Para minha Filha pequena dedicatoria

Cerca de 633 pequena dedicatoria Para minha Filha

"A Arte é a mãe! A Escrita é a filha! A Humanidade a Criadora!"

Oseias Faustino Valentim

Me pego pensando, se eu tiver uma filha, como seu nome seria, Maria, Sofia, e Bia, ou Lara, Iara, e Lara, Dandara, samara, pode ser qualquer um só não vale Tamara, não tem graça, eu sei, poderia ser Ana, Iana, e Lana, Itana, tem também Mariana, Poliana, júliana, a Silvana, tem um monte de Nome, Simone, Ivone, Alcione, mas me lembra Danone, então esses nem mete, já sei, tem Janete, Ivete, Tem Lete, Odete, e tem Margareth, não importa qual for contanto que ame, tem Ane, Luane, tem até Mariane, só não vale Yanne que é nome de ex, tem Inês, tem mercês, tem francês, japonês, vou tentar nome gringo. Que é bola da vez, desisti, melhor não, vou pegar uma briza, a Mariza, a Luiza, ôh senhor profetiza, tira a zicka de cena, a Milena, a Lorena, tem até Rafaela, Isabella, Daniela, se eu tiver num dia bom pode até ser a Mirella, quer saber, eu cansei, deixa lá, pra depois, filho a gente faz a dois, e eu já tenho quatro cães, ta faltando o real, pré natal, namoral, ta faltando muita coisa ta faltando até a mãe.

Unachievable - Bispo

A adolescente rebelde, que reclama da mãe. — Personagem freqüente em minhas viagens, ela vai contando toda sua intimidade, não só para seus amigos, mas para todo o ônibus (exceto para os que estão de fone). Diz, e aqui cito suas próprias palavras, que a mãe é “caluniosa”. Acusa a progenitora de ter feito uma festa lindíssima de quinze anos para ela, a filha, somente para se gabar perante a família. Chega ao hediondo de, com a voz esganiçada, levantar a única suspeita que não se levanta a mulher alguma: a da infidelidade. E 'contra' o próprio pai! [...]
São todas iguais: brancas, magras, de nariz afilado e cabelos lisos. Casará aos vinte e três, após um namoro de cinco anos, e não derramará uma lágrima sequer sobre o corpo daquela que lhe deu a vida.

Thomaz Henrique Barbosa

Respeitar o próximo é aprendizado que começa no berço,com os anos se aprimora. SE não respeitar então vai tomar no cú

SilveiraJunior

Parece Que Foi Ontem...


Que vi minha filha NASCER,
se DESENVOLVER, CRESCER...
Até chegar à ADOLESCÊNCIA
e dividir com o seu velho Pai
parte de sua ENERGIA / ALEGRIA
em aventuras e desventuras...
Própria da idade - que na verdade...
Embora, passe por mudanças
fica sempre na lembrança.

Chega a juventude
e agora - na fase mais adulta
o Pai vê a filha em constantes lutas
própria de troca de identidades...
Em que ela terá que enfrentar a realidade
de que a vida não é feita somente de brincadeiras
e que, é preciso pagar o preço
da grande transformação...

Que à deixa DIFERENTE
sem contudo; tirar a satisfação
do Pai que se prende a
CONVICÇÃO
que a filha Nasce, desenvolve, cresce
e ENVELHECE...
Sem perder a GRAÇA e o SENTIDO
de ser eternamente a filha do coração.

Nivaldo Duarte

Um Novo Tempo

Um Novo Tempo de GLÓRIA,
VITÓRIA!
Chegou!
É o Tempo que o SENHOR,
preparou!

Nivaldo Duarte

O Encontro...


Me envolve
por dentro e por fora
Me torna
límpido a toda hora
Me leva
ao Trono da Glória
Me purifica
para uma vida de vitória
Me torna forte
e cria em mim uma fortaleza
Me instrui
a seguir num caminho de proeza
Me segura pela mão
e diz: Ação!
Me enche de certeza;
que és a minha salvação.

Nivaldo Duarte

Não Desista!


DESISTIR! Este é caminho mais FÁCIL! - Prefiro SEGUIR em FRENTE, a VITÓRIA somente se CONQUISTA quando se tem CORAGEM para LUTAR na busca por sinceros IDEAIS; é preciso ter FÉ, ESPERANÇA pra SEGUIR em FRENTE, na BUSCA por CONQUISTAS!

Nivaldo Duarte

SER ANGELICAL



Vi em teus olhos, o amor nascer...
Vi em teus olhos o amor crescer...

Vi em teus lábios, o meu nome declarar...
Vi em teus lábios, dizer me amar.

Vi em teus olhos, verdades e amor...
Vi em teu sorriso, regozijo e louvor...

Vi em tuas mãos, força e segurança...
Vi em tuas mãos, calor e esperança...

