Pequenos textos sobre Morte

Cerca de 902 pequenos textos sobre Morte

amor a morte muito do além,
caminhei na escuridão senti o teu amor,
minhas maiores lembranças foram na loucura,
tento lembrar de algo na minha sanidade
sinto apenas a morte no seu penhor pela vida,
tudo na liberdade dos meus sonhos mortos...
na decepção que clama meu algos,
flui pelos meus maiores temores...
puro terror abandonado neste deserto,
translucido de minha aparições...
na loucura que me deixo assim até fim.

Celso Roberto Nadilo

Morte da Humildade

Milton Pires.
“Humildade” ..que coisa
estranha de invocar nos
outros ou dizer que nós
é que temos ..

Lembra a tal coisa do elétron,
“meio onda”, “meio partícula”
olhou; ele não está mais lá....

Nem sei se existe humildade..
só vi invocada em contemplas
dessas que não tem começo e
terminam sem causa e razão..

Um dia 'inda vou ser humilde
e gritar um pouco mais baixo
com a morte que vem sempre
lembrando..... “busca em tua
vida humildade

Fora dela não há salvação..”

Porto Alegre, abril de 2015.

Milton Pires

QUANDO EU VOLTAR

Milton Pires

Não acho que a vida se acaba..
é a morte que vem e convida,
chega assim, bem de mansinho,
professora, quase uma amiga..

A morte trabalha, coitada..tudo
sabe, pondera, analisa, e não
(como quer tanta gente) é esse
bicho papão..

Tolo não há que duvide que
dela se possa fugir e na vida
o destino escolher...Nasci já
sabendo que morro..

Volto aprendendo a viver...

Porto Alegre, março de 2015.

cardiopires

AMOR GRATUÍTO

Milton Pires

Sempre que alguém
me pergunta do medo,
do amor, e da morte

Respondo a questão por
etapas...Jamais aposto
na sorte

A morte é o medo de amar
do mal amador que insulta
o bom coração generoso

Que ama de graça sem culpa

Porto Alegre, março de 2015.

cardiopires

Mim deu vida quando a morte mim rodeava, deu sucego a minha alma cansada, nas noite escuras e sombrias o senhor mim livrou, quando mais precisei o senhor mim ajudou, não poderia encontrar um amor tal como o seu...a alma que um dia era trevas, agora é luz!
No caminho de paz o senhor mim conduz... Amor, paz, segurança em ti encontrei... Procurei em caminhos e nunca achei!
Caminhando agora eu sigo pra te encontrar... Não vejo a hora de chegar aos teus pés e te adorar... Ver com os meus olhos.. Aquele que fez tudo por mim e ainda mim quis cheia de erros assim... Como não te amar?

Eduarda carla

VIDA & MORTE

Foi-me ensinado que Vida e Morte são duas situações contrárias, definitivas e esplendidas! Que o Prazer e a Dor, fazem parte desse processo antagônico para o desenvolvimento humano e crescimento espiritual e, por mais preciosos que sejam, não devemos permitir que ela, a Dor, conquiste e se torne a parte mais importante nesse dito processo, no final da nossa jornada.... Temos que fazê-la, através da oração buscando a redenção, se prostrar ao Amor!

SoninhaBB

Poemas à Morte. 2.

De que os teus fogem
se és a própria morte?
Dela eles chacotam,
chamam-a para jantar,
mas se escondem no altar,
vêem de cima quem os podem matar.
Mas eles estão em fuga, do que eu lhe pergunto.
O meu muro cega deuses,
mas do que adiantará?
Se por dentro deles, sem exitar, passarás?

Por entre mares, tuas feridas passarão.
Por cima de deuses, teus pés pisarão.
És a mais forte das armas.
Matou a mim em primeiro toque.
Chorei a ti, me olhou distante.
Do que foges, morte?

William Philippe.

Poemas à Morte. 5.

A paixão desfigurada
é o retrato fiel do que sinto.
Andando cego pelas estradas,
por mim, passaste rindo.

Em um baile impossível de bailar,
quero o que não posso ter.
Tudo está a me impedir de encontrar,
o mais temido e amável ser.

Na realidade, é possível ter,
mas o ato de ganhar me fará perder
e a escolha final será escolher,
entre morrer e não lhe ver.

Se eu me acabar,
para sempre teu serei.
Mas do que valerá,
de ti ser, e a ti não ter?

William Philippe.

Poemas à Morte. 1.

Com olhos famintos.
Casulos invadidos,
quebrados, destruídos,
só teus olhos fizeram isto.

Insultos mórbidos, louváveis são eles.
Toda beleza e pureza, absorvidas
nas rotas instruídas
por quem não cumpri leis.

Com todos os centímetros imóveis
abre-se mares, vales,
faz-se arte, antes que tarde

peço que me mostre
o que escondem,
os teus olhos de morte

William Philippe.

Poemas à Morte. 4.

Exato como a morte de contrato.
Infinito como a dor invisível.
Em teu peito sórdido e abstrato,
faço-me, como ti, só e indizível.

O pavor que sentes, emocionou-me.
O horror à nós exalou no mar.
A tua alma viva… Matou a ti…
Eu vi, choraste junto ao mar.

Já lhe vi chorar, já chorei pra ti.
Pois somos apenas um, sem rosto.
Sinto muito de quem a ti servir.

