Olhando o Mar

Cerca de 523 frases e pensamentos: Olhando o Mar

Dá pra ser infeliz assim?

Eu acordo vejo esse mar lindo na minha frente tenho olhos lindos,cabelos pretos,pele morena.E ainda não dou uma de falsa modéstia me olhando no espelho e dizendo ai aquela banha ali aquela celulite lá eu posso tá um boi de gorda sempre vou me olhar no espelho e dizer ai como eu sou gostosa rsrsrs vai a mulher merece um isentivo mais tá precisando deixar de ser burra e se entregar de mais a essas coisas do corpo pra arrumar Homem num precisa corpo perfeito,e essas coisas pra arrumar Homem aceite-se do jeito que es quem te amar de verdade irá te aceitar do jeito que és mais primeiro você precisa se aceitar...
Então vamos fazer um trato a parti de hoje você vai se amar mais se valorizar mais ai quando tudo mudar você só precisa se olhar no espelho e dizer"Eu sou linda"que tudo vai mudar palavra de quem passou por isso...

Thayna Amanda

Como comparar os olhos de quem se ama?
Com o mar? Não... mesmo com toda sua beleza e imensidão
Não conseguiria competir com teu olhar
Com o céu? Não... mesmo no dia mais belo de sol
Não teria chances com você...
O sol se renderia ao brilho dos seus olhos,
E chegaria a noite, ahh noite... para poder brilhar
A lua me trouxe para você
Para que eu possa fechar seus olhos com um beijo de amor...

Diórgenes Maicon

Fecho os olhos e sinto o som das ondas, o cheiro do mar, o vento em meu rosto e percebo um horizonte lindo diante de mim. Sinto a areia macia sob meus pés, suas boas energias, suas boas vibrações. E lá do alto, uma lua linda que me acompanha e me cuida por onde quer que eu vá. Agora você já sabe onde estou. Se quiser me encontre, me sinta, mesmo que seja nos seus pensamentos.

Cláudio Buethner

Com toda a força
Eu sopro
Até o barco virar
Quando ele vira
Eu grito, olha o mar.

GiovanaSousa

Teus olhos são azuis,azul da cor do mar
mar que banha o oceano,ao azul do teu olhar

joaquim alves

Tributo a Paquetá

Paquetá tem os olhos de mar...
Tem o corpo da “Moreninha”
Que em suas praias caminha
Só querendo brincar
De amar, de amar...
Tem a canção da sereia
Que em noites de luz cheia
Vem pescadores buscar.
Tem cheiro de fantasia
Tem um mundo de poesia
Tem música boa no ar.
Têm poetas, boêmios sonhadores
Que costumam espalhar suas dores
Nas areias frias do seu mar.

Ahhh, Paquetá!
Quem me dera nessa magia habitar!!!!!

Dilean de Bragnça

Mulher

De olhar sonhador
Ela fala de sonhos
Ela crê no amor.
Foi no canto de sereia
Que o mar afogou.
E dança gostoso
Girando as saias
Cigana e sem engana
Nas linhas das mãos.
Ela pede carinho
Procura aconchego
Embora perdida
Implora perdão.

Dilean de Bragança

Maramor...

Andar a beira mar
Respirar fundo esse ar
Olhar o horizonte
E se perder na imensidão...
Delírio de poeta?
Rimas de um trovador?
Não...
Canções de dor
Canção de amor
Que diferença faz?
O dedilhar nas cordas frias
Se nada agora importa
As ondas se acalmaram
Um barco passou...
Bom mesmo é o calor no corpo
Calor na alma embriagada
Pelas lembranças de outrora
Esse mistério
Esse marasmo
Esse esplendor.

Dilean de Bragança

O mar reflete a sua imensidão na imensidão do nosso olhar; é o melhor espelho.

Ju Leiria

"Seus olhos são como o azul do mar; me acalmam, me fascinam, me encantam e quando mergulho neles sinto como se estivesse em um mundo onde só existe paz e tranquilidade."

Liebe ist für alle da

Quando Eu admiro o Mar,Vejo o Brilho dos seus olhos a Brilhar.

Victor Rodrigues

olhando para o mar ;;e o infinito ;;;meleva;;;
acreditar;;;que nao posso acreditar num deus que quer ser
adorado o tempo todo

maria lucia g p

QUANDO FICO AQUI OLHANDO PARA ESTER MAR,PENSO EM VC AO MEU LADO,SINTO PERFUME PENSO QUE É VC CHEGANDO AO MEU LADO MAIS OLHOR PARA OS LADOS E VEJO QUE TUDO ISSO É APENAS UMA ILUSAO,ESTAR QUE UM DIA DEREI A CERTEZA UE TRANFOMAREI EM REALIDADE.