Vi em teu corpo, beleza e saúde...
Vi em teu corpo, vigor e juventude...

Vi em teu jeito, um ser angelical...
Vi em teu jeito, alguém sem... igual.

Nivaldo Duarte

CASTELO FORTE




Um dia a beira mar
Uma onda me diz:
Que; "a vida é um vai e vêm
num ritmo sem fim!"

Foi então, que pensei!
O que faço aqui?
Enquanto a onda, eu sei!
Me ajuda a refletir.

Descobri, afinal!
Que a vida, não é de tudo ruim!
E que, o meu grande mal
Era não admitir...

Vejo que, estou com sorte
E não posso desanimar
Sou um "CASTELO FORTE!"
Sobre o mar, a navegar...

Como aprendiz, na vida
Não tenho tempo a perder.
Numa atitude aguerrida
Lutarei sempre, para vencer!

Nivaldo Duarte

AINDA SANGRA
AINDA SANGRA MUITO

AINDA ENGASGA
AINDA CEGA

PRECISO ACEITAR
QUE JÃ NÃO MAIS SOU
O QUE UM DIA FUI PRA TI

DEIXA O SANGUE ESFRIAR
AI TALVEZ EU RENASÇA

TALVEZ A VOZ VOLTE












TÍTULO : AINDA SANGRA
AUTOR : WHYTTIFIELD / JEMAVENI
REGISTRO : 18122012151251017003
PUBLICADO EM : TALENTOS / RECANTO / BECO /
RASCUNHO : 017 /
LIVRO (S) : DEIXA EU GOSTAR DE VOCÊ

À DÉBORA, SIMPLESMENTE DÉBORA

WHYTTIFIELD SAUNDERS

Meu Amor Maior

Deus! Ele, sim! Ocupa o primeiro lugar!
Mas, há espaço para gente importante
o meu coração - ocupar!
Destes, destaco uma,duas, três, quatro
ou mais.
Mulheres que enche meu ser de alegria.
- Mãe, tia, filha, neta e esposa;
flores lindas de meu jardim.
Sou entre os seres, o mais feliz dos homens
pela dádiva preciosa de amar
e ser amado.
São pérolas, que me enobrece
e sei que, na minha pequenez sou aquele que
nem tanto bem, assim merece.
Mas, que a Deus agradece pela gratidão
de ter pessoas tão importante
fazendo morada em meu coração.

Nivaldo Duarte

A caatinga é uma bela dormecida.
Na seca dorme profundamente.
No inverno acorda para revelar toda sua beleza cênica.

