Monólogos mais Famosos

Cerca de 57 frases e pensamentos: Monólogos mais Famosos

O silêncio 
Pratique com muita reflexão e humildade o  monólogo do silêncio !!!
Ele faz  muito bem ao nosso corpo e alma . 

Raimundo grossi

PAPO SÉRIO:
"Minha conversa com Deus é um monólogo."

Marcelo Cavicchioli

"Sempre odiei monólogos mas nos momentos de solidão os pratico mesmo assim"

Guilherme Althoff

Muitos confudem eloquência por gritaria, fé por sentimento, oração por monólogo, estudar a bíblia por ler um livro de contos, por isso mesmo são frios, sem vida em Cristo.

Roberson Avellar Ramos

Monólogo parte Mil



" Palheta em cima da mesa, roupa de dormir e chocolate quente ao lado. Sem falar é claro no computador á minha frente e o teclado que digito. Livros a vista e um álbum de fotos ao alcance. Não que goste muito de entrar em meu passado.
Quantas vezes chorei com essa música, sorri com ela, escrevi.
Nos momentos de arrependimento, nos momentos de alegria, nos momentos de “sem emoção” [sabe? Quando a gente ta num exatamente NADA estado de ser?!]
Acho que é uma música que me define. Que consegue me limitar. Mesmo sabendo que na verdade nada pode definir ninguém. [...]"

Trecho de Monólogo parte mil

Aline Cogitare

Oração não é monólogo. É diálogo.

Pr Davi

Monologo

Um garoto caminha solitário em uma rua movimentada lotada de pessoas, presas em pensamentos aleatórios, cada uma em seu mundo particular de ideias, sofrimentos, alegrias, cada alma que passava era uma vida, muitas vezes nem sequer vivida. Mas o garoto não! Ele era feliz, ou ao menos se encontrava assim, ele não entendia a vida, mas adorava viver! Não entendia, até aquele dia.
Ao virar uma de tantas ruas possíveis naquele dia, o garoto se deparou com um velho, sentado em uma calçada, cabelos brancos e longos, desgraçados pelo tempo, apenas uma leve marca de sabedoria que se manifestava como brilho no olhar, ou talvez era só uma lágrima de dor. Ao ver o garoto passar o velho o chamou, com a voz rouca e ansiosa como se já estivesse ali a tempos esperando por ele "Garoto! Sente do meu lado, quero lhe falar sobre a vida!" o garoto curioso que era, se sentou. Então o velho deu inicio ao dialogo que mudaria a vida daquele garoto para sempre.
"Qual sua idade garoto?" perguntou o velho, "Hoje estou com 8 anos, senhor, eu tenho um nome, não precisa me chamar de garoto!" Exclamou o jovem com um ar de imponente que era. "Seu nome não é necessário hoje, garoto! O que tenho a lhe dizer vai além de como você se chama!". "Como pode meu nome não ter importância, ele é o que sou!" Falou o jovem aborrecido, "Não meu jovem! Seu nome é o que você se encontra! Um estado passageiro, amanha você pode não ser mais você mesmo, logo seu nome se perdera no tempo! Ai quem será você então?" Perguntou o velho fitado a reação do garoto, "Eu ainda serei eu! Mesmo que eu mude, mesmo que meu nome se perca, eu ainda serei o mesmo!" Respondeu o garoto, com ar de felicidade por tanta astucia que tinha. "E você pode prometer isso? Pode prometer que amanha será você mesmo? Então me responda garoto, quem e você hoje, para ter tanta certeza de quem será você amanha?", furioso o garoto exclamou "A onde o senhor quer chegar com isso?", o velho deixou que uma lágrima rolasse ao seu rosto e respondeu "Não importa a onde quero chegar, a questão é a onde eu cheguei meu jovem! Eu vi muita coisa na vida, cometi muitos erros, andei por estradas escuras e por umbrais solitários no tempo, eu vi a morte de perto em pessoas cheias de vida, eu vi os sonhos morrem, meus sonhos, sonhos que usurpei de outros, vi as luzes das ideias se apagarem, lutei a batalha mais cruel de todas, a batalha do tempo! Sorri para vitória, mesmo perdendo a guerra, filosofei a metafisica inútil dos sentimentos, eu amei, eu chorei, eu sorri, eu fui a vida cheia de alegria e fui a morte cheia de dor ao ver cada partida, ao ver cada murchar das flores, eu me perdi garoto, tentando me achar, eu me perdi em muitos caminhos que já são sem volta!" Perplexo o garoto se tomou em silencio e depois olhou para o velho e disse "mas o senhor sobreviveu! Esta vivo, esta de pé! Não esta!?", o velho já em lágrimas fitou aquele garoto e disse "Sim meu jovem! Eu estou de pé, eu sobrevivi, ou melhor não tenho mais escolha entre sobreviver ou não, eu apenas vivo e sobrevivo todos os dias! empurrado pelo tempo ou pelas minha necessidades egoístas, meus luxos, meus preconceitos. Eu sobrevivi garoto! Porem ao sobreviver, inconscientemente, eu te matei!" O garoto levou um susto e respondeu "Como assim o senhor me matou?". O velho levantou-se e começou caminhar e se afastar do garoto, que gritou, "A onde o senhor está indo?" o velho se virou e respondeu "Novamente garoto, não importa para onde vou! E sim para onde você vai, mas seja como for meu jovem, não vá para onde vou!" Mas afinal quem é você senhor! Um louco? um sábio? Me diga senhor, preciso saber seu nome! O velho sorriu um sorriso triste e disse "Eu sou... Ou melhor, eu costumava ser você! Garoto".

