Poemas Sombrios

Cerca de 89 poemas Sombrios

Eu vivo em tempos sombrios.
Uma linguagem sem malícia é sinal de
estupidez,
uma testa sem rugas é sinal de indiferença.
Aquele que ainda ri é porque ainda não
recebeu a terrível notícia.

Que tempos são esses, quando
falar sobre flores é quase um crime.
Pois significa silenciar sobre tanta injustiça?
Aquele que cruza tranqüilamente a rua
já está então inacessível aos amigos
que se encontram necessitados?

É verdade: eu ainda ganho o bastante para viver.
Mas acreditem: é por acaso. Nado do que eu faço
Dá-me o direito de comer quando eu tenho fome.
Por acaso estou sendo poupado.
(Se a minha sorte me deixa estou perdido!)

Dizem-me: come e bebe!
Fica feliz por teres o que tens!
Mas como é que posso comer e beber,
se a comida que eu como, eu tiro de quem tem fome?
se o copo de água que eu bebo, faz falta a
quem tem sede?
Mas apesar disso, eu continuo comendo e bebendo.

Bertolt Brecht

“O Meu Destino”


Vivo de inquietações…
De sombrios desejos…
As minhas ambições,
andam traduzidas
nos rúbidos lampejos,
dos meus olhos em fogo!

Não cedem à agonia do meu rogo…
Andam fugindo ao meu destino.
Nem sentem os meus nervos estalar!
E os meus braços desgarrados
procuram em desatino –
sem nada encontrar!

Rasgo nas mãos doloridas,
escorrendo de luar,
as sombras espavoridas
que me ensombram o olhar!

Anda a loucura a desgrenhar-me –
o corpo e o pensamento…
As minhas horas, vão escurecendo
no destrambelho dos meus cuidados…
E eu vou andando
vagarosamente
os olhos roxos de sombra,
amargurados
demandando
tristemente,
o caminho,
do negro labirinto,
onde se perdem
os alucinados!

Julho – Sol-Posto
1922

Judith Teixeira

MESMO NAS NOITES EM CLARO... OU TALVEZ NOS DIAS SOMBRIOS,
DIAS DE INTENSO CALOR... OU ENTÃO CHUVOSOS E FRIOS... A AMIZADE É O BRASÃO QUE HÁ DE PREVALECER, MESMO DURANTE A ESCURIDÃO, AINDA QUE CUSTE A AMANHECER.

VOCÊ É UM ELO DA CORRENTE, E EU SOU O ELO AO SEU LADO. UM ELO SAUDÁVEL E DOENTE, UM ELO FIRME E QUEBRADO. MAS MEU LUGAR ESTÁ GUARDADO, NÃO PODE SER DESTÍTUIDO. E SE UM DIA EU FOR LEMBRADO... É POR QUE UM DIA EU FUI ESQUECIDO.

E É ESSE O APELO QUE EU FAÇO PARA VOCÊ: NUNCA ESQUEÇA DESSE ELO, POR QUE EU JAMAIS VOU ESQUECER

Samir Querino

SONHE SEMPRE


Tenha sempre um sonho, e tente esquecer os dias nublados e sombrios,
mas não se esqueça nunca das horas de sol, nem das tuas noites de estrelas...
Esqueça os momentos em que houve derrotas, mas nunca se esqueça das batalhas
que já tenha ganho...

Esqueça os erros que não pode evitar, mas não se esqueça das lições que
tenha aprendido com eles, e nem o que eles possam ter lhe ensinado...
Esqueça os dias em que a tristeza lhe tenha batido em sua porta, mas nunca se
esqueça dos sorrisos que tenha encontrado, e nem daqueles que ainda encontrará...

Esqueça os planos que lhe falharam, porém jamais deixe de sonhar...

SONHE E SEJA FELIZ

Desconhecido

Prefiro andar pelos vales sombrios junto aos lobos, do que em campos floridos ao lado de falsos cordeiros.

Felipe Melliary

Sussurros sombrios ditam o tempo...
Ecos dilacerantes perdidos no vento.
Pranto da alma encarcerada em matéria oca!

