Poesias Tradicionalistas Gaucha

Cerca de 342 poesias Tradicionalistas Gaucha

A Voz Do Silêncio

Paula Taitelbaum é uma poeta gaúcha que acaba de lançar seu segundo livro, Sem Vergonha, onde encontrei um poema com apenas dois versos que diz assim: "Pior do que uma voz que cala/É um silêncio que fala".

Simples. Rápido. E quanta força. Imediatamente me veio a cabeça situações em que o silêncio me disse verdades terríveis, pois você sabe, o silêncio não é dado a amenidades.

Um telefone mudo. Um e-mail que não chega. Um encontro onde nenhum dos dois abre a boca. Silêncios que falam sobre desinteresse, esquecimento, recusas. Quantas coisas são ditas na quietude, depois de uma discussão. O perdão não vem, nem um beijo, nem uma gargalhada para acabar com o clima de tensão. Só ele permanece imutável, o silêncio, a ante-sala do fim.

É mil vezes preferível uma voz que diga coisas que a gente não quer ouvir, pois ao menos as palavras que são ditas indicam uma tentativa de entendimento. Cordas vocais em funcionamento articulam argumentos, expõem suas queixas, jogam limpo. Já o silêncio arquiteta planos que não são compartilhados. Quando nada é dito, nada fica combinado.

Quantas vezes, numa discussão histérica, ouvimos um dos dois gritar: "diz alguma coisa, diz que não me ama mais, mas não fica aí parado me olhando". É o silêncio de um mandando más notícias para o desespero do outro.

É claro que há muitas situações em que o silêncio é bem-vindo. Para um cara que trabalha com uma britadeira na rua, o silêncio é um bálsamo. Para a professora de uma creche, o silêncio é um presente. Para os seguranças dos shows do Sepultura, o silêncio é uma megasena. Mesmo no amor, quando a relação é sólida e madura, o silêncio a dois não incomoda, pois é o silêncio da paz. O único silêncio que perturba é aquele que fala. E fala alto. É quando ninguém bate a nossa porta, não há recados na secretária eletrônica e mesmo assim você entende a mensagem.

Martha Medeiros

A mulher carioca

A gaúcha tem a fibra
A mineira o encanto tem
A baiana quando vibra
Tem isso tudo e o céu também
A capixaba bonita
É de dar água na boca
E a linda pernambucana
Ai meu Deus, que coisa louca
A mulher amazonense
Quando é boa é até demais
Mas a bela cearense
Não fica nada pra trás
A paulista tem a erva
Além das graças que tem
A nordestina conserva
Toda a vida e o querer-bem...

E a mulher carioca
O que é que ela tem?
Ela tem tanta coisa
Que nem sabe que tem

Ela tem um corpinho
Que mais ninguém tem
Ela faz um carinho
Melhor que ninguém
Ela tem passarinho
Que vai e que vem
Ela tem um jeitinho
De nhen-nhen-nhen-nhen

Ela tem, tem, tem...

Vinicius de Moraes

Aquela que você nunca será (Y)

mulher gaúcha. se Deus fez outra mais bonita que tu, talvez por ciúmes, não mostrou pra humanidade!
Orgulho de ser gaúcha colorada!

eu

Floripolitana de Coração

Gaúcha, nos pampas nascida
Um grande sonho acalentei
Morar numa ilha encantada
Cheia de bruxas e fadas.
Nessa terra cheia de graça
Onde se juntam todas as raças,
Minha ilha lança ao poente
O azul espelhado da lagoa,
O verde silêncio das montanhas,
O rumorejar de um mar azul
Que beija apaixonado a areia da
Minha ilha de renda poética.
Não importa se há sol ou chuva,
A mágica ilha é sempre azul,
Fica gravada na alma e
Quem aqui vem sempre vai voltar,
Para descobrir novos caminhos,
Novos destinos, pois
Esta magia nunca irá acabar.

sonia schmorantz

Tempestade gaúcha

Gotas errantes
imitam vanera
Caem dançantes
sem eira nem beira

Um vento criança
recorda sanfona
Fissura de dança
me vem logo à tona

Fábio Sexugi

Sou gaúcha! Uma prenda com orgulho! Guardo comigo, carinho e amor pelas minhas raízes.
Tenho sangue campeiro, coração apaixonado por esta cultura, com pouco me sinto feliz. Aquele chimarrão que esquenta a alma, uma longa troteada com o mais belo potro, um churrasco do tipo e pessoas boas para compartilhar os melhores risos.

