Menina dos Olhos Castanhos

Cerca de 11 frases e pensamentos: Menina dos Olhos Castanhos

A menina de olhos castanhos, do cabelo comprido, do sorriso sincero, da risada esquisita, dos sonhos impossiveis, da esperança interminável, de insegurança constante, dos amigos perfeitos, do coração enorme.
Aquela que se apaixona, que se esquece dos erros, que se envergonha de tudo, que se sente sozinha, e que nunca desiste. A menina que precisa ser protegida, que chora por tudo, que morre de medo, que ama a vida, que se desespera, que aproveita cada segundo, que é romântica, que fica feliz com um abraço, que sonha demais³, que pensa demais, que complica demais e que deseja apenas ser feliz !

Nanná

A menina dos olhos castanhos; dos cabelos compridos; da voz irritante; do sorriso sincero; dos sonhos impossíveis; da esperança interminável; da insegurança constante; dos amigos perfeitos; do coração enorme; que se apaixona fácil; se esquece dos erros; se envergonha de tudo; se sente sozinha; e que nunca desiste. A menina que precisa ser protegida; que chora por tudo; que morre de medo; que ama a vida; que se arrepende das falhas; que aproveita cada segundo; que é romântica; que fica feliz com um abraço; que sonha demais; que pensa demais; que escolhe demais; que complica demais e que deseja apenas ser FELIZ...

mayara

" Olhos castanhos escuros tinha aquela garota, mas um olhar de menina adulta. Cabelos longos tão preto como o céu. Pele macia de um cheiro deslumbrante, dentes tão brancos que cegavam quem se atrevesse a lhe fazer sorrir. Aos olhos de todos uma linda e meiga garota, embora de um coração orgulhoso mas totalmente lindo. Sua maturidade é comparada há de uma pessoa bem sucedida na vida, mas ela tem apenas 14 anos, o que não a impede de ser bem sucedida, quando foi que citaram que se tem idade pra ser uma boa pessoa? Sua alegria é contagiante embora tenha uma expressão séria, porque nao deixa transparecer seu lado sentimental, pena daqueles que não há conhecem, sinto muita pena, pois eu conheço e sou bem mais feliz por isso"

Karina Garcia

Quando amamos alguém, nossa única certeza é que vamos sofrer.

Matheus Bitencourt

Você me ensinou o significado de amar.

Matheus Bitencourt

Morena

Oh menina!
Dos cabelos castanhos
E olhos morenos
Das mãos de seda
Da voz angelical
Do sorriso estrelado
Teu jeito tímido de ser
Encanta-me
Tua beleza inexpressável
Ataca-me.
Quisera eu
Soubesses o que por ti sinto
Quisera eu
Saber o que falar
Ou como me expressar.
Palavras se misturam
Pensamentos se embaralham
Perdido fico no teu olhar.

Matheus Santi

A História de Sofia

Certo dia, uma menina de olhos verdes e cabelos castanhos e lisos como seda que se chamava Sofia, foi brincar de esconde-esconde com sua amiga em uma floresta perto de sua casa.
Sofia ficou encostada em uma árvore, com os olhos fechados e contou até 20, e depois foi procurar sua amiga.
Olhou em cima de troncos de árvores, em buracos, atrás das árvores e até em lagos, mas nada achou. Onde poderia estar sua amiga?
Então ela decidiu entrar em uma casinha que ficava do outro lado de um laguinho.
A casinha era bem empoeirada, alguns ratos corriam por lá. Um fogão velho, uma mesinha, duas cadeiras, quatro janelas e três armários na parede.
A menina abriu o primeiro armário, e dentro dele um pote com moedas de ouro reluzentes estavam dentro dele, ela pegou o pote e colocou dentro de uma bolsa jogada em um canto da parede.
Sofia ainda procurava por sua amiga. Resolveu abrir o segundo armário, lá havia uma chave verde com formato de quadrado.
Abriu o terceiro, nele tinha uma caixa, uma caneta e um papel.
A caixa estava trancada com chave, então leu o papel, nele estava escrito:

Quem achar esta folha tem sorte, muita sorte!
Siga as instruções:

Pegue o pote de ouro e leve até um tronco
em forma de arco, coloque-o debaixo do arco.

Em seguida Pegue a caneta e faça uma estrela
no verso do papel.

Com a chave abra a caixa e uma grande surpresa
lhe aguarda!