Rosangela Silva

A Budiudiuca

Chegou no início da tarde e acomodou-se ali no último compartimento da minha prateleira que ficava encostada no meu tanque de lavar roupa. Sequer me pediu licença. Decerto já sabedora da minha paixão por seus iguais. Para ser mais exata, de minha enorme paixão por todas as criaturas do Uno.
A princípio arredia. Bastava que ela ouvisse minhas passadas para cair no mundo como se só a minha presença a colocasse em perigo real. À medida que eu fui me aproximando sem fazer barulho, pé ante pé, de mansinho, passinhos sonoros para não assustá-la, ela foi se assentando e aceitando a minha presença. Não me evitava mais. E eu, de minha parte tentava fazer o menor ruído possível ali na área de serviço. Não sacudia mais, depois de lavadas, minhas sacolas plásticas para não levantar suspeita de perigo na minha inquilina.
No entanto, ela só aceitava a mim. Bastava que chegasse visita para ela fugir em vôo disparado. E, assim, foi ficando, foi ficando e um belo dia ouviu-se o ruído denunciador da minha condição de avó. Haviam nascido dois.
Minha mãe com experiência na área sentenciou, assim os viu:
— São macho e fêmea.
— Por que sabe? Fiquei curiosa
— O macho é maior e mais forte.
Batizei-os de Leo e Léia.
O que mais me encantava naquela família era a dedicação total da recém-mamãe.
Saia logo cedo e após uma hora mais ou menos voltava com o papo cheio de comida para os filhotes. E ficava lá em cima deles esquentando-os, o restante do dia.
Porém, um dia, saiu e não voltou. Só comecei a me preocupar por volta do meio dia. Disse para minha mãe que aquilo não estava certo, ela havia abandonado os filhotes que ainda não voavam.
Eu olhava ao redor, em cima da casa, no arvoredo próximo e nada da mãe fujona.
Afligi-me com aquela traição e fui para a internet ver o que podia fazer. Que comida dar para os filhotes, enfim, eu tinha de suprir, como avó, a ausência da mãe desnaturada.
Encontrei, para meu espanto, vários relatos de abandono de ninhos pelas mamães rolinhas:
São ‘levianas’, pensei de pronto. Muito magoada e com um enorme dó dos dois pequerruchos despenados, considerei seguir um dos conselhos de um tratador de filhotes órfãos: mingau de fubá sem sal. Quando a papa ficou pronta minha mãe recomendou;
— Coloque bem perto deles, pois eles não vão deixar você pegá-los para colocar goela abaixo.
Assim que me aproximei qual não foi meu espanto quando eles assustados, ensaiaram um voo e caíram desajeitados no chão com grande estardalhaço e por mais que eu tentasse não conseguia pegá-los. Rápidos eles se escondiam entre as bacias e baldes e quando eu conseguia retirar o que me estorvava alcançá-los, eles pulavam para debaixo de outra vasilha. Ficamos lá nessa luta inglória muito tempo, até que desisti e deixei a comida no chão bem à mostra de seus olhares famintos assim que eles resolvessem sair do esconderijo, por conta da fome.
Sai para resolver uns problemas no banco e quando regressei encontrei a mãe andando pelo quintal, vagarosamente como se carregasse o peso do mundo.
Fiquei catatônica.
— Como assim, você não havia sumido?
Ela me olhou demoradamente e eu li naquele olhar a pergunta?
— O que você fez com meus filhotes?
— Eu tentei alimentá-los e eles fugiram, estão por aí debaixo das coisas. Respondi amargurada.
Ela ficou por ali muito tempo e nada de localizá-los. Então resolvi procurá-los para mostrar pra ela que eles estavam ali mesmo escondidos.
Não os localizando, chorei.
— Perdoe-me. Pedi aflita para a mãe. Será que você consegue me perdoar? Implorei para aquele olhar postado em mim doloridamente.
Após vários minutos ela desistiu e partiu. E eu fiquei remoendo a minha dor de haver interferido na didática de ensino da ave. Certamente ela saíra para dar aos filhotes a oportunidade de se virarem sozinhos. Era um meio de forçá-los a saírem para o primeiro vôo a demora do retorno.
Passei o restante do dia moída de remorso. Até pareceu-me que eu tinha declarado a terceira guerra mundial e estava à beira de acabar com toda a vida do planeta terra, tal era a minha dor.
À noitinha saí para dar mais uma olhadela em torno da extensa casa, comprida a perder de vista, e para minha surpresa, avistei o macho, em cima do telhado da cozinha, bem rente à cumeeira de separação com a sala de jantar. Gritei de alegria.
— Léo, você voltou pra vovó.
Ainda em estado de êxtase supliquei esperançosa.
São Francisco de Assis, protetor dos animais, me ajude a encontrar a Leia.
Ele me atendeu prontamente. Léia saiu debaixo do tanque dando saltinhos miúdos, sinal da sua fraqueza por falta de alimentos. Consegui pegá-la desta vez e depois de alimentá-la com uma pequena colher boca a baixo, joguei-a para cima em direção ao telhado. Ela ensaiou um meio voo e parou em cima da casa.
— Léo, cuide da sua irmã até sua mãe voltar, por favor, querido.
Eu tinha certeza que a Budiudiuca voltaria para resgatar os filhos, e ali em cima do telhado era mais fácil avistá-los.
De vez em quando eu saia ao terreiro para ver como eles estavam se saindo. Lá pelas tantas da noite, não conseguindo dormir, voltei ao terreiro e fiquei demasiadamente comovida: eles estavam tão próximos um do outro como se tentassem suprir um pro outro a falta da mamãe.
— São Francisco, por que a Budiudiuca ainda não veio cuidar deles? Perdoe-me a insistência, mas eu preciso que ela volte, a culpa foi minha. Ou então faça com eles arrisquem um voo e sejam vitoriosos.
Fui dormir depois da minha oração muito esperançosa, tenho muita fé no Santo protetor dos meninos irracionais (ou não)? Confesso que ainda alimento muitas dúvidas a esse respeito. Acho que eles pensam e amam como nós humanos, só não desenvolveram a linguagem de palavras.
Ao acordar, corri para vê-los e fui presenteada com uma maravilhosa surpresa: no ninho, que eu não tinha tido a coragem de desfazê-lo, encontravam-se mãe e filha. Ela aconchegada debaixo das asas, só se via a sua pequena cabecinha. A mãe me olhava fixamente. Chorei desta vez de alegria.
— Eu te amo São Francisco. Preciso dizer que beijo teus pés e tua boca, se puder, claro.
Léo não estava lá. Mas a mãe me olhou tão calmamente que eu compreendi o que ela me dizia.
— Meu filho agora é dono do espaço, ele se foi.
Corri a contar para minha mãe que sentenciou:
—Léo voltará, fique tranquila.
Minha irmã não concordou.
— É claro que não volta, ele é novo e não tem noção de rumo, de espaço. Ele se foi pra sempre.
Nós três, eu e as duas aves fêmeas, ficamos num namoro demorado e apaixonado durante a manhã toda. De vez em quando eu ia vê-las e lá no meio do dia em um dos meus regressos no quintal, não as vi, elas não estavam mais lá.
— Foram embora. Nunca mais vou ver nenhum dos três. Fiquei aliviada e feliz pelo desfecho, só que eu teria uma alegria ainda maior...
À tardezinha, fui recolher minhas roupas que já haviam secado e me deparei com a cena mais bela de toda a minha vida. Estavam os três em cima do telhado e em vôos curtos e rápidos, mas numa bela coreografia ensaiada.
Estão se despedindo de mim. Tive a certeza disso e gritei.
—Sejam felizes e se cuidem. O céu é o limite. Amo vocês do fundo do meu coração.
Decorridos três dias, ela voltou passeando pelo chão, deu a volta no quintal todo e de vez em quando me olhava.
— Desmamei-os. Eles agora são donos de suas vidas.
No dia seguinte, apareceu com um galho no bico. Eu a toquei desta vez.
— Vamos nos mudar pequena, não posso deixar a prateleira pra você. Procure outro lugar pro seu ninho, me perdoe.
No dia mudança, eu fiquei pra trás aguardando o caminhão enquanto eles colocavam a mobília no baú e então, ela chegou.
Ficou em cima do muro do outro lado da rua, andando de um lado para o outro, parava e me olhava, muitos, muitos minutos.
— Vou sentir muita saudade Budiudiuca. Acho que desta vez não nos veremos mais. Você não saberá pra casa eu fui e eu não tenho como te levar não é mesmo?
Ela veio para a árvore defronte a casa e pousou no galho mais baixo. Ficou lá até o caminhão sair.
— Meu coração é seu, pequerrucha.
O caminhão foi embora e eu saí, também, olhando pra trás. Ela ficou lá no galho quieta como se com isso fizesse com que eu mudasse de idéia de partir.
Embora, talvez ninguém acredite nisso, eu posso provar. Minha mãe e minha irmã são testemunhas vivas desse meu caso de amor.
Depois de vários meses na residência nova, minha mãe me chamou.
— Vem ver quem está aqui.
Minha amada filha Budiudiuca e seu companheiro. Eu soube assim que a vi. Meu coração a reconheceu. Eles estavam em cima do muro nos fundos da casa e fui lá conversar com ela.
— Minha casa é muito pequena agora e a prateira está cheia de louças que não couberam na cozinha minúscula. Não tem espaço pro seu ninho aqui, mas você tem um vasto mundo pra isso e não ficará com raiva da mamãe, não é mesmo?
Após alguns minutos eles se foram, mas de vez em quando ela volta e o nosso namoro de mãe e filha continua.

