Medo de se Apaixonar

Cerca de 90 frases e pensamentos: Medo de se Apaixonar

Só que eu tenho muito medo de me apaixonar. . .
de me apaixonar...

Esse filme já passou na minha vida
e você tá me ajudando a superar
eu não quero ser um mal na sua vida...


[Deixa Acontecer]

Revelação

Feliz é aquele que diz eu te amo sem medo de se apaixonar ou se magoar.

Marcus Patrick Pens

Me apaixonar... eu nunca imaginei que um dia teria medo disso. Medo de olhar para alguem e sentir um frio na barriga indescritível. Medo de dizer adeus. Medo de sorrir timidamente por fora, e extravagantemente por dentro ao ouvir falar da pessoa. Medo de ficar pensando em alguem durante todo o dia. Medo de dormir e ter um sonho lindo com esse alguem. Na verdade, todo o medo não é disso, mas sim dessa pessoa, não sentir o mesmo por voc^^ e te fazer ter mais medo.

Ana Julia Turra

Não é medo... Eu tenho é preguiça de me apaixonar, é isso!

Carolina Bensino

Vou roubar seu coração

Tenho medo...
Tenho que confessar.
Estou extremamente apaixonada.
Encontrei em seu olhar o brilho que não havia encontrado em outro alguém.
Perdi a vontade de tudo...
Até mesmo de sorrir.
Sorrir era algo tão comum em mim, se tornou indispensável.
Tenho sede de você...
Não consigo matar está sede que enfraquece meus ossos.
Queria poder me declarar, mostrar minha paixão por você...
Mais não consigo, não consigo erguer uma minúscula pedra por você.
Sou fraca quando penso em me declarar para você.
Tudo em mim agora é seu:
Meu coração, minha mente, o controle do meu corpo, meu pensar, meus sonhos, meus poemas...
Você roubou tudo em mim.
E me deixou assim, alienada por você.
Mais tenho esperanças de um dia roubar apenas algo de você
Seu coração.

Thailza G.

Quando olhei para você,
Não sabia que iria me apaixonar,
Suas palavras não ouvia,
Por medo de me magoar,
Mas quando percebi,
Meu destino estava escrito em teu olhar.

Letícia Marya

“ Até pouco tempo corria em minhas veias desconfiança e medo de se apaixonar, você surgiu do brilho das estrelas de júpiter é me mostrou o verdadeiro sentimento e o verdadeiro amor, deu significado a uma vida que não fazia mais sentido algum a ser vivida, trouxe consigo a luz dos teus sorrisos, e o encanto dos teus olhos. Deitei no ventre das nuvens e percebi q nosso amor é eterno e que só sei viver se for com você.’’

Félix Augusto Lopes Andrade Junior

Sou um completo apaixonado, libero minhas emoções sem medo de ser feliz. Sofro por isso com certeza, pois as vezes essa paixão não é correspondida, mas vale a pena liberá-la sempre, pois quem nunca sentiu a dor de um amor pode dizer que viveu sem experimentar a maior emoção existente no universo. Então se permita, sofrer faz parte, porém o amor cura qualquer sofrimento.

Tuca Neves

Cuidado Cupido


Cuidado cupido, eu corro perigo
Tenho muito medo de me apaixonar
Já sofri o bastante, você como antes, vem
Sempre apronta sem medo de errar
Sou eu que perco o sono
Sou eu que luto com o amor
Você não dá trégua pro meu coração
Você só quer que eu ame
Não quer ouvir que eu reclame
Me deixa sozinho e na contramão
Por favor cupido, responde essa minha oração

Eu sei como sofre, das noites que chora
Pedindo à deus sempre um amor fiel
Estou a procura do amor, sua cura
Se eu encontrar conhecerás o céu
A sua cara metade, alguém que cure essa dor
E que te preencha por dentro o vazio
Um abraço, um beijo sincero, um ombro, um colo, eu espero
Que encontre alguém que te faça feliz

Vou confiar no poder do amor
Vou apostar, vou sair vencedor
Encontre alguém meu cupido amigo
Que seja a metade do que aqui restou

Não perca nunca a esperança no amor
Eu juro, vou achar quem te traga calor
Te dar vontade de amar outra vez
Sem medo de errar como antes se fez...

