Manhã de Domingo

Cerca de 17 frases e pensamentos: Manhã de Domingo

Hj é domingo de manhã. Neste domingo de sol e de júpiter estou sozinha em casa. Dobrei-me de repente em dois e para frente como em profunda dor de parto- e vi que a menina em mim morria. Nunca esquecerei esse domingo sangrento. Para cicatrizar levara tempo. E eis-me aqui dura e silenciosa e heróica. Sem menina dentro de mim. Todas as vidas são vidas heróicas.

Clarice Lispector

PRECE DE DOMINGO
Senhor, nesta manhã de domingo, em que o sol reluz como sempre, ainda que encoberto pelas nuvens, venho lhe pedir proteção e saúde, durante todo o dia e na semana que se aproxima, para mim, para minha família e para meus amigos.
Rogo-lhe que renove nossas forças para prosseguirmos, com bondade, paz, alegria e amor e, assim, continuarmos o belo ciclo da vida. Amém.

Marcos Alves de Andrade

MANHÃ DE DOMINGO

Os lençóis estão quentes, amarrotados, amassados, mas sinto frio. Espreguiço-me sem abrir os olhos. Reconheço, ao lado, o triste espaço vazio. Ao esfregar meu braço na cama, do lado, sinto o lençol gelado. Preferia muito mais quando acordava encolhida ou espremida.

O sol brilha entre as cortinas, fere-me a retina. Esfrego os meus olhos, não pela luz, mas por não acreditar que você não está mais aqui. Não me bastam só as memórias, preciso voltar aquele tempo. Olho pra dentro de mim buscando você, mas meu único resultado é um par de lágrimas.

Levanto-me em mais uma quinta ordinária. Caminho até o espelho e tudo parece vazio, não vejo você atras de mim no espelho. Não reclamaria mais dos seus pés gelados no meu, enquanto estou ao seu lado tentando dormir. Não reclamaria mais das cosquinhas na barriga e da força do teu abraço quando me beija, enquanto sem querer me borro com o batom por mera distração.

Hoje olho esse batom, abro a tampa e giro a embalagem. Uma lágrima cai em cima e escorre até borrar de vermelho a pia; borrada igual ficavam os meus lábios sempre quando você me dava um abraço e me beijava. Borrado também estão meus olhos, tentando conter inutilmente as lágrimas. Borrado também está meu coração, ferido e encolhido, não dando voz ou sentido a razão.

Esse choro me traz um arrepio e o arrepio me traz frio. Envergonho-me ao me olhar no espelho em um momento tão frágil e com os olhos tão inchados. Vou para o quarto e, no armário, busco uma camiseta.

Abro a gaveta. Procuro o que vestir e, lá no fundo. encontro a sua camisa. Pego-a com todo o carinho e novas lembranças me vêm. Ela ainda tem o seu cheiro. Só de senti-lo, fecho meus olhos, e já sinto sua pele quente na minha, juntamente com a minha vontade de devorar você.

E depois de tudo, você era meu alicerce. Não sou maior sem você, não sou melhor sem você.

Olho ao redor. Vejo meu quarto vazio. Vazio... Vazio... Vazio... Assim eu me encontro. Vazia!

VivianDelamo

# Manhã de domingo.

# O entoar passeriforme
# Como sincronia
# Natureza nos mostra
# Transparência no bom dia
#

# As nuvens flutuam pelo ar
# Bailando um dançar
# Para qualquer pessoa ver
# E recitar seu parecer
#

# Paralisar olhando a beleza
# Todos os músculos em retenção
# Até os olhos se perdem nessa nobreza
#

# Que inspira os trovadores
# A registrar com o coração
# Esse momento de louvores.

Diony Peroli

Existe coisa mais gostosa do que acordar numa manha de domingo, com seu amor trazendo um café da manha com aquela cara de: "Adorei a noite, somos muito felizes"...!!!! Pois é, voluntariamente, assim somos. Há em nós, silêncio num olhar ardente, na quentura do espaço deixamos bailar na nossa pele e na alma a delicadeza dos nossos sentimentos, desejos trocados, olhamos-nos naquele abraço inquieto e verdadeiro... sem transpirar pecado, pois, muito além tudo se faz em nós o proseguir da VIDA - Roswyta Ribeiro

Roswyta Ribeiro

LAURA
Era manha de domingo
Acordei cedo fui lê aquele velho livro ao som das águas do mar
Sempre lhe via passar, caminhando no calçadão de forma espojada, mas parecia estar com o raciocínio trabalhando constantemente... Passava ali naquele mesmo horário todos os dias eu já não ia, mas para lê e sim vê-la.
Nesse dia foi diferente
Hoje o livro por algum motivo que eu não me lembro qual, estava mais interessante por isso passei a prestar menos atenção, já que meus olhares diários não eram correspondidos
Até que ouvi um suntuoso: bom dia!
Escutei aquela voz que ousava me interromper na minha leitura diária e respondi: _ Bom dia!
Quando olho aquela menina, mulher de perto, estávamos tão próximas que meus sentidos ficaram atordoas diante daquela presença a qual desejava há tanto tempo ao meu lado
Seu olhar finalmente correspondeu ao meu e foi de uma intensidade inexplicável que me dizia mais do que ela mesma podia imaginar, me sorria de forma faceira e intrigante sabia o que causava em mim.
Os meus pensamentos todos os dias lhe deu um nome diferente, era ora de desvendar esse mistério
Então, quebrei o silêncio: qual o seu nome?
Sem desviar o olhar ela respondeu: LAURA
Oh! Laura foi assim que te conheci
Admirei-te tanto e por um tempo que será indeterminado
Laura me perdoe pela despedida que é tão dolorosa, mas é necessária
Não sei ser de uma só pessoa por muito tempo
Não me julgue! Te peço não me julgue
Não sabes a dor que é ser do jeito que sou
Laura, que nome lindo e como tu és bela
Me encanto toda vez que você sorrir pra mim dessa forma
LAURA: “_Você partiu meu coração!”
Não diga isso, quando te conheci não sabias o que era o amor
Hoje tens amor de sobra dentro de te
Hoje é por mim
Amanha será por outra pessoa
Minha queria não é o fim
Depois verás que não é o fim
Há muito mais lá fora do que podes imaginar
Te dei só um aperitivo
Agora vai e descobre onde estar tua sobremesa.

Lilaslm

Essa manhã de domingo serve pra muitas coisas,talvez pra recomeçar tudo que desisti de fazer anteriormente.Quantos gostariam de uma manhã de domingo pra recomeçar... Não falo de dietas,quero dizer VIDAS,DESTINOS,LÁGRIMAS,SORRISOS... DEUS