Eleni Mariana de Menezes

Talvez você não entenda a dimensão desse amor. Talvez você não entenda o que me move. Talvez você não entenda que é você o meu combustível... Ou talvez você entenda tudo isso, pois sei que me compreende quando se deita em meu colo, quando me olha nos olhos e com simplicidade sorri.. é a melhor sensação do mundo ver você feliz e em paz. A vida é feita de escolhas e eu escolhi você, e se eu tivesse a oportunidade de viver outra vez.. a minha escolha seria a mesma.. TER VOCÊ! Mamãe te ama muito!

Thaíssa Leão

Parabéns filha, hoje é seu aniversário,
sei que está feliz e por isso
também estou.
Você cresceu espalhando alegrias
com este seu jeito simples e meigo.
Todos contagiados por sua simpatia.
Uma filha sempre presente,
te amo minha eterna princesinha...

altairtico

"Pai ...Ô Pai...O teu celular faz o quê?" Uso só pra ligar para as pessoas, filha. E também receber as chamadas..."Tá. E o que mais, Pai???" O que mais? Bom, vejo as horas...
"Ah, pobrezinho... Não tem nem um joguinho!!! Quando eu crescer vou te comprar um bem bonito, tá bom???" O pai ficou tão enternecido com a pequena que nem escutou o aparelho tocar. Pensando bem, mesmo que tivesse percebido, nada perderia por não atender. Afinal, aquela conexão superava -infinitamente- o alcance das torres e sinais.
E seguiram, pai e filha, no banco da praça se lambuzando com os sorvetes ...

Jorge Bettiol

Eduque seu filho do jeito que queira o namorado da sua filha.

Brendo Luka

Esteja preparado para tocar no coração de uma mulher. Pois irá descobrir o manual que tanto busca, divido em capítulos dentre eles: sarcástica, emotiva, engraçada, nervosa, misteriosa, envolvente, ociosa, confusa, carente, dolorida, corajosa, surpreendente, inteligente, preguiçosa, proativa, persistente, virtuosa, confiante, bondosa, preocupada, do lar, esforçada, solidária, tranquila, vaidosa, honrada, amante, esposa, conselheira, filha e o maior de todos, MÃE.

jose neto