O Galo que Logrou a Raposa

Cerca de 194 frases e pensamentos: O Galo que Logrou a Raposa

"E a terra era sem forma e vazia!"

Ainda continua vazia!
Vazia de amor, vazia de justiça...

(Raposa)

Raposa ( Igor Improta Figueredo)

Biografia

Nascido em 07/05/1960 no interior da Bahia (Local ainda desconhecido), conhecido na sua terra natal como Raposa, pelo seu costume de andar no mato quando criança caçando pequenas aves e por roubar galinhas no quintal dos vizinhos, costume o qual perdeu quando foi morar com sua tia na capital Salvador – BA.
Eberaldo Martins nasceu e cresceu num ambiente hostil, duro para se viver. Sua mãe Augusta Martins morreu quando Eberaldo tinha 19 anos, forçando-o a ir morar com sua tia, terminando os estudos na capital aos 23.
Sem nenhum curso de graduação Eberaldo começa a escrever seus pensamentos, tenta ser colunista em um jornal, mas com o seu baixo nível acadêmico não consegue.
No auge dos seus 51 anos, Eberaldo descobre a internet, então passa a ter como seus leitores os internautas.

Raposa ( Igor Improta Figueredo)

Tive varias paixões de todas delas me esqueci, mas não há amor maior do que meu amor pelas letras!
Cada virgula e ponto; Cada exclamação!
Queria dar mais de mim...
( Raposa )

Raposa ( Igor Improta Figueredo)

Tive varias paixões de todas delas me esqueci, mas não há amor maior do que a vida que eu vivi!
Correndo por esses campos, colhendo os frutos da terra...
Me apaixonei pelo seu encanto, o cheiro forte da relva.
Com um “badogue” pendurado na cintura e uma mira certeira.
Todas as pombinhas que eu via iam parar assadas na fogueira!

Não tive sapatos bons, muito menos esses tênis de marca!
Mas acredite meu amigo, o medo já me fez andar poucos passos sobre as águas.
O sal grosso já atingiu o meu traseiro,
O chumbinho já me passou raspando!
Foi aquele vizinho traiçoeiro,
Que me pegou roubando!

Era divertido aquele tempo, mas eu não posso me esquecer,
Aquelas noites mal dormidas por não ter o que comer!
Minha mãe muito debilitada não conseguia esconder,
O câncer a destruía e foi triste vê-la morrer!

A cidade grande não era muito agradável, pouco eu tinha o que fazer...
Abandonei meus amigos, minha antiga vida. Muito eu tinha o que aprender!
Logo arrumei trabalho e a noite eu estudava.
Ir para a escola era difícil, cansado do trabalho exaustivo, o sono me abraçava.

Conclui o segundo grau e sei que isso não é o bastante...
Mas sem dinheiro para pagar uma faculdade como eu seria um estudante?
As Universidades Federais eram/são complicadas de mais para ingressar, lembro-me do fraco ensino das escolas pública, não daria nem para cheirar a prova do vestibular!

O meu sonho é e sempre foi cursar Letras, mas isso eu ainda posso fazer...
Hoje me sobra tempo, eu não tenho mesmo nada a perder!
Filhos criados e uma esposa que sabe se cuidar;
Um dos filhos é promotor e não para de trabalhar.
Eu já disse: “A vida é curta, cuidado para não abreviar!”.
O outro é um artista do meio musical, não ganha muito, mas é feliz, sempre de bom astral!
Às vezes precisa de uma ajuda, e eu como um bobo pai empresto aquele “real”.
Nunca recebo de volta, mas a mim não faz mal!

Minha vida é e foi sempre assim simples, e da mesma forma, simples, é que eu escrevo!
Um pouco da minha vida escrita em singelos versos,
Sou o sonho de um, a vida de um, um escritor sincero!

Eberaldo Martins o seu amigo Raposa.

Raposa ( Igor Improta Figueredo)

O orgulho e a arrogância é o caminho mais curto para a ruína e o infortúnio.

O Galo de Briga e a Águia

Aqueles que são incapazes de atingir sua própria meta tendem a depreciá-la, para diminuir o peso de seu insucesso.
É fácil desprezar aquilo que não se pode alcançar.

A Raposa e as Uvas

Se Preto fosse paixão e branco fosse carinho, o que eu sinto por você seria Galo Doido.

Clarissa Braga

Galo que não canta em casa, canta em outra de madrugada.

Helgir Girodo

Essa crônica não tem qualquer compromisso com a realidade ou com algo moral.
Se você for dessas pessoas moralistas ou que não se permite uma leitura despretensiosa, faça um favor a si mesmo e não leia. Se a caso ler, não reclame.

É uma serie de crônicas que relata a vida de um personagem fictício, Chamado de “A rotina de Paulo”.

4 - A morte do Galo.