Carlos Adriano

Ó que medo meu bem,
Que tenho de me apaixonar.
O teu olhar que sorri
O teu sorriso que me acanha
O teu toque que desejo
A tua voz que me chama.

Raquel Silva

Você tem medo de se apaixonar. Medo de sofrer o que não está acostumada. Medo de se conhecer e esquecer outra vez. Medo de sacrificar a amizade. Medo de perder a vontade de trabalhar, de aguardar que alguma coisa mude de repente, de alterar o trajeto para apressar encontros. Medo se o telefone toca, se o telefone não toca. Medo da curiosidade, de ouvir o nome dele em qualquer conversa. Medo de inventar desculpa para se ver livre do medo. Medo de se sentir observada em excesso, de descobrir que a nudez ainda é pouca perto de um olhar insistente. Não suportar ser olhada com esmero e devoção. Nem os anjos, nem Deus agüentam uma reza por mais de duas horas. Medo de ser engolida como se fosse líquido, de ser beijada como se fosse líquen, de ser tragada como se fosse leve. Você tem medo de se apaixonar por si mesma logo agora que tinha desistido de sua vida. Medo de enfrentar a infância, o seio que criou para aquecer as mãos quando criança, medo de ser a última a vir para a mesa, a última a voltar da rua, a última a chorar. Você tem medo de se apaixonar e não prever o que pode sumir, o que pode desaparecer. Medo de se roubar para dar a ele, de ser roubada e pedir de volta. Medo de que ele seja um canalha, medo de que seja um poeta, medo de que seja amoroso, medo de que seja um pilantra, incerta do que realmente quer, talvez todos em um único homem, todos um pouco por dia. Medo do imprevisível que foi planejado. Medo de que ele morda os lábios e prove o seu sangue. Você tem medo de oferecer o lado mais fraco do corpo. O corpo mais lado da fraqueza. Medo de que ele seja o homem certo na hora errada, a hora certa para o homem errado. Medo de se ultrapassar e se esperar por anos, até que você antes disso e você depois disso possam se coincidir novamente. Medo de largar o tédio, afinal você e o tédio enfim se entendiam. Medo de que ele inspire a violência da posse, a violência do egoísmo, que não queira repartir ele com mais ninguém, nem com seu passado. Medo de que não queira se repartir com mais ninguém, além dele. Medo de que ele seja melhor do que suas respostas, pior do que as suas dúvidas. Medo de que ele não seja vulgar para escorraçar mas deliciosamente rude para chamar, que ele se vire para não dormir, que ele se acorde ao escutar sua voz. Medo de ser sugada como se fosse pólen, soprada como se fosse brasa, recolhida como se fosse paz. Medo de ser destruída, aniquilada, devastada e não reclamar da beleza das ruínas. Medo de ser antecipada e ficar sem ter o que dizer. Medo de não ser interessante o suficiente para prender sua atenção. Medo da independência dele, de sua algazarra, de sua facilidade em fazer amigas. Medo de que ele não precise de você. Medo de ser uma brincadeira dele quando fala sério ou que banque o sério quando faz uma brincadeira. Medo do cheiro dos travesseiros. Medo do cheiro das roupas. Medo do cheiro nos cabelos. Medo de não respirar sem recuar. Medo de que o medo de entrar no medo seja maior do que o medo de sair do medo. Medo de não ser convincente na cama, persuasiva no silêncio, carente no fôlego. Medo de que a alegria seja apreensão, de que o contentamento seja ansiedade. Medo de não soltar as pernas das pernas dele. Medo de soltar as pernas das pernas dele. Medo de convidá-lo a entrar, medo de deixá-lo ir. Medo da vergonha que vem junto da sinceridade. Medo da perfeição que não interessa. Medo de machucar, ferir, agredir para não ser machucada, ferida, agredida. Medo de estragar a felicidade por não merecê-la. Medo de não mastigar a felicidade por respeito. Medo de passar pela felicidade sem reconhecê-la. Medo do cansaço de parecer inteligente quando não há o que opinar. Medo de interromper o que recém iniciou, de começar o que terminou. Medo de faltar as aulas e mentir como foram. Medo do aniversário sem ele por perto, dos bares e das baladas sem ele por perto, do convívio sem alguém para se mostrar. Medo de enlouquecer sozinha. Não há nada mais triste do que enlouquecer sozinha. Você tem medo de já estar apaixonada.

