O Galo que Logrou a Raposa

Cerca de 187 frases e pensamentos: O Galo que Logrou a Raposa

Biografia

Nascido em 07/05/1960 no interior da Bahia (Local ainda desconhecido), conhecido na sua terra natal como Raposa, pelo seu costume de andar no mato quando criança caçando pequenas aves e por roubar galinhas no quintal dos vizinhos, costume o qual perdeu quando foi morar com sua tia na capital Salvador – BA.
Eberaldo Martins nasceu e cresceu num ambiente hostil, duro para se viver. Sua mãe Augusta Martins morreu quando Eberaldo tinha 19 anos, forçando-o a ir morar com sua tia, terminando os estudos na capital aos 23.
Sem nenhum curso de graduação Eberaldo começa a escrever seus pensamentos, tenta ser colunista em um jornal, mas com o seu baixo nível acadêmico não consegue.
No auge dos seus 51 anos, Eberaldo descobre a internet, então passa a ter como seus leitores os internautas.

Raposa ( Igor Improta Figueredo)

Tive varias paixões de todas delas me esqueci, mas não há amor maior do que meu amor pelas letras!
Cada virgula e ponto; Cada exclamação!
Queria dar mais de mim...
( Raposa )

Raposa ( Igor Improta Figueredo)

Tive varias paixões de todas delas me esqueci, mas não há amor maior do que a vida que eu vivi!
Correndo por esses campos, colhendo os frutos da terra...
Me apaixonei pelo seu encanto, o cheiro forte da relva.
Com um “badogue” pendurado na cintura e uma mira certeira.
Todas as pombinhas que eu via iam parar assadas na fogueira!

Não tive sapatos bons, muito menos esses tênis de marca!
Mas acredite meu amigo, o medo já me fez andar poucos passos sobre as águas.
O sal grosso já atingiu o meu traseiro,
O chumbinho já me passou raspando!
Foi aquele vizinho traiçoeiro,
Que me pegou roubando!

Era divertido aquele tempo, mas eu não posso me esquecer,
Aquelas noites mal dormidas por não ter o que comer!
Minha mãe muito debilitada não conseguia esconder,
O câncer a destruía e foi triste vê-la morrer!

A cidade grande não era muito agradável, pouco eu tinha o que fazer...
Abandonei meus amigos, minha antiga vida. Muito eu tinha o que aprender!
Logo arrumei trabalho e a noite eu estudava.
Ir para a escola era difícil, cansado do trabalho exaustivo, o sono me abraçava.

Conclui o segundo grau e sei que isso não é o bastante...
Mas sem dinheiro para pagar uma faculdade como eu seria um estudante?
As Universidades Federais eram/são complicadas de mais para ingressar, lembro-me do fraco ensino das escolas pública, não daria nem para cheirar a prova do vestibular!

O meu sonho é e sempre foi cursar Letras, mas isso eu ainda posso fazer...
Hoje me sobra tempo, eu não tenho mesmo nada a perder!
Filhos criados e uma esposa que sabe se cuidar;
Um dos filhos é promotor e não para de trabalhar.
Eu já disse: “A vida é curta, cuidado para não abreviar!”.
O outro é um artista do meio musical, não ganha muito, mas é feliz, sempre de bom astral!
Às vezes precisa de uma ajuda, e eu como um bobo pai empresto aquele “real”.
Nunca recebo de volta, mas a mim não faz mal!

Minha vida é e foi sempre assim simples, e da mesma forma, simples, é que eu escrevo!
Um pouco da minha vida escrita em singelos versos,
Sou o sonho de um, a vida de um, um escritor sincero!

Eberaldo Martins o seu amigo Raposa.

Raposa ( Igor Improta Figueredo)

O orgulho e a arrogância é o caminho mais curto para a ruína e o infortúnio.

O Galo de Briga e a Águia

O que mais me irrita, não é a pessoa fazer uma coisa errada, é cantar de galo como se o feito fosse algo bem feito e bom.

Abilio Brunini

Muitos que cantam de galo não passam de um pintinho na hora do vamos ver!

