Poemas Nordestinos

Cerca de 161 poemas Nordestinos

Sertão, argúem te cantô,
Eu sempre tenho cantado
E ainda cantando tô,
Pruquê, meu torrão amado,
Munto te prezo, te quero
E vejo qui os teus mistéro
Ninguém sabe decifrá.
A tua beleza é tanta,
Qui o poeta canta, canta,
E inda fica o qui cantá.

(De EU E O SERTÃO - Cante lá que eu canto Cá - Filosofia de um trovador nordestino - Ed.Vozes, Petrópolis, 1982)

Patativa do Assaré

Há dor que mata a pessoa
Sem dó nem piedade.
Porém não há dor que doa
Como a dor de uma saudade.

Patativa do Assaré

Eu sou de uma terra que o povo padece
Mas não esmorece e procura vencer.
Da terra querida, que a linda cabocla
De riso na boca zomba no sofrer
Não nego meu sangue, não nego meu nome
Olho para a fome, pergunto o que há?
Eu sou brasileiro, filho do Nordeste,
Sou cabra da Peste, sou do Ceará.

Patativa do Assaré

Meus versos é como semente
Que nasce arriba do chão;
Não tenho estudo nem arte,
A minha rima faz parte
Das obras da criação

Patativa do Assaré

Saudade dentro do peito
É qual fogo de monturo
Por fora tudo perfeito,
Por dentro fazendo furo.

Há dor que mata a pessoa
Sem dó e sem piedade,
Porém não há dor que doa
Como a dor de uma saudade.

Saudade é um aperreio
Pra quem na vida gozou,
É um grande saco cheio
Daquilo que já passou.

Saudade é canto magoado
No coração de quem sente
É como a voz do passado
Ecoando no presente

Patativa do Assaré

Ela disse assim (A teus pés)

Ela disse assim
É porque é
É porque é
Não há desespero em vão

Se ela quer voar
É porque tem assas
É porque tem asas
Não não não
Quando a gente voa
Distante e só
Tão distante e só
O sol não vem e a luz que cai
Nunca mais voltou
Nunca mais voltou
Não não não

cordel do fogo encantado

Você endoideceu meu coração

Você endoideceu meu coração,Endoideceu
E agora o que é que eu faço sem o teu amor
Agora o que é que eu faço sem o beijo teu
Eu nem pensei já tava te amando
Meu corpo derretia de paixão
Queria tá contigo a todo instante
Te abraçando, te beijando
Te afagando de emoção
Ficar na tua vida eu quero muito
Grudar pra nunca mais eu te perder
Você é como água de cacimba
Limpa, doce e saborosa
Todo mundo quer beber

Nando Cordel

O poeta pena quando cai o pano
E o pano cai
Acordes em oferta, cordel em promoção
A Prosa presa em papel de bala
Música rara em liquidação

Fernando Anitelli

Estou de volta pro meu aconchego
Trazendo na mala bastante saudade
Querendo
Um sorriso sincero, um abraço,
Para aliviar meu cansaço
E toda essa minha vontade
Que bom,
Poder tá contigo de novo,
Roçando o teu corpo e beijando você,
Prá mim tu és a estrela mais linda
Seus olhos me prendem, fascinam,
A paz que eu gosto de ter.
É duro, ficar sem você
Vez em quando
Parece que falta um pedaço de mim
Me alegro na hora de regressar
Parece que eu vou mergulhar
Na felicidade sem fim

Dominguinhos - Nando Cordel

"Sertão é onde o pensamento da gente se forma mais forte do que o lugar. Viver é muito perigoso..."

Guimarães Rosa

- O Amor é Filme - Cordel do fogo encantado

O amor é filme..
eu sei pelo cheiro de menta e pipoca que dá quando a
gente ama
eu sei por que sei muito bem como a cor da manhã fica

dá felicidade, dá dúvida, dor de barriga
é drama, aventura, mentira, comedia romântica

um belo dia a gente acorda e hummmm...
o filme passou por a gente
e parece que já se anunciou o episódio dois

é quando a gente sente o amor se aboletar na gente
tudo acabou bem, agora é o que vem depois

o amor é filme
eu sei pelo cheiro de menta e pipoca que dá quando a
gente ama
eu sei por que sei muito bem como a cor da manhã fica

dá felicidade, dá dúvida, dor de barriga
é drama, aventura, mentira,
comedia romântica

é quando as emoções viram luz
e sombras e sons, movimentos
e o mundo todo vira nós dois, dois corações bandidos

enquanto uma canção de amor persegue o sentimento
o zoom-in dá ré e sobem os créditos..

O amor é filme e Deus espectador!

Lirinha

Simplesmente Sertão...

Ser tão belo,
Ser tão maravilhoso,
Ser tão grande,
Ser tão gostoso.

Ser tão meu,
Ser tão seu,
Ser tão dela,
Ser tão fera.

Ser tão cruel,
Ser tão distante,
Ser tão gigante.

Ser tão calado,
Ser tão apaixonado,
Ser tão... Simplesmente sertão!

Leandro Flores
26/09/13

Leandro Flores

Sonhar: dar cor a vida


Os sonhos são a sede da alma. Uma alma sem sonhos é como um sertão sem água. A vida ganha sentindo a partir do momento que se tem um "alvo" a ser atingido.
Atingi-lo é uma tarefa que depende única e exclusivamente de quem tenta lançar a flecha. A cada alvo acertado, outro surgirá para ser focado.