Marjila Agostini

Por mais que sentisse, jamais disse do orgulho que eu
Tenho por ser gaúcha, pois estive mais preocupada em
Merecer de gaúcha ser lembrada até depois de morrer!
Guria da Poesia Gaúcha

Guria da Poesia Gaúcha

O último a adormecer apagou a noite,
O primeiro a amanhecer acendeu o dia!
Guria da Poesia Gaúcha

Guria da Poesia Gaúcha

EU NÃO QUIS

Todos os homens que tive, mas
Tive todos os homens que quis!
Guria da Poesia Gaúcha

Guria da Poesia Gaúcha

Fidelidade mais do que hombridade
Ou retidão, é o caráter do coração!
Guria da Poesia Gaúcha

Guria da Poesia Gaúcha

Amar é mais que cantar, é encantar,
É mais que envolver, é surpreender!
Guria da Poesia Gaúcha

Guria da Poesia Gaúcha

"Gosto de honrar a tradição,
Sou gaúcha e tenho orgulho desse chão.
Levo o Rio Grande Do Sul na alma e no coração."

Larissa Tomaschewski

Poesia Gaúcha

Ser tradicionalista

Ser tradicionalista é ser do
Rio Grande do Sul.
Ser tradicionalista é gosta das danças dos ctgs.
Ser tradicionalista é gosta de toma chimarrão e de
Comer churrasco.

Ser tradicionalista é gosta do grenal.
Ser tradicionalista é gosta de poesias, de musicas gaúcha.
Ser tradicionalista é gosta de cavalo e de rodeio.

Ser tradicionalista é gosta do enart.
Ser tradicionalista é gosta da semana farroupilha.
É esperar a chegada da chama crioula.
Ser tradicionalista é colocar uma pilcha
Bem gaúcha.

Ser tradicionalista é ter um
Campo pra fora.
Ser tradicionalista é ser
Gaúcha e gaúcho de verdade.
Ser tradicionalista é ter o coração na
Cores verde,vermelho e amarelo.
Ser tradicionalista é gostar de ir pra fora.

Ser tradicionalista é gosta do céu azul.
Ser tradicionalista é nascer nesse campo do nosso
Rio Grande tradicionalista gaúcho.

Roberta Freitas

Confesso que eu acordei triste, sem
Vontade para ligar o celular, ver TV
E até de te ver, e talvez seja por que
Hoje descobri que mais que cansada
Ou estressada estou é decepcionada,
Por ceder tudo e receber quase nada!
Guria da Poesia Gaúcha

Guria da Poesia Gaúcha

Na verdade, de que adianta ter a faca
E o queijo na mão quando não se tem
Mais um fio de vontade, de motivação?

Guria da Poesia Gaúcha

PASSARINHOU

Ela passarinhou, me disseram todos.
Que estranho, pensei comigo...
Teria cantado muito, voado alto,
Alcançado a liberdade ou quiçá
A fortaleza da sua fragilidade?

Ela passarinhou, insistiram todos,
E eu não compreendia.
Ela passarinhou porque exagerou no voo,
Migrou no clima, descobriu o bando
E a overdose.

Morreu assim:
Frágil,
Dependente,
Na gaiola do falso dourado,
Na prisão do livre entorpecente!

Guria da Poesia Gaúcha

Guria da Poesia Gaúcha

FELINA

Fitaste fundo e me derrubaste,
Com teu olhar de brilho derradeiro,
Aos poucos, eu caí no chão, e só
Então eu te enxerguei por inteiro.

