Poema Infância

Cerca de 790 poema Infância

Na Infância sofre de mais !!
mas hoje eu ergo a cabeça e sigo em frente!
porque a vida não e feita só de passado, mas te futuro e realidade!1

Hilton Santos

Saudades...

Saudade daquele tempo bom... Da infância, dos amigos...

Do tempo em que o dinheiro e as roupas novas não eram importantes,

Do tempo que as pessoas não iam à igreja para desfilar, mas sim para adorar em espírito e em verdade.

Saudades do tempo em que as pessoas levantavam cinco horas da manhã para ir à casa de Deus orar... Ah, era tão bom...

Adorava ir pra igreja orar, era tão maravilhoso, indescritível...

Levantava cedo para falar com o Pai, fazia isso com tanto prazer...

E quando voltava pra casa, ia andar de bicicleta às seis horas da manhã...

Eita saudade!!!

Aquela rua de terra, sem ninguém... Andava de um lado para o outro enquanto minha mãe varria a calçada de casa.

Era tão feliz, e soube aproveitar muito bem esse tempo.

Hoje não tem mais isso... Não se pode mais ir à igreja às cinco da manhã... Agora tem a tão famosa lei do psiu. Mas nem fazíamos barulho, orávamos em silêncio, com o coração.

Tudo mudou, os servos de Deus agora estão com medo.

Estão com medo de buscar à Deus... Agora não temem mais a Deus, temem aos homens, às leis do mundo.

Sei que devemos obedecer a lei do homem na terra, mas e a lei de Deus? Onde fica?

Devemos parar de temer aos homens e temer só a Deus. O apóstolo Paulo foi preso por pregar o evangelho, e nós não estamos pregando por medo dos homens da terra. Que absurdo!!!

Se eles soubessem o quanto é bom estar na casa de Deus, orando de madrugada, buscando os dons celestes.... Se eles soubessem o quanto isso fortalece nossa vida espiritual, eles jamais temeriam ao homem.

Realmente dá saudade... Saudade do tempo que existiam verdadeiros adoradores.

Géssica Kataline

A melhor fase da vida é a infância

A infância é o onde a vida é mais proveitosa, um tempo de inocência, sem maldade, onde tudo é lindo e maravilhoso, tão bom que passa tão rápido e nem dá para perceber, um mundo sem ‘’responsabilidades’’ ,onde o sorriso é sincero e as lágrimas são resultado da ingenuidade.
Chegamos à adolescência, uma fase de rebeldia, curiosidade e achando que estamos no auge de nossas vidas, esquecendo que o melhor já passou. Essa é a fase mais perigosa da vida, se começamos a ter um pouco de responsabilidade e se fizermos algo de muito grave pode ter consequências gravíssimas para o resto da vida, fase na qual fazemos escolhas , começamos a pensar na vida, começa então a gerar dúvidas e mais dúvidas, quando menos espera esse tempo passou, acabou a adolescência.

Enfim a fase ADULTA onde muitas pessoas acham que é formado nosso caráter, nossa personalidade, mas não, o caráter é formado desde a nossa infância, pela nossa educação, pelo respeito aos nossos pais e isso torna nossa identidade ,agora a personalidade vai se formando aos poucos, de acordo com a convivência com certas pessoas, lugares frequentados ,Entre outros. Quando adultos ,estamos no auge da responsabilidade, da preocupação com o dia seguinte, em lutar pelos nossos objetivos, em conquistar vitórias para nossas vidas, é uma fase de maturidade ,muito importante, mas quando as coisas não vão bem, pensamos logo: -Ah! Eu era feliz e não sabia, começa uma saudade daquela infância proveitosa, sem maldade ,ingênua mas muito feliz, então percebo que para nossa vida seguir sempre feliz, devemos incrementar apenas uma responsabilidade e fazer dela uma infância eterna, onde um sorriso é importante, mas também existirão lágrimas.

Aproveite a vida e agradeça sempre por ela, seja você mesmo ,seja feliz e que a vida seja sempre uma fase com responsabilidade da infância.

