Medo de se Apaixonar

Cerca de 120 frases e pensamentos: Medo de se Apaixonar

ser você é uma pessoa apaixonado?
tem medo de falar para pessoa que ama?
si demorar há falar essa pessoa pode ir embora!
e você vai saber que sua vida não vai ter mas sentido de viver,e a dor da solidão vai atingem uma capacidade que você não vai mais controlar!

wenderson nogueira de lima.

“” Eu me apaixono tão fácil, que as vezes tenho medo que você note que é para sempre...””

Oscar de Jesus Klemz

Como posso amar quando tenho medo de me apaixonar...
Medo de me machucar ,de sofrer,de decepcionar ou ser decepcionada ,não conheço amor,nunca amei assim...

Myself

Uma senhora com 105 anos sem medo de pular de para-quedas e eu com 17 com medo de me apaixonar de novo

Leonardo Libardoni

Queria esquecer toda minhas memorias para esquecer você só que tenho medo de te vê e me apaixonar de novo

kattson

Eu sentia medo de me apaixonar. Aconteceu que nunca deixei se aproximarem demais.
Eu tinha medo de que a escrita, de que qualquer sinal de talento, fosse embora. Isso parece tudo que tenho. Isso parece ser o melhor de mim.
Mas a vida - que já me fodeu - me deu novas oportunidades e um olho de cada cor. A vida me deu olhares e janelas diferentes. Hoje acredito em muito do que jamais acreditei. Acredito em amor à primeira vista - ou paixão. Acredito que a felicidade, a alegria, podem bater em sua porta a qualquer momento - mas você deve deixar um lugar no sofá, ao seu lado, para ela sentar. Acredito que alguma inveja pode ser benéfica. Acredito em futuro, na vida, no relógio, nas atitudes...
Enfim, acredito nas verdades que me criei. Acredito no amor. Acredito em nós.

Kevin Martins

Não é medo de se apaixonar , é medo de se decepcionar ...

Juliana Santana

Quando olhei para você,
Não sabia que iria me apaixonar,
Suas palavras não ouvia,
Por medo de me magoar,
Mas quando percebi,
Meu destino estava escrito em teu olhar.

Letícia Marya

Vou roubar seu coração

Tenho medo...
Tenho que confessar.
Estou extremamente apaixonada.
Encontrei em seu olhar o brilho que não havia encontrado em outro alguém.
Perdi a vontade de tudo...
Até mesmo de sorrir.
Sorrir era algo tão comum em mim, se tornou indispensável.
Tenho sede de você...
Não consigo matar está sede que enfraquece meus ossos.
Queria poder me declarar, mostrar minha paixão por você...
Mais não consigo, não consigo erguer uma minúscula pedra por você.
Sou fraca quando penso em me declarar para você.
Tudo em mim agora é seu:
Meu coração, minha mente, o controle do meu corpo, meu pensar, meus sonhos, meus poemas...
Você roubou tudo em mim.
E me deixou assim, alienada por você.
Mais tenho esperanças de um dia roubar apenas algo de você
Seu coração.

Thailza G.

Tenho medo de me apaixonar, não de amar.

Rafael Brito

Não tenho medo da morte, tenho medo é de perder a capacidade de me apaixonar.

Rodrigo Masi

Não tenho medo de amar, não tenho medo de gostar, de se apaixonar e depois quebrar a cara. Medo de se iludir? Claro que não, pra que mais ilusória que a própria vida? Quebrar a cara é preciso, para nos tornar pessoas fortes e sábias, que não tem medo de nada, que não tem medo de se entregar! Vai menina, mergulha nisso tudo, faz o que tiver vontade... se der certo bem, se não é aprendizado. Pense que um dia tudo isso vai passar e mais na frente você vai se perguntar: "Poxa vida porque eu não fiz aquilo?" "Como seria se eu tivesse ido?" Eai? Nada feito! Antes acordar arrependido do que dormir na vontade!

Lorena Melo

Sou como o Sol, brilho pra todos, sou como a lua tímido e apareço para os apaixonados, tenho medo do escuro más me sinto mais leve pois na escuridão ñ posso observar o que fazem ao meu redor!

Wellington Lins Galvão

O único antídoto do medo é o amor. Mas não o tipo humano de amor, que é sentimentalista, apaixonado, possessivo, neurotizante. O único amor que resolve o nosso medo é o amor divino, uma vez que "Deus é amor".

Marcello Borges

Tá eu confesso, eu tenho medo de me apaixonar. Mas diz aí: Quem não tem medo? Medo que ele seja a melhor pessoa que você já conheceu. Medo dos pensamentos frenéticos noite e dia em uma só pessoa. Medo de não ser recíproco. Medo de esperar o telefone tocar e não tocar. Medo de ser beijada intensamente, de ser sugada para um universo paralelo onde não está acostumada. Medo do inesperado. Medo do julgamento que ele fará de você. Medo de não ter o que dizer quando ele te fizer um elogio fofo. Medo de depois que você uma vez apaixonada, não poderá reverter mais os fatos. Não há fórmulas. Não ensinam como não se apaixonar, não sofrer, não iludir-se. Paixões sempre são intensas e únicas. Eu sei que é difícil se deixar levar pelos mais diversos tipos de medos, mas não é isso pela qual vale a pena viver? Se arriscar. Quem sabe aquele medo não é tão docemente reconfortante que te faça ficar. Afinal, a gente nunca sabe o tempo que vai durar, mas devo aprender:

O que é de fato verdadeiro sempre fica!