Micaelle Pereira

Um último adeus
Havia D. Neide, numa manhã de domingo, acordado às pressas. Já havia perdido a hora de sair para a missa do padre Zezinho, que pregava na igreja a poucos quarteirões de sua casa. Rapidamente tomou um banho e como num piscar de olhos, estava em sua sala pronta para partir. Ela sempre havia se arrumado muito bem para ir à igreja, mas não por vaidade. Cheirosa como sempre, só usava perfumes fortes e de doce odor, perfumes que havia ganhado de sua filha, Isabel. Suas roupas sempre foram muito bem passadas e bonitas.
Ela era uma mulher um pouco conformista e orgulhosa por causa de sua formação muito religiosa. Tinha um pensar mais antigo e não suportava os tempos atuais.
Morava só. Seu marido, Olavo, já havia falecido deixando seu salário Almirante da Frota de Guerra da Marinha para ela e sua única filha. Filha está que, havia sido expulsa pela mãe de casa, por causa de uma escolha que fez em sua vida. O fato de preferir gostar de meninas a meninos.
Já na porta da igreja, já iniciada a celebração, parou na porta ao escutar de dentro de sua bolsa o toque de seu celular. Ao ver que era um número desconhecido resolveu atender, pois poderia ser algo grave:
-D. Neide! D. Neide! Sua filha Isabel... – mas a voz fraquejada foi cortada por Neide. Ela havia desligado, pois não suportava o fato de ter que ouvir as pessoas falando de sua filha. Assim, sem mais de longas, entrou na missa, já um pouco atrasada, e sentou – se. Padre Zezinho já havia começado sua pregação.
Com uma voz forte e grave começou a falar da misericórdia divina e o quanto Deus havia amado o mundo que nos deu seu filho único por nós. Falou também do quanto devíamos ter compaixão uns com outros e que deveríamos sempre perdoar as pessoas assim como Deus nos perdoa.
Ao final da missa, Neide ligou o celular, havia esquecido seu relógio em casa, pelo fato de seu atraso e correria. O celular notificou 12 ligações perdidas. Mas sem externar preocupação, guardou – o, e se despediu de seus amigos que na porta estavam e foi embora. Havia dito que não iria ficar para o grupo do círculo bíblico, pois relatara que sentia em seu peito durante a missa uma pequena dor.
Ao caminhar pela calçada de sua casa, deparou - se com uma menina. Jovem. Com olhos vermelhos, como se já chorasse durante dias e mais dias, e com a aparência abatida e sorriso entristecido.
A menina olhou para Neide e com muita educação, mas não deixando de manifestar seu estado emocional, falou com a voz um pouco trêmula:
- Olá D. Neide, sou Samanta, amiga de sua filha, Isabel.
Mas Neide não era nenhuma boba. Já imaginava que aquela menina não era apenas só amiga de sua Isabel, pois já havia recebido notícias delas antes, mas que tentava não ouvir ninguém falando sobre. No entanto, não falou nada com Samanta. Não obtendo resposta alguma, Samanta disse:
- Por favor D. Neide sua filha não está bem. Ela me pediu para que eu viesse procurá-la e que a levasse até ela. Me disse que precisa contar-lhe uma coisa, mas que nunca lhe havia tomado coragem, pelo fato de você não aceitar a opção que ela escolheu.
Neide replicou:
- Se ela quisesse falar comigo ela não havia saído de casa para ficar com outra menina. Nem tinha mandando outra pessoa vir me procurar para mandar recado por ela.
Samanta ficou mais abatida em saber que D. Neide ainda não aceitava o fato de sua filha gostar de uma menina, no caso ela. Mas mesmo assim Samanta não deixou de tentar mais uma vez:
- O fato de ela gostar ou não de outras meninas, não muda o fato de ela ser sua filha, que está passando por um momento de dificuldade. E que quer falar com você.
Mas Neide com um sorriso sarcástico no rosto respondeu:
- Nos momentos de dificuldade ela sabe me procurar, não é?! Lembro – me bem que minha irmã havia me dito que ela não estava conseguindo muito bem manter o aluguel altíssimo de seu apartamento no Bairro Alto. E minha irmã tentou me convencer a ajudar – lá com algumas despesas até ela se estabelecer.
Mas Samanta já não tinha mais argumentos, pois já havia previsto que Neide seria cabeça dura com ela. Então, enxugando as lágrimas dos olhos, levantou o rosto e olhou fixamente nos olhos de Neide e gritou:
- Onde está sua compaixão por sua filha? Em que momento da sua vida você irá perceber... – Mas quase que no mesmo instante foi interrompida por uma voz fraquejada, que quase não se ouviu pelo fato de Samanta estar gritando, e que vinha por de trás dela dizendo:
- Samanta, não perca a cabeça. Não grite com a mamãe assim. – falou a voz fraquejada, que saíra de dentro de um carro parado à beira da calçada.
D. Neide não demonstrou nenhum tipo de reação, mas seus olhos ficaram trêmulos de surpresa.
- Já chega! Vamos embora Samanta. Não quero trazer problemas para a mamãe. – Disse Isabel.
Neide fechou a cara novamente, como se o orgulho tomasse conta de seu corpo, ao mesmo tempo que não acreditava ver sua a filha ali lhe chamando de mamãe depois de tanto tempo. Também não podia mudar o modo de ver sua filha se relacionando com uma outra mulher. Samanta no entanto não iria deixar aquilo preso à garganta:
- Não entendo o fato de você, D. Neide, não gostar ver sua filha se relacionando com uma outra menina. Quando Isabel me contava sobre você, eu a via como uma grande mãe. Aquela que estava sempre na vida dela. Aquela que sempre estava na escola para saber seus desempenhos. Aquela que sempre levava a na igreja, onde ela me contava que era o lugar mais legal do mundo que você a levava. Digo mais, mesmo depois de ter deixado a sua casa, ela nunca havia deixado de ir a uma missa no domingo se quer. Mas acima de tudo ela dizia que... - Mas a conversa foi interrompida, no mesmo instante, por uma forte tosse de Isabel, que estava muito fraca devido ao câncer no seio.
Sua tosse logo após a primeira foi seguida de sangue. A toalhinha que estava em sua mão já estava bastante suja e tanto Samanta como Isabel, já sabiam que não havia mais jeito para o câncer, já estava chegando sua hora. Neide vendo aquilo tremeu. Sentiu um forte calafrio de medo dominar seu corpo. Seu rosto já não demonstrava raiva, mas seu orgulho não a deixava se aproximar de sua filha. Ela achava que sua filha deveria ser como ela. Ter um marido, e uma família correta perante a Deus. Como são as famílias tradicionais. Por isso ela não conseguia abrir mão de sua filha, a quem ela criou, ser de um jeito que ela ache errado. Neide havia chegado a pensar em que momento de sua vida ela havia errado com sua filha para ela gostar de outra menina.
Mas Samanta logo assim que viu Isabel tossir correu para abraçar – lá e dar - lhe um beijo em sua testa. Ela via que para Isabel já estava chegando a hora e que mais nada poderia ajudar – lá. Mas mesmo assim resolveu ficar ali com ela por perto de sua mãe, afim de que mesmo com todas as brigas e desavenças, elas pudessem se falar e se despedirem uma das outras. Isabel já não tinha mais forças para falar. Pediu para que Samanta abrisse a porta do carro e a segurasse. Neide vendo aquilo disse com orgulho:
- Se tivesse sido que nem eu, correta, não teria acontecido isso com você. Você teria se casado com um homem e hoje em dia não estaria passando pelo o que está passando agora. Mas você se deixou levar pelas perdições do nosso mundo.
Mas Isabel do mesmo instante reuniu suas últimas forças e disse bem baixinho:
- Se eu tivesse sido como você poderia até ser que eu tivesse descoberto minha doença um pouco antes, afinal você tinha uma tamanha preocupação comigo, qualquer coisa que eu tivesse já estávamos nós duas do no hospital. Poderia até ter tido condições de me tratar antes da doença me desarmar. Mas se você não tivesse sido você, e tivesse me aceitado como sou, talvez tivesse sido melhor ainda, pois assim teríamos a Samanta para nos ajudar a vencer toda essa dificuldade também, pois eu a amo e isso iria me ajudar bastante, mas sozinha nós não conseguiríamos. Não com o fato de você não me aceitar como sou.
Agora sim, Neide já não conseguira impedir mais que fosse tomada pelo o que uma mãe sente pelo seu filho em momentos abstrusos, amor. Afinal ela já havia escutado as palavras de padre Zezinho sobre a compaixão uns com os outros e que deveríamos perdoar para sermos perdoados. Neide sabia muito bem a dor que tivera sentido durante e depois da missa em seu peito. Naquele instante já não via sua filha como perdida no mundo, pois seu coração havia amolecido pelo sofrimento de Isabel.
Como criança correndo para abraçar sua mãe que esteve fora o dia todo trabalhando, assim foi que Neide correu para sua filha. Abraçou - a lhe tão forte que Isabel havia lhe tossiu sangue em suas roupas, mas ela nem ligara para aquilo. Só queria dar o último abraço em sua filha, afinal ela estava partindo. Quando ela sentiu a vontade de novamente dizer o que estava entalado em sua garganta a tanto tempo, já era tarde. Sua filha havia morrido em seus braços e com um sorriso no rosto, um sorriso que a fez se afogar em um dilúvio de lágrimas. Mas fez Neide sentir uma das piores dores no peito que ela tivesse tido. Samanta amparou Neide com um abraço, sem que ela soltasse sua filha. Deixou - se levar pelo acolhimento de Samanta, com quem ela já não tinha mais preconceito, mas que por ela já sentia o agradecimento enorme por ter passado tudo o que ela, como mãe, não havia passado com sua Isabel. E Neide, que novamente abraçou forte Isabel, que já havia perdido o sorriso no rosto, disse com a voz um pouco rouca por causa de seu choro:
- Você morreu em meus braços e eu nem tive a oportunidade de chamá-la novamente de “minha filha”. Antes eu tivesse pedido a Deus que me mostrasse o que minha escolha iria resultar. Tivesse pedido a Ele uma cabeça mais compreensiva. Aquela que nunca mais tive a oportunidade ver e que ao menos antes de morrer pude pedir perdão. Aquela que eu não tive a oportunidade de dizer um adeus...

