Lugar onde eu Moro

Cerca de 143 frases e pensamentos: Lugar onde eu Moro

Palavras...
Força, expressão
Mais que força, atitude
Mais que expressão, explosão
Palavras...
Flechas disparadas
A corações esmos
Flechas de saudade
Amor, alegria, dor
Outras pura e simplesmente
Flechas certeiras...
O alvo?
Coração...
Embaraço da mente,
Perca de sentidos,
Cadê razão?
Sinceridade?
Quem a sente sabe
Em muitas vezes
Sinceridade, descompromisso,
Fuga, justificativa
Do que a ninguém
Se deve
Simplesmente a
Quem se destina
E das palavras
Se faz receio, dor
Onde deveria amor
Desabafo
De onde um poema
De sentimento puro...
Luz ao invés de sombras
Casulo onde liberdade...
Sinceridade...
Lança afiada
Se não conjunta
De sensibilidade...
Sinceridade pura
É dura, pedra
A ser lapidada
De valor confesso,
Mas ainda bruta
O tato, o sentir
Lapida e complementa,
Faz de palavras
Sinceras um
Caminho coeso,
Sem percalços
Sem marcas...
Não dá forma
As palavras de
Cicatrizes...
Cicatrizes profundas
Não torna de
Infinito amor
Dor sem supremacia...
Pura e simplesmente dor
Sem adjetivos...
Sem vida...
Pura e simplesmente assim
Sem palavras...

Armando Moro

Rotina

Não sou adverso,
Bradando à cantos
Contra o tema
Mas compete-me
Discordar dos que
Fazem de rotina
Contaminação
Dos dias, dela
Deixam fazer-lhe
Aspiração e inspiração.
Dias em si são
Mais que a rebuscada
Corrida para e pelo ouro
São mais do que
Frieza de números
Aspereza de definições
Conclusões, ordenamentos.
Dias em si são
Apreciação de
Brilho de olhar,
Coleta de energia
Vital de um sorriso
De ente amado
(quem dera de
quem se ama e
desse sorriso faz
passagem livre de
ida aos céus)
apreciar de flores
nas ínfimas cores
formas, com jeito
único de mobilizar
olhares e tirar
do âmago doce suspirar.
Dias em si
São renovação de fé
O acreditar que montanhas
Não somente vão a Maomé,
Mas além dessa passagem
Levam-nos ao topo
Onde de forma suave
Tocam-se as antes
Intocáveis nuvens.
Dias em si
São renovação do amor,
Entender que a arritmia
Mais do que um mal
Moderno ao coração
É efeito de grandes
E poderosos sentimentos
Onde altera-se o ritmo,
Acelerado na presença
Disforme na ausência
lento de batimentos
Na distância acentuada
E colapso cardiovascular
Na saudade.

Armando Moro

Decidir...

decidir, valer-se
da arbitrariedade,
do sentido e o
rumo ao andar
de estrelas, flutuar
pelo campo das
dúvidas, colher-se
por entre as
certezas de
um jardim regado
a esperanças...
convicção do certo
reflexão, decisões
a caminhos sem
volta, banidos
de um mundo
triste, desprezível
voltado a arte de
viver, decisão de
vida, minha vida,
pura e simplesmente
minha em sentido,
direção e intensidade
como a um vetor,
mas longe de sua
frieza física,
perto sim do
calor físico
apaixonante do
ser que me acolhe,
que renega mas
se demonstra,
se mostra
me ilumina
me preenche,
me faz decidir
amá-la...

Armando Moro

O destino malandro como é, carioca da gema, te jogou no meio do meu caminho me fez tropeçar em você , e agora ri da minha indecisão em não saber qual caminho tomar, esperando um golpe de loucura para construir um novo caminho.

Vivian Moro

DESEJO...

OLHAR, COBIÇA,
TRANSPACE DE
UMA MIRA ÓPTICA.
ALVO DESNUDO...
SENÃO A REALIDADE
DESNUDO A CRIAÇÃO,
A IMAGINAÇÃO,
SÓRDIDO, EGOÍSTA...
EGOÍSTA E PERFEITO.
PERFEITO NOS GESTOS,
OLHAR, SUOR
DE MOVIMENTOS
SÍNCRONOS...
PERFEITO A COBIÇA,
PRESA E PREDATOR,
PRISÃO SEM FUGA,
SOLITÁRIA EM
CUMPLICIDADE,
QUATRO PAREDES
DE ONDE FORMA-SE
UM MUNDO
SURREAL, TUDO VALE,
TUDO VIVE, TUDO
FANTASIA-SE...
FANTASIA-SE?
OU FANTASIA-SE
A REALIDADE,
A TRISTEZA, A DISTÂNCIA?
NESSE MUNDO,
NO DESEJO, NA COBIÇA
FAÇO A PERFEIÇÃO...
E SE ASSIM FOR
CHAMEM-ME LUNÁTICO...
LUNÁTICO EXTASIADO...
LOUCO POR VOCÊ.

