Legenda para Foto

Cerca de 504 frases e pensamentos: Legenda para Foto

"Os momentos ruins não aparecem nas fotos, mas são eles que levam de uma foto à outra."

Recém Casados

Olhando a foto, foi quando eu descobri que tua ausência inda doía e o tempo que passou não me serviu como remédio. E a minha paciência foi inútil e todo desapego incompetente. Eu me desvencilhei de livros, cartas e bilhetes e me desmemoriei por algum tempo.(Quis tanto ter você, depois silêncio). Mas nessa tarde estranha em que ensaio versos, só vem tua falta à tona...E eu desamarro um pranto que eu sei tão antigo...(Desculpa essas palavras com cara de choro): ainda há reticências.



(pensamentos soltos de outros tempos, quem sabe outras vidas) sem data.

Kathlen Heloise Pfiffer

Na minha opinião,quem tira foto escondendo uma parte do rosto,não é por feiura nem vergonha. É uma mente a ser decifrada.

Gui Reple

“A sua foto tá bem escondida, mas claro que não joguei fora. É igual a você; prefiro não encontrar, mas não consigo me desfazer.”

Soulstripper

Epitáfio

Não quero ser apenas uma lembrança como a de uma foto amarelo num velho porta-retratos
O esquecimento me assombra ainda mais que a morte
Mas ter lembrança é ter saudade e traz a tona vários outros sentimentos
Que a minha lembra não seja breve e passageira, e que quando lembrares de mim que.
Tenha boas e belas lembranças e que cada uma delas conforte o seu coração aflito.

Wellington Marques

Mágoa é a foto da ofensa em negativo, registrada no coração. Se revela na vida através de nossas ações.

Rubens Monteiro de Souza

Não saio muito bem em fotografias. Porque meu melhor lado a foto não pega. Não me faz bela ou me faz jus. Porque meu melhor lado não é o esquerdo. Não é o direito. É o de dentro.

Lilian Dalledone

‎"Prometo não te ligar
Não escutar aquela música
Não olhar aquela foto
Que eu roubei de você.
Prometo nem mais te amar...
Segunda - feira eu começo."

Fernanda Mello

Se uma foto não está suficiente boa, é porque você não se aproximou o suficiente do fato.

Robert Cappa

Quero um dia chegar aos meus filhos mostrar uma foto minha com meus amigos e lhes dizer:
-Esta sou eu com meus amigos muito feliz por que uma verdadeira amizade não tem preço.

Patricia Mraia

O fotógrafo quanto faz uma foto - usa os olhos, a alma, o coração e a emoção. E no final o dedo.

Para ver e entender a mesma, use tudo, menos o dedo.

By Adilson Santos fotógrafo

Adilson Santos - fotógrafo

É como se ele tirasse uma foto da Sam e a foto saísse linda. E ele pensasse que o motivo para a foto sair bonita fosse ele fotografar bem. Se eu fizesse a foto, saberia que o único motivo da beleza é a própria Sam. Eu acho que é ruim quando um cara olha para uma garota e pensa que a forma como ele a vê é melhor do que a garota realmente é. E acho ruim quando a forma mais sincera de um cara olhar uma garota é através de uma câmera.

As Vantagens de ser Invisível

Se eu pudesse fazer um desenho de uma mulher perfeita pra mim..., pegaria uma foto sua!

Jonatas Persan

A sua foto esta exposta aos meus olhos, a minha boca só conhece a palavra saudade, O meu cérebro fica lembrando os nossos momentos, e o meu coração fica apertado em saber que você não esta ao meu lado.

Junior Montalvao

A cada final de semana a saudade aumenta aperta e angustia
a cada olhada de foto uma batida mais forte e um suspiro mais longo
a cada não recebido uma dorzinha como se ferisse o coração
a cada momento da vida aprendendo a te amar cada vez mais

Cleir Andriola

EU NOS VI ALI...

Casualmente me chegou às mãos uma foto feita pela sonda "Mars Reconnaissance Orbiter" a partir da superfície de Marte. Mostra a Terra tendo a Lua ao fundo; foto recente... e... ao observá-la me remeteu a uma série de reflexões...

Naquele pálido ponto azul existem 7 bilhões de pessoas, além de outras milhares espécies animais, enfim...fauna, flora, minério, terra, água, vida !!!

Vc consegue visualizar o que estava acontecendo na Terra no momento dessa foto ?