Exporei teu corpo nas galerias,
para lhe desejar durante a noite,
para lhe ver quando nasce o dia.

William Philippe.

Poemas à Morte. 3.

Quando tua escuridão refletir.
Surgir o reflexo do vermelho,
do azul, do negro, do peito,
de mim irá fugir.
E sentirá só,
com sangue, sem dó.
Até que a morte vos mate,
disso eu farei arte.

O zelo que sentiste,
inútil chegaste ao fim.
Sem despedidas partiste,
nem pensaste em mim, com ti.

Fugiste de mim,
quando tua escuridão rugiu,
meu peito aberto, e assim
o espírito a ti, seguiu.

Morto sem bússola,
no caminho, sem culpa.
Entende que o fato de morrer,
é só escolher com quem ficar?

William Philippe.

CABELOS DE MÃE

Seus cabelos não ficaram brancos, nem quando a morte teimou em levar você com ela.

Mas sonhei que você estava aqui e que eles teriam tempo de embranquecer devagarinho…

Afinal, qual de nós duas perdeu esse direito: eu de vê-los ou você de tê-los?

(só você sabe como me sinto)

soraya ruffo

Solidão gótica...
Na minha dor a morte... Doce opinião.
Relato desatino minha vida... Bela aparição.
Selado nos últimos anos... Sempre despedida.
Valores que deixei no frio... Coração vadio.
Por causa da tristeza atroz... Vida morta.
Andar nos caminhos escuros... Angustia solitária.
Fundo de poço sem fundo... Mundo em mágoas.
Acordar ou dormir sem vontade... Valor vazio.
Sensações atroz sobretudo o auge... Abismos.
Chorar minhas lágrimas secas... Desespero.
Mais uma tarde ou outro dia... Angustiante.
Terror profundo pura solidão... Amargo coração.

Celso Roberto Nadilo

Não é a morte que me aflige, o que realmente me aflige é o estado pós morte....
Conseguem imaginar autópsias, carros funerários, cangalheiros, flores, lágrimas, fatos, gravatas, pessoas tristes, missas, caixões, família?
Ao morrer o ser humano deveria apenas e só ser mais uma estrela no céu.... click, click....

Sérgio Pereira

Vendo a morte de perto,de esperto me fiz
Corri em direção contraria e meu caminho refiz
Caminho deserto,incerto e ela não me encontrou por um tris
Apesar de ser uma noite de inverno e fazer frio,muito mais fria era ela,mas não me rendi(corri)...
Corri sem saber onde iria chegar,ela queria me levar,mais entre morrer ou matar eu sobrevivi
To aqui pra contar que se com ela eu fosse meu coraçāo ficaria aqui,esbarrei na morte pra poder te encontrar enfelizmente quando te encontrei de imediato te perdi...

Pikena

A vida é feita de escolhas
A morte também
A liberdade tem um limite:
A vida de alguém!
Ao decidir por você
Não use de covardia
A morte do inocente
É ausência de alegria
Se ele não pôde sorrir
Se ele não pôde amar
Que direito é este
Que lhe permite matar?
Bendito é o fruto
Do seu ventre
Vida preciosa e sagrada
Ser Indefeso, feito gente!

gilberto angelo begiato

Onde calam todas as coisas


Calam as rochas
aos pés da montanha.

Cala-se a morte
diante da vida.

Calam-se o sol
diante da lua
e a lua
diante do mar.

O mar cala-se
nos braços do horizonte.

E o homem nos braços da mulher
tende a se calar.

Cala-se a fome
com um pedaço de pão
e a sede
com uma taça de vinho.

A alma cala no corpo
que por sua vez,
cala na terra
a sete palmos abaixo do chão,
sob um pé de manga rosa.

J.W.Papa

SUPLICANTE:



Por ocasião de minha morte,
Tão breve quanto a tua
Não me agracies compaixão,
Melancolia ou pesar
Pois que em vida me odiaste,
Meu coração molestasse
Por que agora caminhas nesse insólito séquito?
Não! Não me indulte funeral,
Cortejo ou adoração
Deixeis que meus entes
Se encarreguem do fato
Com pouca indumentária
E que apenas consigne
A identidade na lapide
Sem muita adornação.

Carlos Egberto Vital Pereira

Outro senhor que tropeçou na Morte

Este não foi mais um tropeço. Mas também ocorreu numa floresta. Estava cerrando uma árvore, se não me engano um Eucalipto. Por incrível que pareça, esta caiu na sua cabeça. Parece idiota escrever ou ler isto. Mas aconteceu de verdade. Uma pessoa que morreu e que deixou aqui uma família. Foi um fim um tanto ridículo para um senhor que tinha tanta história.

Sabrina Niehues

Desde o nascimento até à nossa morte,
à vida nos contempla com diversos ciclos; que vem e vão.
Ciclos de alegrias e de tristezas.
Ciclos de certezas e de dúvidas.
Ciclos de confianças e de temores.
Ciclos de amores e solidão.
E como as marés que vem e vão...
E os dias que terminam; para o iniciar das noites...
Que eu tenha à estrutura, de absorver
e superar estas transições, de forma sábia e serena.
Que eu seja senhor de minha alma e dono de meu destino.

Marcel Cout