Armando Moro

A arte de amar não é simplesmente dizer
amar é compreeender viver,
conviver,
entender,
se deixar levar sem magoar,
dar carinho fazer sorrir,
fazer feliz,
amar não é somente entre duas pessoas,
é também o coletivo de ser feliz!

Ana Tereza Moro

Tipo você é indecisa?
É?
Então nós somos?
Ou éramos?
Nem sei você continua sendo?
Ou não?
Você ainda gosta daquela pessoa?
Gosta?
É eu sei como ela não te da bola não é mesmo?
Ela te ignora ?
Ela finge não te conhecer e nem conhecer seus sentimentos sobre ela?
Será mesmo que o mundo da voltas ?
Aquela musica ainda faz lembra-lo?
Ou você finge ter esquecido?
Ele já não te responde mais não é mesmo?
Será essa sua nova rotina?
Correr atrás desse sonho incerto ?
Ou será que não é um sonho e sim uma ilusão?
Você está indeciso né?
Você ou nós?
As perguntas são várias não são?
Cada dia uma não é?
Ele parecia ser galinha mas ao mesmo instante era carinhoso não?
Ele te fazia se sentir feliz no começo né ?
Sempre te fazia sorrir?
Não é ?
É você fazia a mesma pergunta né ?
Será que ele me ama?
Ele sente algo por mim?
Ou só é ilusão?
Já percebeu que tudo é uma pergunta?
Mas e será que tudo tem resposta?
Ai você fica indeciso não é?(Risos)

Ana Tereza Moro

Moro na transversal do tempo, na esquina do mundo,
Olhando a intergaláctica possibilidade de delirar...

Sonhando com direitos, delírios e delicias em atuar

No comedido espaço de respirar...



Moro no coração dos libertários que sonham em revolucionar..

Na ponte entre o ser e o ter que atuar

Lutando ate o dia do motim daqueles que olham sem coragem de gritar,

Só ouvindo os cães ladrarem e olhando a caravana passar...



Moro no lugar onde muro e quintal não tem fronteiras...

Onde telhado não há e o céu é o limite,

Onde o grito atinge o infinito;

Onde as pessoas vivem para amar...



Moro onde sou caçador de mim em busca de

ser o pensamento de existir para mudar...

Moro onde se sente sem se ver;

Onde se é o São Jorge do seu próprio Dragão,

Onde há liberdade da prisão do seu próprio jardim...

Onde ser incendiário das paixões não é ser o bombeiro das possibilidades...



Moro na praia ou no campo, no alto ou no baixo, na curva ou na reta...

Moro onde se jogam flores para quem não venceu, tentou e chorou...

Chorou, não pela frustração de ter perdido a disputa,

mas pela felicidade de ter participado dela...



Moro onde somos mais que humano,

onde ser simples e ser chic;

Onde ser/estar não é uma tese filosófica,

mas sim uma pratica do ser no tempo e no espaço

entre a construção e a desconstrução entre o tudo e o nada.



Moro onde não mora ninguém e todos tem um só sonho:

o de brilhar enquanto luz, sabendo que movimento é vida,

onde o círculo e as espirais são a própria essência da vida e do holismo....

Moro onde se descartam as retas,

sem tolas preocupações com começo, meio ou fim,

ad infinitum...

xxxxxxxxx

"Éramos felizes. O desejo é que gera o descontentamento; a felicidade nasce de uma mente em paz. Para muitos tibetanos, a vida material era difícil, mas eles não eram vítimas do desejo. E, na simplicidade e na pobreza de nossas montanhas, a paz de espírito era mais presente do que em muitas cidades do mundo."

Javier Moro, As Montanhas de Buda

Bem que tentei,
Tentei ser feliz,
bem que tentei,
Tentei fazer feliz,
como tentei.
Foi inútil,
declaradamente.
Não consegui mudar
O ponteiro da vida
Que segue apenas
Em sentido único.
Como burro
De Tapa
Com o caminho à frente
Imposto e sem a
Possibilidade do que
Vive ao lado.
Esforço inútil,
tentativas frustradas,
sacrifício demasiado,
absurdo e
até a exaustão.
Perdi as forças,
os desejos se foram,
não há o que mudar,
porque ninguém quer mudar.
Como está, é bom.
Assim está legal.
Não mexe que está fluindo,
geralmente é assim.
Comodismo da rotina
Onde o morno
É quente para muitos
E o morno não me basta,
Quero o calor das chamas
A provocação intensa
De uma verdadeira paixão,
Um amor impiedoso
Intenso nos prós e
Tão intenso quanto nos contras.
Verdadeiro nos sentimentos
Mas tão verdadeiro quanto
No sofrimento,
Mas mesmo no misto
De sentimento,
Mesmo nessa louca
Montanha russa de humores
Nada tema, por que
O medo e a solidão existem apenas
Aos desprovidos
De uma cara metade
Na rudez, ou alma gêmea
No veludo das palavras.
O medo impede a mudança
O medo impede o caminhar
O medo impede o sorrir
Escancarado e o olhar
De desejo sem se importar
Que entendam ou não
E se algumas coisas
São realmente para serem sentidas
E não entendidas,
Somente quem as sente
Pode avaliar o porque
De algumas histórias
Pra mudar, precisa coragem,
precisa desejo,
precisa fibra,
acima de tudo
precisa amor.
Não dou mais ao mundo
Ou ao destino
Ou as pessoas
De alma negra,
Obscurecidas pela ausência
De tudo colocado
Nessas palavras
O direito
A poda ou a dizerem
O quando pode
O quanto vale
Ou o quanto medem
meus sentimentos.
Se acredito no infinito
Como limite esse será
Mesmo que em minha
Finita vida, mas
Infinita enquanto vida.
A prova do infinito
É o tema e o lema
Tentei no início
E não me convenço
De desistir no final
Dos versos
Porque a derrota
não está em mim
e a derrota não
faz parte da vida
das pessoas de alma
iluminada onde no meio
da escrita encontram
uma mística forma
de esperança e dela
a força para entender
que lutar, guerrear
quando preciso
é o que transforma
o tentei...
em tentarei novamente.

