Pequenos textos sobre Morte

Cerca de 957 pequenos textos sobre Morte

Não tenho medo da morte....
tenho é pena não ter vivido mais...
das viagens que não fiz, gostaria de ter feito
das rosas que não toquei e do seu perfume
das músicas que não ouvi.....
dos versos e poemas que não escrevi
da chuva que muitas vezes fugi....
do mar que eu tanto amo...
dos dias que tive medo de viver
de amar, de sonhar, de sentir
Quando eu partir meu amor cobre-me.....
de pétalas de rosas e de orquídeas...
e lembra-te sempre de mim.!

MariaIsabelMoraisRF

Na noite

Meus passos vão pela rua,
cada estrela que me olha é um desejo de morte
Não peço mais afaste de mim este cálice.

A rua passa como a vida
como os amores como os amigos
Só o olhar persiste.
Persiste em olhar e contemplar alguma coisa.

Mas, nada mais existe de belo.
nada mais tem gosto ou
se quer tem cheiro.

No olhar só o rosto dela ficou,
a vida que se foi,
os beijos que nunca pediu.

Numa noite maior um grilo canta,
e seu canto ecoa na noite,
um canto melancólico.
Suave, porém melancólico.

João Paulo Borges

E agora que morri?

Me jurou de morte
Trazendo me no sangue da sua palavra
Afiou em minha língua o teu punhal que me guarda
Disse que me beberia
Que eu não era de verdade, que arei sua dor
E sente muita saudade, saudade de flor!
Me acusou de roubo
Furtando meu passado pro seu julgo
Quis que o mundo me expurgue
Agora que morri pra ti
Não acenda vela ou apele prece, pois virei vento
Olhe para o seu céu de centelhas
E se agradece!

André Luz Gonçalves

Umas da coisas mais justa da terra é a MORTE. Talvez a mais justa de todas, ou mesmo a mais justa, sei la!.
Nada importa para a Morte:
Se é rico ou pobre.
Se é feio ou bonito.
Se é preto ou branco.
Se é velho ou novo.
Ela não escolhe, ela vem e leva..Sem dó e sem dor, sem pena e sem piedade!.

Paulo Batista dos Santos

Senhor..
Ainda que eu ande pelo vale da morte
eu confio em ti e não temerei mal algum....
Ainda que eu ande pelo vale das sombras...
eu confio em ti e não temerei mal algum....
Ainda que eu ande no meio do deserto..
eu confio em ti e não temerei mal algum..
Ainda que eu ande no meio da tempestade
eu confio em ti e não temerei mal algum..!

MariaIsabelMoraisRF

a morte nao e o suficiente
eis o problema de quem pensa que sente.
é preciso sentir a vida saindo das veias
arrastando-nos por uma sutil corredeira
como um rio sereno,
Pequeno tormento

poco profundo
no fundo
eu

o gosto do azedo
a imitacao do medo
a explosao do sessego

A autopsia de um corpo
Maculoso
Odiado
Raivoso
Torturado
O corpo

O eco
O poco
O nao posso
O pouco

O Grito
Rouco
Do eco
Do poco
Ainda Pulsa.

- O Poco

Pedro Aquino Cunha

viva suas duvidas,
veja que essa vida uma só perdição,
sinta o toque da morte,
sonhos pode ser profundos na eternidade,
vivemos em templo de desejos,
sob o prazer eterno ainda vivemos,
entre em um mundo de prazeres eternos,
todos nossos desejos podem ser realizados,
basta viver para sempre,
nossos desejos são puros diante do desejo profano,
o tempo é culpado pelo nossos sentimentos,
olhe para dentro de si diga me,
o que é real nessa vida de profanações...
meus sentimentos são eternos,
você compreende isso?
por celso roberto nadilo

Celso Roberto Nadilo

a morte me tocou minha alma e meu destino,
num beijo profundo adormeci em teus braços,
apaixonei me teu olhos entrei a paz eterna,
mas meu espirito não descansara...
enquanto a justiça não for feita..
meu olhos queimam,
quero arrancar minha pele,
pois minha vida foi levada roubada de mim,
o sentimento não mudou ainda te amo...
e um dia minha alma descansará,
então nosso amor será eterno.
por celso roberto nadilo

Celso Roberto Nadilo

olho para face da morte e vejo teus olhos
sinto teu passado no meu coração,
seus sentimento mudaram,
olhe no fundo da minha alma
veja ainda te amo,
esse amor será para todo sempre,
se tu queres que morra amando a ti
amarei para sempre,
sinta meu coração ele morreu,
no dia que me deixou,
mais ainda te amo do mesmo jeito
para sempre vou te amar,
meu coração ainda tenta sobreviver
na angustia de amar você para sempre.
por celso roberto nadilo
·

Celso Roberto Nadilo

- Titulo: Fumante

Inicia nas mãos seu amor ao fogo
na boca a imagem da morte
fenecem-lhe o dia-a-dia as vivas forças

Na temporalidade, internas piramides
tornam-se negras cavernas
a sufocar-lhe plena vivencia

Pulsa o relógio
em fumegantes espirais
e, subitamente na tarde,
o tique-taque para.