João Pedro França

Na noite de sábado todo sentimento é profundo e eterno... Até a manhã de domingo"

fabiorb

Enoque

Sermão nº 1307

Sermão pregado na manhã de domingo do dia 30 de julho de 1876
por Charles Haddon Spurgeon
no Tabernáculo Metropolitano, Newington, Londres, Inglaterra

“Enoque viveu sessenta e cinco anos e gerou a Metusalém. Andou Enoque com Deus; e, depois que gerou a Metusalém, viveu trezentos anos; e teve filhos e filhas. Todos os dias de Enoque foram trezentos e sessenta e cinco anos. Andou Enoque com Deus e já não era, porque Deus o tomou para si.” Gênesis 5:21-24
“Pela fé, Enoque foi trasladado para não ver a morte; não foi achado, porque Deus o trasladara. Pois, antes da sua trasladação, obteve testemunho de haver agradado a Deus. De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam.” Hebreus 11:5-6
“Quanto a estes foi que também profetizou Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo: Eis que veio o Senhor entre suas santas miríades, para exercer juízo contra todos e para fazer convictos todos os ímpios, acerca de todas as obras ímpias que impiamente praticaram e acerca de todas as palavras insolentes que ímpios pecadores proferiram contra ele.” Judas 1:14-15
TODA informação verdadeira que temos sobre Enoque está nas três passagens das Escrituras que li. Seria perda de tempo completá-las com fantasias de antigos comentaristas. Enoque é chamado de o sétimo depois de Adão para distingui-lo do outro Enoque, da linhagem de Caim, o qual foi o terceiro depois de Adão. Nos primeiros patriarcas, Deus quis manifestar aos homens pequenas porções da Sua verdade com relação à verdadeira religião. Esses homens dos tempos antigos não só foram, eles mesmos, ensinados por Deus, como também se tornaram professores da sua geração e tipos nos quais grandes verdades de Deus foram mostradas. Abel ensinou a necessidade de se chegar ao Senhor com sacrifício, a necessidade da expiação pelo sangue — ele colocou o cordeiro sobre o altar e selou seu testemunho com o próprio sangue. A expiação é uma verdade de Deus tão preciosa que é uma honra morrer em sua defesa e, desde o princípio, é uma doutrina que tem garantido seus mártires, os quais, mesmo mortos, ainda falam.
Em seguida, Sete e Enos ensinaram aos homens a necessidade de uma confissão particular da sua fé no Senhor e a necessidade de se congregar para a adoração, pois lemos acerca dos seus dias: “daí se começou a invocar o nome do SENHOR” (Gn. 4:26). Aqueles que adoravam a Deus por meio sacrifício expiatório separavam a si mesmos dos outros homens, reuniam-se na igreja em nome do Senhor e cultuavam invocando o nome de Deus. O coração deve, em primeiro lugar, crer no grande sacrifício com Abel, e depois, com a boca, confessar da mesma forma que Sete. Então veio Enoque, cuja vida foi além da aceitação e confissão da expiação, pois ele mostrou aos homens a verdadeira comunhão com Deus. Ele exibiu na sua vida o relacionamento entre o crente e o Altíssimo e demonstrou quão perto o Deus vivo consente estar dos Seus próprios filhos. Que o nosso avanço no conhecimento seja semelhante ao crescimento do ensino patriarcal!
Irmãos e irmãs, vocês sabem como fez Abel, o cordeiro sacrificial. Sua confiança está no sangue precioso de Jesus e, por isso, pela fé, vocês oferecem a Deus ofertas aceitáveis. Tendo chegado até aqui, a maioria de nós dá um passo além, invocando o nome do Senhor, professando seguir os passos de Jesus. Renunciamos a nós mesmos no sepultamento solene do batismo, quando somos batizados em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, pois nos consideramos mortos em Cristo para o mundo e ressuscitados com Ele em novidade de vida. Daí em diante o nome divino está em nós e não somos mais de nós mesmos. E agora nos reunimos como igreja. Sentamos à mesa da comunhão, participamos das reuniões de oração e dos cultos, e no centro de tudo está o nome do Senhor. Somos separamos do mundo e escolhidos para ser o povo que declara o Seu nome. Até aqui tudo bem — vimos o sacrifício de Jesus tipificado em Abel. Professamos a verdade com Sete. Agora, vamos dar o passo seguinte e conhecer a vida com Enoque. Vamos nos esforçar para andar com Deus como ele andou! Talvez a meditação sobre a vida santa do patriarca nos ajude a imitá-lo. Enquanto consideramos o que ele foi e em quais circunstâncias ele veio a ser assim, que o Espírito Santo nos ajude a chegar aonde ele chegou.
Esse é o desejo de todo homem temente a Deus! Todos os santos querem ter comunhão com o Pai e com Seu Filho Jesus Cristo. O clamor constante da nossa alma ao Senhor é: “fica, pois, comigo”. Ontem fiz o sepultamento de uma das pessoas mais excelentes da terra, a qual amava e temia e servia a Deus muito melhor que a maioria de nós. Ele era um irmão muito consagrado. Quando ainda nem pensava em morrer, ele fez questão de colocar um dos últimos desejos do seu coração em uma carta escrita para um amigo. O desejo era: “quero ter a vida de Enoque e andar com Deus” —
“Oh, mais perto de Deus quero andar!”
Na verdade, ele escreveu aquilo que nós sentimos. Se forem esses os nossos desejos, e tenho certeza de que são, assim como somos povo do Senhor, então espero que a meditação na vida de Enoque possa nos ajudar a realizar esse desejo.
Em primeiro lugar, então, no que implica o andar de Enoque com Deus? A descrição é bem curta para a vida de um homem, mas há muito significado nela. Em segundo lugar, quais as circunstâncias ligadas à sua vida extraordinária? São muito instrutivas. E em terceiro lugar, qual foi o seu fim? Foi tão extraordinário quanto a sua própria vida.
1. Assim, passamos ao primeiro ponto: O QUE SIGNIFICA O ANDAR DE ENOQUE COM DEUS? Paulo (NT: Spurgeon acreditava que Paulo era o autor da carta aos Hebreus) nos ajuda em nossa primeira observação com seu comentário em Hebreus. O andar de Enoque com Deus era um testemunho de que ele agradava a Deus. “Antes da sua trasladação, obteve testemunho de haver agradado a Deus”. Essa é uma interpretação clara do apóstolo sobre o andar de Enoque com Deus e com certeza é a correta, pois o Senhor não andaria com alguém em quem não sentisse prazer. “Andarão dois juntos, se não houver entre eles acordo?” (Amós 3:3). Se os homens andam de forma contrária a Deus, ele não andará com eles, mas contra eles. Andar junto implica amizade, camaradagem, intimidade, amor — e essas coisas não podem existir entre Deus e a alma, a menos que a pessoa seja aceitável ao Senhor.
Enoque, sem dúvida, como Elias, era um homem de paixões como nós. Ele caíra, com os demais seres humanos, no pecado de Adão. Havia pecado sobre ele, como há em nós pela nossa natureza, e ele havia se extraviado em atos e obras como todos nós, como ovelhas, nos extraviamos. Portanto, ele precisava de perdão e purificação, assim como nós precisamos. Depois, para ser agradável a Deus, era necessário ele ser perdoado e justificado, assim como nós — pois ninguém pode agradar a Deus até seu pecado ser perdoado e a justiça ser-lhe imputada. Para isso, é necessário ter fé, pois não há justificação senão pela fé. E como dissemos, não há como agradar a Deus sem a pessoa ser justificada.
Muito bem, então o apóstolo diz: “sem fé é impossível agradar a Deus”, e pela fé Enoque se tornou agradável a Deus, assim como nós nos dias de hoje. Isso merece uma observação muito séria, irmãos e irmãs, pois esse tipo de fé está aberto a nós. Se Enoque tivesse sido agradável a Deus em virtude de dons e talentos extraordinários, ou por ter realizado coisas maravilhosas e miraculosas, estaríamos perdidos! Mas se ele foi agradável a Deus por meio da fé, a mesma fé que salvou o ladrão da cruz, a mesma fé que tem operado em vocês e em mim — então o portão de entrada para o caminho por onde os homens andam com Deus está aberto a nós, também!