Armando Moro e Valentina Fraga a 4 mãos

“ Eu moro em Londres, uma cidade histórica, linda e vibrante, a qual eu amo morar. E você mora em Nova York que é super estimada.. como o Atlântico é largo demais para atravessar todos os dias, a nado, de barco ou avião, vamos decidir na moeda, mas se você não quiser aceitar isso, eu deixo Londres com todo o prazer, se você estiver me esperando do outro lado, porque a verdade Sophie, é que eu te amo, loucamente, profundamente, verdadeiramente e apaixonadamente. ”

Cartas para Julieta

Moro com poemas....

Fiz de meus poemas o meu abrigo...
Aonde pudesse esconder minhas verdades...
Aonde eu pudesse expressar minhas tristezas,
Aonde eu pudesse esclarecer minhas mentiras,
Aonde eu pudesse me esconder de mim mesmo.

Meus poemas agora são onde eu moro...
Lá moro sozinho com a solidão...
Lá tenho tudo o que preciso...
E tudo que preciso é de meus poemas.

Minha vida depende deles
Sem eles não sei como me expressar,
Não sei como agir,
Não sei se consigo respirar...
Simplesmente sem eles eu não vivo.
E é por isso que resolvi fazer de meus poemas, meu abrigo.

Wallace Neres

Às vezes, não moro em mim
Viajo sobre lindas rosas carmim
Não atendo quando me chamam.
Nem mesmo aos que me amam.

Rosalie Rose

No interior onde eu moro Nelson Rubens é fichinha. Aumentar e inventar é pouco.

Dani Leão

Não sei onde moro,
não sei para onde vou,
ando à deriva,
à deriva sem ti
perdida na serra,
perdida de ti,
ter asas e poder voar,
sentir o vento do norte,
abraça-me o solidão
deixa o meu coração,
ver os lírios do campo,
como são belos e perfumados,
vou dar-te o meu sentir,
os meus beijos, os desejos,
não sei onde moro,
se moro contigo,
não sei para onde vou,
se vou ter contigo.!

isabelRibeiroFonseca

Eu moro em mim mesmo!
Não faz mal que seja pequeno, assim eu tenho menos lugares para perder as minhas coisas e sonhos! Na verdade é um compartimento secreto onde só eu e meu Anjo temos acesso!
De vez em quando, eu vo lá e reescrevo novos sonhos...
Quando eu me distraio ou durmo, ai assim aparece meu Anjo para realizar aqueles sonhos que realmente me farão bem!
Bom, não sei definir sua feição se é mulher, criança ou uma luz, mas é o que me da felicidade, protege e me mantem solteiro!

Charlis

Aonde eu Cresci
" Quase nada Acontece,
Moro em Caracas..Município Zona Oeste
Cidade dormitório, nada posso esperar...
Pois em cada esquina ,tem uma igreja e um bar

Alexsandro Braga

Moro em minha propria casa,
Nunca imitei ninguém
E rio de todos os mestres
Que nunca riram de si.
(Escrito em cima de minha porta)

Nietzsche

Moro no Paraíso..
Não tem Adão nem Eva...mas tem COBRA pra kacete!

Vilma Galvão

Aqui... aqui onde eu não moro
Eu não pertenço a este lugar
Onde quem amo me sufoca,
Me sufoca de tanto esperar.

Aqui.. aqui onde o que sonho
Nada cabe mais em mim.
Vivo distante em pesadelos
Só esperando as horas do meu fim.

Aqui.. aqui onde visto-me ou dispo-me,
Onde cada minuto é dor ou despedida
Quando o vento calcula a dor
E passo a ser apenas alma sofrida.

Aqui... aqui onde presto ou não presto,
Onde cada um julga à seu ver.
Quando sempre faço verso
Dizem que é só algo mais que não posso ter.

Aqui... onde me despeço de tudo
Que eu não pude ser.
Grito, choro e esbravejo.
Assim vocês não vão me ter.

Nathália Borges