Mulher Madura

Cerca de 31 frases e pensamentos: Mulher Madura

Sou uma mulher madura
Que às vezes anda de balanço
Sou uma criança insegura
Que às vezes usa salto alto
Sou uma mulher que balança
Sou uma criança que atura

Martha Medeiros

Sou uma mulher madura
Que às vezes anda de balanço
Sou uma criança insegura
Que às vezes usa salto alto

Martha Medeiros

O rosto da mulher madura entrou na moldura de meus olhos.

De repente, a surpreendo num banco olhando de soslaio, aguardando sua vez no balcão. Outras vezes ela passa por mim na rua entre os camelôs. Vezes outras a entrevejo no espelho de uma joalheria. A mulher madura, com seu rosto denso esculpido como o de uma atriz grega, tem qualquer coisa de Melina Mercouri ou de Anouke Aimé.

Há uma serenidade nos seus gestos, longe dos desperdícios da adolescência, quando se esbanjam pernas, braços e bocas ruidosamente. A adolescente não sabe ainda os limites de seu corpo e vai florescendo estabanada. É como um nadador principiante, faz muito barulho, joga muita água para os lados. Enfim, desborda.

A mulher madura nada no tempo e flui com a serenidade de um peixe. O silêncio em torno de seus gestos tem algo do repouso da garça sobre o lago. Seu olhar sobre os objetos não é de gula ou de concupiscência. Seus olhos não violam as coisas, mas as envolvem ternamente. Sabem a distância entre seu corpo e o mundo.

A mulher madura é assim: tem algo de orquídea que brota exclusiva de um tronco, inteira. Não é um canteiro de margaridas jovens tagarelando nas manhãs.

A adolescente, com o brilho de seus cabelos, com essa irradiação que vem dos dentes e dos olhos, nos extasia. Mas a mulher madura tem um som de adágio em suas formas. E até no gozo ela soa com a profundidade de um violoncelo e a sutileza de um oboé sobre a campina do leito.

A boca da mulher madura tem uma indizível sabedoria. Ela chorou na madrugada e abriu-se em opaco espanto. Ela conheceu a traição e ela mesma saiu sozinha para se deixar invadir pela dimensão de outros corpos. Por isto as suas mãos são líricas no drama e repõem no seu corpo um aprendizado da macia paina de setembro e abril.

O corpo da mulher madura é um corpo que já tem história. Inscrições se fizeram em sua superfície. Seu corpo não é como na adolescência uma pura e agreste possibilidade. Ela conhece seus mecanismos, apalpa suas mensagens, decodifica as ameaças numa intimidade respeitosa.

Sei que falo de uma certa mulher madura localizada numa classe social, e os mais politizados têm que ter condescendência e me entender. A maturidade também vem à mulher pobre, mas vem com tal violência que o verde se perverte e sobre os casebres e corpos tudo se reveste de uma marrom tristeza.

Na verdade, talvez a mulher madura não se saiba assim inteira ante seu olho interior. Talvez a sua aura se inscreva melhor no olho exterior, que a maturidade é também algo que o outro nos confere, complementarmente. Maturidade é essa coisa dupla: um jogo de espelhos revelador.

Cada idade tem seu esplendor. É um equívoco pensá-lo apenas como um relâmpago de juventude, um brilho de raquetes e pernas sobre as praias do tempo. Cada idade tem seu brilho e é preciso que cada um descubra o fulgor do próprio corpo.

A mulher madura está pronta para algo definitivo.

Merece, por exemplo, sentar-se naquela praça de Siena à tarde acompanhando com o complacente olhar o vôo das andorinhas e as crianças a brincar. A mulher madura tem esse ar de que, enfim, está pronta para ir à Grécia. Descolou-se da superfície das coisas. Merece profundidades. Por isto, pode-se dizer que a mulher madura não ostenta jóias. As jóias brotaram de seu tronco, incorporaram-se naturalmente ao seu rosto, como se fossem prendas do tempo.

A mulher madura é um ser luminoso é repousante às quatro horas da tarde, quando as sereias se banham e saem discretamente perfumadas com seus filhos pelos parques do dia. Pena que seu marido não note, perdido que está nos escritórios e mesquinhas ações nos múltiplos mercados dos gestos. Ele não sabe, mas deveria voltar para casa tão maduro quanto Yves Montand e Paul Newman, quando nos seus filmes.