Denilson Pinto

Se Preto fosse paixão e branco fosse carinho, o que eu sinto por você seria Galo Doido.

Clarissa Braga

Galo que não canta em casa, canta em outra de madrugada.

Helgir Girodo

A raposa é a mais astuta
porque venceu a tal disputa
onde a premiação seria o simples coração
daquele que usa a razão pra expressar emoções

o tolo poeta aqui ficou sem reação
ao ver aquele sorriso bobo e jeito meigo
que fizeram-no perceber que ainda era um leigo
quando o assunto era seu conturbado coração

me arrependo por ter perdido a oportunidade
pois agindo covardemente,
não lutei por meus sentimentos de uma forma bravamente
e agora posso não ter mais pela eternidade
a garota com o nome raposa
aquela que queria para ser minha esposa

Bruno M. Tôp

"Foi então que apareceu a raposa:

— Bom dia, disse a raposa.
— Bom dia, respondeu polidamente o principezinho.
— Quem és tu? Tu és bem bonita...
— Sou uma raposa, disse a raposa.
— Vem brincar comigo, propôs o principezinho. Estou tão triste.
— Eu não posso brincar contigo, disse ela. Não me cativaram ainda.
— Que quer dizer "cativar" ?
— É uma coisa muito esquecida, disse a raposa. Significa "criar laços..."
— Criar laços ?
—Tu és ainda para mim um garoto igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens também necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim ÚNICO no mundo. E eu serei para ti única no mundo...
E a raposa continuou:
— Minha vida é monótona. Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei um barulho de passos que será diferente dos outros. Os outros passos me fazem entrar debaixo da terra. O teu me chamará para fora da toca, como se fosse música. E depois, olha! Vês, lá longe, os campos de trigo? Eu não como pão. O trigo para mim é inútil. Os campos de trigo não me lembram coisa alguma. E isso é triste! Mas tu tens cabelos cor de ouro. Então será maravilhoso quando me tiveres cativado. O trigo, que é dourado, fará lembrar-me de ti. E eu amarei o barulho do vento no trigo...
— Por favor... cativa-me! - disse a raposa.
— Bem quisera, disse o principezinho. Mas tenho pouco tempo e amigos a descobrir e coisas a conhecer.
— A gente só conhece bem as coisas que cativou, disse a raposa. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo pronto na lojas. Mas como não existem lojas de amigos, eles não têm mais amigos. Se tu queres um amigo, cativa-me !
— Que é preciso fazer ?
— É preciso ser paciente. Sentarás primeiro longe. Eu te olharei e tu não dirás nada. A linguagem é fonte de mal-entendidos. Mas cada dia sentarás mais perto... E virás sempre na mesma hora. Se tu vens às 4, desde às 3 eu começarei a ser feliz. Quanto mais a hora for chegando, mais eu me sentirei feliz.Às 4 horas, então, eu estarei inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade. Mas se tu vens a qualquer momento, nunca saberei a hora de preparar o coração...

Assim, o principezinho cativou a raposa."

Saint-Exupêry

"- Adeus, disse a raposa. Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos. - O essencial é invisível para os olhos, repetiu o principezinho, a fim de se lembrar. - Foi o tempo que perdeste com tua rosa que fez tua rosa tão importante. - Os homens esqueceram essa verdade, disse a raposa. Mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas. Tu és responsável pela rosa..." "- E quando te houveres consolado (a gente sempre se consola), tu te sentirás contente por me teres conhecido. Tu serás sempre meu amigo. Terás vontade de rir comigo. E abrirás às vezes a janela à toa, por gosto... E teus amigos ficarão espantados de ouvir-te rir olhando o céu. Tu explicarás então: "Sim, as estrelas, elas sempre me fazem rir!" E eles te julgarão maluco. Será uma peça que te prego..."

Trecho do livro O pequeno Principe

É preciso ser raposa, para conhecer as armadilhas e leão, para aterrorizar os lobos.

Machiavelli

A gente só conhece bem as coisas que cativou,disse a raposa. Os homens não tem mais tempo de conhecer coisa alguma. Comoram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos,os homens não têm mais amigos. Se tu queres um amigo, cativa-me!