NEGA

Ela era encantadora com esses olhos cor de mar. As sutilezas não estavam só no olhar, e sim, nas coisas que ela falava. Seus olhos, um violão e as suas palavras.
Ah, isso me encantava!

Isabela Mota

— Quero beijá-lo mais uma vez antes de morrer.
Os olhos dele se arregalaram. Azuis como o mar e o céu no sonho de Tessa, quando ele caiu longe dela, azuis como as flores que Sophie colocou em seu cabelo.
— Não...
— Diga nada que não seja sincero — concluiu para ele. — Eu sei. Não estou dizendo. É verdade, Will. E sei que pedir isso ultrapassa todos os limites plausíveis. Sei que devo parecer um pouco louca. — Tessa olhou para baixo, depois para cima outra vez, reunindo coragem. — E se você puder me dizer que pode morrer amanhã sem que nossos lábios voltem a se tocar, e que não lamentará nada, então me diga, e desisto, pois não tenho direito...
As palavras de Tessa foram cortadas, pois ele a pegou e a puxou contra si, tocando a boca na dela. Por uma fração de segundo, foi quase doloroso, afiado de desespero e uma fome quase descontrolada, e ela sentiu gosto de sal e calor na boca, e o engasgo da respiração de Will. E então suavizou, com um controle forçado que ela pôde sentir por todo o próprio corpo, e o roçar de lábios contra lábios, a ação recíproca de línguas e dentes, intercalando dor e prazer em um espaço de instantes.
Na varanda dos Lightwood, ele foi tão cuidadoso, mas agora não estava sendo. Deslizou as mãos pelas costas de Tessa, passando os dedos por seus cabelos, agarrando o tecido solto nas costas do vestido. Ele quase a levantou, de modo que os corpos se tocassem; ele estava contra ela, o comprimento longo do corpo de Will ao mesmo tempo rígido e frágil.(...) Ela segurou firme nas costas e nos ombros de Will enquanto ele a carregava para a cama e a colocava ali. Tessa já estava descalça; ele tirou as botas e deitou ao lado dela. Parte do treinamento de Tessa foi sobre a remoção do uniforme, e as mãos dela foram leves e velozes sobre a roupa dele, soltando os fechos e a puxando de lado, como uma concha. Ele a descartou impacientemente e se ajoelhou para soltar o cinto de armas.
Tessa o observou, engolindo em seco. Se fosse mandá-lo parar, a hora era agora. As mãos cicatrizadas de Will eram ágeis, abrindo as presilhas, e quando ele virou para deixar o cinto cair ao lado da cama, a camisa – molhada de suor e grudando nele – deslizou para cima, exibindo a curva oca da barriga, o osso arqueado do quadril. Ela sempre achou Will lindo, os olhos, lábios e rosto, mas nunca tinha pensado em seu corpo assim. Mas a forma dele era bela, como os planos e ângulos de David, de Michelangelo. Tessa se esticou para tocá-lo, passar a mão, suave como seda, na pele dura e lisa da barriga de Will.
A resposta dele foi imediata e surpreendente. Will respirou fundo e fechou os olhos, e o corpo ficou totalmente imóvel. Ela passou os dedos pelo cós da calça, com o coração acelerado, sem saber o que estava fazendo – havia instinto ali, guiando, algo que não conseguia identificar nem explicar. A mão de Tessa se curvou na cintura de Will, o polegar tocou o osso do quadril e puxou-o para baixo.
Ele deslizou para cima dela lentamente, apoiando os cotovelos em ambos os lados de seus ombros. Seus olhos se encontraram, se sustentaram; tocavam-se por toda a extensão dos corpos, mas nenhum dos dois falou. A garganta de Tessa doía: adoração, melancolia, na mesma intensidade.
— Beije-me — falou.
Ele se abaixou lentamente até os lábios apenas se tocarem. Ela se curvou para cima, querendo encontrar a boca dele com a sua, mas ele recuou, acariciando sua bochecha com o nariz e passando os lábios no canto da boca de Tessa – em seguida, pela mandíbula até a garganta, provocando pequenos choques de prazer pelo corpo da jovem.
Ela sempre pensou nos próprios braços, mãos, pescoço, rosto como coisas separadas – que a pele não fosse a mesma que encobria tudo, nem que um beijo na garganta pudesse produzir efeitos até as solas dos pés.
— Will.
As mãos dela puxaram a camisa dele, que cedeu, com os botões arrancados, e a cabeça dele balançou para se livrar do tecido, todo cabelos selvagens, todo Heathcliff nos pântanos. As mãos dele foram menos certas no vestido dela, mas ele também o retirou, por cima da cabeça, e o descartou, deixando Tessa de camisa e espartilho. Ela ficou imóvel, chocada por estar tão despida na frente de alguém além de Sophie, e Will lançou um olhar selvagem para o espartilho que foi apenas em parte por desejo.
— Como... — perguntou ele. — Isso sai?
Tessa não conseguiu se conter; apesar de tudo, riu.
— Ele é amarrado — sussurrou ela. — Nas costas.
E conduziu as mãos dele até que os dedos encontrassem as fitas. Então ela tremeu, não de frio, mas pela intimidade do gesto. Will puxou-a contra si, agora com suavidade, e a beijou mais uma vez na linha da garganta, e em seu ombro, onde a camisa o deixava exposto, com o hálito suave e quente contra a pele dela, até que ela estivesse respirando com a mesma intensidade enquanto as mãos o acariciavam nos ombros, nos braços, nas laterais. Ela beijou as cicatrizes brancas das Marcas na pele de Will, envolvendo-o até se tornarem um emaranhado quente de membros e ela engolir as arfadas de Will.
— Tess — sussurrou ele. — Tess... se quiser parar...
Ela balançou a cabeça em silêncio. O fogo na lareira já estava quase extinto outra vez; Will era todo ângulos, sombras e pele dura contra ela. Não.
— Você quer isso? — A voz dele soou rouca.
— Quero — respondeu. — E você?
O dedo dele traçou o contorno de sua boca.
— Por isso, eu seria eternamente condenado. Por isso, eu abriria mão de tudo.
Ela sentiu o ardor por trás dos próprios olhos, a pressão das lágrimas, e piscou cílios molhados.
— Will...
— Dw i’n dy garu di am byth — disse ele. — Eu te amo. Sempre.
E se moveu para cobrir o corpo de Tessa com o seu.

