Poema Infância

Cerca de 825 poema Infância

Infância... Eh! Saudade.

Saudade você adquire
De alguém que você admira
Saudade só te da dor
Se você amou

Você só sente saudade
Até a eternidade
Se de alguém você tem saudade
Pode crer que é amizade

Esses versos poucos rimados
É para nós,
Que já estivemos lado-a-lado
Agora estamos desanimados
Por estarmos separados

Só nos resta saudade
De toda a felicidade
E também esperança
Que um dia, voltamos a ser criança.

Thiago Lima Medeiros

Eu insisto em dizer a saudade que tenho da minha infância...

Fico recordando as coisas que fiz quando era pequena...
AS risadas ... as ARTES... rs eu aprontava muito...

Eu era sempre a quietinha =p

Era uma emoção cada dia que passava... tudo q eu conseguia era uma grande conquista pra mim...
Criança é uma coisa louca né?!

hahaha
Era tão bom... dançar na chuva descansa ...
Dançar toda torta como se eu fosse a melhor bailarina do mundo ... e ainda recebia aplausos rs... isso que era bom haha

Grande emoção hoje que passo é...
Lembra da minha infância...

Me dá uma grande emoção saber que de certa forma eu vivi ela...

Saudades....

Carina Toninatto

Trecho da crônica "Uma infância apagada"

Embaixo do avarandado está meu avô, sentado em um banco velho de madeira, vestia um jaleco de couro encardido, suas roupas eram velhas, surradas pela lida na roça e na cabeça um chapéu baeta. Ele observava suas vacas magra, sua égua branca e reclama da seca:

-“Vigeee lástima! Deus está castigando está terra”.

Mislene lopes

"Vida

Todo dia ao amanhecer
Me lembro dos meus planos
De infância e juventude
Dos amigos de escola
da minha bicicleta
daquele dia de chuva que não volta mais

E cada dia traz um recomeço
Memorias perdidas
lembranças esquecidas
Se o futoro é daqui a um segundo
e cada passo que se da
é como um pulo

É preciso viver
É sonhar
É preciso ter fé na vida
É preciso se dar
É amar
é preciso ter fé na vida

Tão incerta quanto certa é a morte
Vidas paralelas podem se encontrar
Mas é preciso cuidado ao andar
Se as pedras no caminho
Não te deixa continuar

É preciso viver
É sonhar
É preciso ter fé na vida
É preciso se dar
É amar
é preciso ter fé na vida"

Banda Treze Provisório.- Vida

Lembro-me da minha infância, do meu primeiro beijo, do meu primeiro sapato, do meu primeiro cavalo, do meu primeiro radio... Todos roubados!

Só a infância que foi a unica coisa tirada de mim e que não consegui roubar de volta!

Eberaldo Martins O Raposa ( Igor Improta Figueredo)

E do nada vêem lembranças daquela nossa infância, quando não existia inveja nem ganância.
Pois mesmo que o tempo passe, ele nunca apaga...
É tanta saudade que nunca acaba.

Marcus Patrick Pens

Eu heeim, sabe aquela saudade? Pois é, não aquela que eu tenho dois amigos de infância, do colégio, das risadas com pessoas que já me esqueceu...
Mas sim aquela saudade? Sebe aquela saudade? Não ha que eu tenho de comer pizza, tomar sorvete, correr em direção ao mar, rolar na grama e sair me cosano toda, de ver o por do sol, apostar corrida, jogar traque de massa nos amigos, pedir penico, brincar de pique esconde, chutar a latinha, fazer melança na cozinha...
Sabe? Assistir aquele filme de terro no cinema e só você gritar e todo mundo te olhar, é se lambuzar com comendo cachorro - quente, e rir lembrando da vida da gente...
Sabe agora? A MINHA SAUDADE É JUSTAMENTE DE TODOS ESSES
MOMENTOS AO TEU LADO... NAMORADO!

Barbara Cleide

Tantas lágrimas derramadas pelas lembranças dos bons momentos juntos, daquela infância cheia de molecagens, da adolescência tão bem aproveitada, agora já o início da juventude quando os planos pro futuro começavam a tomar grande parte do seu tempo, e tudo isso não sai da cabeça. O tempo inteiro pensando se tudo isso faz sentido, se tudo o que vivemos vai valer mesmo a pena ou tudo vai se acabar assim, do nada. É difícil demais esse começo, os instantes seguintes a uma perca tão dolorosa.
Mas também é difícil não pensar que assim como o tempo essa dor aos poucos vai passar, muito vagarosamente, mas vai passar, e aí esses pensamentos vão se tornar mais raros, as lembranças vão ser vagas, e com um certo tempo tudo isso vai ser esquecido. Com certeza a ideia de aos poucos esquecer tanta coisa boa que vivemos juntos é muito pior do que a dor da perca.
Mas não importa o quanto o tempo passe, ou o quanto as lembranças se tornem vagas, bem lá no fundo o seu lugar vai estar guardado, além das lembranças, além da dor da sua partida, além da própria consciência, você vai sempre ter o seu lugar no meu coração.

