Poema Menino

Cerca de 926 poema Menino

"Dizem que para ser menino é uma questão de nascimento, ser um homem é uma questão de idade...Mas ser um cavalheiro é uma questão de escolha."

☆Haredita Angel

Haredita Angel

Adulto?

Cadê aquele menino,
Aquele que estava aqui,
Dentro de mim, há pouco?

Francismar Prestes Leal

Menino que cresce e merece a sonhar ,Espada que lança seu peito furar.
Namoro com o tempo vem algo a desejar.
Saudade cortantes,veste semelhante, vale apena a amar!

LAPYERRE---(MOISES DA SILVA )

“” Meta é juízo no lugar da emoção
É loucura recheada de razão
Redefinição caótica
Oficina de idéias

É solução mágica
Magnífico acordo
Ante fina casta jovial
Predisposto nupcial

Marca passos e não conta a ida
Mas se perde na lida
Absurda de ser quem é
Em noite enluarada.

Meta é atino
Do desatino
É sonho
De menino grande...””

Oscar de Jesus Klemz

Natal do Menino Jesus !
Há mais de 2000 anos uma forte luz brilhou no céu em forma de estrela dissolveu as trevas que pairavam sobre a Terra anunciando o nascimento do Salvador. Natal é uma data para refletir e analisar o verdadeiro significado de nossas vidas,Jesus nasceu trazendo esperança para a humanidade.
Deixe a luz do Menino Jesus brilhar em seu coração e sua vida será iluminada por toda eternidade.
FELIZ NATAL

Prof Lourdes Duarte

Ternura De Um Menino

Esse coração...
tão sensível e apaixonado!
Fez de você meu amigo.
Vejo em seus olhos,
a ternura de um menino.
Que corre em campos de flores.
Nem parece um soldado...
Que carrega nas mãos,
armas de fogo.
Para defender seu país e a sua vida.
Mas o mal...
Não chegará a você!
Pois tem ainda hoje...
Um coração doce e leve.
Não deseja ver ninguém morrer.
E nessa batalha,
que trava para sobreviver!
Eu que estou longe...
Rezo.
Oro...
Para Deus te proteger!

Dayse Sene

"TERRAS CATARINAS"

Lembro dos campos nevados
das poças congeladas
que meus pés de menino
insistiam em pisar
até quebrar
até congelar
até saciar...

Lembro da mata em setembro,
das flores do Jacatirão
da ameixeira torta
de tantos frutos
já cansada
quase morta...

Lembro da velhinha de pés descalços,
descendo a montanha faceira
um balaio de aipim na cabeça
como se peso não houvesse
como se ver os netinhos
fosse-lhe o céu prometido...

E tudo pra ela era fácil:

Raio era "a luz do céu"
trovão um boa noite de deus...
Os ventos de Junho e Julho
tinham que existir
para quebrar os galhos das árvores
que queimariam no fogão
para ferver a agua
para fazer o mate
que nos reuniria
em volta da quente chapa

e o calor das pessoas
era mais quente que o fogo...

Lá na Serra Catarina
de onde me sorri uma menina
que há muito tempo se foi...

(M. J. Ventura, Macapá, AP, 2006)

Mario Jose Ventura

NAS SINALEIRAS

ESSE MENINO TÁ DESNUTRIDO,
AQUELE OUTRO JÁ FICOU TORTO.
ESSA MENINA CAIU NA VIDA.
NO CHÃO TÁ MORTO MAIS UM GAROTO.

PELO ESPELHO, NO SINAL VERMELHO,
AMARGURADOS E DE OLHOS ARMADOS
É QUE SE VER DE PERTO,
É QUE SE VER MELHOR
OS NOSSOS AMARELADOS MEDOS.

OH TEMPO TRÁGICO,
O QUANTO O HOMEM É VÃO!
CHÃO DE CRIANÇA É UM TAPETE MÁGICO,
LUGAR DE CRIANÇA É NUM MUNDO SÃO.

José Felice Cunha Deminco

E então parte.
Fragmenta. Se dirige.
Deixa rastros de estirpe
que a alma lhe aflige.

Feito pólvora que estoura
uma vida duradoura de um jovem utopista.

Rudeza irreal, és apenas um visionista
que com alma de artista se faz espectral.

Quem diria um dia,
que o menino que partia,
na verdade fracionava
sua historia mal contada que agora se rendia
feito um pavão dourado,
magnólia de ocum,
ironia do destino,
odisséia nas estrelas.

Romero Vitor Felix Amorim

Outra vida, quem me dera!


Outra vida, quem me dera!
Quem me dera ter outra vida
Começar de novo, voltar no tempo
Só para encontrar-te, e amar-te!