Se temos fé, podemos ter comunhão com o Senhor! Como isso deve valorizá-la para nós! Os níveis mais altos da vida espiritual dependem dos mais baixos e procedem deles. Se você quer andar com Deus como um homem de Deus, deve começar simplesmente crendo no Senhor Jesus Cristo, como um bebê na graça! A santidade mais elevada deve começar pela confissão da nossa pecaminosidade, e pela nossa dependência no Cristo crucificado. De outra forma, o crente mais forte não vive mais do que o mais fraco — e se é preciso crescer para estar entre os guerreiros mais fortes do Senhor — é preciso que seja pela fé depositada na força divina.
Começando no Espírito, você não deve se aperfeiçoar na carne. Você não deve continuar à distância, com fé em Cristo, e começar a viver por suas próprias obras — sua caminhada deve continuar como começou. “Ora, como recebestes Cristo Jesus, o Senhor, assim andai nele” (Cl. 2:6). Enoque sempre foi agradável a Deus, mas porque ele sempre creu e viveu no poder da sua fé. Vale a pena saber e lembrar disso, pois talvez ainda sejamos tentados a lutar por um estilo mais elevado e fantasioso de vida religiosa, olhando para os nossos sentimentos ao invés de olhar somente para o Senhor! Não podemos deixar de olhar somente para Jesus, para Ele mesmo, nem mesmo para admirar a Sua imagem dentro de nós — pois, se o fizermos, iremos retroceder ao invés de avançar. Não, amados, pela fé Enoque se tornou agradável a Deus e pela fé ele andou com Deus — sigamos suas pegadas.
A seguir, quando lemos que Enoque andava com Deus, devemos entender que ele sentia a presença divina. Não se pode conscientemente andar com uma pessoa cuja existência lhe é desconhecida. Quando andamos com alguém, sabemos que a pessoa está ali. Ouvimos seus passos se não podemos ver seu rosto. Temos uma percepção clara de que ela está ao nosso lado. Ora, se olharmos novamente para Hebreus, Paulo nos diz: “porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam”. A fé de Enoque, então, era uma fé palpável. Ele não acreditava nas coisas só por acreditar e depois as colocava numa prateleira fora do caminho, como muito de nós fazemos — ele não tinha simplesmente uma mente ortodoxa — a verdade de Deus tinha penetrado no seu coração.
Sua fé era real para ele, real de fato, real como algo comum na sua vida diária. Ele andava com Deus — não era que ele simplesmente pensava em Deus, ou especulava sobre Deus, ou debatia sobre Deus, ou lia sobre Deus, ou falava sobre Deus — ele andava com Deus, que é a parte prática e vivencial da verdadeira santidade! Em sua vida diária, ele tinha consciência de que Deus estava com ele e ele O considerava como um Deus vivo, aquele em quem confiava e por quem era amado. Oh, amados, não percebem que para alcançar um patamar mais elevado na vida cristã é preciso fazê-lo por meio da concretização das mesmas coisas que, pela fé, vocês receberam? Compreendam-nas! Permitam que elas façam parte de vocês e se comprovem em vocês. Tenham certeza delas, meditem nelas, lidem com elas, provem-nas no mais íntimo da sua alma e saibam, desta forma, que elas estão muito além de qualquer dúvida. É preciso ver Aquele que é invisível e tomar possa daquilo que ainda não pode ser desfrutado. Não é apenas crer em quem Deus é, mas também que Ele é galardoador dos que o buscam, pois essa, de acordo com Paulo, era a fé de Enoque! Deus visto como um ser vivo, observador, julgador e galardoador das obras humanas — um Deus de verdade, realmente conosco — nós precisamos conhecer isso, ou não há como andar com Ele.
Portanto, quando lemos que Enoque andava com Deus, não resta dúvida de que isso significa que ele tinha uma comunhão muito familiar com o Altíssimo. Não conheço uma comunhão mais livre, agradável e cordial do que aquela resultante de andar sempre com um amigo. Se eu quisesse saber qual pessoa seria mais íntima de outra, certamente seria aquela com quem ela andasse todos os dias. Se você dissesse: “De vez em quando vou a casa dele e nos sentamos para conversar”, não teria tanto peso quanto se dissesse: “Todos os dias andamos juntos por aí”. Quando andam juntos, os amigos se tornam mais comunicativos — um conta ao outro os seus problemas e o outro se esforça para consolá-lo — e, em contrapartida, divide com ele os seus próprios segredos. Quando as pessoas andam sempre juntas por opção, estejam certos de que há muitas conversas entre elas nas quais um estranho não pode se intrometer.
Se eu quisesse conhecer um homem por inteiro, gostaria de andar com ele durante algum tempo, pois o companheirismo revela partes de uma pessoa que mesmo na vida familiar podem estar ocultas. O andar contínuo pressupõe e gera um relacionamento íntimo e grande familiaridade entre os amigos. Mas andará Deus, de fato, dessa forma com os homens? Sim, Ele andou assim com Enoque, e com muitos outros do Seu povo desde então. Ele nos conta Seus segredos, os segredos do Senhor, os quais Ele revela somente a quem O teme. E nós, da mesma forma, contamos a Ele, em louvor, as nossas alegrias; em oração, as nossas tristezas, e em confissão, os nossos pecados. O coração se desembaraça de todos os seus cuidados e os lança no coração dAquele que cuida deles por nós! E o Senhor faz transbordar a Sua bondade sobre os Seus amados enquanto os faz sentir o Seu eterno amor por eles. Esta é a beleza e a graça da experiência cristã, seu lírio e sua rosa, seu cálamo e sua mirra. Se quiserem experimentar a nata da vida com Deus, ela pode ser encontrada em uma fé concreta e na íntima comunhão com o Pai celestial. E assim andava Enoque com Deus.
Prosseguindo, está implícito no termo “andava” que a comunhão de Enoque com Deus era contínua. Como um antigo teólogo bem observou, Enoque não deu umas voltinhas com Deus e depois deixou Sua companhia, ele andou com Deus durante centenas de anos! O texto implica que esse foi o teor da sua vida ao longo de todos os seus 365 anos. Enoque andou com Deus por 300 anos depois do nascimento de Matusalém e, com certeza, também andava com Ele antes disso. Mas que caminhada esplêndida! Uma jornada de 300 anos! Uma pessoa poderia desejar mudar de companhia se andasse com qualquer outra, mas andar com Deus durante três séculos foi tão bom que o patriarca continuou andando até ir além do tempo e do espaço — e entrar no paraíso — onde ele continua marchando na mesma companhia divina! Ele tinha o céu na terra, por isso, não foi nada surpreendente quando deslizou da terra para o céu com tanta facilidade.
Ele não tinha comunhão com Deus de qualquer jeito, mas era leal ao Seu amor perceptível. Enoque não era inconstante, às vezes subindo ao topo da extrema religiosidade e depois descendo ao vale pantanoso da indiferença, mas, dia a dia, ele mantinha um relacionamento calmo, feliz e sempre prazeroso com Deus. Não havia noites de insônia. O dia, com seus cuidados, não tirava seu sono. Sua caminhada não era uma corrida, apressada, aos trancos e barrancos, era um andar firme, regular. Enoque andou com Deus por mais de três séculos, sem parar!
Subentende-se, também, nessa frase que a vida de Enoque era progressiva, pois quando uma pessoa anda, seja sozinha ou acompanhada, ela avança, segue em frente. Enoque andava com Deus. Ao fim de 200 anos ele não estava mais onde começou. Ele estava na mesma companhia, mas tinha avançado na direção certa. Ao fim de 300 anos ele sentia mais prazer, compreendia mais, amava mais, tinha recebido mais e podia dar mais, pois havia progredido em todos os sentidos. Um homem que anda com Deus, necessariamente, crescerá na Sua graça e no Seu conhecimento e na semelhança com Cristo. Não se pode pensar numa caminhada constante com Deus, ano após ano, sem que a pessoa favorecida seja fortalecida, santificada, instruída e mais capaz de glorificar o Senhor.