Fabrício Carpinejar

"Você tem medo de se apaixonar. Medo de sofrer o que não está acostumada. Medo de se conhecer e esquecer outra vez. Medo de sacrificar a amizade. Medo de perder a vontade de trabalhar, de aguardar que alguma coisa mude de repente, de alterar o trajeto para apressar encontros. Medo se o telefone toca, se o telefone não toca. Medo da curiosidade, de ouvir o nome dele em qualquer conversa. Medo de inventar desculpa para se ver livre do medo. Medo de se sentir observada em excesso, de descobrir que a nudez ainda é pouca perto de um olhar insistente. Não suportar ser olhada com esmero e devoção. Nem os anjos, nem Deus agüentam uma reza por mais de duas horas. Medo de ser engolida como se fosse líquido, de ser beijada como se fosse líquen, de ser tragada como se fosse leve. Você tem medo de se apaixonar por si mesma logo agora que tinha desistido de sua vida. Medo de enfrentar a infância, o seio que criou para aquecer as mãos quando criança, medo de ser a última a vir para a mesa, a última a voltar da rua, a última a chorar. Você tem medo de se apaixonar e não prever o que pode sumir, o que pode desaparecer. Medo de se roubar para dar a ele, de ser roubada e pedir de volta. Medo de que ele seja um canalha, medo de que seja um poeta, medo de que seja amoroso, medo de que seja um pilantra, incerta do que realmente quer, talvez todos em um único homem, todos um pouco por dia. Medo do imprevisível que foi planejado. Medo de que ele morda os lábios e prove o seu sangue. Você tem medo de oferecer o lado mais fraco do corpo. O corpo mais lado da fraqueza. Medo de que ele seja o homem certo na hora errada, a hora certa para o homem errado. Medo de se ultrapassar e se esperar por anos, até que você antes disso e você depois disso possam se coincidir novamente. Medo de largar o tédio, afinal você e o tédio enfim se entendiam. Medo de que ele inspire a violência da posse, a violência do egoísmo, que não queira repartir ele com mais ninguém, nem com seu passado. Medo de que não queira se repartir com mais ninguém, além dele. Medo de que ele seja melhor do que suas respostas, pior do que as suas dúvidas. Medo de que ele não seja vulgar para escorraçar mas deliciosamente rude para chamar, que ele se vire para não dormir, que ele se acorde ao escutar sua voz. Medo de ser sugada como se fosse pólen, soprada como se fosse brasa, recolhida como se fosse paz. Medo de ser destruída, aniquilada, devastada e não reclamar da beleza das ruínas. Medo de ser antecipada e ficar sem ter o que dizer. Medo de não ser interessante o suficiente para prender sua atenção. Medo da independência dele, de sua algazarra, de sua facilidade em fazer amigas. Medo de que ele não precise de você. Medo de ser uma brincadeira dele quando fala sério ou que banque o sério quando faz uma brincadeira. Medo do cheiro dos travesseiros. Medo do cheiro das roupas. Medo do cheiro nos cabelos. Medo de não respirar sem recuar. Medo de que o medo de entrar no medo seja maior do que o medo de sair do medo. Medo de não ser convincente na cama, persuasiva no silêncio, carente no fôlego. Medo de que a alegria seja apreensão, de que o contentamento seja ansiedade. Medo de não soltar as pernas das pernas dele. Medo de soltar as pernas das pernas dele. Medo de convidá-lo a entrar, medo de deixá-lo ir. Medo da vergonha que vem junto da sinceridade. Medo da perfeição que não interessa. Medo de machucar, ferir, agredir para não ser machucada, ferida, agredida. Medo de estragar a felicidade por não merecê-la. Medo de não mastigar a felicidade por respeito. Medo de passar pela felicidade sem reconhecê-la. Medo do cansaço de parecer inteligente quando não há o que opinar. Medo de interromper o que recém iniciou, de começar o que terminou. Medo de faltar as aulas e mentir como foram. Medo do aniversário sem ele por perto, dos bares e das baladas sem ele por perto, do convívio sem alguém para se mostrar. Medo de enlouquecer sozinha. Não há nada mais triste do que enlouquecer sozinha. Você tem medo de já estar apaixonada."

