Poesias sobre Pássaros

Cerca de 1777 poesias sobre Pássaros

POEMINHA SENTIMENTAL

O meu amor, o meu amor, Maria
É como um fio telegráfico da estrada
Aonde vêm pousar as andorinhas...
De vez em quando chega uma
E canta
(Não sei se as andorinhas cantam, mas vá lá!)
Canta e vai-se embora
Outra, nem isso,
Mal chega, vai-se embora.
A última que passou
Limitou-se a fazer cocô
No meu pobre fio de vida!
No entanto, Maria, o meu amor é sempre o mesmo:
As andorinhas é que mudam.

Mario Quintana

Andorinha, andorinha lá fora esta cantando:
-Passei o dia a-toa, a-toa.
Andorinha minha canção é mais triste:
-Passei a vida a-toa, a-toa.´´

Manuel Bandeira

A coruja e a águia

Coruja e águia, depois de muita briga, resolveram fazer as pazes.
- Basta de guerra - disse a coruja. O mundo é tão grande, e tolice maior que o mundo é andarmos a comer os filhotes uma da outra.
- Perfeitamente - respondeu a águia. - Também eu não quero outra coisa.
- Nesse caso combinemos isso: de ora em diante não comerás nunca os meus filhotes.
- Muito bem. Mas como vou distinguir os teus filhotes?
- Coisa fácil. Sempre que encontrares uns borrachos lindos, bem feitinhos de corpo, alegres, cheio de uma graça especial que não existe em filhote de nenhuma outra ave, já sabes, são os meus.
- Está feito! - concluiu a águia.
Dias depois, andando à caça, a águia encontrou um ninho com três monstrengos dentro, que piavam de bico muito aberto.
- Horríveis bichos! - disse ela. Vê-se logo que não são os filhos da coruja.
E comeu-os.
Mas eram os filhos da coruja. Ao regressar à toca a triste mãe chorou amargamente o desastre e foi justar contas com a rainha das aves.
- Quê? - disse esta, admirada. Eram teus filhos aqueles monstreguinhos? Pois, olha, não se pareciam nada com o retrato que deles me fizeste...

MORAL:
Quem o feio ama, bonito lhe parece.

Esopo

Chega um momento
em que somos aves na noite,
pura plumagem, dormindo de pé,
com a cabeça encolhida.
O que tanto zelamos
na fileira dos dias,
o que tanto brigamos
para guardar, de repente
não presta mais: jornais, retratos,
poemas, posteridade.
Minha bagagem
é a roupa do corpo.

Fabrício Carpinejar

O homem vangloria-se de ter imitado o vôo das aves com uma complicação técnica que elas dispensam.

Carlos Drummond de Andrade

A descoberta

Seguimos nosso caminho por este mar de longo
Até a oitava da Páscoa
Topamos aves
E houvemos vista de terra
os selvagens
Mostraram-lhes uma galinha
Quase haviam medo dela
E não queriam por a mão
E depois a tomaram como espantados
primeiro chá
Depois de dançarem
Diogo Dias
Fez o salto real
as meninas da gare
Eram três ou quatro moças bem moças e bem gentis
Com cabelos mui pretos pelas espáduas
E suas vergonhas tão altas e tão saradinhas
Que de nós as muito bem olharmos
Não tínhamos nenhuma vergonha.

Oswald de Andrade

Acredito que os filósofos voam como as águias e não como pássaros pretos. É bem verdade que as águias, por serem raras, oferecem pouca chance de serem vistas e muito menos de serem ouvidas, e os pássaros pretos, que voam em bando, param em todos os cantos enchendo o céu de gritos e rumores, tirando o sossego do mundo.

Galileu Galilei

O penhasco da águia

Por detrás do vidro do terrário
os répteis
estranhamente imóveis.

Uma mulher pendura roupa
em silêncio.
a morte é uma calmaria.

Pelo fundo da terra
a minha alma escorrega
silenciosa como um cometa.

Tomas Tranströmer

Nova Canção do Exílio


Minha amada tem palmeiras
Onde cantam passarinhos
e as aves que ali gorjeiam
em seus seios fazem ninhos
Ao brincarmos sós à noite
nem me dou conta de mim:
seu corpo branco na noite
luze mais do que o jasmim
Minha amada tem palmeiras
tem regatos tem cascata
e as aves que ali gorjeiam
são como flautas de prata
Não permita Deus que eu viva
perdido noutros caminhos
sem gozar das alegrias
que se escondem em seus carinhos
sem me perder nas palmeiras
onde cantam os passarinhos

Ferreira Gullar

Há um grande vento frio cavalgando as ondas,mas o céu está limpo e o sol muito claro.Duas aves dançam sobre as espumas assanhadas. As cigarras não cantam mais. Talvez tenha acabado o verão.

Rubem Braga

Canção do exílio


Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar –sozinho, à noite–
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que disfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Gonçalves Dias

Chamar a Si Todo o Céu com um Sorriso

que o meu coração esteja sempre aberto às pequenas
aves que são os segredos da vida
o que quer que cantem é melhor do que conhecer
e se os homens não as ouvem estão velhos

que o meu pensamento caminhe pelo faminto
e destemido e sedento e servil
e mesmo que seja domingo que eu me engane
pois sempre que os homens têm razão não são jovens

e que eu não faça nada de útil
e te ame muito mais do que verdadeiramente
nunca houve ninguém tão louco que não conseguisse
chamar a si todo o céu com um sorriso

E. E. Cummings

Há quatro coisas misteriosas que eu não consigo entender:
A águia voando no céu;
A cobra se arrastando nas pedras;
O navio que encontra seu caminho no mar;
E o amor entre um homem e uma mulher.