Christinny Olivier

Tenho tido momentos sombrios, noites em claro, e pensamentos confusos. Há dificuldade em se decifrar sentimentos e emoções que nos fazem se sentir assim, tristes, e com um pequena dose de melancolia. Às vezes precisamos de um tempo sozinhos, para entendermos o que se passa conosco

Tumblr

As vezes em nossa vida os dias são sombrios e chuvosos,
mas esses dias tem um proposito...regar nossos sonhos

Don Diego

Um anjo em minha vida

Noite escura, alma oprimida,
Sombrios pensamentos que me paralisam,
Névoas de incertezas, de cogitos,
Penumbra dos sentimentos ocultos,
Ninguém vê, ninguém sabe,
Ninguém se importa.
Gritos de dor,
Gritos que somente o coração ouve,
Corre alma vazia,
Se deslize pelos lugares escorregadios,
Procure guarida, ache repouso,
Mas não há refrigério,
Resto de esperança, lançados no mar.
Pra onde ir?
Que rumo tomar?
Questiona minha alma sem sossego;
Somente há um lugar, um oásis em tão grande caos,
Uma alma gentil, anjo disfarçado de gente,
Gente próximo do divino,
Coração dócil, alma quente,
Palavras mágicas,
Silêncio que tanto me fala,
Abraço sublime,
Menina, mulher, anjo,
Que ilumina a noite escura,
Desta alma cativa.

dio

Paladino de cristal


Anjos plantaram a semente da esperança
Longos dias se foram, sombrios e profundos
Gerando uma criatura reluzente, ingênua e mansa
Da utopia do sol nascente concebem-se dois mundos


Formoso tal qual o jardim de Órion
Insigne como a constelação invisível
Imponente como o pedestal de Hipérion
Égide como o Olimpo indivisível


No altar da magnificência, fadas bradam sem cessar
Que o santuário da perfeição está para nascer
Curvando-se todas as criaturas da Terra e do mar
Se regozijam com a chegada do príncipe do amanhecer


Uma gota de sangue escorre pelas estrelas do firmamento
Um grande arco dourado substitui a lua
A luminescência gélida cobre o astro rei


Com os pés descalços sobre a terra, dá ordens ao vento
E mudando as estações, a primavera recua
Gerando e concebendo um novo tempo, que solitariamente erguei

Pablo de Paula Bravin

VIOLÃO DE TAÇAS
de: Eduardo Pinter

O ventos sombrios da mente calada
Acorda com vontade de se esconder
Inspira a morte numa angústia abafada
Mais puro que o frio não há como morrer
Mais impuro e divino também não há como viver

As questões se vão como se vão as questões
Pr’algum lugar onde desvendas a incompreensão
Pode-se fugir do inverno mas, não das estações
Pode-se ignorar a alma mas, não o coração
Não me é estranha esta sensação

Acordar num silêncio vazio entre esta multidão
Me faz pensar no que penso noturnamente
Afogar-se num violão com taças e uma canção
E se trancar na noite em meu próprio refúgio
Talvez convidar amigos e descobrir que não sou o único

23 Ago 2013
Eduardo Pinter

Poemas e Poesias Catarinenses - Face

saiam daqui sentimentos sombrios,
saiam daqui sentimentos obscuros,
saiam de mim sentimentos...
seja eles qual for
não suporto sentir felicidades
enquanto tenho motivos pra chorar,
não suporto sentir motivos pra chorar,
enquanto tenho oportunidade de sorrir..
por isso me disfarço de todos vcs saiam!!!
por bem ou por mal,
pois nunca vi uma alma morta sentir..
pois nunca vi uma alma morta chorar...
pois nunca vi uma alma morta sorrir...
lhes dou a oportunidade de sair,
ou saiam por bem ou sairão por mal..
pois uma alma morta não sente, e isso oque seremos se não saírem de mim.
d.m.n.s.c

debora canibal

Nos cantos sombrios ,mas sem dor,
vou vivendo esse amor que não posso ter!
se é destino não sei,mas um dia eu amei!
e isso em mim ficou... resta somento a saudade que o tempo não apagou!

hanaramos

Alguns desejos e nada mais.

Que eu jamais me perca nos becos sombrios da falsidade. Que sempre aja luz refletindo amor nos meus olhos.

