Metamorfose

Cerca de 272 frases e pensamentos: Metamorfose

Penso ser uma borboleta em total metamorfose, oras estou em cores, oras me escondo...casulo ou asas?

Cecilia Sfalsin

Na vida, às vezes a gente tem que se arriscar, se reinventar através de uma dolorosa metamorfose, cortar na própria carne, sangrar, mas se libertar de dores ainda maiores que vêm nos torturando em conta gotas através dos dias com a nossa conivência e omissão.

É isso que venho fazendo comigo. Venho me transformando radicalmente em mim mesmo, porém, mais feliz, sem pesos nos ombros, e sem a mínima aptidão de fazer coisas contra a minha vontade ou conviver com pessoas que me sugam e não me acrescentam.

E nessa saga de mudança, vem sendo inevitável começar perdendo pra ganhar depois. Porque ganhar de virada é muito mais gostoso. Porque o mal sempre vem como hospedeiro do bem. Porque certas moléstias só são curáveis através da extirpação de partes importantes de nós mesmos. Porque pra ser feliz, quase sempre é necessário fazer sacrifícios. Porque toda cicatrização é precedida por uma ferida aberta.

Renée Venâncio

Eu sou assim, essa metamorfose ambulante, menina que não sabe amar. Eu me dou, juro que sim! Se entrego com todos os mais verdadeiros sentimentos. Mas é difícil admitir que não sei amar. Talvez seja pelas inúmeras vezes que o AMOR me machucou. Sei que um dia vai aparecer um cara legal, com sentimentos legais e chegará pra me amar de verdade. Estou cheia desses caras que acham que sabem aar, porem no fundo só existe um coração vazio e uma necessidade de um corpo colado junto ao dele . Muitas vezes as necessidades físicas dos homens falam mais alto. Mas com certeza existe alguém que queira realmente ser amado e amar incondicionalmente alguém

Ana Bell

Antes de ser borboleta:
Fique no casulo o tempo necessário...
Resista à metamorfose...
Elimine os vestígios que te aprisionam...
E prepare-se para alçar voo.

YARA ALVES

Somos borboletas de Deus! Passamos pelo apertado e sufocante casulo,mas a metamorfose nos transforma em seres ainda mais belos.

Day Anne

Cada coisa ao seu tempo, cada momento após o outro, e a confiança sempre na metamorfose.

Stuka Angyali

POEMA DE PRIMAVERA

Metamorfose dos encantos
Encaixe dos sentimentos
Delicadezas se ondulam em flores
Nas asas da imaginação
Seu sorriso, meu disfarce
Me perco no equinócio do seu florescer
Num canto bem adubado do meu coração
Outra semente germina
Pulula em vida pós-inverno
De begônias e hortênsias
Ornando meu caminhar.
Quem hibernou, involuntário
Ao saltar para a primavera
Encontra suave brisa
A refrescar a tez acalorada febrilmente.
Enfim vitória de uma semente
É primavera chegando
A esperança renascendo
O colorido tingindo
O caminho do passante
Desencasula... para a vida
Desacrisola... para a maturidade
As forças da natureza me deixam e êxtase
Momento de recomeçar
Floreça em mim a primavera de minh'alma
As lágrimas transformem-se em suave brisa
Ou num orvalho manso a regar meu coração...
Estação das flores dentro de mim,
Reaja ao inverno sequioso dos sonhos meus
E brotem novos sonhos
Novas forças,
Nova vontade de sonhar.
Caminho lentamente, mas com firmeza
Esqueço o que doeu
Apago o traço da dor
Aborto a palavra saudade
Construo ruas de felicidade
Onde dançarei a dança da paz
Com o arco-iris a brincar
Ao vento vão os pensamentos
Novos sonhos, novos alentos
O tempo... ah, o tempo! Meu íntimo confidente,
A primavera me trouxe.
Um dia novo está surgindo
Um sonho novo me envolve
Vida nova...
Saúde...
Paz...
Enfim, a primavera me beija a face.

Alice Poltronieri

Alice Poltronieri

A metamorfose da larva à borboleta é a mais cobiçada do mundo,mas a beleza é plena só no olhar...Olhai às flores irrigadas de sol...consolo, bálsamo, pousa a alegria.
Tudo passa nesta vida medonha!

Márcio Silva

Apesar das dores da metamorfose, é sempre enriquecedor nos "metamorfosiarmos".

Rosa Berg

Somos o ser da metamorfose ininterrupta. Nossas transformações são mais alucinantes que de uma larva, que depois de virar borboleta, morre.