Por isso, entendo que a vida de Enoque foi uma vida de progresso espiritual. Ele ia de força em força e avançava na graciosa peregrinação. Que Deus nos permita seguir em frente, nós mesmos. Só mais algumas observações sobre o andar de Enoque com Deus. No Daily Bible Pleadings de John Kitto (1804-1854, compilador e ilustrador de histórias bíblicas contemporâneo de Spurgeon), há uma ilustração extremamente agradável de como deve ser andar com Deus: a figura de um pai levando o filho pela mão e andando com ele sob a aragem das colinas. Kitto diz: “Como essa criança anda com você, assim você deve andar com Deus. Ela o ama nesse momento. O mundo — frio e cruel — ainda não separou o coraçãozinho dela do seu. O amor dela, nessa hora, é a coisa mais pura e mais bela que ela sentirá, ou você receberá. Alimente esse amor e, como essa criança anda ao seu lado com todo coração, você também andará com Deus com todo coração”.
É um prazer para essas crianças andar com o pai. As dificuldades do caminho ou as intempéries nada são para elas — dar uma volta com o pai já é alegria suficiente. Há aquele aperto quente, terno e afetuoso da mão e um sorriso radiante nos olhos quando olham para ele enquanto as leva para cima e para baixo. Esse andar é também humilde, pois a criança considera o pai o homem mais importante e mais sábio que já existiu! Ela o vê como a encarnação de tudo que é forte e inteligente. Tudo quanto o pai diz ou faz ela admira. Enquanto caminha, ela sente a maior afeição por ele, e também um grande respeito. Ela está muito perto do pai, mas ainda é só uma criança, e o considera como um rei.
Além disso, esse andar é feito em perfeita confiança. A criança não tem medo de se perder pelo caminho. Ela confia implicitamente na orientação do pai. O braço dele a protegerá de todos os perigos e, por isso, ela não se importa muito — por que deveria? Se é preciso ter cuidado com a estrada, isso é problema do pai, e a criança, portanto, nem sonha em se preocupar — por que deveria? Se for necessário passar por algum lugar difícil, o pai a levantará, ou a ajudará a passar — a criança, no entanto, está alegre como um passarinho — por que não estaria? E é assim que o crente deve andar com Deus, descansando na ternura eterna e se regozijando no amor incontestável! O crente deve ficar despreocupado, tanto em relação ao presente como em relação ao futuro.
Amados amigos em Cristo, vocês podem confiar no Pai, Ele suprirá todas as suas necessidades —
O Pai cuida de você como se não houvesse
outro homem na terra ou anjo no céu.
Que caminhada instrutiva tem uma criança com um pai sábio e comunicativo! Quantos pequenos mistérios são explicados a ela, quanta coisa ao seu redor é iluminada pela sabedoria do pai! A cada passo, ela se torna cada vez mais sábia por causa da sua companhia. Felizes são os filhos de Deus que têm sido ensinados pelo Pai enquanto caminham com Ele! Enoque deve ter sido um homem de profundo conhecimento e de grande compreensão das coisas divinas. Ele deve ter mergulhado nas profundezas de Deus muito mais que qualquer outro homem. Sua vida, também, deve ter sido uma vida santa, pois ele andava com Deus, e Deus nunca Se desvia do caminho da santidade. Se andamos com Ele, precisamos andar de acordo com a verdade, a justiça e o amor. O Senhor não faz companhia ao injusto e rebelde, por isso, sabemos que se Enoque andava com Deus, ele deve ter sido um homem íntegro e santo.
Além do mais, a vida de Enoque deve ter sido uma vida feliz. Quem poderia ser infeliz em tal companhia?! Com o próprio Deus ao nosso lado, o caminho nunca será triste. “Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo” (Sl. 23:4a). Deixe Deus ser sua companhia e sua estrada será um caminho agradável e uma via de paz. Não andou Enoque com Deus? Então, sua peregrinação deve ter sido segura. Que guarda extraordinário é o nosso Deus! Ele é sol e escudo! Ele dá graça e glória. Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo à sombra do Onipotente descansará. Nada pode prejudicar o homem que anda com o Senhor Deus à sua direita.
E ainda, que honra é andar com o Eterno! Muita gente daria milhões para andar com um rei. Algumas pessoas são tão fascinadas por autoridades superiores que, se um rei lhes der um sorriso, ficam totalmente inebriadas de prazer! Qual será, então, a honra de andar com o Rei dos reis? Que título de nobreza será concedido a quem andar com o bendito e único Soberano por toda vida? Quem é aquele assim favorecido para ser companheiro do Rei, e andar a sós com Ele e se tornar Seu amigo íntimo? O Senhor governa os céus e a terra, e o inferno. Ele é Senhor de todos que andarem com Ele!
Só por essa honra, cristãos, devemos ansiar por andar com Deus! Enoque encontrou segurança, felicidade, santidade, honradez e nem sei mais quantas coisas excelentes! Mas, com certeza, sua vida foi brilhante — onde encontraremos outra igual?
2. Em segundo lugar, vamos considerar QUAIS CIRCUNSTÂNCIAS ESTAVAM LIGADAS AO ANDAR DE ENOQUE COM DEUS. A primeira observação é que temos pouquíssimos detalhes sobre sua vida. Não sabemos muito a seu respeito e esta é sua vantagem. Feliz é a nação sem história, pois a que tem uma história já foi assolada por guerras, revoluções e derramamento de sangue. Mas uma nação que é sempre feliz, pacífica e próspera não tem uma crônica para atrair os amantes de emoções. Feliz foi Enoque por não podermos escrever uma longa biografia sobre ele! Estas poucas palavras “andou Enoque com Deus” são suficientes para descrever toda sua carreira até “que já não era, porque Deus o tomou para si”.
Se você for ao campo de um agricultor e, quando voltar, disser: “Vi tantas flores amarelas recobrindo o campo que até parecia um manto dourado. Depois avistei, aqui e ali, flores brancas como botões prateados dispostos na veste dourada. Vi também centáureas azuis olhando para o alto com seus olhos adoráveis, fazendo o campo todo cintilar”; se fosse criança, você o teria achado lindo. Mas o agricultor balança a cabeça, pois sabe que o campo está em más condições e cheio de ervas daninhas! Contudo, se ao voltar, você simplesmente disser: “Como é lindo ver um campo de trigo maduro, e isso é tudo”, então sua descrição, embora breve, é bastante satisfatória.
Muitos acontecimentos espantosos, impressionantes e sensacionais que vão tornar uma biografia interessante podem chamar a atenção, mas não falam da verdadeira excelência da vida. Nenhuma vida pode superar a do homem que, em silêncio, continua servindo a Deus no lugar onde a Providência o colocou. Acredito que no julgamento dos anjos e dos seres puros de espírito, o que será mais admirado na vida de uma mulher será simplesmente: “ela amava o Senhor e fez o melhor que pôde por Ele”. E, na vida de um homem, será mais digno de nota de quem for dito: “ele seguiu inteiramente o Senhor”. A vida de Enoque não teve aventuras. Mas já não é aventura suficiente andar com Deus? Qual maior ambição pode almejar uma existência honrosa do que permanecer em comunhão com o Eterno?
Contudo, alguns dirão: “Bem, mas Enoque devia estar muito bem de vida. Sem dúvida, ele tinha uma posição bastante vantajosa para ser temente a Deus”. Ora, note que não era assim, pois, em primeiro lugar, ele era um homem público. Ele é chamado de “o sétimo depois de Adão”. Ele foi um homem importante e considerado um dos pais da sua época. Naquele tempo, um patriarca devia ser alguém notável, cheio de responsabilidades e de boa reputação. O costume antigo era que o chefe da família fosse profeta, sacerdote ou rei na sua parentela. E fora da família, se era um homem de posição e recursos, era conselheiro, magistrado ou governante. Enoque foi um grande homem em seus dias, um dos mais importantes daquele período. Portanto, podemos ter certeza de que ele tinha tribulações e suportava o peso da oposição do grupo de ímpios poderosos que se opunha aos caminhos da santidade.