Simony Thomazini

O dia exato que me apaixonei por ele? Acho que sei, mas tenho medo de errar.
Só sei que minha vida vida foi sendo preenchida por um sentimento novo...
E aí me vi mais centrada, amorosa, sem tanta necessidade de querer tudo. O externo se mostrou muito pequeno.
Sabe que eu sei o dia que me apaixonei por Sérgio! O dia que Deus olhou em mim e pensou: "Marcinha, você vai ganhar um presente, cuide bem dele!"

Márcia Paula Vaz

Acontece que eu tenho medo de me apaixonar novamente.

Stephanie Andrade

Tenho medo de me apaixonar novamente, não sei se vou aguentar sofrer novamente.

Felipe Lopes

"Você tem medo de se apaixonar. Medo de sofrer o que não está acostumada. Medo de se conhecer e esquecer outra vez. Medo de sacrificar a amizade. Medo de perder a vontade de trabalhar, de aguardar que alguma coisa mude de repente, de alterar o trajeto para apressar encontros. Medo se o telefone toca, se o telefone não toca. Medo da curiosidade, de ouvir o nome dele em qualquer conversa. Medo de inventar desculpa para se ver livre do medo. Medo de se sentir observada em excesso, de descobrir que a nudez ainda é pouca perto de um olhar insistente. Não suportar ser olhada com esmero e devoção. Nem os anjos, nem Deus agüentam uma reza por mais de duas horas. Medo de ser engolida como se fosse líquido, de ser beijada como se fosse líquen, de ser tragada como se fosse leve. Você tem medo de se apaixonar por si mesma logo agora que tinha desistido de sua vida. Medo de enfrentar a infância, o seio que criou para aquecer as mãos quando criança, medo de ser a última a vir para a mesa, a última a voltar da rua, a última a chorar. Você tem medo de se apaixonar e não prever o que pode sumir, o que pode desaparecer. Medo de se roubar para dar a ele, de ser roubada e pedir de volta. Medo de que ele seja um canalha, medo de que seja um poeta, medo de que seja amoroso, medo de que seja um pilantra, incerta do que realmente quer, talvez todos em um único homem, todos um pouco por dia. Medo do imprevisível que foi planejado. Medo de que ele morda os lábios e prove o seu sangue. Você tem medo de oferecer o lado mais fraco do corpo. O corpo mais lado da fraqueza. Medo de que ele seja o homem certo na hora errada, a hora certa para o homem errado. Medo de se ultrapassar e se esperar por anos, até que você antes disso e você depois disso possam se coincidir novamente. Medo de largar o tédio, afinal você e o tédio enfim se entendiam. Medo de que ele inspire a violência da posse, a violência do egoísmo, que não queira repartir ele com mais ninguém, nem com seu passado. Medo de que não queira se repartir com mais ninguém, além dele. Medo de que ele seja melhor do que suas respostas, pior do que as suas dúvidas. Medo de que ele não seja vulgar para escorraçar mas deliciosamente rude para chamar, que ele se vire para não dormir, que ele se acorde ao escutar sua voz. Medo de ser sugada como se fosse pólen, soprada como se fosse brasa, recolhida como se fosse paz. Medo de ser destruída, aniquilada, devastada e não reclamar da beleza das ruínas. Medo de ser antecipada e ficar sem ter o que dizer. Medo de não ser interessante o suficiente para prender sua atenção. Medo da independência dele, de sua algazarra, de sua facilidade em fazer amigas. Medo de que ele não precise de você. Medo de ser uma brincadeira dele quando fala sério ou que banque o sério quando faz uma brincadeira. Medo do cheiro dos travesseiros. Medo do cheiro das roupas. Medo do cheiro nos cabelos. Medo de não respirar sem recuar. Medo de que o medo de entrar no medo seja maior do que o medo de sair do medo. Medo de não ser convincente na cama, persuasiva no silêncio, carente no fôlego. Medo de que a alegria seja apreensão, de que o contentamento seja ansiedade. Medo de não soltar as pernas das pernas dele. Medo de soltar as pernas das pernas dele. Medo de convidá-lo a entrar, medo de deixá-lo ir. Medo da vergonha que vem junto da sinceridade. Medo da perfeição que não interessa. Medo de machucar, ferir, agredir para não ser machucada, ferida, agredida. Medo de estragar a felicidade por não merecê-la. Medo de não mastigar a felicidade por respeito. Medo de passar pela felicidade sem reconhecê-la. Medo do cansaço de parecer inteligente quando não há o que opinar. Medo de interromper o que recém iniciou, de começar o que terminou. Medo de faltar as aulas e mentir como foram. Medo do aniversário sem ele por perto, dos bares e das baladas sem ele por perto, do convívio sem alguém para se mostrar. Medo de enlouquecer sozinha. Não há nada mais triste do que enlouquecer sozinha. Você tem medo de já estar apaixonada."

Fabrício Carpinejar

Amo o amor que é apaixonado e tenho muito medo da paixão que não é amante.

Claudynha