Sobretudo, o primeiro namorado ou o primeiro marido não sabem o que perderam em não esperá-la madurar. Ali está uma mulher madura, mais que nunca pronta para quem a souber amar.

Affonso Romano de Sant'Anna

Sou uma mulher madura
Que às vezes anda de balanço
Sou uma criança insegura
Que às vezes usa salto alto

Sou uma mulher que balança
Sou uma criança que atura
Quando chegar aos 30
Serei uma mulher de verdade
Nem Amélia nem ninguém
Um belo futuro pela frente
E um pouco mais de calma talvez

E quando chegar aos 50
Serei livre, linda e forte
Terei gente boa do lado
Saberei um pouco mais do amor
E da vida quem sabe

E quando chegar aos 90
Já sem força, sem futuro, sem idade
Vou fazer uma festa de prazer
Convidar todos que amei
Registrar tudo que sei
E morrer de saudade

Tenho urgência de tudo
Que deixei pra amanhã

Acho que não sou daqui
Paro em sinal vermelho
Observo os prazos de validade
Bato na porta antes de entrar
Sei ler, escrever
Digo obrigado, com licença
Telefono se digo que vou ligar

Não sou querida, me atrevo
A cometer duas vezes o mesmo erro

Espelho, espelho meu
Existe no mundo alguém
Que reflita mais do que eu?

Mesmo tendo juízo não faço tudo certo
Todo paraíso precisa um pouco de inferno

Ser bela e calma, quanta inutilidade
Mais vale um bom olhar profundo
E uma vida de verdade

Me corrijam se eu estiver errada
A realidade é nossa maior fantasia

Pudesse eu viver tudo o que imagino
Nem sete vidas me dariam tanto fôlego...

Martha Medeiros

Uma mulher madura...

Não provoca...já é provocante!
Não é inteligente...é sábia!
Não insinua...mostra sutilmente!
Não se precipita...espera o momento certo!
Não pensa em quantidade...prefere qualidade!
Não vê...observa!
Não anda...caminha!
Não julga...analisa!
Não procura...desperta os seus sentimento e vontades!
Não prende...deixa livre!!!
Porque...
Sabe o que quer...
Como quer...
É...
Quando quer!

Débora Bastos

Mulher madura, sábia e prudente
Formosa, meiga e talentosa
Valente, forte e inteligente
Mulher doce, encantadora como uma rosa.

Mulher admirável, ativa e cativadora
Carinhosa e que com amor me trata
Tão bela, ousada e sedutora
Mulher de pele brilhante como a prata.

Mulher de minha vida, perfeição
Misteriosa, suave e delicada
Dona única do meu coração
Mulher amiga, humilde e honrada.

Mulher simples, fiel e singela
Firme, cautelosa e humana
Jóia rara não há como ela
A mulher que este tal poeta ama.

Mulher sempre presente e de alma pura
Mereço-a da forma que ela é
Tanto amor há nessa criatura
E como é grande o meu amor por essa mulher.

EdjaneMendes

E por onde andei, por onde passei e o que vivi, me tornaram hoje uma mulher madura, verdadeira e que aconselha quem precisa. Hoje não sou mais frágil, pelo contrário, sou tão forte que eu mesma tenho orgulho de falar, eu cresci.

Mirlene Gonçalves

Fora de contexto
Por William Calixto

De que adianta falar se o que diz não condiz com o que está?
De que adianta também dizer sem o respaldo que lhe convêm?
Vale a pena continuar as margens?
Vale a pena morrer as cegas, negar o peito e esconder a cara?
Vale a pena viver fora... “Tô por fora”
Vale?... “Não tenho nada a dizer”
“Nada a declarar”
“Nada...”
"Apenas deixa estar..."
Não!
Veja a descaracterização do medo...
Sinta a plenitude de viver fora de suas cadeias... 
Veja!  O céu anil... 
Sorria!  Livre dos grilhões do próprio preconceito de ser quem és... 
Vem a pergunta:
"A partir de onde me vejo? De quem?"
De tudo menos eu.
Destrone este primeiro demônio
A partir daí, a opinião alheia?
Passa a ser apenas a alheia! 
Sempre é tempo.
"Miga quer causar?"
Não. Imagina... Deve ser o vermelho encarnado que trago nos lábios!
Não tenho tempo a perder com conversas inúteis e pessoas que não fazem a diferença e por nunca estarem... Alheias a quem sou, julgam-me apenas pela aparência.
Apenas pela aparência? 
Não ouse me reduzir a reticências!!! 
Por favor, dê-me licença! 
Apenas...