Kléber Novartes

METAMORFOSE


Lá vai a feia lagarta deslizando com seu jeito desengonçado por entre folhas e flores. Ela está sempre apressada, em busca de alimento. Não percebe o sol que a aquece, a brisa que a toca, nem as belezas que a cercam. De algum modo ela sabe que tem de ser rápida. Acumular energia, seu instinto a avisa que seu tempo é limitado, finito. Então sua forma flácida desloca-se sem parar.
Eu fico olhando-a, tomada de certa repulsa, controlando a vontade de jogá-la para longe de mim, ou, com a primitiva crueldade inerente a todo ser humano diante do feio, esmaga-la sob meus pés.
Mas algo em mim se contém. Ela é tão persistente! Repentinamente sinto-me tão parecida com ela. Penso na minha fase lagarta. É quando embrenho uma corrida desenfreada na selva do meu cotidiano, em busca de alimento que abastecerá meu EU. Fase egoísta onde se me é difícil olhar para o lado. Onde meus sentidos conduzem-me como autômato, em busca de acúmulo de energia estagnada, que torna meu espírito obeso. Mas definha minha capacidade de doar e torna anoréxica minha compreensão.
Tenho fome e tenho pressa! Mas não tenho uma meta, um objetivo ou um rumo. Nem consciência. Apenas existo.
Então, das entranhas da minha alma, sinto nascer uma nova necessidade. Eu não a compreendo a princípio. É também uma espécie de fome: falta-me um complemento. A pressa sai de mim e achegam-se às divagações, começam os questionamentos. E o mundo que antes era meu limite, torna-se cansativo.
Lá vou eu, feia lagarta, construir um casulo, onde, na escuridão permanecerei inerte.





Difícil decisão! Admitir que meu espírito é flácido, gelatinoso. Não gosto da forma que tenho, não suporto mais ser lagarta. No aconchegante escuro do casulo onde me encontro, readapto minha visão. Fecho os olhos, abro a percepção e olho para dentro.
Espio nas gôndolas da despensa de minha alma, avalio os alimentos ali estocados.
Quanta coisa que nunca consumirei! E quanta fonte de energia sadia!
Ei! Eu não preciso de tudo isso que guardei. Posso repartir, alimentar.
Olhando com mais atenção, vejo que na ânsia de abastecer-me, tornar robustas minhas certezas, muitas coisas perderam o prazo de validade:
Tornaram-se dúvidas.
Repentinamente o breu torna-se luz e posso ver com exatidão. Ela, a esperança, vem fazer-me companhia. Mas ainda sinto o frio da solidão.
Não posso mover meu corpo inferior, as pernas da minha força de vontade ainda estão atrofiadas. Começo uma longa sessão de exercícios, reeducarei meu instinto, alongarei minha bondade e estirarei ao máximo os músculos do amor incondicional. Então, depois de muito tempo sinto uma nova sensação. Ela sai de mim em forma de uma morna lágrima, deslizando silenciosa pela face resignada da honestidade para com minha condição.
Quero sair daqui, quero nascer de novo. Adquirirei uma nova forma.



O suor escorre de minha face enquanto rasgo o útero da minha segurança. Os soluços do choro que não pode ser contido umedecem as finas membranas que me farão adentrar num mundo novo e desconhecido.
E nasço de novo! Sinto dor. A dor de nascer e saber se impossível retroceder.
Movo os longos apêndices que saem de mim. São asas! Posso voar. No afã de recomeçar, recolho todos os meus pertences, quero subir, redescobrir.
Muito rapidamente percebo que não posso levar nenhum peso sobressalente. Então dou um emocionado abraço de despedida na parte de mim mesma que ficará para trás e o vento brando me leva sem rumo.
Provo o néctar doce da emoção, sinto o perfume da minha nova capacidade. Sou a persistência de levar a beleza. Sou a candura de ver um mundo encantado. Sou a poesia da renovação. Infinitamente mais frágil, mas serenamente mais sábia.
Meu íntimo avisa-me que este é meu último estágio, devo desviar-me dos ventos fortes das dificuldades, do peso sufocante do medo da altura. Embrenhar-me neste fascinante mundo do querer. Eu não tenho nenhum medo de errar.

Mommentum ad Infinitum

Você tem que se preparar para a metamorfose que a vida faz. E venha o que vier, seja forte.” (Lene Dantas)

Lene Dantas

Metamorfose - I

É bossa nova o som que sua luz toca
Mescla os raios de sol ao puro vermelho
Que enaltece sua branca face em anseio
A confirmar meu juízo: é carioca

Mas não conclua agora nem muito pense:
Leves traços, mas seu olhar irradia
O poder de atrair com toda a ousadia
E assim me faz pensar: é brasiliense

É a moça que brinca com meus sentidos
É dentre todas, a mulher mais bela
É a dona dos tesouros escondidos

Onde o sol e o céu são somente dela
É a menina que faz sonhos partidos
E eu pergunto: afinal, quem é ela?

