador. Os brancos também desaparecerão; talvez mais cedo que todas as outras tribos. Contaminai vosso leito, e vós sereis sufocados, numa noite, nos vossos próprios detritos.
Morrendo, vós tereis um brilho esplendoroso, ardente, com a força do Deus que vos trouxe até esta terra e que, em virtude de qualquer propósito determinado, voz fez dominar esta terra e o homem vermelho. Esse destino é um mistério para nós, pois não entendemos porque os bisontes são massacrados, os cavalos selvagens são domados, os refúgios das florestas impregnam-se da fumaça de muitos homens, e a vista das colinas floridas manchadas pelos fios que por elas passam.
Onde estão as noites? Desaparecidas. Onde a águia? Desaparecida. O fim da vida é o início da sobrevivência."

(Tradução de Júlio Geraldo Andrade Arantes)

[Carta do Cacique Seatle ao presidente dos Estados Unidos, Franklin Pierce – 1854]

Cacique Seatle

Cuidar do livro também é um ato de amor, é pensar no próximo que irá utilizá-lo.

Sol Andrzejewski

Vociferou o ambientalista agastado: há horas em que gostaria de atear fogo em certos humanos. Logo penso no desperdício do palito de fósforo, e desisto.

Flávio Alberi Zahn

A água brota do chão, pura e sem contaminação
Corre, desce, molha a plantação
Continua sua estrada até chegar no ribeirão
Daí vai para o rio onde começa a lamentação.
Esgoto, entulho e veneno atingem seu coração
E na veia desse rio que era pra conduzir vida
Só conduz destruição.

Odilon Euzébio