William Calixto Barbosa

Garota complicada essa hein, ninguém a definia. As vezes tão menina, outras vezes tão mulher. Madura o suficiente para falar, e imatura a ponto de não querer ouvir. Agia como adulto, mas chorava feito criança. Se enchia de esperanças e se debruçava em seus sonhos, mas tinha lá suas decepções. Gigante por dentro e tão pequenina por fora. Mente de uma mulher de 30, coração de uma adolescente de 15 e sensibilidade de uma criança de 5. Eita garota maluca, mas ela até que gostava de ser assim.

Pablo Reis Expresiones

"A Mulher madura realmente é diferente de todas
ela não se preocupa em perder pois é alto confiante.
coração puro, olhar de quem já passou por muitas lutas
se ama é é muito amada. Ela tem doçura no falar, é frágil
como uma rosa, mais também tem seus espinhos. Sua
presença é sentida por onde passa. Deixando sempre um
perfume de flores, Carrega em si amores, mais também dores,
é feliz só de se olhar no espelho. Cada marca uma historia,
cada historia uma memoria, dias vividos, de um tempo que
guarda na memoria".

Eliana Angel Wolf

POIS É

A verdade pode durar uma vida inteira, perseguir uma mulher madura, assaltada de lembranças provocadas por uma amiga que mexe com uma varinha "o fundo lodoso da memória". E, de repente, a avó percebe uma convulsão na sua realidade, porque de repente outra verdade se sobrepõe. Explica. Reduz. E ao mesmo tempo amplia. Pois é. A verdade, em Lygia Fagundes Telles, é tão crua quanto esclarecedora. O que está em seus contos é a vida, sua própria e de outros, tão real e tátil como o chão áspero de cimento.
Reli, com assombro renovado, seu Papoulas em feltro negro, que ela incluiu no livro "Meus contos preferidos". Em onze páginas, Lygia roteiriza, organiza, sumariza, romantiza, anarquiza e enfim suaviza e cicatriza uma vida inteira.
Ojeriza.
Fuga.
Medo.
Ansiedade.
Mentira.
Não foi sem intenção que a narrativa das memórias suscitadas por um telefonema se concentre na latrina do colégio. Era o ponto da tangência. O ponto da fuga. A casinha fedorenta era melhor do que a sala de aula, com aquela presença esmagadora, opressora da professora castradora. Mentira! Tão bem dissimulada que pareceu verdade, por cinqüenta anos. E a verdade, um dia, lhe atinge a face como a aba de um chapéu de feltro, ornado de papoulas desmaiadas.
A memória é sinestésica. E os elementos formais estão ali, polvilhados no conto de Lygia, a declarar a ação dos sentidos. O tato da memória traz a aspereza do giz, o suor das mãos, o pé que esfrega a mancha queimada de cigarro no tapete. A audição da memória pede que se repita a Valsa dos Patinadores, como se repetiu a lembrança pela voz da companheira sessenta e oito, da escola primária. Mas o cheiro da memória remete, primeiro, a urina. A latrina escura. E eis a visão da memória a denunciar a obliteração. Negro quadro-negro. Trança negra. Saia negra. Feltro negro.
No meio do negrume, o sol reflete o seu fulgor majestoso na vidraça. É o esplendor do flagrante descobrimento. "O sol incendiava os vidros e ainda assim adivinhei em meio do fogaréu da vidraça a sombra cravada em mim." Dissimulação - mesmo em meio a tanta luz, há uma sombra. É uma sombra que persegue a personagem até o reencontro com a professora. Sombra, por definição, é uma imagem sem contornos nítidos, sem clareza. Como a professora, morta-viva, "invadindo os outros, todos transparentes, meu Deus!" E Deus, que sombra é esta a que chamamos Deus?
Pois é. Neste conto de Lygia, o gosto da memória, ou a memória do gosto, está ausente. Não se manifesta o sabor. Por que não se manifestou o saber, é por isso?
O conto é partícula de vida. É meio primo da História. Mais do que eventos, registra caráter, caracteres, costumes, clima, ambiente, formas, cores, preferências, gostos. O conto é uma das modalidades da história feita arquivo. Por isso conto, contas, contamos. O conto oral é o livro em potência, a história em potência. Ambos pertencem a quem os usa, e a quem de seus exemplos faz uso.
A escola deve ensinar a ler. Mas também deve ensinar a ouvir. Por isso, também na escola, que é um complemento da família, é preciso haver quem conte histórias. Como Lygia, que nos faz lembrar que é preciso haver a lembrança de uma infância vivida, o acalanto de uma voz querida, contando histórias, ilustrando a vida.
Lygia é de uma franqueza pontiaguda.
Este conto, em especial, é uma escancarada confissão de humanidade. A personagem é Lygia, ou qualquer um de nós. A personagem é frágil. Conquanto pensasse, a vida inteira, que era forte. Imaginava-se executora. Conquanto pensasse, a vida inteira, que era executada. Humana, enfim. Eis a verdade. Eis Lygia. Pois é.