Carlos Sabo Cantanzaro

Orar não é um monólogo , e sim um diálogo.
Logo , orar sem cessar, é conversar com Deus o tempo Todo.

lucas santos

"Nas instâncias cabíveis, o diálogo se transforma no consenso a ser processado; o monólogo mutaciona-se na imposição que - exceto se manifestamente ilegal - será obedecida."

Luiselza Pinto

Nascemos e vivemos nesse monólogo de finitude

Francis Cirino

Todo vocativo pode ser um diálogo todo monólogo é um pretexto, por mais interessante que alguns aspectos lembre a contradição e a realidade.

Bindes Fá

Não existe diálogo com Deus, existe apenas o monólogo com a nossa consciência.

Marcos Ribeiro Ecce Ars

Monólogo?

- Vai acabar?
- Vai! Tudo!
- Continue...

Francismar Prestes Leal

Relacionamento tem que ter Diálogo, senão vira um Monólogo!

André Suhanov

Normalmente as pessoas usam com Deus apenas um monólogo, elas falam, elas determinam, elas pedem e não se preocupam em ouvir o que Deus quer realmente de suas vidas. Temos mesmo que aprender a perguntar ao nosso Deus, o que queres que eu faça Senhor? Como queres que eu faça Senhor? Com quem queres que eu faça Senhor? O dia que tivermos este nível de intimidade com Deus, não relutaremos tanto com certas situações que nos são apresentadas. Saberemos entender, esperar, perdoar, viver de forma diferente e principalmente a amar sem tantas restrições... Precisamos realmente aprender!!!

Deniane Diniz Domingues

Minha vida é este monólogo teatral sem comédia e com falhas coesivo-textuais.

Alysson Augusto

Já percebeu que normalmente quem discute a relação não discute, apresenta um monólogo a uma plateia muda que se faz de surda?

Andre Saut

MONÓLOGO

Se na vida pudesse trilhar
Sem escolha os trilhos do destino,
Seria assim: como o vento,
Que sopra, sopra e não tem fim.

Se na vida pudesse dançar,
Sem ouvir que música toca,
Seria assim: como a folha,
Que solta,solta e não se prende em mim.

Se no sonho pudesse cantar,
Sem saber quem vai curtir,
Seria assim: como o pássaro,
Que acorda e canta,
Mesmo sem ter alguém para lhe ouvir.

Jôsi Baraúna

MONÓLOGO POÉTICO DE OUTONO

O outono frio sem amor, pode parecer com mergulhar na escuridão fria...

Um passo para adeus dos nossos verões, eu ouço as folhas secas sendo pisoteadas...
Com chocolate quente na caneca, com o coração cheio de saudades de você... E você com saudades de outro alguém, que por sua vez tem saudades de outro alguém ainda...Mas não é de você! O inverno também pode ser minha mente, uma torre de sucesso embalada por este monólogo.. Para quem? -Para eclodir no universo das letras e se tornar mais um texto poético e sem dor... Ontem foi o verão, folhas caem aqui . Este ruído misterioso soa como uma partida..Amo seus olhos verdes de beleza delicada, mas hoje eu estava doce como chocolate, e você preferiu contemplar a paisagem fria e parada na foto tirada de um trem que já passou há muito tempo... Você está sempre fugindo do verdadeiro amor.... Quanto tem nas mãos deixa escapar, quando perde lamenta em saudades... Melhor que eu aprecie poéticos textos, artesanais e meus como raio amarelo e macio de outono! Autora Cleide Regina Scarmelotto

Cleide Regina Scarmelotto (Poeta e escritora)

Ensurdecida de palavras, sou monólogo perpétuo.

Elizabeth F. de Oliveira