Alegrias pelo nascimento de um filho querido; tristezas pela morte de alguém; aniversários, festas, vitórias, derrotas, frustrações, riqueza, pobreza, decepções, conquistas, a "primeira vez" de milhares de seres... humanos ou irracionais, a "última vez" de outros milhares, expectativas, tristezas, guerras, saúde, o "primeiro amor", o "último amor", a vida sem nenhum amor, a perda, o ganho, a genialidade, a inteligência, o vazio intelecutal, o sorriso, a lágrima, fome, doença, fartura, fé, esperança...

tudo que você possa imaginar e o que não possa imaginar acontece nessa "bolinha" azul... e não em outro lugar...

Os 7 bilhões de pessoas não se encontram durante uma vida... por isso, nada é por acaso.

Os encontros, ainda que em enorme quantidade, são limitados.

O "acaso" nos coloca à prova diariamente, exatamente em função desses encontros serem especialíssimos, necessários, indispensáveis para a realização de cada um de nós, ainda que efêmeros ou duradouros, ainda que conscientes ou insconscientes, ainda que vividos com efervescência ou desprezo, ainda que absorvidos e logo depois descartados...

E ao ver o mundo nessa perspectiva, bem... não importa o que realmente eu possa ter pensado, prefiro apenas verbalizar: "eu nos vi ali..."

Augusto Cesar Malheiros

Eu olho a tua foto e tenho vontade de te falar tanta coisa, que eu já me sinto bem só em te ver, é só contigo que eu tenho vontade de falar coisas bonitas, contigo eu acho as palavras mais lindas *-* é só você que faz meu coração bater mais rápido, é só contigo que eu quero estar a todo o momento em todos os lugares, só contigo eu ficaria feliz em qualquer lugar!Eu quero tanto te ter comigo sabe?Bem perto de mim, quero que tu me abraces forte pra mim te sentir nem que seja só por um momento!

Engels Döerr

Amores Platônicos I
Sorria. Enquanto contemplava a foto dela, sorria e se lembrava de todos aqueles momentos que passaram juntos na insana adolescência. Seus traços, sua forma, seu perfil, tão nítido, tão suave, tão sensual. Podia tocá-la. Mas não. Tratava-se apenas de um retrato dobrado e amassado que guardava na carteira.
Começou a se lembrar daqueles tempos, as loucuras e as mentiras que viviam sós pra ter o gostinho da adrenalina no sangue. E cada aventura, um registro. Uma fotografia.
Lucas, Jane e Rodrigo. Conheceram-se durante o período do curso de Publicidade e Propaganda. Não chegou a ser no primeiro dia. Jane era bastante comunicativa, conversava com todos, e quem não a conhecia, sentia-se desprezado por ela. Mas seus amigos a adoravam, seu humor era capaz de tirar qualquer pessoa da tristeza. Por traz da sua simpatia, e acima de tudo, menina-mulher. Era magra, um corpo cheio de curvas, valorizando suas pernas e seios. Olhos negros, por trás de um olhar vibrante e envolvente. Cabelos longos e negros assim como seus olhos, dando um contraste, com sua pele, rosada, de tão branca. Uma mulher de chamar atenção até mesmo das mulheres, seja por inveja ou por atração. Menina, por que seu jeito moleca, fazia com que qualquer pessoa se esquece que era tão sensual e atraente.
Conhecera Rodrigo na biblioteca da faculdade, enquanto procurava o mesmo livro que o rapaz, e que para o azar dos dois, só tinha um exemplar. Os dois então combinaram de estudar juntos o livro, assim pra não parecer injusto para nenhuma parte. Tornaram-se amigos e descobriram que tinham muito mais que a escolha da profissão em comum.
Rodrigo era um rapaz tímido, e dócil. Não conversava muito com a turma, mas aqueles que o conheciam sabiam que não se tratava de antipatia, mas sim de timidez mesmo. Este era mais pé no chão que Jane. Depois que viraram amigos, passou a corrigir mais a faladeira da menina e dar conselho para ela em quem ela deve ou não confiar. Alto e magro, chamava a atenção de todas as garotas pelo seu porte atlético, e sua postura. Porém, preferia fingir que não era com ele.
Lucas só veio a ser amigo dos dois, no semestre seguinte. Era transferido de outra faculdade já que seus pais haviam morrido em um acidente e seus parentes mais próximos moravam ali em Fernandópolis. Conheceu Rodrigo e Jane em uma festa da faculdade. No começo, a um julgamento prévio não gostou daquela menina que para ele se achava: cheia de gente ao seu redor, e ela lá debochando da mania do professor de Artes. Mas no fim da sua história ele riu das graças da garota.
_ Então você gosta de debochar do tiques dos seus professores?...- disse ele, enquanto ela pegava alguma bebida no bar.
Jane se virou e se deparou com o “garoto novo” que desde que chegara era calado e quieto, não falara sequer o nome para ninguém.
_ Porque? Consegue debochar de outra coisa mais engraçada?
_ Prazer, meu nome é Lucas. Disse estendendo a mão para a garota. Jane olhou para a mão estendida, se virou e seguiu caminhando em direção a Rodrigo. Lucas a seguiu enquanto esperava a resposta.
_ Não vai me responder? Há! Já sei! Não conversa com estranhos?
_ Jane. Meu nome é Jane. Disse em um tom arrogante.
A partir daquele momento Rodrigo e Lucas se tornaram amigos rindo das grosserias de Jane. A garota se rendeu e descobriu que os três poderiam ser grandes amigos.