Luciano Marmentini

Os Pais Não Morrem

Transpassam os tempos
não só da infância.
Na mocidade, velhice
os pais não ficam
nem na lembrança.

Não são esquecidos,
não há saudade.
Os pais vivem,
em corpo ou não,
na eternidade.

Os filhos , pelo tempo, limitados
os pais não o são.
Os pais são eternos,
eternos, na de outro ser,
limitação.

Os filhos , reféns do tempo, parados
são “as crianças”.
Se agora adultos,
por hora ficam
pros pais, na infância.

O amor dos filhos,
de ser eterno, incapaz.
Perenes ficam
se um dia os filhos,
virarem pais.

Os pais só morrem
caso vá os filhos, esses, sem fruto.
E se os filhos morrem,
deixando filhos , não há um fim
os pais, eternos, desfaz-se o luto.

Lucian Rodrigues Cardoso

Crueldade
A minha fragilidade,
da longa infância que
corriam com tanto sofrimento,
antes que o dia fosse menos
do tamanho de uma face.
Esta dor que incede o meu coração.
A crueldade rompeu no meio,
Amigo do diabo leva-me num,
lugar escuro onde ninguém,
possa encontrar-me.
Quero quero descansar, deixa-me
cair num sonho profundo,
estou neste mundo onde não,
consigo respirar tranquilamente.
Nasci num canto errado,num
canto de crueldade,
durmo sem saber, realmente
se estou a dormir.
A tristeza ocupou os meus pensamentos,
a vida deixou-me para o poço vazio,
cheio de pedradas.
Não tenho ninguém que me salve,
e que me faça esquecer.
Que vida triste, vida sem sentido,
sem razão de ser.
Vida que não sei viver,
mas vivo por castigo.
Desde o dia que eu nasci,
embora nem sei se estou a viver.
Nesta vida silenciosa,
não há sol que me aquece a alma.
Perde esperança e hoje em dia,
respira o sabor da amargura.
Quero voltar,já não me apetece viver
Amigo do diabo leva-me contigo,não me deixe sofrer mais.

Pretinh

Infância

Lembro
Da minha mãe dizendo:
"Você precisa aprender a ser ordeira"
E do menino que morava na casa vizinha; e das fugas que fazíamos até o porto de areia
e da vez em que quebrei a perna
tinha então 14 anos
Minha vida se compunha de pequenos episódios triviais
e infinitamente encantadores

Marcia lailin

Infância

Meus pais por vezes me tratava como criancinha...
Não fazia muito tempo,
eu era realmente uma criança
A imagem que meus pais
tinham de mim
como uma bebezinha amavel, indefesa,
ainda estava fresca
na memória deles
e não podia ser facilmente descartada
Nunca consegui desarraigar
os métodos que eles tinham de lidar comigo
Os enganos infantis que eu costumava cometer
estavam bem frescos na memória deles

Marcia lailin

Sempre foi mais facil...
Sempre foi mais facil na minha infancia colocar em meus irmãos a culpa de meus erros...
Sempre foi mais facil...
Sempre foi mais facil na minha adolescencia colocar em meus pais a culpa de meus erros...
Sempre foi mais facil...
Sempre foi mais facil quando adulto colocar em meus amigos, familiares e colegas de trabalho a culpa de meus erros...
Sempre foi mais facil...
O que nunca foi facil?
Nunca foi facil reconhecer meus erros para amadurecer à inventar e enganar culpados...
Agora ficou mais dificil...
Agora ficou mais dificil cometer tantos erros com culpados, senão eu...
Agora ficou mais facil...
Agora ficou mais facil crescer e amadurecer e largar da minha infancia egoista de atitudes e culpados...

Adriano Guedes

Por que dizer adeus?

Nos tempos velhos da infância;
A fantasia do dia nos consome;
Sol e chuva em mesma estância;
Abstinência de banho e fome;

As ruas nos pertence em alma frágil;
Não há nem penitência ou alvará;
O dia não cede à noite o sufrágio;
E todos os dias vem cedo nos acordar;

Então por que dizer adeus?
Essa palavra tão triste e nostálgica?
Adeus de tantas maneiras
Simples, subjetiva, discreta, cálida.
Então por que dizer adeus?
Não há de formas meigas
O adeus que herda lágrimas
São fendas no abismo
O momento que se afaga
Subitamente
em silêncio nossas almas.