Fabrício Carpinejar

Amo o amor que é apaixonado e tenho muito medo da paixão que não é amante.

Claudynha

Sinceramente todos nós temos medo de se apaixonar, assim como temos de tomar injeção .

Roni Alves

E hoje eu sou um apaixonado, mas ontem em me agarrava na dor e no medo de perder minha fé de encontrar a felicidade;
E nunca deixei de acreditar no que poderia me acontecer de melhor para que eu possa voltar a viver;

Julio Aukay

" Ela : Então você está apaixonado *-*
Ele: Sim, mas tenho medo de ela não sentir o mesmo por mim =/
Ela: Poxa, tenta, conta pra ela.
Ele: Estou tentando.
Ela : Fala que a ama, que não vive sem ela.
Ele: Eu te amo e não vivo sem você
Ela: Isso, isso mesmo , fala assim quem sabe ela não se toca
Ele: Eu falei, mas ela não se tocou."

Thamiris Fressatti

Eu tenho medo de me encantar novamente, de apaixonar-me, de sentir frio na barriga, de suar intensamente minhas mãos, de desejar ter alguém ao meu lado a qualquer hora e em qualquer circunstância da vida. O sentimento não correspondido e a escassez do amor no mundo em que vivemos, acabam por nos isolar e deixar-nos mais sensíveis a tudo que se relacione ao amor.

Como amamos tanto é ridículo saber que existem aqueles que tratam esse tão valioso sentimento sem importância, com tanto desprezo. É tão doído também chegar a imaginar que esse sentimento não será recíproco, que podemos amar sozinhos. Eu me pego a refletir sobre os efeitos que isso pode nos causar e até onde chegarão àqueles que possuem o ato de amar verdadeiramente junto a sua essência.
Quando amamos e não somos correspondidos o sofrimento começa a ser frequente nos nossos dias, o que direta ou indiretamente proporciona-nos um amadurecimento gigantesco, que nenhum momento feliz é capaz de realizar.
Queria que quando atingíssemos esse patamar de amadurecimento, nos fosse tirado essa etapa da vida, que persiste em repetir-se e acaba por despedaçar nossos corações. Ou até mesmo, vivendo em um mundo mágico, coisas que só quem ama de verdade consegue exercer, descobrir um antídoto capaz de exterminar toda essa dor.

Dhieferson Lopes

Meu maior medo não é de você nunca mais voltar, mas achar alguém com quem se relacione e se apaixone, e essa pessoa não estar disposta a lhe dar o que realmente você merece. Usar do seu amor para te manipular e depois te jogar fora como se fosse um objeto. E depois você olhar para traz e valorizar o sentimento que eu sempre senti por você e se arrepender de ter me deixado escapar. Resolver voltar e eu estar com outra pessoa que me dê o verdadeiro valor outrora desperdiçado por você, e eu por minha vez não querer voltar, não por ter te esquecido, pois meu amor por você sempre estará comigo, mas por medo de não ser valorizado novamente e abrir mão da pessoa que me dá valor para me arriscar a sofrer novamente.,

Pois é, a vida é realmente complicada. Queria que não fosse assim, mas infelizmente é. A única certeza que tenho é que o meu amor pode não ser tudo aquilo que você merece, mas é o maior e mais sincero que alguém um dia estaria disposto a lhe oferecer.

Vinicius Trombini Martins

Tenho medo de me apaixonar outra vez e por isso mesmo sei que estou gostando de você, pois quando penso em ti sinto que me faz bem e isso me dá medo.

Maria Di Francia

...E de repente você se pegou apaixonado e agora morre de medo de ser neutralizado, não é?

Charles Canela