Cassandra Clare - livro "Princesa Mecânica"

No olhar de uma criança

No olhar de uma criança
pode se ver o mar
de amor, paz e alegria,
Ou dor, solidão, nostalgia.


No olhar de uma criança
Pode ver a amargura
Quando perde a esperança
Diante das guinadas da vida


No abraço de uma criança
Há a gratidão desmedida
Felicidade no gesto
Ou lágrimas de protesto


Uma criança indefesa
É um anjo caído sem asas
O coração desprotegido
Tesouro no canto esquecido


No sorriso de uma criança
Pode se perceber o medo
Ou conquista de brinquedos
Relicário de segredos


Quando verte o azedume
Ou o sal de muitas lágrimas
O olhar de uma criança
Quer de volta a esperança.

Ana Stoppa

O que somos, miseráveis ou demais?

Olho o mar de um monte
E o meu olhar é triste
Sei que debaixo dessas ondas
Existem conchas, e em algumas perolas...
...negras e brancas...

E esses glóbulos brilhantes
Que o sorriso arranca
Com a força de um guindaste,

O meu pensamento levanta apenas, a altura em que esta
O sofrimento de ter transformado em jóia,
A dor escleral, de uma ostra que é frágil;

No céu os alicerces do arranha-céu divino se desmancham
E sobre toda a paisagem os seus andares caem
Na forma humilde de umas lagrimas:

R. S. JABIS

- Meu olhar é omissado diante o horizonte do mar , enganado pelo sol quando na pista vagar, se plantei vou colher, terra arei e lavrar pois a planta purificou a min e meu ar, a fé é minha crença, primeiramente a Deus vou amar , com ele sem chave abrirei porta sem cadeado me priva a lei do homem é fail só Deus irar me julgar.

Ursklein Andrews

Que me dera ter uma ilusão , de caminhar frente ao mar , do céu infinito , de seu olhar , sem despir de uma saudade da estrela do seu brilho ... falta-me navegar nas ilusões da ira do destino , é o meu pobre coração de menino ...
Alexsandro Xavier da Silva
Conselheiro Lafaiete - Minas Gerais -Rua Olegário Pinto nº487 São João www.faceboockalexaviersilvaxaviersilva-alexaviersil@yahoo.com.br

Alexsandro Xavier da Silva

Amo me perder no mar imenso de teus olhos castanhos..
você é que os torna interessantes
torna o castanho uma cor inovadora e atraente
um mar que desejo me banhar,
e as flores vermelhas de teus cabelos, cheirosos
a brisa sutil de tua respiração
que equaliza em nosso amor
Foi a partir daí que o amor ensinou,
as palavras a se tornarem poesia.

Taís Botelho