O Pequeno Príncipe - Antoine de Saint-Exupéry

Pequeno príncipe,
Deixes a rosa
Que só lhe causas dor
E venha viver
Com a raposa que tu cativou
E que só quer te dar amor.

Lila Pilz

O amor essa raposa, passou me roubando pena, apenas.

Geysisvanda

Foram excluídos todos os arquivos temporários no navegador da Raposa Flamejante!

Fillipe Amorim

A ARTE DE CATIVAR... O PEQUENO PRÍNCIPE E A RAPOSA

"O Pequeno Príncipe" de Antoine Saint-Exupéry
Releitura


"Era uma vez uma raposa que vivia sozinha em uma floresta. Bonita, de pelo lustroso e castanho, a raposa era caçada por inúmeros homens que tentavam sempre se aproximar dela. Muitos a queriam, e ingênua, muitas vezes ela caiu em suas armadilhas, porém, esperta, sempre conseguiu fugir a tempo, saindo apenas com pequenos arranhões. Que, estranhamente, não cicatrizavam rápido, mas que, de fato, não eram tão profundos. A raposa então tornou-se arisca e passou a evitar os humanos, até que um dia, um pequeno príncipe chegou em sua floresta.
- Quem é você? Perguntou, apreensiva, a raposa.
E ele respondeu seu nome de príncipe, mas a raposa insistiu:
- Você é um caçador?
Ele respondeu com um sorriso: - Não! Sou um príncipe.
A raposa desconfiou, farejou o ar, mantendo-se sempre a distância.
- Príncipe? Pois você tem cheiro de caçador.
O príncipe sorriu e tentou se aproximar, mas a raposa rosnou e se afastou. Mas ele não temeu e se aproximou mesmo assim e facilmente dobrou os joelhos e colocou a raposa em seu colo, que tremia, mas ele colocando seus dedos por entre o pelo castanho a fez se acalmar. E a raposa, com seus olhos negros, que brilhavam somente conseguiu falar:
- Por favor, me cativa?
- O que quer dizer "cativar"? Perguntou o príncipe, com os olhos fixos na raposa deitada em seu colo.
- É algo há muito tempo esquecido - disse a raposa - Significa "criar laços". Significa que você é para mim diferente de todos os príncipes e caçadores que encontrei por aí. Que para ti não sou uma raposa igual a cem mil outras raposas. Se você resolve me cativar e eu também te cativo, nós teremos necessidade um do outro. E eu serei único para ti, e você será único para mim...
- Entendo! - disse o príncipe - Um dia, uma flor me cativou. Ela era única para mim...
- Nada é perfeito! - suspirou a raposa, logo em seguida retomando seu raciocínio - Minha vida têm sido muito monótona, eu caçava galinhas, os homens me caçavam. Todas as galinhas se pareciam, todos os homens também. E isso realmente me incomodava, sabe? Mas se você, meu príncipe, resolver me cativar minha vida será cheia de sol.
Então a raposa calou-se e observou por muito tempo o príncipe, que somente a acariciava por entre os pelos castanhos:
- Por favor... cativa-me! Disse a raposa.
- Sim - disse ele - o que é preciso fazer? Diga-me que farei.
- É preciso ser paciente - respondeu a raposa - temos que nos encontrar todos os dias, e conversar, primeiro a distância, mas aos poucos você chegará cada vez mais perto. E todo dia tem que voltar.
E assim o pequeno príncipe fez, e todo dia ele voltou, e assim cativou a raposa. Todos os dias um pouquinho mais".