Ele é mencionado em uma lista nobre de homens. Algumas pessoas tolamente pensam: “Eu andaria com Deus se tivesse uma casinha no campo, se vivesse num vilarejo pacato, mas, veja, sou um homem público, tenho um cargo de confiança e tenho de estar com meus colegas. Não vejo como posso andar com Deus”. Ah, meu caro amigo, mas Enoque andou! Embora ele fosse, sem dúvida alguma, um homem célebre em sua época e cheio de deveres públicos, ainda assim ele não perdeu o fio da meada da conversa sacra com o Céu, e continuou firme no curso santo de sua vida durante séculos. Note ainda que Enoque foi um homem de família. Enoque andou com Deus e teve filhos e filhas.
Alguns dizem “Olha, você não pode viver como quer quando tem uma porção de filhos à sua volta. Não me diga que dá para orar durante horas e ler em sossego as Escrituras quando se tem uma grande família com filhos pequenos. Você será perturbado e haverá muitos incidentes domésticos que, com certeza, tentarão tirá-lo do sério e acabar com sua serenidade. Vá para a floresta e encontre uma casinha abandonada — lá, com um jarro de água e um pedaço de pão, talvez você consiga andar com Deus — mas com uma esposa, nem sempre amistosa, e um bando de crianças que não param quietas, nem de dia nem de noite, como se espera que um homem ande com Deus?” A esposa, por outro lado, exclama: “Acho que se eu tivesse continuado solteira, poderia ter andando com Deus. Quando jovem, eu era cheia de devoção. Mas agora, com um marido, que nem sempre está nos melhores dias, e com filhos, que parecem ter uma infinidade de necessidades e nunca estão satisfeitos, como é possível andar com Deus?”
Voltemos novamente para Enoque e acreditemos que isso é possível! “Andou Enoque com Deus; e, depois que gerou a Metusalém, viveu trezentos anos; e teve filhos e filhas.” Veja, portanto, que ele foi um homem público, teve uma família — e ainda assim, andou com Deus por mais de trezentos anos. Não é preciso ser um eremita, ou renunciar ao casamento, para viver perto de Deus. Além disso, Enoque viveu numa época muito perversa. Ele foi proeminente num tempo em que o pecado estava começando a cobrir a terra. Não demorou muito até a terra se corromper e Deus achar melhor varrer toda a população da sua superfície por causa do pecado.
Enoque viveu numa época de escarnecedores e desdenhadores. Você conhece a sua profecia, registrada por Judas. Ele profetizou, dizendo: “Eis que veio o Senhor entre suas santas miríades, para exercer juízo contra todos e para fazer convictos todos os ímpios, acerca de todas as obras ímpias que impiamente praticaram e acerca de todas as palavras insolentes que ímpios pecadores proferiram contra ele.” Ele viveu num tempo em que poucas pessoas adoravam a Deus, e quem o fazia estava sendo atraído pelas palavras lisonjeiras das filhas dos homens. A igreja e o estado estavam propondo união, costumes e prazeres regidos pelo momento e as coisas do mundo estavam na ordem do dia. Ele viveu próximo do final dos tempos primitivos, onde a vida longa dos homens havia produzido grandes pecadores — e grandes pecadores tinham criado grandes provocações contra Deus. Não se queixe, então, da sua época e dos seus vizinhos e de outras coisas, pois em meio a todas elas você ainda pode andar com Deus.
Enoque andou com Deus e, em consequência disso, ele deu testemunho de Deus. “Profetizou Enoque, o sétimo depois de Adão”. Ele não podia ficar calado! O fogo ardia dentro dele e não podia ser contido. Quando testemunhava de Deus, é claro que ele encontrava oposição. Tenho certeza disso pelo contexto de Judas, pois a passagem tem a ver com murmuradores “e descontentes, andando segundo as suas paixões. E cuja boca vive propalando grandes arrogâncias”, e Enoque é apresentado como tendo sido levado a tratar com essas pessoas. Seu sermão mostra que ele foi um homem que permaneceu firme em meio a uma torrente de blasfêmias e coisas reprováveis, liderando a grande controvérsia pela Verdade de Deus contra a vida ímpia e língua licenciosa dos escarnecedores da sua época. Ele diz: “Eis que veio o Senhor entre suas santas miríades, para exercer juízo contra todos e para fazer convictos todos os ímpios, acerca de todas as obras ímpias que impiamente praticaram”.
É claro que eles falavam contra Enoque, rejeitavam seu testemunho, atormentavam seu espírito, e ele lamentava que, com isso, estivessem falando contra Deus. Pois ele diz: “de todas as palavras insolentes que ímpios pecadores proferiram contra Ele”. Ele via a vida ímpia que levavam e testemunhava contra eles. É incrível que o assunto principal de seu sermão tenha sido o Segundo Advento! E é ainda mais digno de nota que os outros dois homens que se poderia escolher por terem vivido tão perto de Deus, a saber, Daniel e João, também tenham falado muito a respeito da vinda do Senhor e do Dia do Julgamento. Não preciso citar as palavras de Daniel, o qual nos fala sobre o julgamento vindouro e sobre o Ancião de Dias que se assentará no Seu trono. E nem preciso repetir o constante testemunho de João sobre a Segunda Vinda do Senhor. Vou mencionar apenas sua exclamação fervorosa: “Vem, Senhor Jesus!”
Vejam, pois, Enoque foi pregador da Palavra de Deus e, por isso, teve de tomar muito mais cuidado que a grande maioria das pessoas. E mesmo assim, com tudo isso e todas as outras coisas juntas, ele conseguiu agradar a Deus até o fim da vida! Falo de um fim que encontrou um interminável estado de alegria — enquanto esteve aqui ele andou em fé, andou de forma agradável a Deus — e, portanto, sua comunhão com o Senhor nunca foi quebrada.
3. Isso nos leva a concluir com um terceiro ponto — QUAL FOI O FIM DA CAMINHADA DE ENOQUE? Gostaria primeiramente de salientar que ele terminou seu trabalho muito cedo. Enoque andou com Deus e esse caminhar foi tão bom, tão seguro, tão progressivo que ele viajou mais rápido e alcançou seu lar muito mais cedo do que qualquer um de nós que, às vezes, anda com Deus, e outras, com o mundo! Trezentos e sessenta e cinco anos seria uma vida longa para nós, mas foi curta para aquela época, quando muitos patriarcas chegaram quase a mil anos de idade.
Sua vida, se comparada à existência comum daqueles dias, foi como um período de 30 ou 35 anos das vidas mais curtas — na verdade, a melhor analogia para sua vida é a de nosso Senhor. Assim como a vida longa dos homens da sua época, a de Enoque teve aproximadamente a mesma duração que a do Senhor Jesus em comparação com a nossa. Enoque morreu relativamente jovem, como Verdon, nosso irmão e presbítero, recém falecido, e não é de admirar. Dizem que “quem é amado pelos deuses morre jovem”, e tanto Enoque, quanto Verdon foram homens muito amados. Talvez esses santos tenham terminado sua carreira cedo porque fizeram seu trabalho com tanta diligência que acabaram logo.
Alguns trabalhadores, quando têm algum serviço para fazer em casa, levam o dia todo, ou até uma semana inteira para acabá-lo, e fazem uma confusão sem fim! Não é à toa que algumas pessoas vivam tanto, pois precisam de muito tempo para fazer quase nada! Mas este homem fez seu trabalho tão bem e se manteve tão perto de Deus que sua jornada terminou ao meio-dia e o Senhor lhe disse: “Vem pra casa, Enoque! Não precisa mais ficar aí fora, vem para o Céu. Você já deu seu testemunho, já viveu sua vida. Por todas as gerações os homens o considerarão como modelo, por isso, pode vir pra casa”. Deus nunca mantém o trigo nos campos mais tempo que o necessário! Quando está maduro, Ele o colhe de uma vez! Quando Seu povo está pronto para ir para casa, Ele os leva. Não lamente a morte de um bom homem quando ele ainda é jovem. Pelo contrário, bendiga ao Senhor por ainda haver colheitas precoces no mundo e por alguns de Seus santos serem santificados tão rápido!