Sofia começou a seguir as instruções, como acharia o tal arco?
Bem, quando ela saiu havia uma trilha de patas de cachorro, que estavam no chão ao lado da casinha, parecia que tinha um cachorro espionando ela, pois o rastro estava debaixo de uma janela.
Ela foi seguindo, quando a trilha acabou, ela parou olhou para a esquerda e para a direita, nada viu, de repente! Ouviu latidos vindos da direção de um sítio, ela foi seguindo o som do latido do cachorro. Quando chegou em um sítio com um casarão enorme e umas vacas e cavalos em um pasto, ela foi se aproximando, chegou na porta
do casarão antigo, que parecia não ter ninguém morando lá, e bateu na porta, toc!toc!toc! Uma voz respondeu:
-Quem é?
-Sou eu, Sofia.
-O que veio fazer aqui?
-Ouvi latidos de um cachorro vindos dessa direção.
-Aqui não tem nenhum cachorro, só vacas e cavalos.
-Mas eu ouvi, e tinha um rastro de patas de cachorro nessa direção!
-Aqui não tem nada! Vai em bora!
-Não! Eu não vou até achar o cachorro!
-Fora daqui!
-Está bem! Eu vou então.
-Já vai tarde! Não volte mais aqui. Nunca!

Sofia insistiu, mas não adiantou, decidiu que iria continuar no sítio, só que na direção oposta.
Ela não desistiu e foi até o pasto, onde cavalos e vacas pastavam.
Foi andando no meio dos cavalos e vacas, conseguiu sair do meio de tanto bicho, foi até um celeiro, o celeiro estava vazio, não totalmente vazio. Havia Sofia e também duas vaquinhas dormindo. A sua esquerda tinha um bloco de capim e uma coisa felpuda como uma vassoura, Sofia se abaixou para pegar e um cachorro pulou de trás do capim. Ela disse:
-Finalmente encontrei você!
-Levei um susto e tanto, mas porque será que você estava
me espionando?
O cachorro se levantou de um monte de palha e respondeu a menina:
-Bem, você também não é nada educada, sai por aí puxando a
cauda dos outros?
-Ah! Você fala? Cachorro não fala!
-Sim, eu falo, e não estava espionando você, estava vigiando você.
-Porque estava me vigiando?
-Sem mim você não acha um tal tronco em forma de arco
e sua amiga.
-Você sabe onde ela e o arco estão?
-Sim, mas vai ter que me alcançar para acha-los.
-Como assim te alcançar?
-Corre!

O cão saiu correndo, e Sofia foi atrás. O cachorro entrou na floresta, mas em uma parte diferente daquela pequena floresta, Sofia nunca tinha visto aquela parte da floresta.
Poderia ser lá que sua amiga e o arco estariam? - Se perguntou Sofia.
-Chegamos - Disse o cão.
-Onde estamos?
-Na parte interna da floresta.
-Como assim parte interna?
-O lado ''mágico'' da floresta.
-Cão, onde está minha amiga e o arco?
-Cão não. Eu tenho nome, meu nome é Rufos, e o seu?
-O meu é Sofia.
-Prazer Rufos.
-Olhe lá seu arco.

O arco estava do outro lado de um rio bem largo. Onde jacarés nadavam.

-Rufos! Olha o tamanho desse rio cheio de jacarés!
-Jacaré é o de menos, o de mais é como vamos atravessar.
-Que tal uma canoa?
-Acho melhor um barco.
-Como vamos fazer um barco?
-Fácil! É só pegar aquele barquinho na beira do rio.

Mas quando Sofia foi puxar o barco um jacaré enorme pulou e tentou pegar ela, no mesmo instante Rufos abocanhou o jacaré bem na cabeça, e o jacaré saiu correndo direto para a água. Rufos disse:

-Eu não disse, estou sempre te vigiando.
-Obrigada!
-De nada, agora escute, assim que colocar o pote de ouro debaixo do arco, você se afasta e pega o papel e a caneta, no verso do papel você desenha uma estrela de quatro pontas, embaixo você escreve S.
Em cima da estrela você escreve N. Na esquerda escreve L na direita O.
-Porque fazer isso?
-Para que volte para casa.
-Mas minha casa é logo ali.
-Não, assim que entrou na floresta, você saiu do seu mundo, você está em um mundo mágico. Como aquele homem do casarão do sítio, ele é um duende e mora lá, foi ele que fez o pote de ouro as instruções e a caixa.
-O que tem na caixa afinal?
-Uma surpresa para quem achasse. Sua amiga voltou para seu mundo, pois ela foi se esconder na casa do duende, o duende não é mal ele só não gosta de intrusos em nosso mundo, então a mandou para casa.
-Ela não se lembra de que nós estávamos brincando de
esconde-esconde?
-Não mais.
-Bom, mas como passamos pelo rio?
-Muito fácil! É só pegar o pote de ouro, uma moeda dele
quando esfregada na mão faz a pessoa ter velocidade.
-É só esfregar na mão e pegar os remos, que vamos voar!