Thalisson Romário

"Infancia"
Porque no vuelve, y porque se queda estancado en el recuerdo aquel ayer.
Porque revive
porque se ahuyenta su sensibilidad tan turbulenta.
Es en la simplicidad donde se encuentran los mayores encantos,
y hay encantos tan simples,
donde solo basta encontrarse.
Hay 3 cosas en la vida que no vuelven:
las palabras el tiempo y las oportunidades,
las palabras pueden ser las mismas que no herían, el tiempo puede ser increíble como antes, o simplemente similar,
y las oportunidades darse con un simple gesto.
El tiempo se gastaba tras sonrisas,
hoy sonrisas se diluyen en lamento,
fotografías que muestran rasgos
de aquel algo que un día fue todo en mi.
Y permanece en ilusión,
aquella con la que un día supe vivir,
mi infancia.

Sofia Da Siva.

12 de outubro

É hoje que a saudade aumenta, infância,
o tempo de mais sorrisos e menos arrogância,
avatar do facebook só destaca a lembrança,
todos de "velhos" voltaram a ser criança.

O tempo que em tudo se via inocência,
já hoje ter filho aos 12 é conseqüência,
o mundo ta mudado, uma eterna brincadeira,
colocando pra baixo do tapete, toda a sujeira.

Bruno A.

E que o tempo passe, mas bem devagarinho que é pra infância não passar...
E quando ele te trouxer de presente, alguns cabelos brancos,
jogue-os ao vento, e sinta as lembranças da infância que o toca suavemente
e sussurra em seus ouvidos:
"Teu coração de criança permanecerá para sempre, pois ninguém é capaz de matar, o menino que vive aqui dentro" .

Priscilla Dias Cavalcante

Lembro-me da minha infância...
Da minha doce inocência!
Brincava de boneca e de casinha...
Cantava , pulava, corria, chorava e sorria!
Infância querida!
Pra você, já não posso mais voltar!

O que mais desejo no momento,
É poder lhe encontrar...
Sei que isso não será possível
Mas não custa nada sonhar...

JosinhaVasc

Muitas vezes me bate uma saudade dos velhos
amigos de infância, da minha terra, da minha
antiga vida. Saudades da inocência e da
esperança, saudade dos amores de infância,
saudade de sair correndo e gritando "quem
chegar por último é a mulher do padre!.". A
gente cresce e descobre que pega pega não é só
pega pega. Descobrimos que brincar também
dói, dói quando as pessoas brincam com nossos
sentimentos. Descobrimos que o mau não está
na cara de mau. Descobrimos que ser criança
era muito mais fácil. Descobrimos que crescer é
descobrir a vida e crescer é ver realmente que a
vida não é justa e que vemos humanos, mas não
humanidade. Num mundo onde presam pela
verdade, é tão descriminador ser você mesmo.
Quem me dera ser novamente criança.

Edimar Luiz Müller

Sempre tive uma enorme admiração pela fotografia.
Na infância, mesmo sem entender por muitas vezes me peguei admirando foto abstratas de artistas como Wassily kandinsky, Mondrian e Malevich.
Achava fascinante a cartela de cores que cada um deles exibia em particular e maneira como formatavam sua genialidade, posso dizer que a partir dessas observações
o meu gosto pela fotografia se acentuou grandemente
A Partir desse princípio, posso dizer que sempre estive inserido dentro da fotografia, e que minha sensibilidade ganhou maiores formatações na adolescência quando pude executar com mais originalidade tudo aquilo que eu observava na sociedade.

Rafael Pavarotti fotógrafo

Meu tempo passou que eu nem percebi o quanto me perdi da inocência que minha infância cultivava fazendo-me continuar a ter tamanha esperança;
Não quero ter a fraqueza ou ser tão covarde para me esconder e ficar assistindo minhas derrotas se aproximarem;
Quero mostrar o quanto tenho coragem para dizer pelo meu coração confesso que estou aqui para me refazer e te contemplar entre a perfeição;

Julio Aukay

Soneto da flor da infância


Eu me lembro, eu me lembro, doce perfume da flor!
Brancas gotas perfumadas e tinham cheiro de amor...
Inebriavam as noites, da minha infância perdida,
Uma cascata verde e branca no verde da minha vida...

Lua serena no céu, a embranquecer minha ruazinha,
Sem saber que o jasmineiro por me ver assim sozinha,
Eu menina inocente, a me embalar em seus galhos,
Flores lançava aos meus pés, qual fina colcha de retalhos...