Vi na queda teu imbatível orgulho,
Morto cavalo de batalhas,
Em que galopaste,
Sem freios

Olhei longe e avistei bem perto,
Os mortos e feridos que sangraste,
Para singrares mais forte,
Em outros reinos.

Só do chão percebi
A dimensão das tuas afiadas garras,
E o poder dos teus maléficos
E intrínsecos desejos

De querer despojar de mim,
Muito mais do que a vida e a alegria,
De querer arrancar, dar um fim,
Aos meus amigos, amor e energia.

Se tu queres mesmo acabar comigo,
Vem logo, me arrebata inteira,
Lambe tudo, escarne meus ossos e pele,
Sei que isso te faz faceira.

Se te peço mesmo que avances,
É por saber que não tens chance,
Podes vir, anda, estou bem calma,
Jamais tu terás acesso à minha alma!

Guria da Poesia Gaúcha

FLORES

Gosto delas!
Não me perguntes o porquê.
Talvez pelo milagre da semente virar em flor, a
Flor virar fruto, em alimento para o sustento ou
Talvez seja pela beleza que a viceja fugaz, mas
Em paz, capaz pra aguardar e guardar semente,
Sempre, de dar tempo em silêncio pro momento
Plantar com calma o amor no chão da alma, amor
Que cedo abre e arde se a paixão não vier tarde,
Que reverbera na flor a bela era da primavera, que
A aceita, ajeita, enfeita e com jeito colhe o cheiro,
Colore e recolhe um escolhido e divertido colorido
Pra seu vestido neste ciclo aparentemente finito, e
Que por pura analogia a semente em terno espírito
Eterno, igualaria, enquanto a floração, somente na
Roupinha da estação que vem, vai, sai, e pensando
Bem, também é por isto que amo sua lição de clara
E declarada visão de evolução, já que sabe viver tão
Intensamente, independente se for para sempre ou
Esmaecida for esquecida até em vida, se ficará muito
Ou pouco, já que igual se doa feito louco o espírito
Que vibra vida e fibra, que abraça a alma com calma,
Que à fonte do horizonte enraíza sua pureza, com a
Grandeza e nobreza de sua natureza na natureza, já
Que integra a beleza com a energia da magia nesta
Entrega de doação e de paixão, de humildade e de
Sabedoria na sua missão, total só vai morrer pra que
Novo botão possa florescer, e então sem que clame
E reclame, entende, atende e lindamente se rende,
Tão suave neste seu recolher para renascer quanto
Ao nascer, declinada na validade da vaidade da cor é
Verdade, mas ereta pela luz do amor como flor, que
Dignamente a floresce e fenece de pé, com fé, até
Cair, um outro ciclo existir, pra simplesmente virar em
Semente novamente, mas que naturalmente sempre,
Será sofisticamente simples, fortemente frágil, bonita
E evoluída pra aparentemente só mais uma finita vida!

Guria da Poesia Gaúcha

Guria da Poesia Gaúcha

Se dizem que uma poetisa sempre mais sente,
É justo pensar que no seu dia menos contente,
Ela esteja se sentindo mais infeliz do que a gente!

Guria da Poesia Gaúcha

OUTRO MUNDO POSSÍVEL

É possível, sim, se tu não fores omisso,
Se fizeres crível, ficará tangível e visível,
Se tu tentares trilhar o caminho do bem
Com que de melhor sabes, podes e tens,
Se tentares equilibrar a hora de brincar e
A de trabalhar, se fortificares a sabedoria
Da humildade e fragilizares a da vaidade,
Se ao invés de invejares tentares copiar,
Se tu tiveres coragem nas adversidades e
Não mentires e te omitires como covarde,
Se associares amar a doar, se priorizares
Ser a ter, se mais abrigares que obrigares,
Se mais tu agradeceres do que solicitares,
Se muito mais auxiliares do que criticares,
Se tu compartilhares mais do que ocultares,
Se preferires libertar a encarcerar e, ainda
Se observares que não há problema de pé,
Para quem tem um grande Deus na sua fé!
Guria da Poesia Gaúcha

Guria da Poesia Gaúcha