Cativar?
O que de fato desejas?
Permanecer entre as vírgulas?
Quem dera se esta sua abstrata sensibilidade, fosse guiada por novos rumos, e não se privasse do desconforto da duvida quando diante de teus próprios anseios.
Sua observação... "indefinida", me dispersa, me irrita, e a ausência de uma ação causou a reação de uma entrega que não aconteceu, seria este um ato singular?
Escrever fascina... mas esclarecer supera o êxtase.
Gosto de quem olha nos olhos e fala! Nada de linhas e entrelinhas. Eu quero ouvir o som, o som daquilo que não estará transcrito em livros ou manuais de instruções.
Seja claro, para não ser esquecido.
Porque não estou propensa a te esquecer!
Mas lhe digo, meu coração não tem uma cadência definida, é imprevisível, e subliminar!
Descompensado e descompassado, e em muitos momentos chega a ser débil, mas possui um senso prático de escolhas e se basta quando farto de amores assimétricos e sentimentos imprecisos.
É eminente que me enxerga como louca, confirmo de fato sou, as paixões me movem...
Mas como não se alterar? Abster-se de escolhas? Preferir o caminho avesso as sinuosidades?
O não escolher, por si já é uma escolha.
Então que seja o afeto explicito o principio, desta desordem, que seja a causa e efeito o perfazer desta amizade visceral.
Não tenha muita pressa, mas tente não se ater, pois se não houver em ti desejo suficiente para apreciar a curiosidade, a inércia lhe consumirá.
Não sou feita de meros toques, ou retoques, sou apenas uma versão absolutamente mutável, governada por valores, instintos, crenças e intuição.
As vezes me observo e bem lá fundo e me assusto!
Há ainda tantos anseios, vontades certamente insanas para olhares que guardam sua obsoleta lucidez na gavetinha de cabeceira, mas não me privo de tê-las e desejá-las, e querer realizar cada uma delas a meu momento. Tudo bem eu sinto que a qualquer instante tudo vai se tornar numa grande tragédia emocional de caráter generalizado onde certamente irá atingir alvos não previamente estabelecidos. Mas fazer o que se nunca tive uma cabeceira, nem tão pouco a gavetinha?
Sei que há por ai um certo ditado que diz: "Quem muito quer nada tem"
Eu particularmente o considero de péssimo gosto, pois isso tem cara daqueles tipinhos que são dados ao comodismo.
Como não desejar muito?
Fico aqui imaginando aqueles que realmente fizeram História, os grandes inventores, criadores, pesquisadores, artistas, personagens fantásticos que pisaram aqui na Terra e mudaram o mundo, ali sentados contemplando o infinito e se permitindo a tal condição de pensamento?
E você ai deste seu observatório, analisando as fontes de energias, gerando emoções, retardando reações e comprimindo corações, fará o que para sair da caixa ?
Consulte seu terapeuta, pois certamente ouvirá que minha presença é prejudicial a sua saúde.
Mas se mesmo assim, desejar correr riscos, então pare de pesquisas no Google, nada que encontrar chegará perto de uma definição coerente. Lembre-se não sou nenhum ratinho de laboratório, não estou a espera de analises.
Sou apenas a raposa.


Rê Pinheiro.

Rê Pinheiro

GUIA INSPIRITUAL

o mentor do poeta
deve ser uma raposa
arquiteta de caverna

o sentido sempre alerta
caça palavra-rato
sutil como mariposa
rima passo com passo
olho de gato
pelo que pousa
na ca[l]ma da neve que nos leve
por uma viagem outra

a gente de bobo
com garra de lobo
se agarra

[h]a rastros esparsos
por essa viagem toda

Dija Darkdija

Assim o principezinho cativou a raposa. Mas, quando chegou a hora da partida, a raposa disse:
-Ah! Eu vou chorar
-A culpa é tua, disse o principezinho, eu não te queria fazer mal; mas tu quiseste que eu te cativasse... ( O Pequeno Príncipe)

Não Permito Que Mais Ninguém Me Cative.
Quanto Tu És Cativado Por Alguém Sentes Necessidade Desta Pessoa Ela É Para Ti Única No Mundo E Quando Tu Cativas Alguém Tu És Para Ela Único No Mundo.
E Eu Não Quero Que Mais Ninguém Se Torne Único E Depois Se Vá.
Quando Você Me Cativou Se Tornou Como Fonte No Deserto Pra mim.
(Agora entendo a culpa é minha)

Geisy Queiroz (com trechos do livro O Pequeno Principe)