Salomão

Quem é Você? Águia ou Galinha?
A águia é uma ave que chaga a viver até 70 anos. Mas para chegar a essa idade, ela tem de tomar uma séria e difícil decisão por volta dos 40 anos. Nessa idade ela está com as unhas compridas e flexiveis, não conseguindo mais caçar suas presas para se alimentar: seu bico alongado e pontiagudo já está curvo; suas asas estão apontando contra seu peito, envelhecidas e pesadas em função da grossura das penas e voar já esta se tornando um tarefa difícil. Então a águia só tem duas alternativas: morrer ou enfrentar um doloroso processo de renovação que irá durar 150 dias. Essa etapa consiste em voar para o alto de uma montanha e recolher-se em um ninho proxímo a um paredão, onde ela não necessite voar. Após encontrar esse lugar a águia começa a bater com o bico contra a rocha até conseguir arrancá-lo. Depois de arrancá-lo, espera nascer um novo bico, com o qual vai depois arrancar suas unhas. Quando as novas unhas começãm a nascer, ela passa a arrancar as velhas penas e somente depois de cinco meses ela sai para seu famoso vôo de renovação. E poderá viver, então, por mais 30 anos.
E nossas vidas, muitas vezes termos de nos resguardar por algum tempo e começar um processo de renovação. Para que continuemos a voar um vôo de vitórias, devemos nos desprender de lembranças, costumes e outras tradições que nos causaram dôr. Somemnte quando livramos do peso do passado é que podemos aproveitar o resultado valioso que uma auto-renovação sempre traz.

Jorge Linhares

A Águia é uma ave que possui a maior longevidade da espécie.Chega a viver cerca de 70 anos,porém,para chegar a essa idade,aos 40 anos ela precisa tomar uma séria e dificil decisão.Aos 40 anos,suas unhas estão compridas e flexíveis,e já não conseguem mais agarrar as presas,das quais se alimenta.O bico alongado e pontiagudo,se curva.Apontando contra o peito estão as asas envelhecidas e pesadas,em função da grossura das penas,voar aos 40 anos já é bem difícil.Nesta situação,a Águia só tem duas alternativas:deixar ou enfrentar um dolorido processo de renovação que irá durar 150 dias.
Este processo consiste em voar para o alto de uma montanha e lá reconhecer-se,em um ninho que esteja próximo a um paredão.Um lugar onde,para retornar,ela necessite dar um vôo firme e pleno.
Ao encontar este lugar,a Águia começa a bater o bico contra a parede até arrancá-lo,enfrentando corajosamente a dor que esta atitude acarreta.Espera nascer outro bico,com o qual irá arrancar suas velhas unhas.Com as novas unhas começa a arrancar as velhas penas.
Após cinco meses,"renascida",sai para o famoso vôo de renovação,para viver então mais trinta anos.

Muitas vezes, em nossas vidas,temos que nos resguardar por um tempo e começar um processo de renovação.Devemos nos desprender das (más) lembranças(maus costumes) e outras situações que nos causam disabores,para que não continuem a voar.Somente quando livres do passado,podemos aproveitar o resultado valioso que uam renovação sempre traz.Um vôo de vitória.
Destrua o bico do ressentimento,arranque as unhas do medo e retire as penas de suas asas dos maus costumes e alcance um lindo vôo para uma vida nova!!!!

Desconhecido

Bem-te-vi, Uirapuru, Pardal.
Aves. Sempre belas aves. Emitem sons puros e calmos.
No verde do mato, no laranja do sol, no azul do céu, no puro do ar. Tudo me lembra um lugar.
Um lugar onde tudo pode haver, onde posso ser.
Com todas as forças, ser EU MESMA!

PCAR - 1991

Priscilla de Carvalho Avelaira Rosa

A função do pica-pau é fazer buracos e da abelha é picar
quando ameaçada; não seja nem um nem outro quando estiver na função de se tornar um homem hostil e grosseiro.

Helgir Girodo

Quando 18 anos completados forem
Jacob voará com a Águia contra o Leão
para aniquilá-lo
mas o Dragão acolherá o Leão sob suas asas
e Jacob, com a Águia, se afastará

Augusto Branco

Novamente a águia queima querendo chegar às estrelas
Ícaros despencam do céu em cinzas
Um sacrifício em favor da Luz
A odisséia conhece mais um triste capítulo
Frida precisa ser louvada

04/11/2010

Augusto Branco

Se uma águia fende os ares e arrebata
esse que é forma pura e que é suspiro
de terrenas delícias combinadas;
e se essa forma pura, degradando-se,
mais perfeita se eleva, pois atinge
a tortura do embate, no arremate
de uma exaustão suavíssima, tributo
com que se paga o vôo mais cortante;
se, por amor de uma ave, ei-la recusa
o pasto natural aberto aos homens,
e pela via hermética e defesa
vai demandando o cândido alimento
que a alma faminta implora até o extremo;
se esses raptos terríveis se repetem
já nos campos e já pelas noturnas
portas de pérola dúbia das boates;
e se há no beijo estéril um soluço
esquivo e refolhado, cinza em núpcias,
e tudo é triste sob o céu flamante
(que o pecado cristão, ora jungido
ao mistério pagão, mais o alanceia),
baixemos nossos olhos ao desígnio
da natureza ambígua e reticente:
ela tece, dobrando-lhe o amargor,
outra forma de amar no acerbo amor.

Carlos Drummond de Andrade