Em algum dia, Jane disse que precisava ir à casa da tia no interior de Minas. Não tinha carteira de habilitação, então propôs aos amigos que a acompanhasse no carro do pai. Lucas foi de motorista, porém só na metade do caminho que os garotos descobriram que era na verdade um hotel fazenda do tio que estava de férias no Rio de Janeiro.
_Você é maluca, Jane? E ele sabe que agente está indo pra lá?- Indagou Lucas
_ H!Á... O que é? Agora vocês estão com medo? Estamos quase chegando... Eu já disse, eles estão de férias no Rio, eu tenho a chave da casa, não vão se importar se agente passar o fim de semana por lá!
Mas ainda estavam na metade do caminho quando a tempestade caiu, e fez com que o carro ficasse atolado. Foi nesse dia que Lucas observou o corpo de Jane, molhado pela chuva se esguiando para tirar o carro da lama.
Rodrigo acelerava enquanto os dois amigos empurravam o carro. Mas Lucas não conseguia tirar os olhos da camiseta molhada grudada no corpo da menina e revelando seus seios redondos e salientes por debaixo da camiseta rosada.
_ Que é? O que tá olhando?- Jane observa que o rapaz não conseguia se concentrar nas recomendações de Rodrigo ao volante - Está com vontade de ter uns? São bonitos né?
Lucas sorriu. Nessa hora se esqueceu que estavam naquela situação, na chuva, enlameados e no meio do mato sabe Deus onde. Juntou uma porção de lama do chão e jogou na garota
_Você é muito atrevida menina! Se acha demais!
_ Não vai me dizer que você não os achou bonitos? Provocou
Nessa hora, Rodrigo percebe que os companheiros de viagem não se empenhavam em ajudar a tirar o carro do buraco.
_ Ei! o que está havendo ai?
_ Eu estou dizendo aqui para a Jane que eu queria ter peitões iguais os dela!
Rodrigo caiu na brincadeira e ficaram implicando a menina
_Ai! Como eu queria... Posso ver! Ui!
Os dois rapazes imitavam homossexuais enquanto Jane se irritava com eles!
Foi nesse dia, a partir desse dia que a amizade passou a ser deixada em segundo plano. Lucas olhou Jane com outros olhos, e agora continuava a deliciar aquela fotografia, dos três amigos enlameados e molhados da chuva, e Jane tapando seis seios com o boné do amigo.

Dormiam os três juntos em motéis, quando tinham alguma festa fora da cidade para ir e o dinheiro não era suficiente para pagar o hotel; levavam um ao outro para hospitais quando estavam bêbados demais; amanheciam os três abraçados cantando alguma música sertaneja ou chorando porque qualquer um deles passava por alguma decepção amorosa. Experimentaram os três, algumas drogas, como a maconha e o extasy. Rodrigo e Lucas tiveram que pagar fiança para Jane sair da delegacia depois de dirigir embriagada e sem carta. E no fim das contas, estavam lá, sorrindo e cantando.
Mas em algum momento, Jane conheceu em uma das festas que freqüentavam, Ricardo, que a todo custo paquerou a garota até que ela se rendeu a seus encantos.
_Eu não gosto dele. È muito galinha, Jane. Depois você vai ficar falada!
_Bobeira tua, Lucas... O cara pode até ser galinha, mas é legal.. Fora que ele é lindinho né? Olha só o olhar dele!
_Beija quem você quiser, Jane. E bobeira do Lucas!