Caminhava já no final de tarde em direção ao bar para tomar umas como o de costume, olhando pra toda aquela gente meio sem rumo, fedendo a ambição e desespero. Quando do meio da rua surge um grito que rasga a calçada e atinge meus ouvidos, feito bala perdida em dia de feira: Filho da puta! Sabe quem morreu?
Pensei comigo mesmo rapidamente em ser o mais educado possível, mas sabe como é orgulho de macho, tem que responder a altura e de forma clássica. Pelo grito e pela voz que não consegui identificar respondi rápido: O seu respeito filho duma cadela!
O Galo seu corno! Alias que era corno e agora não é mais! Hoje de manhã e não foi cantando!
O Zé! Seu felá duma mãe, como assim? Enroscou o chifre nos fios de alta tensão?
A figura correu para atravessar a rua, quase nem percebe os carros que buzinam e seus motoristas conscientes proferem os mais eloqüentes elogios que se possa imaginar, como é da educação do brasileiro.
Disse gritando pra criatura, não corre se não a suvaqueira ataca e não tem quem agüente ficar do teu lado o infeliz!
Quem dera Paulo, foi desgosto mesmo, a mulher matou ele do coração. Lembra que quando ele tava bebendo umas com nós no boteco e ele sempre se enrolava pra ir embora, pra não dar de cara com a mulher acordada?
Pois então rapaz, ela achou alguém que chega-se cedo e fizesse o serviço no lugar dele! Diz que ontem resolveu chegar um pouco mais cedo e pegou a danada na cama com o Ricardão! Ai o coração não agüentou.
Pois é Zé, até mulher feia quando não tem assistência da problema! O galo era daqueles sujeitos que simplesmente aceitaram a vida, viveu mais ou menos e morreu sem mais nem menos!
Sempre cantou de galo pra nós, mas a galinha dele ciscava em outro poleiro, isso sim que é ironia pensei comigo mesmo!
Pô e o velório e o enterro como vai ser?
Porra Paulo, a viúva disse que não quer nem saber, quer mais é que se foda ele a carcaça! Que a gente é que se virasse já quer era tudo amigo da cachaça.
Coitado o Galo, que bebia pra não encontrar a desgraça, levou chifre da vaca e não tem quem enterre a carcaça! Não preciso nem falar que sobrou pro tudo pro filha da puta do Zé.

Pablo Gabriel Ribeiro Danielli

Muitos que cantam de galo não passam de um pintinho na hora do vamos ver!

Denilson Pinto

O que mais me irrita, não é a pessoa fazer uma coisa errada, é cantar de galo como se o feito fosse algo bem feito e bom.

Abilio Brunini

A raposa é a mais astuta
porque venceu a tal disputa
onde a premiação seria o simples coração
daquele que usa a razão pra expressar emoções

o tolo poeta aqui ficou sem reação
ao ver aquele sorriso bobo e jeito meigo
que fizeram-no perceber que ainda era um leigo
quando o assunto era seu conturbado coração

me arrependo por ter perdido a oportunidade
pois agindo covardemente,
não lutei por meus sentimentos de uma forma bravamente
e agora posso não ter mais pela eternidade
a garota com o nome raposa
aquela que queria para ser minha esposa

Bruno M. Tôp

"Foi então que apareceu a raposa:

— Bom dia, disse a raposa.
— Bom dia, respondeu polidamente o principezinho.
— Quem és tu? Tu és bem bonita...
— Sou uma raposa, disse a raposa.
— Vem brincar comigo, propôs o principezinho. Estou tão triste.
— Eu não posso brincar contigo, disse ela. Não me cativaram ainda.
— Que quer dizer "cativar" ?
— É uma coisa muito esquecida, disse a raposa. Significa "criar laços..."
— Criar laços ?
—Tu és ainda para mim um garoto igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens também necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim ÚNICO no mundo. E eu serei para ti única no mundo...
E a raposa continuou:
— Minha vida é monótona. Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei um barulho de passos que será diferente dos outros. Os outros passos me fazem entrar debaixo da terra. O teu me chamará para fora da toca, como se fosse música. E depois, olha! Vês, lá longe, os campos de trigo? Eu não como pão. O trigo para mim é inútil. Os campos de trigo não me lembram coisa alguma. E isso é triste! Mas tu tens cabelos cor de ouro. Então será maravilhoso quando me tiveres cativado. O trigo, que é dourado, fará lembrar-me de ti. E eu amarei o barulho do vento no trigo...
— Por favor... cativa-me! - disse a raposa.
— Bem quisera, disse o principezinho. Mas tenho pouco tempo e amigos a descobrir e coisas a conhecer.
— A gente só conhece bem as coisas que cativou, disse a raposa. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo pronto na lojas. Mas como não existem lojas de amigos, eles não têm mais amigos. Se tu queres um amigo, cativa-me !
— Que é preciso fazer ?
— É preciso ser paciente. Sentarás primeiro longe. Eu te olharei e tu não dirás nada. A linguagem é fonte de mal-entendidos. Mas cada dia sentarás mais perto... E virás sempre na mesma hora. Se tu vens às 4, desde às 3 eu começarei a ser feliz. Quanto mais a hora for chegando, mais eu me sentirei feliz.Às 4 horas, então, eu estarei inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade. Mas se tu vens a qualquer momento, nunca saberei a hora de preparar o coração...