Amar-te a mais não poder
Querer-te a mais não querer
Entregar-me a ti de corpo e alma
De corpo puro e de alma repleta
De alma repleta e completa
De teu amor e pelo teu amor

Ah! Quem me dera.
Quem dera a vida não fosse
- Como o é
Apenas uma quimera
Uma bela e doce quimera
Mas uma quimera!

Quem me dera...
Poder encontrar-te em outro tempo
Em um tempo nosso
Um tempo de amor, de calor, de fervor
Quem me dera!

Quem me dera...Pudesse eu voltar atrás
Mudar o tempo, trocar os dias, e encontrar-te!
Encontrar-te em meu tempo, ou em seu tempo
Mas encontrar-te!

Encontrar-te em um tempo de amor, de paixão
De paixão e de entrega total, corpo e alma, alma e corpo
Numa entrega que tornasse eterno o eterno amor que lhe tenho
Quem dera pudesse eu encontrar-te!

Quisera voltar no tempo, ser novamente um menino
E encontrar-te menina, menina dos olhos vivos, lindos
Menina deste menino, ser seu melhor amigo, seu melhor companheiro
E apaixonar-me novamente, loucamente
Colher flores, catar pedras, guardar trecos...Tudo para ti, só para ti
Quem me dera...Ah! Quem me dera.

Sidarta da Silva Martins

Meu menino.

Peguei no colo o meu menino,
Pequeno, lindo e franzino.
Olhei para seus olhos, segurei seus dedinhos.
Agora também sou pai, sou filho, sou marido.
Corri atrás do menino,
Sapeca, levado e espertinho,
Correndo, falando e sorrindo,
Olhei para seu rosto, é meu menino.
Ouvi uma voz gritando,
Não conheço, nunca vi, mas era um amigo,
Dizendo, corre, ajuda, caiu seu menino.
Olhei para seus olhos lacrimejantes, sofrido,
Estava deitado no chão, que dor... era meu menino.
Para o hospital, dando força e tal; eu estava fingindo.
Por dentro me questionava, meu DEUS,
Por que isso? Por que com meu menino?
Lhe via dia a dia em casa,
Com dor, em uma perna só pulava,
Á base de remédios e cama,
Mesmo assim, meu menino não reclama.
Fiz aquilo que eu podia,
Ajudava a levantar, levava-lhe comida,
O ajudava a subir as escadas,
E em minhas costas eu o descia.
Esse é meu menino, parte desta família.
Passa o tempo segue a vida,
Hoje é dia da cirurgia,
Vá na fé, confie em DEUS,
A sua espera esta sua família.
Passa hora, dá angustia,
O recado vem sorrindo,
Tudo certo e nos conformes,
Que alívio, meu menino.

Alex Sanjeri

ELE
Autor- Rafahel Ramos Pointer

Ele andou,suspirou,demorou, mas chegou. Ele foi com todos os seus medos, mas com todos os apreços sem nunca negar seu endereço. Foi menino, foi mulher, foi gay, foi sem fé... Mas nunca voltou nem de carro nem a pé.
Sabe la quantas noites esse menino chorou, quantas vezes a garganta travou... Ele repousava entre sombra e água se era santo porque nunca andou? E a estrada não era fácil, ele desatou os laços... Possuiu-se, fez pactos com demônios a vista, suspirava, falava de arte como se fosse a vida.
Ele desceu, subiu, estacionou no meio do caminho... Ninguém dava nada por ele. Ele se aliou a própria alma cansada, viu o menino Jesus ser atropelado na estrada. Ele dançou, curtiu, morreu, sumiu, mas sempre volta falando outra língua pra qualquer um.
Sabe la quantas noites esse menino chorou, quantas vezes a garganta travou... Ele repousava entre sombra e água se era santo porque nunca andou? E a estrada não era fácil, ele desatou os laços... Possuiu-se, fez pactos com demônios a vista, suspirava, falava de arte como se fosse a vida.
E quantos fazem da vida uma casa demolida, qualquer um faz de sua vida sua própria ferida... Ele se sentia caído e fracassado a arte o fortalecia o excitava. Ele fez de sua casa seu ninho, e desse ninho um abrigo, fez dele arte viva, fez dele seu próprio caminho.
Sabe la quantas noites esse menino chorou, quantas vezes a garganta travou... Ele repousava entre sombra e água se era santo porque nunca andou? E a estrada não era fácil, ele desatou os laços... Possuiu-se, fez pactos com demônios a vista, suspirava, falava de arte como se fosse a vida.