A partir do namoro com Ricardo, que Jane passou a ficar mais distante dos amigos. Não tinha mais tempo pra sair à noite, porque ia passar o fim de semana com o namorado. Não iam mais para a fazenda do tio de Jane, porque ela tinha algum jantar com o sogro e sogra.
Rodrigo e Lucas passaram a sair sozinhos, preferiam não comentar ou reclamar nada, apenas sentavam-se em algum bar da cidade e só saiam quando estivessem bêbados. Conversavam, brincavam, mas nada mais era como antes, quando tinham Jane para alegrá-los. Um dia na faculdade Jane observou a tristeza dos amigos.
_Eu não estou tendo tempo mais pra vocês, não é mesmo? Me desculpem, mas quando se está amando, não há como não querer ficar perto da pessoa... Pode deixar, eu já sei o que fazer!
E a moça combinou o dia e hora em um bar que sempre freqüentavam juntos. Lucas sorrira, finalmente tudo ia voltar ao normal, os três juntos como nos velhos tempos. Mas ao chegar lá, Lucas viu que as coisas realmente mudaram. Jane sorria ao lado de Ricardo, enquanto Rodrigo conversava ao pé do ouvido de uma garota loura e sorridente.
_Quero que conheça uma pessoa especial, Lucas! Essa é a Graziela! Ela é a irmã do Ricardo. - Disse Jane apontando para uma moça muito bonita ao seu lado - E esta é a Joice, uma amiga nossa! Dessa vez, apresentava a loura sorridente que Rodrigo quase beijava de tão perto que conversava com a moça.
Lucas se sentou e preferiu fingir que gostara da menina. Não tinha porquê não gostar, era bonita, atraente, tinha um papo legal. Naquela mesma noite, ele a levara para a cama e descobriu que sua qualidade ia muita além da sua beleza e personalidade. Mas ficaram juntos nem por uma semana, quando Lucas assumiu que gostava de outra pessoa e decidiu terminar com Graziela. Ao contrário, Rodrigo seguiu o namoro firme, com Joice.
Quando Jane ficara sabendo de Lucas, decidiu procurar o amigo. Estava na garagem tentando concertar o motor do carro.
_ Mas Lucas porque vocês não deram certo? Não sabia que gostava de outra pessoa? Quem é essa pessoa? Eu conheço? Posso ajudar?
Lucas agora olhava dentro daqueles olhos negros. Antes que respondesse, percebeu que Jane segurava um envelope, com as iniciais J & R escritas em dourado. Nessa hora se desesperou, olhou fixamente para o envelope, e seus olhos cheios de lágrimas, perguntou com voz trêmula:
_ O que... O que é isso Jane?
_ Há! Isso aqui?... Jane nem percebeu o desespero de Lucas, sorriu, mas antes que respondesse o amigo, Lucas se propôs a dizer.
_ É você Jane. Eu sou apaixonado por você!
Nessa hora, o sorriso da amiga se desfez. Cabisbaixo, Lucas começou a chorar ali mesmo na garagem da sua casa. Jane o abraçou, tentando consolar, mas o consolo virou beijo. Os dois se tocaram e se beijaram. Lucas a envolvendo como se quisesse prendê-la para todo o sempre, e esquecendo que tudo que acontecia nas suas vidas. Sentaram-se no sofá que tinha na garagem e fizeram amor ali mesmo.
Agora, estava lá, Lucas, olhando para aquela fotografia e se lembrando de tudo, de todos os momentos bons que viveram com Jane e claro, com Rodrigo.
Seu amor por Jane doía, as lembranças, o cheiro, o toque, sentia tudo isso. Mas tudo fugiu do seu pensamento, quando começou a tocar a música do casamento e ele sorrindo teve que entrar na igreja como o padrinho de casamento de Jane. Agora sim podia entender o significado de Amor Platônico.

Jaqueline Barbosa

Hoje acordei sem lembrar se vivi ou se sonhei... Nem precisei revelar sua foto não tire

Skank

Fica se achando, postando foto com copo de Whisky na mão, garrafa de Absolut, só que na verdade não aguenta nem um Halls preto...Lamentável...by.fmayoral

Fernando Mayoral