Poema dos Baianos

Cerca de 10 poema dos Baianos

Os baianos invadiram o Rio para cantar "Ó, que saudades eu tenho da Bahia...". Bem, se é por falta de adeus, PT saudações.

Paulo Francis

“Nada a dizer... nada... ou quase nada...
O que tem é a fazer: tudo... ou quase tudo...
O homem, a obra divina...
Na rua, a obra do homem...
Cheiro de gás, o asfalto fervendo, o suor batendo
O suor batendo, o suor batendo, o suor batendo, o
suor batendo."

Baianos e Novos caetanos

“O norte, a morte, a falta de sorte...
Eu tô vivo, tá sabendo?
Vivo sem norte, vivo sem sorte, eu vivo...
Eu vivo, Paulinho.
Aí a gente encontra um cabra na rua e pergunta: ‘Tudo bem?’
E ele diz pá gente: ‘Tudo bem!’
Não é um barato, Paulinho?
É um barato...”

Baianos e Novos caetanos

“Legal... me amarro nesse som, tá sabendo?
O medo, a angústia, o sufoco, a neurose, a poluição
Os juros, o fim... nada de novo.
A gente de novo só tem os sete pecados industriais.
Diga Paulinho, diga...
Eu vou contigo Paulinho, diga”

Baianos e Novos caetanos

A chuva passa, passou.
e vem a lua molhada
e a sanfona danada
e nós vivemos de amor.

Baianos e Novos caetanos

Mastigue, corta, roa
Assuma numa pá
Conforme o seu atual
Estágio de animal

Ou pensas que é à toa
Que nego diz: "Oi, bicho!"
Então marcou e marcar
É pior que perder gol

E queixas só dá rugas
E vento seca, amor enxuga

Os Novos Baianos (Música 'GURIA')

“Vou mostrando como sou
E vou sendo como posso,
Jogando meu corpo no mundo,
Andando por todos os cantos
E pela lei natural dos encontros
Eu deixo e recebo um tanto
E passo aos olhos nus
Ou vestidos de lunetas,
Passado, presente,
Participo sendo o mistério do planeta.”

Mistério do Planeta, Os Novos Baianos

Aprendi com os baianos que toda preguiça é pressa, assim como toda rede embaixo de coqueiros pode ser um bólido da F1.

Saint-Clair Mello

Se fosse o cantar, ao invés do falar, os Baianos seriam os cantores mais românticos. Pois cantariam as musicas lentas para se dançar.

Álefy freitas

'A única preguiça, que nós baianos temos, é o de não bajular os sudestinos, os sulinos e os estrangeiros 'tendenciosos' e 'espertos das ideias obscuras' e a mania de 'superioridade doentia arcaica e 'burrra' com tres erres...'. Na moral, da uma preguiça da zorra... Fora isto tudo segue como tem que ser, na rotina do trabalho, dos estudos, do social e de tudo, que temos direito. Nós não temos a culpa, de ter após as nossas rotinas, o poder e o presente de apreciar a nossa maneira: o som e a arte do nosso por-de-sol, do mar e de todas as nossas essências humanas. Temos alegrias, logo somos felizes e não apenas vivemos a base de felicidades datadas, muito embora tentarem nos emprestar o mergulho no 'Estresse', não queremos isto, pois já mergulhamos na paz de cada dia e de cada mar, que há a nos banhar.
Minto, pois existe e ocorre a segunda preguiça, que é o de não ficar tentando imitar 'os estranhos sotaques de fora' para sentirmos superiores. Quando alguém nos imita e/ou nos irrita retardamente, nem queira saber o que pensamos, mesmo com sorriso na face, afinal apenas o identificado abobalhado é entregue a quem é de direito...''

Ru Aisó