Santos Vasconcelos

Preciso abandonar de vez a infância, a ingenuidade.
Mais que isso. Preciso abandonar a ignorância, sair um pouco do conto de fadas, passear pela realidade. É criança demais quem nunca se ausenta do mundo de ilusões.
Mas seria esse o método da evolução? Quem assegura? Das duas uma: É isso ou o total contrário.

Andréa Sacchi

Infância.

Se tem algo que me acalma é lembrar da infância. Dos primeiros sonhos, das primeiras decepções, dos primeiros encantos. Era bom acordar todas as manhãs sentindo uma certeza que a vida era segura, era um sonho lindo, uma eterna magia. Com o tempo aprendemos que as coisas mudam, se transformam e, as vezes até se perdem pelo tempo. Mas é maravilhoso lembrar daqueles dias de inverno nas margens do rio, daquela relva verde e molhada, exalando um aroma tão suave quanto aqueles dias de minha infância.

Talvez por eu ter vivido um tempo no campo, eu guardo certos valores. Gosto da natureza e a respeito muito. Não tem coisa mais lindo do que dormir e acordar com a melodia dos pássaros, a vida fica até mais bonita. olhar os verdes das montanhas, seus mistérios. Apreciar a pureza de um rio que escorre suas águas serenas, que vai levando sonhos, lavando a nossa alma com tua beleza. Recordar minha infância e o lugar onde vivi, é reviver o melhor que plantei em mim, a pureza dos momentos singelos como o brilho do luar e as estrelas que só admiramos de verdade quando estamos no campo, sob o céu, sob o infinito que só ele sabe o que escondemos na alma.

Luzia Medeiros

NAQUELE ONTEM

Um dia
Dos dias da minha infância
Eu desmontei a fechadura do quarto de meus pais.
Naquela noite, já de noite,
Eles dormiram de costas um para o outro
Naquela noite não houve a luta
Não teve coberto nem cobertor
Ninguém fatigou-se
Porque a fechadura desmontada
Estava comigo, na minha rede.
Uma noite,
Nessa noite eu não dormi
Contando, por minhas mãos no escuro
Pelo contato dentro de minha rede
O quanto eu encontrei
Da máquina daquela fechadura desmontada
E contava:
Um revólver
Uma mola propulsora
Que esparzia longe a pinguela
O pino que ficava no meio
Uma carrapeta que dançava
Uma chave que passava solta
No buraco dela entrar
De qualquer distância, para o alvo.
Eu me armei até os dentes!
E planejava a guerra já para a manhã, mais cedo
Contra os calangos, os preás, os galos do terreiro
A pessoa do meu amigo,
Os pássaros que me avocavam do alto
Das frondes cheias.

Naeno Rocha

Chorar só se for de rir
Sofrer, nem de brincadeira
E saudade, só se for da infância

Desconhecido

O CÉU DA MINHA INFÂNCIA

Quando criança eu morava no colo de uma serra no sul de Minas Gerais. Lembro-me bem das tardes de céu aberto, cheio de nuvens e cores lá no topo da serra, com tons dourados e alaranjados, tão digno das tintas de um pintor.

Meus irmãos e irmãs, primos, primas, tias e tios, todos reunidos no alpendre da casa de meus avôs, sentados num grande e comprido banco de madeira, olhando para cima e admirando aquele céu mágico, feito tela de TV que nem imaginávamos que existia. Como se começasse a sessão de um filme, o céu aos poucos deixava mover as nuvens formando estranhas figuras, figuras de animais, de pessoas e de coisas que tirávamos do fundo da imaginação.

Era um encanto quando conseguíamos descobrir uma imagem no céu. E mais encantado ainda ficávamos quando conseguíamos dos outros o espanto repentino: “Nossa é mesmo!”, “Olha lá, estou vendo também!”. “Veja, estou vendo um cavalo enorme! (apontando com o dedo) Olhe cabeça dele lá!” Aquele céu era mesmo pra gente como um enorme aparelho de televisão, a qual nem imaginávamos que já haviam inventado.

O céu da minha infância foi a primeira televisão que assisti!

Paulo Del Ribeiro

Perfume de rosas, brilho de seda, romance no ar ...
Fantasias da infância, sonhos de criança em mulher se tornar ...
Coração pulsando forte, mãos trêmulas, voz presa, emoção brilhando no olhar ...
Na alma, anseio profundo, sufocante expectativa, sonho a realizar...
Olhar perdido ao longe, à procura, à espera do que virá.
Suavidade, pureza, beleza de um ser a desabrochar.
O tempo para, a terra não gira, passado, ... futuro, ... não há ...
Princesa, Cinderela, baile, paixão, amar ...
Luzes, cores e flores, dos cristais o tilintar.
Poesia, encantamento, nos braços do príncipe valsar ...
Ah! Adolescência, ternura! Como és bela, doce, és pura ... És o perfume do ar...

Mila / sem data

Rosa Emília de Carvalho Avelaira