Marta Monteiro André

A morte não espera você arrumar a casa
Nem a mala
Nem a sala
A morte não lhe pergunta se você quer ir
Ela chega e te arrebata
A morte não é sua inimiga
Nem tampouco sua confidente
Por isso, cuidado na ribanceira
na estribeira
na cabeceira
Se queres te demorar um pouco mais
Respeita a sua fragilidade
Reconhece o pouco que és.

Meire Moreira

Meire Moreira

Muitos encaram a morte como algo ruim, como algo injusto,
Mas a morte nada é do que apenas uma passagem desse mundo para outro melhor,
Aki stamos apenas de passagem,
E tds nossos atos do dia a dia
Serão lembrados quando formos para o o julgamento final,
E td que fizemos no passado vai definir nosso destino final,...
E por lah ficaremos ate o fim dos tempos,...

Gabriel mendes

Vivendo como se fosse alienada
Tendo a vida como inimiga
E a morte como aliada
E esse paradoxo me fadiga

Sigo tendo o medo como combustível
Vou andando um passo de cada vez
Nessa situação tão lastimável
Vencer e focar eu possa talvez

Não quero cair nesse abismo
Que leva a auto piedade
Não que seja ceticismo
Por que quero viver com dignidade

Não creio que um milagre me aconteça
Por que tudo se ganha com muita luta
Por isso levanto a minha cabeça
Disposta e resoluta!

Juliana Rossi Cordeiro

Morte

Morrer!
E umas viajem
De volta a nossa casa
Descanso da alma
E repouso do corpo

E uma viajem
Ao mais belo jardim
Onde crescem as mais belas flores
Onde os rios são limpos

As águas são doce e tranquilas
Lá não tem brigas ou guerras
Lá só tem compaixão e alegria

Lá não existe lagrimas
Lá não tem rancor ou ódio
Lá tem amor e paz

Mariey (eu)

Vendo a morte de perto,de esperto me fiz
Corri em direção contraria e meu caminho refiz
Caminho deserto,incerto e ela não me encontrou por um tris
Apesar de ser uma noite de inverno e fazer frio,muito mais fria era ela,mas não me rendi(corri)...
Corri sem saber onde iria chegar,ela queria me levar,mais entre morrer ou matar eu sobrevivi
To aqui pra contar que se com ela eu fosse meu coraçāo ficaria aqui,esbarrei na morte pra poder te encontrar enfelizmente quando te encontrei de imediato te perdi...

Pikena

A vida é feita de escolhas
A morte também
A liberdade tem um limite:
A vida de alguém!
Ao decidir por você
Não use de covardia
A morte do inocente
É ausência de alegria
Se ele não pôde sorrir
Se ele não pôde amar
Que direito é este
Que lhe permite matar?
Bendito é o fruto
Do seu ventre
Vida preciosa e sagrada
Ser Indefeso, feito gente!

gilberto angelo begiato

Onde calam todas as coisas


Calam as rochas
aos pés da montanha.

Cala-se a morte
diante da vida.

Calam-se o sol
diante da lua
e a lua
diante do mar.

O mar cala-se
nos braços do horizonte.

E o homem nos braços da mulher
tende a se calar.

Cala-se a fome
com um pedaço de pão
e a sede
com uma taça de vinho.

A alma cala no corpo
que por sua vez,
cala na terra
a sete palmos abaixo do chão,
sob um pé de manga rosa.

J.W.Papa

SUPLICANTE:



Por ocasião de minha morte,
Tão breve quanto a tua
Não me agracies compaixão,
Melancolia ou pesar
Pois que em vida me odiaste,
Meu coração molestasse
Por que agora caminhas nesse insólito séquito?
Não! Não me indulte funeral,
Cortejo ou adoração
Deixeis que meus entes
Se encarreguem do fato
Com pouca indumentária
E que apenas consigne
A identidade na lapide
Sem muita adornação.

Carlos Egberto Vital Pereira

Outro senhor que tropeçou na Morte

Este não foi mais um tropeço. Mas também ocorreu numa floresta. Estava cerrando uma árvore, se não me engano um Eucalipto. Por incrível que pareça, esta caiu na sua cabeça. Parece idiota escrever ou ler isto. Mas aconteceu de verdade. Uma pessoa que morreu e que deixou aqui uma família. Foi um fim um tanto ridículo para um senhor que tinha tanta história.

Sabrina Niehues

Desde o nascimento até à nossa morte,
à vida nos contempla com diversos ciclos; que vem e vão.
Ciclos de alegrias e de tristezas.
Ciclos de certezas e de dúvidas.
Ciclos de confianças e de temores.
Ciclos de amores e solidão.
E como as marés que vem e vão...
E os dias que terminam; para o iniciar das noites...
Que eu tenha à estrutura, de absorver
e superar estas transições, de forma sábia e serena.
Que eu seja senhor de minha alma e dono de meu destino.

Marcel Cout