Assim, o principezinho cativou a raposa."

Saint-Exupêry

"- Adeus, disse a raposa. Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos. - O essencial é invisível para os olhos, repetiu o principezinho, a fim de se lembrar. - Foi o tempo que perdeste com tua rosa que fez tua rosa tão importante. - Os homens esqueceram essa verdade, disse a raposa. Mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas. Tu és responsável pela rosa..." "- E quando te houveres consolado (a gente sempre se consola), tu te sentirás contente por me teres conhecido. Tu serás sempre meu amigo. Terás vontade de rir comigo. E abrirás às vezes a janela à toa, por gosto... E teus amigos ficarão espantados de ouvir-te rir olhando o céu. Tu explicarás então: "Sim, as estrelas, elas sempre me fazem rir!" E eles te julgarão maluco. Será uma peça que te prego..."

Trecho do livro O pequeno Principe

A raposa tanto vai ao ninho que um dia deixa o focinho.

Provérbio japonês

Rap do amor
eu sou o seu lobo,voce é minha raposa,eu sou o seu marido e voce é minha esposa.
voce é muito linda,voce é maravilhosa,eu te amo d+ pois tú é milagrosa.
voce é graciosa,voce é bem cheirosa,voce é muito chique,voce é bem luxuosa

Matheus Pazzini

Águia de binóculos

Torre diz para Raposa velha e Águia de binóculos:
A missão é a seguinte:
Águia de binóculos esteja pronta para guerra daqui a uma hora, pois Raposa velha irá lhe buscar.
Águia de binóculos diz:
Ok.

Após uma hora...

Raposa velha diz para Torre:
Águia de binóculos não esta pronta, qual o procedimento a seguir.
Torre diz:
Nova missão Raposa velha:
Esqueça Águia de binóculos.
Pegue a ponto trinta e vá matar as andorinhas que estão no céu.
Raposa velha diz:
Ok.

Nunca demore para estar pronta, afinal o dedo sempre está no gatilho, e o que não faltam são andorinhas no céu.

Bruno Cavalcante

Lá estava uma calma sábia coruja
Observando uma gatuna raposa furtar
Seus ovos para se alimentar,
mas antes da ação terminar calmamente começou a falar
"Raposa astuta, antes que com meus ovos fuja
Tem algo a lhe dizer, algo para você aprender..."

Claro que a curiosidade da raposa teve de aparecer
E ficou lá esperando a coruja falar
"Aposto que já escutou o leão alto rosnar
E para o vento entonar que o rei da selva não?"
A Raposa concordou sem hesiação...
Ainda sem entender o motivo daquela conversação

"Pois saiba que o pobre leão
Só é rei enquanto se mantiver guardião
Das encostas rochosas e savanas
Tão secas de um predador maior"
"Só pode estar brincando, não há besta pior
Que o leão de infinita gana!"
Respondeu a raposa, já desinteressada nos ovos
Que deveriam ser alimentos novos

A ave sorriu e finalmente concluiu
"Apesar de astuta, és inocente
Por acreditar que tão bobamente
Que leão poderia debaixo da terra
Vencer a toupeira numa guerra
Ou que no interior das embaranhadas matas
Conseguiria derrubar o gorila, rei dos primatas.
O leão só será um grande rei
Enquanto obdecer a mais importante das leis:
A lei da natura, onde prevalece o mais forte
Independente de como o mundo se comporte...

Por isso não venha no céu da noite
Tentar um roubo a rainha do céu
Que irá considerar esse atentado com um açoite
E mostrará que a astúcia não o impede de passar pelo véu"
Assustada a raposa perguntou quando se encolheu:
"Se és a rainha do céu noturno, porque não me abateu?"

"Porque simplesmente estaria desafiando a lei
Que diz que a maior qualidade de um rei
É saber admirar a sabedoria de não tentar nenhuma ousadia,
Então cara raposa cuidado com que anseia
Para não acabar presa em uma perigosa teia,
Ande agarrada firmente a precaução
E perceberá que força e sabedoria detalhes são
Da astúcia que ludibria o coração"

Bruno M. Tôp

A Raposa e o lavrador

Cansado de ver sua colheita sempre sendo parcialmente destruída por aquele pequeno animal, o lavrador conseguiu capturar a raposa. Sem a menor piedade, colocou aguardente em seu corpo e ateou fogo.

Sabendo que ia morrer, ela começou a correr pelo meio da colheita, e tudo a sua volta começou a incendiar-se também. Enquanto se afastava, dizia:

- Da próxima vez, procura ser compreensivo e indulgente! É melhor sempre dar um pouco do que se tem, do que querer guardar tudo! Sempre que fazemos o mal, ele termina se voltando contra nós mesmos!

Paulo Coelho (postado por Renato Oliveira)