O primeiro passo para a realização de uma meta é acreditar, ouvir a voz de dentro do nosso ser e mergulhar com profundidade no que almejamos. Para isso, é preciso estar livre do que leva a prisão mental, assumir a liberdade de escolha, sem permitir influência dos "ladrões de sonhos". Autoconfiança é a palavra chave para alimentar a chama interior, o que é superior a qualquer energia negativa de baixo calão. Correr riscos, enfrentar desafios, superar obstáculos são essenciais para quem deseja uma oportunidade.

Somos um imã que atraímos o que pensamos, tudo que nos acontece são frutos dos nossos pensamentos. Portanto, deixar que nossas ideias se desenvolvam e sejam compartilhadas, abre espaço para novos acontecimentos e transformações de sonhos que passam de individual para coletivo, ampliando a possibilidade da conquista. Exemplo disso, é a evolução do papel feminino na sociedade, assim como de afro-descendentes, o que era antes censurado, vê-se hoje livre. A perseverança é o que mantem um sonho vivo.
Dar vida a um sonho é também permitir-se viver. Tornar o impossível o possível de acontecer. Não importa onde paramos, se erramos ou acertamos. Nunca é tarde para recomeçar, para voltar e mais uma vez tentar. Sonhemos então! Vivamos então! Até chegar o momento de olharmos a linha do tempo e dizermos: valeu à pena!

Sâmara Santana Câmara

Eu sou é eu mesmo. Diverjo de todo o mundo…
Eu quase que nada não sei. Mas desconfio de muita coisa.”

Guimarães Rosa in Grande Sertão Veredas

...Faz pena o nortista, tão forte e tão bravo, morrer como escravo no NORTE do SUL.

Patativa do Assaré

Patativa do Assaré

Dentre o cultivo de terras
surge o poeta do Ceará
de seus envolventes repentes
o maravilhoso desafio do improviso
o casamento da poesia e da música
o delicioso canto de criação de versos.

Ó ave Patativa
que beleza de canto, de poesia
de fineza, de melodia
de uma oralidade marcante
cheia de significações e sensações.

Entre a voz e a entonação
as pausas
entre o ritmo e o pigarro
a expressão
com perfeição sua ironia, veemência e hesitação.

De sonetos clássicos
à décima e a sextilha nordestina
ora linguagem culta
ora linguagem do dia a dia
emerge a poesia matuta.

Antônio Gonçalves da Silva
agricultor, improvisador
compositor, cantor
poeta popular
nossa ave brasileira.

Danielli Rodrigues

Peste, fome e guerra, morte e amor, a vida de Tereza Batista é uma história de cordel.

Jorge Amado

Cordel - Lampião na casa de massagem

Lampião rei do cangaço, matador um cabra macho, cansou-se de Maria e foi a vida aproveitar..

Foi na casa de massagem onde não tem mulé direita, enrabichou-se com uma sujeita e quase num sai de lá..

A tal sujeita é Juliana, menina boa de cama que pegou Lampião de um jeito e não queria mais largar..

Juliana só falava: "Hoje eu te mato seu cabra", Lampião pulou ligeiro pra arredar o pé de lá..

Amirou sua espingarda e começou a prosear: "aqui sou rei do cangaço e só eu posso matar"..

Deu dois tiro em Juliana vestiu a roupa e saiu, amontou no primeiro jegue que viu e começou a pensar..

Nesta terra sou o cão, já matei pra mais de mil e não vai ser essa menina com uma chave de pipiu que vai um dia me matar.

Fellipe Maia

MEUS VERSOS DE CORDEL.

Se alguém está pensando
Que vai me intimidar;
Que me jogar indireta;
Vai me fazer recuar;
Está muito enganado;
Vai ser um espatifado;
Impossível de juntar.

Nunca temi cara feia;
Muito menos potentado;
Pois conheço os meus direitos
Dentro e fora do Estado;
E se alguém duvidar;
É só me azucrinar;
Que eu mostro o resultado.

Isto não é ameaça;
Quem ameaça é bandido;
É apenas um aviso;
Se me sentir em perigo;
Dentro da legalidade;
Mostro pra sociedade;
Quem da justiça é inimigo.

Vou agora pro meu quarto;
Tá na hora de dormir;
Trabalhei o dia inteiro;
A minha parte cumpri;
Para os amigos um abraço;
Tô morrendo de cansaço;
Nos vemos amanhã aqui.

BY Sol Lima.

Sol Lima- Acrelândia

Cordel: Mãe de Famia

Numa casa na cidade
Ou num barraco no arraiá
Vai ter sempre uma mamãezinha
Preucupada com o lar

Tempo frio ou calorzão
Dona de casa, mãe de famia
Sempre em frente dum fogão
Ou distrais de uma pia

Amamenta as suas crias
Não deixa faltar o pão
Todo dia põe na mesa
Leite quente e requeijão

De avental é uma modelo
De colher, uma guerreira
Põe a força na vassoura
E o resto na geladeira

Madrinha, vovó, cumadre
Gestande, senhora, rainha
Maria, Conseição, Dona Ana
Mãe de famia, mulher, mainha

Neste 2° domingo de maio
Te homenageio de coração
Oh mamãe do sudoeste baiano
Nós te amamos de montão

Janilson Gomes Rocha