Mas, afinal, o que aconteceu com Enoque? Receio ter dito que ele morreu, ou ainda direi; é muito natural falar sobre a morte de alguém, mas ele, só ele, e ninguém mais em toda a raça humana entrou na Canaã celestial sem atravessar o rio da morte! Está escrito a seu respeito: “e já não era”. Quem acredita que a palavra “morrer” signifique ser aniquilado teria seu ponto de vista ainda mais confirmado se as palavras do texto “e já não era” fossem aplicadas a todos os que partiram, pois se há uma expressão que talvez tenha esse significado no seu modo de tradução é essa — é só essa! “E já não era”, no entanto, não significa que ele foi aniquilado! Nem mesmo o termo mais fraco ‘morrer’ significa qualquer coisa do tipo!
“E já não era” quer dizer: ele não estava mais aqui — e isso é tudo. Ele se foi da terra, mas estava lá — lá, para onde Deus o trasladou. Ele estava, ele está com Deus! E isso sem ter experimentado a morte! Não se ressinta por ele ter evitado a morte. Foi um benefício, mas não por algum meio tão extraordinário quanto alguns pensam, pois quem não morre precisa sofrer uma transformação e Enoque foi transformado. “Nem todos dormiremos”, diz o apóstolo, “mas transformados seremos todos” (1 Coríntios 15:51). A carne e o sangue de Enoque não podiam herdar o reino de Deus — rapidamente ele sofreu a transformação que você e eu sofreremos no dia da ressurreição. E, assim, ele não estava mais aqui, foi trasladado ou transplantado dos jardins da terra para o Paraíso lá do alto.
Agora, se há alguém no mundo que nunca morrerá, é aquele que anda com Deus. Se há alguém a quem a morte será como nada, é o homem que olha para o Segundo Advento de Cristo e se regozija nele. Se há alguém que, embora passe pelos portões de ferro da morte, nunca sentirá o terror do inimigo cruel, é o homem cuja vida aqui embaixo foi de comunhão constante com Deus! Não há outro meio de escapar do sofrimento da morte a não ser andando com Deus, e então se poderá dizer: “Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão?” (1 Coríntios 15:55). Está escrito de Enoque que “Deus o tomou para si”. Uma expressão extraordinária! Talvez Deus o tenha feito de forma visível. Não seria de estranhar. Talvez os patriarcas o tenham visto partir, assim como os apóstolos viram quando o Senhor foi assunto ao céu.
Seja como for, houve um arrebatamento especial, algum tipo diferente de acesso desse eleito ao trono do Altíssimo. “E já não era, porque Deus o tomou para si”. Note que sentiram sua falta. Isso é algo que eu não poderia deixar passar. Sentiram sua falta, pois o apóstolo diz: “não foi achado”. Ora, se um homem não foi achado, é porque alguém procurou por ele. Quando Elias subiu ao céu, lembrem-se, cinquenta discípulos dos profetas saíram à sua procura. Não me causa estranheza o que fizeram — eles não se encontravam com Elias todos os dias — e quando ele se foi, com corpo e tudo, poderiam muito bem ir atrás dele! Enoque não foi achado, mas procuraram por ele.
Sente-se falta de um bom homem. Um verdadeiro filho de Deus como esse na igreja, trabalhando e servindo ao Mestre, é um entre mil — mas se ele tem andado com Deus, sua morte é lamentada. Sentiremos falta do querido irmão que acabamos de sepultar. Seus colegas de conselho sentirão sua falta. Todos quantos foram convertidos a Deus por seu intermédio sentirão sua falta. Eu, com certeza, sentirei sua falta. Olho para onde ele costumava se sentar — e espero que quem ocupe o lugar tenha pelo menos metade do seu valor. Será mais do que posso esperar. Não queremos viver e morrer para que ninguém se importe se estivemos aqui na terra ou não. Sentiram a falta de Enoque quando ele se foi e assim será com quem andar com Deus.
Finalmente, a partida de Enoque foi um testemunho. O que o bendito Espírito quis dizer por “e já não era, porque Deus o tomou para si” senão que existe um estado futuro? Os homens tinham começado a duvidar disso, mas quando disseram: “onde está Enoque?”, e quem testemunhou sua partida disse: “Deus o tomou para si”, isso foi, para eles, uma evidência da existência de um Deus, e também de um outro mundo. E quando perguntaram: “Mas onde está o corpo?”, há ainda outra lição. Dois homens morreram antes de Enoque, quero dizer, dois cuja morte está registrada nas Escrituras — Abel foi morto e seu testemunho foi de que o descendente da serpente odeia o descendente da mulher. Adão, também, morreu cerca de 50 anos antes da trasladação de Enoque, e seu testemunho foi de que, mesmo quando demora, o castigo é certo, e “a alma que pecar, essa morrerá” (Ezequiel 18:4). Então vem Enoque e seu testemunho é de que o corpo pode ser imortal! Ele não pôde dar testemunho da ressurreição, pois não morreu — para isso temos o testemunho em Cristo, o qual é a primícia dentre os mortos. Mas o testemunho de Enoque deu uma boa indicação disso, pois forneceu provas de que o corpo pode ser imortal e viver num estado celestial. “E já não era, porque Deus o tomou para si”. Sua partida também foi um testemunho para a humanidade de que há um galardão para os justos, pois Deus não se assenta com olhar impassível, ignorando o pecado dos perversos, ou as virtudes dos santos. Seu testemunho prova que Deus vê aqueles que andam com Ele e Se agrada deles — e pode lhes dar, mesmo agora, as recompensas do presente, livrando-os do sofrimento da morte — e certamente Ele recompensará o Seu povo de uma forma ou de outra.
Por isso, veja, vivendo e morrendo — não, morrendo não, enganei-me de novo — vivendo e sendo trasladado — Enoque foi uma testemunha para sua geração! E oro para que todos nós, vivendo ou dormindo, sejamos testemunhas de Deus. Ah, se pudéssemos viver como o nosso querido irmão Verdon, a quem recentemente sepultamos, viveu, cuja alma ardia por amor a Cristo! Ele tinha verdadeira paixão pelas almas! Mal consigo pensar em alguém entre nós que tenha feito tanto quanto ele, pois embora tivesse de granjear o pão de cada dia, ele passava as noites conosco no serviço do Senhor, ou na pregação do evangelho. Depois, muitas vezes ele saía às ruas cansado, cuidando dos abatidos, para poder recuperá-los! Com frequência, pela manhã, saía cansado para o trabalho, a não ser pelo descanso encontrado no serviço de Cristo.
Às vezes, com os olhos cheios de alegria, ele encontrava um irmão e dizia: “Cinco almas para Cristo ontem à noite!”. Em outras, depois de um sermão, lá estava o grande caçador de almas, levando os interessados escada abaixo para a reunião de oração. E quando apertava minha mão, ele dizia com seu sotaque suíço, o qual nunca consegui imitar: “Jesus salvou mais alguns esta noite! Mais almas foram trazidas a Cristo”. Para ele, viver era ganhar almas! Ele era o membro mais jovem do nosso conselho, mas os grisalhos o respeitavam. Enquanto chorávamos sobre seu túmulo, não havia um sequer entre nós que não sentisse ter perdido um verdadeiro irmão em Cristo e um valente soldado. Que o Senhor levante outros dentre nós para fazer o mesmo que o Presbítero Gordon fazia!
Que o Senhor desperte os irmãos e irmãs mais velhos para serem mais ativos e torne os jovens mais dedicados. Nossas fileiras estão desfalcadas, quem irá preencher as lacunas? Ficamos mais reduzidos, à medida que o Senhor vai levando um e outro para o lar dos mais instruídos e corajosos. Mas, pela Sua graça, todos os dias chegam novos recrutas! Que outros mais possam vir — sim, Senhor, traga-os pelo Teu Santo Espírito para serem líderes nas fileiras da frente, pois enquanto a vanguarda se transforma na Igreja Triunfante, que a retaguarda seja sempre acrescida de novos membros! Trasladados para os céus são alguns, que outros sejam trasladados das trevas para a maravilhosa luz, por amor de Cristo. Amém.
Tradução: Mariza Regina de Souza