E Sofia e Rufos pegaram os remos e contaram até três, passaram voando pelos jacarés.
Chegaram do outro lado e Sofia colocou o pote de ouro debaixo do arco, em seguida ela pegou a caneta e fez uma estrela no verso do papel de instruções.

-Agora Sofia você coloca o papel com a estrela virada para o lado de baixo.-Disse Rufos.

Uma luz brilhante saiu do arco e um portal de volta para a casa de Sofia se abriu.

-Abra a caixa Sofia.

Ela abriu a caixa e um presente estava lá. Um livro.

-Rufos um livro.
-Um livro com um portal para você voltar para cá quando quiser. Mas aqui não estará em forma de floresta, mas em forma de cidade. Você vai adorar!
-Obrigada Rufos. Eu vou te ver novamente, ou não?
-Sim, vai sim.
-Então lá vou eu, até um dia.
-Vou continuar te vigiando!
-Tchau!

Sofia ganhou um presente:Um amigo!

Dannala

Passo pela rua e encontra uma linda menina de olhos castanhos,perguntei a ela se eu poderia me sentar ao lado dela e ela me respodeu que se eu sentase ela ia se levantar,no outro dia pergutei a ela se ela tinha namorado e perguntei e ela me respodeu que nao era da minha conta,entao no terceiro dia eu falei vou conquistar o coracao dessa donzela com umas lindas palavras como essa.
Ando pela rua um apaixonado que sonhar conquistar uma dozela,ja fiz de tudo para ela me olhar ou a ter mesmo me elogiar só o sol e alua sao testemunha do meu amor.Posso ater um dia morrer só que ela nunca vai saber o quanto sofrei por uma bela rosa que com seus espinhos me sagrarao ater a morte.
Entao a linda menina que tanto me regeitou,ao escutar essa palavras de amor e tristeza ela percebeu que seu grande amor esta na frente dela e ela nao percebia,as vezes a pessoa certa esta na sua frente e voce nem percebe.

renatosagitario

Sei que nunca vou esquecer.

Sei que nunca vou esquecer, a menina dos olhos castanhos que me esperou durante dez anos na esperança de ainda me ter.

Sei que nunca vou esquecer,
Minha estupidez renascendo a cada dia,
Enquanto você escrevia os seus mil versos,
Agora sei que nunca os poderei ler.

Sei que nunca vou esquecer,
Você ensaiando todos os dias a mesma canção
E eu um bobo, bati a porta do meu coração.

Sei que nunca vou esquecer,
Seus sonetos, suas poesias.
Seus trinta anos vividos com muita valentia.

Sei que nunca vou esquecer,
A culpa, a revolta e o ódio pela vida.
Em vê você morrer em meus braços,
Pra perceber que você era tudo o que eu queria.

Christiano Marques

Menina dos olhos castanhos,
vejo que neles esconde algo
que não quer me dizer.
Prefere guardar pra si mesmo,
um fato, que lhe fará,
quem sabe de certa forma sofrer.
Vejo na mudança de seu
belo sorriso, que algo a incomoda.
Questiono a, mas de nada
adianta, não consigo respostas.
Será que realmente ha algo?
ou é apenas minha cabeça
que vê isso?
Talvez se me contasse
eu acharia um porque.
Minha tão esperada
resposta...
Nem sempre um sorriso, significa ser feliz...

Igor Gonçalves Dias

A menina dos sonhos grandes, dos olhos castanhos, dos cabelos compridos, da esperança interminável, da grande força de vontade, do coração enorme. Aquela que não se conquista fácil, que nunca desiste e que sempre persiste. A menina que é apaixonada por boa música, viciada em livros, amante da leitura, e se expressa através das palavras. Que ama a vida, que acredita em si mesmo, que tem fé em Deus, que fica feliz com um abraço, que nunca deixa de acreditar, que acredita em recomeços, que pensa demais, que escolhe demais, que complica demais, ama demais e que deseja apenas ser feliz demais!

Bárbara Flores