Jornal das Letras, edição de agosto de 2007

Gabriel Chalita

Entende quando eu digo, que sou uma mulher madura que brinca de balanço e ao mesmo tempo uma criança insegura que anda de salto alto...

Martha Medeiros

Procuro incessantemente uma mulher madura, para que juntos possamos saborear os frutos maduros, da vida que outrora fora verde!

José Carlos Ribas

Garota complicada essa hein, ninguém a definia. As vezes tão menina, outras vezes tão mulher. Madura o suficiente para falar, e imatura a ponto de não querer ouvir. Agia como adulto, mas caía feito criança. Se enchia de esperanças e se debruçava em seus planos, mas tinha lá suas decepções. Gigante por fora e tão pequenina por dentro. Mente de uma mulher de 30, coração de uma adolescente de 15 e sensibilidade de uma criança de 5. Eita garota maluca, mas ela até que gostava de ser assim.

Caffèmia, Blasfêmia

O amor da virgem é puro,o ciume da mulher madura é amargo,a virgem te abraça na simplicidade,a mulher experiente te engana com palavras vãs.

Gilmar Fontes

O amor da virgem é saudável,e o abraçar da mulher madura é flecha aguda no coração.

Gilmar Fontes

Hoje quero homenagiar
minha vizinha...

Ela é uma mulher madura,
um pouco doida
[pouco é pouco]
mas dá pro gasto,
e adora fazer barraco.

Passa o dia de porta
aberta,
balançando em uma rede,
com seu querubim
no colo.

As vezes vejo pelo
olho mágico,
seu ex Marido
chegar, para tirar
as teias de aranha,
acumulada,
acho que é por isso
que a bichinha vive
nervosa o dia inteiro,
não goza, so pensa
no querubim.

Domingo êle veio
entregar o presento
do dia das Mães,
so que quando ela
recebeu, logo mandou
o coitado embora,
e vi o ricardo-dão chegando
com um caminhão,
e ela mais que apressada,
subiu, e falou!

Corre ricardo-dão,
o meu ex korno
está por perto...

Êle:
ok, entao pé na estrada,
mulher do taba-kão,
mas solta meu freio
de mão!

Autoria: Leona

A verdade é, que tem muita mulher madura se achando criança, e muita mulher criança se achando madura.

Jasiel Santos

Eu sou uma mulher madura, mas na tua frente pareço uma menina.

Lady Schramm

Ela já foi tanta coisa
Nessa vida.
Já foi:
Menina,
Mulher,
Madura,
Imatura,
Humilde,
Orgulhosa,
Dor,
Amor,
Calor,
Frio,
Verão,
Inverno,
Outono,
E Primavera.
Já foi,
Mocinha,
Bandida,
Neura,
Drama,
Desespero,
Ansiedade,
Sinceridade.
Já foi,
Início,
Meio
E fim.
Foi nós.
Nó que
Que se
Desatou.
Mas, como dizem
Por ai: Amar,
Re- amar
E remar.
Lembra?

Leandro M. Cortes