Rafahel Ramos Pointer

corre menino

corre menino que a fome vem corre do risco que esse mora ao lado
corre do frio que o verão não é mais quente
foge do morro que ele não é mais no alto
vai para o mar que aqui não se respira
corre pra lua que aqui não é mais o mundo

Gustavo Guza

mago

o menino que pensava ser mago
descobriu na poesia
a magia ausente no mundo

Gustavo Guza

a nuvem

a fumaça negra sobe
encantando o menino
que crê ser a nuvem fabricada
liberta pela chaminé

era da cor do menino
que cria ser também seu destino
chover

Gustavo Guza

Oh! Quão sofrido é ...
... É refletir o passado,
Analisar os passos errados,
Esperar o futuro ...
Viver abandonado,
Neste vasto chão ...
Onde os desumanos corações se alimentam,
Da força do meu trabalho,
Da minha inacreditável resignação.
Fui abandonado !
Esquecido ,largado na amplidão...
Andei despido pelas ruas,
Maltratado,pisado - sendo o dono da razão,
Conheci da vida -o fracasso,
Do mundo - os piores tratos.
Lutei ,sofri ... Venci
Vivi até com os ratos,
Desejando aparecer alguém,
Que me desse um velho sapato
Para proteger os meus pés,
Dos bichos e dos Cactus.
Vegetei no mundo - fantasia
Meu Deus liberta-me dessa agonia !
Contemplo o Céu ... Não vejo a Lua,
Como é sofrido durante o dia ,
Recordar o passado ...
E ver: Que sou um Menino de Rua.

Azevedo Silva

Dentre todos os caminhos que posso me guiar...
Seu perfume é que leva a delirar...
O seu olhar sério como quem diz tudo sem falar nada...
Seu toque suave que faz acelerar o coração mais gelado...
Fascinação de um menino que não sabe como te achar...
Que só sabe te adorar...
E mesmo de longe ele nunca vai te abandona...
Pois no coração desse menino um sentimento puro você fez brotar...

Marcelo Gassen

Tolo Menino...
Como se apaixona pelo que não vê??
Como querer se entre vocês existe um abismo??
Como fazer-la acreditar se palavras ditas perdem seu efeito ao fim do luar??
Como alimentar esse amor que parece querer se apagar??
Como seguir em frente se a todo instante só pensa em seu olhar??

Marcelo Gassen

Reflexão: O menino que pregava pregos…

Era uma vez um menininho que tinha um mau temperamento. O pai dele deu um saco de pregos a ele e disse que para cada vez que o menino perdesse a calma, ele deveria pregar um prego na cerca.
No primeiro dia, o menino pregou 17 pregos. Nas semanas seguintes, como ele aprendeu a controlar seu temperamento, o número de pregos pregados na cerca diminuiu gradativamente… Ele descobriu que era mais fácil se segurar do que pregar aqueles pregos na cerca.
Finalmente o dia chegou quando o menino não perdeu a calma mesmo. Ele então falou a seu pai sobre isto e o pai sugeriu que o menino agora tirasse da cerca, um prego por cada dia que ele não perdesse a calma.
Os dias passaram e o menininho então estava finalmente pronto para dizer a seu pai que tinha retirado todos os pregos da cerca. O pai então o pegou pela mão e foram até a cerca.
O pai disse: ”Você fez muito bem, meu filho, mas, veja só os buracos que restaram na cerca. A cerca nunca mais será a mesma! Quando você fala algumas coisas com raiva, elas deixam cicatrizes como esta aqui. Você pode enfiar a faca em alguém e retirá-la. Não importa quantas vezes você diz ‘desculpe-me’, a ferida ainda está lá. Um ferimento verbal é a mesma coisa que um ferimento físico. “
Convivemos e trabalhamos com as pessoas todos os dias de nossa vida. Como tratamos estas pessoas? Como nos relacionamos com elas? O que esperamos delas? O que oferecemos para elas? Quantas vezes você cumprimenta, ou agradece, ou mesmo demonstra com um gesto de carinho, a satisfação desta convivência e troca diária?

Quer ser feliz?

Então, aja para isso!

Comece a mudança por vc, interiormente, em atitudes, que tudo ao seu redor mudará.

Pense nisso.
Autor desconhecido.

Desconhecido

Porto Alegre: Como não te amar?

Das ruas que me vestes asfaltos
Eu menino poeta...
Das árvores que me abraçam
com tanta ternura
Eu menino poeta...
Das casas que me observam por trás
dos pequenos muros
Eu menino poeta...
Das praças que perfumam o meu olfato
Eu menino poeta...
Das mulheres Gaúchas que embelezam
Tu cidade Porto Alegre
Eu menino poeta...
Das bombachas do chimarrão
do churrasco Gaúcho
Eu menino poeta...
Das águas do Guaíba com um dos
Por de sol mais lindo do Brasil.
Eu menino poeta...

Porto Alegre: Como não te amar?

Poeta Nelson Martins