Foram-se meus verdes anos, cirandas e brincadeiras,
A doce lembrança da infância, da juventude que passou...
Joia que o tempo levou em leves asas ligeiras...

De menina me fiz mulher, mas na memória ainda há dor
Da doce lembrança dos dias, das minhas tardes trigueiras
Quantas saudades eu sinto, meu jasmineiro em flor!

Linda Lacerda

Os laços do amor

Os laços do amor não se perdem, sou nostálgica e gosto de lembrar da infância feliz, da juventude feliz, do ensino médio feliz e dos afetos felizes e dos momentos felizes. A minha lucidez não me permite rotular o que passou ou não deu certo em péssimo, ruim. Fui feliz e sou feliz, muitas coisas mudam na nossa vida, mas aqueles momentos únicos vividos independente de ter passado ou não foram maravilhosos!

Arcise Câmara

Tantas lágrimas derramadas pelas lembranças dos bons momentos juntos, daquela infância cheia de molecagens, da adolescência tão bem aproveitada, agora já o início da juventude quando os planos pro futuro começavam a tomar grande parte do seu tempo, e tudo isso não sai da cabeça. O tempo inteiro pensando se tudo isso faz sentido, se tudo o que vivemos vai valer mesmo a pena ou tudo vai se acabar assim, do nada. É difícil demais esse começo, os instantes seguintes a uma perca tão dolorosa.
Mas também é difícil não pensar que assim como o tempo essa dor aos poucos vai passar, muito vagarosamente, mas vai passar, e aí esses pensamentos vão se tornar mais raros, as lembranças vão ser vagas, e com um certo tempo tudo isso vai ser esquecido. Com certeza a ideia de aos poucos esquecer tanta coisa boa que vivemos juntos é muito pior do que a dor da perca.
Mas não importa o quanto o tempo passe, ou o quanto as lembranças se tornem vagas, bem lá no fundo o seu lugar vai estar guardado, além das lembranças, além da dor da sua partida, além da própria consciência, você vai sempre ter o seu lugar no meu coração.

Luciano Marmentini

Saudades...

As vezes sinto uma enorme saudade da minha infância:
Saudades de quando minha mãe nos reunia em uma esteira e contava estórias lindas de príncipes e princesas, e ficávamos imaginando o rosto dos personagens. Estórias que as vezes até me fazia chorar,mas eram lindas...
Saudades dos banhos de chuva...
Das brincadeiras de amarelinha, bandeirinha,esconde-esconde...
Saudades das escolas do ensino fundamental. Lá tinham merendas deliciosas... Oh gosto bom!
Saudades de quando eu e minhas irmãs íamos dormir e ríamos tanto até chorar...
Saudades das festas de São João, ao redor de uma fogueira...
Saudades de quando éramos doze, e não onze irmãos...
Lembranças que as vezes dói, mas são momentos que vivi e tenho boas recordações para sentir essa tal SAUDADE!

Deka Rissi

Estou tão cansada de tudo isso. As pessoas mudam muito. Amizades de infância a quais julguei eternas, não existem mais. Lembro-me de pessoas dizerem estar ao meu lado para o que der e vier, mas sempre que preciso não há nada nem ninguém. Então,era tudo da boca para fora ? Nada daquilo era sincero? Talvez naquele momento fosse. Porque ao crescer a maioria das pessoas mudam e muito. Velhos amigos se tornam novos desconhecidos.
E o que me incomoda é ouvir que morrem de saudades minhas pelas redes sociais a fora, dizem me amar. E não há a mínima questão. Um mínimo esforço para acabar com essa “saudade”. Eu me pergunto. Que amor é esse?
Nos encontros ao meio da rua,eu penso onde está aquela intimidade, aquela amizade que duraria uma vida toda? O para“sempre” se resume a uma conversa sem graça, que não passa de uma questão de educação. Um “oi” acompanhado de um meio sorriso. Me aborrece essas “amizades” com tom de linda melodia que no fundo,nem para batuque de esquina.
De fato nada dura para sempre, mas o importante é sabermos que apesar de as pessoas mudarem e certas amizades serem passageiras,sempre poderemos cultivar novos amigos e quem sabe estes são para sempre?