Que eu consiga dançar e cantar com alegria, até mesmo, quando faltar melodia. E mesmo que, os passos não sejam perfeitos, façam alguém sorrir.

Que a paz me acompanhe desde a alvorada até o crepúsculo do fim do dia. E que à noite a lua vestida com teu manto perfeito, me banhe com a tua luz reluzente.

Que os sonhos sejam afetuosos e me leve para lugares apaixonantes como Veneza, Paris, Amsterdam... , ou, quem sabe um jardim bem perto, onde eu possa respirar a magia insigne do amor.

Que a realidade seja melhor do que os sonhos e, a dor jamais habite o meu lar. E se habitar, que o amor em família seja suficiente para curar qualquer sofrimento.

Luzia Medeiros

Coloridos e Sombrios
os Labirintos da Alma,
onde me perco,
me agito,
me desvanesso e reflito,
me acho
e encontro a calma..."

Andreia Souza

DEVANEIOS FRIOS

Entrego-me a devaneios frios!
Tão sombrios...
Turbilhão de paixão e ódio
E em espaços vazios,
A dor sentida desta solidão!
Queria eu estar vestida de ouro
E, no entanto, estou aqui tão só!
E ter você agora, meu maior tesouro,
Do que ter meu sonho
Se transformado em pó!

Siomara Reis Teixeira

14-Mar de devaneios

Em momentos de devaneios sombrios
Tenho navegado pelo mar da incompreensão
Na vã tentativa da fuga de meus apelos por ti
Bailando com a morte a cada ato dos nossos desencontros.

Não por opção, mas pelo fardo,
Da absurda arte do suplício.
É incrível que,
Mesmo com você ofuscando as estrelas com seu brilho
Eu ainda continue nas trevas do seu descaso.

Como em tempos idos, existe a chance
De navegarmos por águas tranqüilas
Sob a luz de uma lua em festa
E de estrelas trocando de cores, pela felicidade tua.

Basta você segurar minha mão
E confiar nesses meus sentimentos
Que insistem em lhe proteger de falsas promessas.
E sorrindo, venha me alimentar de vida com seus beijos.

Meus caminhos reencontrados na luz do teu brilho
Minha vida devolvida no calor do teu corpo
Súplicas de quero mais você...Te amo.

Sergio Zamproni

O fim

Tenho andado por vales sombrios onde a luz do luar raramente se apresenta... através figuras medonhas formadas pelos galhos das arvores da densa floresta.
Sinto-me em um vazio constante, mergulhado em um lago gelado revolto de névoas. Minha alma perdida sob a densa camada de gelo que recobre o lago da mata faz-me clamar a piedade do amor da bela dama que um dia esse coração habitou.
Por mais que eu tente lembrar e reparar o erro cometido, menos sei o que fazer... O que me resta nesta longa noite de inverno é tentar me aquecer com o pouco da chama do amor que ainda inflama meu ser, antes de meu corpo se perder na névoa.
Talvez se acordares antes de meu pulso parar remova o gelo que me cobre, beije-me, abrace-me calorosamente e tente me aquecer, mas se a morte para mim chegar, lembre-se apenas que eu te amei.

Jean Bizarro

HETEROGÊNEA PARTILHA



Alicerces que nada dizem.
Sombrios, frios e mortos
Cenário cotidiano,
Metrópole de investimentos.

Aglomerados de madeira e pedra,
Brusca floresta petrificada.
Edificações de contraste inerte
Presa na monotonia.

Encobrindo divisas humanas,
Esperam substituição de figuração
Arquitetura moderna, arrojada.
Na arrogância de representar.

Compõem a paisagem da cidade,
Amontoados de um mesmo afim.
Préstimo indispensável
Que o tempo desgasta.

São compostos de concreto e carne,
Respondendo à necessidade humana.
Um teto, um habitat,
Heterogênea partilha.

Iara Ladvig Budelon

Olhos sombrios
Olhos tristes
Notei movimentos parados
Pensamento no infinito
Já estavas partindo
Olhos sombrios
Olhos tristes
Será que foi um aviso?
Olhos sombrios
Olhos tristes
Eu senti... substimei....
Perdi você!!
TU é CArinho!

Yonne Moreno