Extraído do site Spurgeon em Português
Charles Haddon Spurgeon

Charles Haddon Spurgeon

O hoje se foi mais uma vez em segundos felizes, desta manha de domingo com uma situação um pouco arriscada e tensa, mais que depois do susto vejo graça, acredito no sentido da verdade compreendida apenas por nós, por isso nesta manha triste por sua despedida fugaz, caio em gargalhadas e me completo com sonhos de uma manha feliz de domingo!

Nilson Matos F. Junior

Eu poderia ter colocado uma foto minha dormindo logo pela manhã de domingo, mas resolvi não fazer parte dessa jogatina.

Camila Bill

O hoje se foi mais uma vez em segundos felizes, desta vez não foi em uma manhã de domingo com uma despedida fugaz e sim numa noite de domingo com à lua crescente e junto com esta lua cresce saudades deste momento único.

Nilson Matos F. Junior

Nostalgia de uma manhã de domingo

Quando se é criança, as simples coisas, deixam de ser simples e passa maravilhosamente coisa, me lembro dos sentimentos do lindo. Com as coisas simples e sem beleza alguma para crescidos sem sentimento nostálgico da casa de vó. Na casa da minha vó, via o sol nascer entre as arestas do telhado e eu achava lindo, via borboletas a voar mas pedras do quintal aquilo era belo e via a minha vó a cozer para seus netos e eu ainda acho lindo. Devemos viver com os olhos de uma criança, que com uma simples coisas elas as transformam em maravilhosamente coisas. O belo, o simples são maravilhosas dádivas de uma eterna criança encantada.

Diego Nascimento

Deus de bondade, Pai misericordioso, nessa manhã de #domingo venho te agradecer por todo bem que realizas na minha vida. Obrigada por me proteger, por iluminar meu caminho e me livrar de todo mal. Obrigada pelo ar que respiro, pelo pão que me alimenta, pela coberta que me esquenta. Obrigada pela casa que me abriga, pela vida das pessoas que amo e por me conceder uma vida abençoada debaixo das suas asas. Obrigada pela tua mão amiga que me sustenta e me levanta todas as manhãs me dando a chance de recomeçar. Obrigada pelo Teu amor incondicional, que aquece meu coração e me faz compreender que: ainda que tudo esteja escuro sempre há uma saida e uma luz, eu só preciso acreditar e crer que em Ti eu tudo posso. Conceda-nos Pai Amado, uma semana próspera e frutifera, abençoa abundatemente nossas vidas e esteja com cada um dos seus filhos, é o que eu te peço em nome de Jesus Cristo, amém! (Priscilla Rodighiero )

Priscilla Rodighiero