Petrônio Augusto Carvalho Olivieri Filho

Quero ser apenas uma Metamorfose Ambulante, ou apenas Ouro de Tolo. Porque Eu Também vou Reclamar.
Quero viver na Sociedade Alternativa e pegar o Metrô Linha 743, ou até mesmo o Trem das 7 e como Vovó já Dizia, nasce o novo ano. Por isso Tente Outra Vez.
Quero viver como o homem vive com Medo da Chuva e na Louca Paranóia, pode ser como Alcapone, porque...

Eu naci há dez mil anos atrás!!

Thais S.G

Cansei de mim, agora quero você. Cansei desses dias tão iguais, cansei dessa metamorfose que existe nesse nosso espaço, é o único em que podemos só falar, e não ouvir nada.
Cansei do tempo, quero o passado. Sabe, a estória paranoica de Alice, ela sonhava ou vivia? Confunde a cabeça, ela se refez, se propôs um novo começo, e fez assim. Começa no coração, e depois vai pra cabeça, e depois desse mais lá pra baixo. Eu quero entrar em sua casa, bagunçar a sua vida, remexer nas suas coisas e virar do avesso sua rotina. Eu quero deitar-te no chão gelado da sala, abanar seus cabelos, fazer do nada, um tudo. Eu quero parar de ser eu, e ser nós dois, eu quero deixar pra lá o que já está esquecido. Vamos fazer isso juntos, parar de tentar lembrar, porque querendo esquecer você se lembra ainda mais.
Vem cá, te conto estórias, e faço você dormir, vem cá, simplesmente vem. E deixe o depois pra depois, não pense no amanhã, viva hoje, e comigo. Seja a mais linda das flores, seja o que quiser, seja o que eu quero, me deixa pelo menos imaginar. Esse meu lado egoísta que carrego sempre comigo, as vezes disfarço mas você percebe, eu quero ser, então tenho que deixa-la ser também.

Luana Rodrigues

Me sinto um casulo. Mas decidi que é hora de viver uma metamorfose, ser borboleta. Livre, linda e feliz. É hora de radiar paz no espirito de quem me olha.

Gabriela Stacul

Os políticos para manterem-se no poder devem se comportar como uma metamorfose ambulante.

Mário Pereira Gomes

metamorfose - meta amor fase

Enquanto alguns
pensam em estratégias
de sedução para as borboletas,
penso que seria
para mim mais interessante
me tornar uma delas.

Milena Palladino

Metamorfose

Raiou o dia...
Sol a pino
No ar cantava um bem-ti-vi
Havia um arco-íris
Bem no fim da estrada
Flores do campo em matizes
Enfeitavam a manhã.

A alma acendeu
Como um vulcão
Faiscando em cores.

E ainda nem era primavera.

Acordei...

Dilean de Bragança

ETERNA METAMORFOSE.


Eu não sou mais o mesmo homem,
tal como não sou mais o mesmo menino
e mesmo adolescente que outrora fui.
Eu não sinto mais a minha vida como
outrora sentia,
eu não sinto-me no dominio total de minhas funções e
minhas deficiências são simplismente abstratas.
Eu já não mais me importo com a minha vontade,
eu já não mais me interesso por mim mesmo,
eu nunca mais me vi e me reconheci diante do espelho
que agora é um inimigo quando sempre me mostra
um estranho.
Eu sinto que amanhã terei que encarar uma realidade
que me incomoda e me seduz, terei que encarar
o espelho todos os dias ao barbear-me e notar
que até os finos e curtos pelos não são
mais os mesmos, eles embranqueceram.
Eu sinto que para as pessoas não sou mais o mesmo,
o que é perfeitamente compreensível principalmente
quando eu mesmo não mais me encontro, nunca mais
falei comigo mesmo, e sempre chega em um ponto que
sou obrigado a me dizer: “Quem é você? A quanto tempo
está ai? De onde viestes? Porque não te apresentastes
ao entrar? E quando foi que me submetestes a ti?”
Minhas verdades, meus medos, minhas vontades,
minhas razões, minhas virtudes, meus defeitos,
minhas qualidades e principalmente minha aparência
me levam a crer que eu mesmo acabei
livrando-me de mim mesmo. Não sei porque, mas talvez
a junção de tudo isso tenha feito com que eu olhe no espelho
e não me reconheça, mas ainda lembro do outro, sinto falta dele,
vejo ele escondido atráz do que sou hoje e tenho a certeza embora
que utópica de ainda me reencontrar.
Por enquanto, hoje completo 37 anos tentando viver e vivendo,
até que bem comigo mesmo, o que mostra que a vida
é uma eterna metamorfose.

leo poeta