Pingos de Chuva

Cerca de 155 frases e pensamentos: Pingos de Chuva

Olha,
Entre um pingo e outro
A chuva não molha.

Millôr Fernandes

Já é noite. Sinto leves pingos de chuva tocando meu corpo. Olho pro nada e perco-me em minha própria mente. Desapareço. Me desligo do que é real e passo a viver num filme de lembranças que habitam em mim. Sonho mesmo estando acordada. Ouço nossos risos em perfeita harmonia, como se etivessem numa música. Sinto nossas mãos tocando uma a outra, como se fizessem parte de um único corpo, numa demonstração de perfeito carinho. Sinto o calor de seu corpo no meu num abraço apertado e desesperado. Sinto tua respiração no meu rosto e os teus lábios aproximando-se dos meus, até que ouço uma voz gritando meu nome. Acordo ofegante. Percebo que a chuva aumentou e que estou ensopada. Meu rosto fica corado demonstrando minha vergonha. Com olhos adiante e um riso interno volto para casa e para minha realidade. Com os pés no chão digo a mim mesma: foi apenas um sonho!

Vivianne Lucena

Amores verão!Verão a chuva cair em pingos grossos. Chuva rápida que lava alma,refresca mas não nutre a terra que se abastece de si própria.

Camila Custodio

Logo nas primeiras tardes, mudanças pingaram lentamente do céu em forma de pensamento. E por estar acordado, algumas pequenas mudanças lhe acertaram.

Estes pingos, porém, não lhe deixaram doente. Pelo contrário; não tardou para o primeiro espirro iluminar a sua volta, e ele perceber que o sintoma da doença estava mesmo era no guarda-chuva.

Alessandro Lo-Bianco

Olhou até o ponto mais distante que pôde perceber da sacada, e considerou que teria em sua vida tudo até onde seu ponto de visão alcançasse. Seria tudo dele; até onde pudesse ver.

Alessandro Lo-Bianco

E foi então que um desses ventos assoprou mais forte e, como uma pequena ponte, se tornou, enfim, uma passagem que o levou ao outro lado do jogo.

Alessandro Lo-Bianco

Vendo com o coração
– Olha o doce balanço do Mar que vem com a onda...
– Mas se não tem onda, cadê o doce balanço do Mar?
– Ah, desculpe! Escutei dizer do Mar, que ele iria enviar uma onda para que pudéssemos sentir o seu doce balanço... Paciência, vamos esperar, acabamos de chegar.
– Mas você acha mesmo que ele vai enviar? Acha mesmo que iremos sentir alguma coisa?
– Não posso responder com certeza, mas só vim e lhe trouxe aqui porque acreditei no Mar, não é mesmo?
– Sei não, hein... Nem marola passa...
– Sim, ele virá! Consigo vê-lo com o coração...
–Com o coração? Deixa-me tentar... Minha nossa! Também estou vendo, está vindo...
– Agora é só esperar passar, não lhe disse!

Alessandro Lo-Bianco

Saltar para um mergulho nas artes. Voar pela desorganização. Um peteleco sutil nas cartas dos costumes e tradições. Um sopro forte e gelado para dispersar o hálito de um preconceito estúpido.

Alessandro Lo-Bianco

O pressentimento como campainha, mas com o som abafado. A ansiedade do jogo em um tabuleiro onde faltam peças. A censura esquecida, e uma liberdade ensinada. O espaço para o novo, onde o estranho é a descoberta.

Alessandro Lo-Bianco

Os olhos... Lavavam-se em preocupações. Mas um ponto de luz não deixava de insistir, valendo-se da hora errada para aparecer. Entretanto, não dava mais para se esconder.
Esperou então, lúcido, pela hora de sair.

Alessandro Lo-Bianco

Naquele verão, ao ligar o ventilador, olhou o sol pela janela, enquanto as cortinas balançavam. Do céu da tarde, fez-se espontâneo a saudade... Tardes em que ficava no alto do telhado observando o brilho da cidade.

Alessandro Lo-Bianco

Mas a janela também se abria no sopro quente da noite abafada, quando o escuro era levemente banhado a energia estrelar, e sons de cigarra e ao cheiro de dama-da-noite... Ali, na proa da sua embarcação, ancorava toda noite ao abrir as janelas do quarto em que estava.

Alessandro Lo-Bianco

E era naquele último momento, quando passara o dia e terminava a noite, que o seu personagem estava inserido dentro daquela curta e doce trilha sonora, quando sonhos vibravam e a alma se fazia falar.

Alessandro Lo-Bianco

E foram tantos esforços para manter o vaso intacto, que todas as tentativas para quebrá-lo foram ineficazes. Desconheceram que, mesmo sem defesa, a caneta e o papel continuavam sendo a melhor denúncia. A sutileza pela escolha de uma palavra ali, naquele papel, representaria muito mais que um milhão de outras palavras.

Alessandro Lo-Bianco

Rodava ao ar livre um filme, cujo roteiro apresentava cenas reais da sua vida. Ficava claro no final daquele filme que, mesmo que não conseguisse o que tanto desejava, sentia-se satisfeito simplesmente por entender o propósito para aquele final.

Alessandro Lo-Bianco

Ainda lembro-me dos momentos em que lá cheguei. Lembro-me de desembarcar naquela noite, sem saber o que me esperava. Do alto daquela pedra no píer, apenas a luz de uma fogueira naquela imensa extensão de areia.

Alessandro Lo-Bianco

Ali, muitas coisas do mundo só poderiam ser vistas quando despertadas pelo próprio homem. E esta era uma tarefa feita somente através do som ou do toque da simplicidade. Somente assim, a riqueza continuaria perceptível para todos.

Alessandro Lo-Bianco

Dedicou àquela mulher o poema, e todos os lugares por onde passou com ela em seus pensamentos. Lembrou-se apenas de um simples sorriso que, de alguma forma, o deixava vulnerável a toda e qualquer vontade que viesse daquele encantamento.

Alessandro Lo-Bianco

E quando pensa no tamanho deste sentimento, entende que, apesar da distância, sempre será possível mantê-lo unido, sob o mesmo teto.

Alessandro Lo-Bianco

Se pudesse estar ao seu lado, diria que a carregaria com ele. Mas, por não poder, fica apenas com o desenho nas mãos.

Alessandro Lo-Bianco