Barbara Silva

álbum de fotografias

quanta sorte sonhar quando se é verde
não gosto de falar de minha infância
não há atos nobres nessa época
o que tenho certeza é que queria
crescer logo e me livrar da caolhice
do manco de pés tortos
da aparência desengonçada
e da opressão dos adultos

mal sabia eu que a miopia aumentaria
que os pés continuariam tortos
que a aparência piora com a idade

mal sabia que a opressão maior
é a da realidade e não dos velhos
mal sabia que ser cuidada e oprimida
é mais acolhedor que ser ignorada
ou ser preterida

não me recordo de tempos para sonhar
havia um medo velado em meus olhos miúdos
e um silêncio imposto
naquela casa sempre cheia de visitas importantes
era proibido correr
dizer palavrões ou se manifestar

ali criança não tinha vez
pular o muro e viver uma alegria clandestina
rendeu-me ora a cinta ora a palmatória
quem dera ter tido a glória
de saborear da liberdade

luxo seria ser uma criança
numa casa de velhos burgueses
não me recordo de um momento
de êxtase livre de culpa
ou de uma satisfação
não fadada à mentira

sou fruto do que fui
no fundo ainda sou
aquela criança.






siga-me no Twitter:
http://twitter.com/#!/larissapoeta

Larissa Marques (original)

INFÂNCIA

POR VÁRIAS VEZES OS MEUS PÉS E MEUS JOELHOS FORAM ESFOLADOS
E as unhas arrancadas
Aprendi a andar de bicicleta descendo uma ladeira íngreme
Amava a chuva
Era meu banho predileto
Comia aquelas formigas de bundão torradas e com sal
Passava as tarde brincando de amarelinha
Jogando bolinha de gude com os meninos
Pegava carona no trem de carga que passava no fundo da minha casa
Até ele tomar velocidade e ai pulava do vagão
Dava minhas fugidas e ia brincar no porto de areia
Rolando da montanha mais alta
Gostava de olhar as nuvens passando no céu lentamente
Imaginava para onde iam
Parecia um tempo infinito
Mal sabia que o pesadelo estava a caminho

Marcia lailin

Celebrar a vida é reencontrar amigos de infância.
Celebrar a vida é falar sobre o presente e o passado ao mesmo tempo.
Celebrar a vida é rir, e se emocionar, é resgatar e recordar com saudades a infância alegre que tivemos juntos.
Celebrar a vida é viver.
VIVA O REENCONTRO!!!

Rosicler Ceschin

Um livro...
Lido na infância
ou a anos atrás.
Pode ser lido novamente e
ter uma nova interpretação.
Na vida...
Pode ser assim também mas,
diferente do livro
O final pode ser divergente

Marcio Machado

AH! ...UMUARAMA... de tantas saudades...

Minha infancia, minha juventude,
minha querida e saudosa mãe dona Lourdes, meu pai seu Olivio “catarina”
meus irmãos, Otacir, Marenice, Sergio, Mirinho, Fatima, Cristina, Rogerio, Julio e Sandra e por ultimo o Fabiano,
meus amigos, Italo, Chico, Seneval, Jair, Miguel, Lindoval, Milton e tantos outros...
minhas queridas tias Celia e Mariazinha
Os bailes do Harmonia, a discoteca do Aceu...
Os bailinhos nas casas dos amigos...
AH! Umuarama...
Dos meus muitos amores...das muitas paixões...
As paqueras, os agitos, os sonhos, a ansia de crescer e partir dali...
Como era bom aquilo tudo!
O primeiro emprego aos 10 anos na Grafica dos Pepinos...
O aprendizado e aperfeiçoamento em tipografia no jornal A Gazeta... por 7 anos
Participar do numero 1 do jornal Umuarama Ilustrado...
A ida pra Brasilia prestar serviço militar...
A volta pra Umuarama trabalhar na Tribuna do Povo
E Participar do primeiro jornal diario de Umuarama...
A volta para o
Umuarama Ilustrado...
Para ser seu primeiro linotipista...
E em 1978 chega ao fim meu ciclo de Umuarama... e parto pra São Paulo...
com muitas saudades disso tudo...
Um dia desses, volto, quem sabe...
NAS PAREDES DA MEMORIA,
ESTAS LEMBRANÇAS SÃO O QUADRO QUE DOE MAIS...

ademyr bortot