Julgar o Próximo

Cerca de 74 frases e pensamentos: Julgar o Próximo

O único método infalível para conhecer o próximo é julgá-lo pelas aparências.

A. Amurri

"Se para provar que sou um ser superior, preciso trair, humilhar, inventar e julgar o próximo. Prefiro a minha constante inferioridade. Porque o meu ser se exalta, sabendo, que de tudo isso, minha consciência está limpa".

Gabriella Beth Invitti

Soneto do Amor ao Próximo

Hoje eu olharei as pessoas simplesmente como pessoas
sem nenhum julgamento ou opinião
que me faça rotular
quem são as más, quem são as boas,
e me leve a agir com base nessa tola conclusão.

Hoje eu olharei as pessoas simplesmente
como espelhos onde eu vejo refletidas
minhas fraquezas e virtudes de tal forma
que as minhas críticas e conselhos sirvam
antes para que eu próprio mude minhas atitudes.

Hoje eu olharei as pessoas com aceitação total
sem formalismos solenes ou distância social
sem condenar seus defeitos
ou zombar de suas limitações;

mas respeitando seus direitos, crenças e aspirações
acolhendo o que cada um é,
do jeito que cada um for
hoje eu olharei as pessoas simplesmente com amor.

Geraldo Eustáquio de Souza

Para julgar o próximo, olhe para si mesmo, e enxergue seus próprios defeitos... Assim que enxergá-los não terás mais vontade de encontrar no outro seu próprio defeito.

Prof. Rodrigo Carleial

Ouvir dizer nunca foi verdade, então não julga o teu próximo por uma simples fofoca.

Puro Mauro Scout

Se tem alguma coisa que estou aprendendo com essa louca existência é não julgar o próximo. Não nego que já julguei os outros, e muito, e que atire a primeira pedra quem nunca julgou. É inevitável, entretanto, com o tempo, acredito que seja controlável. Julgamento é uma opinião egoísta sobre algo que idealizamos, e tendemos a nos decepcionar e ficar irritados quando as coisas ou as pessoas não são como queremos. As pessoas são o que são, mas nós somos tão cegos que construímos imagens falsas, criamos armadilhas para nós mesmo. A culpa é toda nossa. Sim, é nossa. Não deixamos os outros serem como são, e qualquer mudança de atitude de outrem já é motivo para desconfiança. Mas o que é isso? Por que apenas não respeitamos a personalidade do próximo sem questionar? Todos têm seus altos e baixos, mas somos tão egoístas por natureza, que qualquer detalhe é motivo para ficarmos exacerbados. Viemos de uma cultura que não tem por princípios aceitar o indivíduo como ele é, e o julgamento torna-se a palavra chave quando se trata de seres humanos. Seriamos tão mais felizes se esquecêssemos de viver a vida do outro e vivêssemos a nossa própria vida, nossa própria privacidade, nossa liberdade. Todos temos o direito de errar, de falhar, e de ser aceito pelo modo que agimos, mas nunca de julgar e sermos julgados. Se agimos de tal modo, por mais impulsivamente que seja, é o modo que, naquele momento, queríamos ter agido. Não existe o certo, não existe o errado, não existe presente, futuro. Cada momento vivido é passado, e é lá que começam as raízes de nosso maléfico ato de julgar. E se pararmos para pensar, julgar não faz sentido, julgar faz sofrer. Compreender e respeitar deveriam ser o topo da pirâmide. É difícil no começo, é necessário paciência, mas isso tudo é adquirido através da experiência. Deslizes acontecerão vez ou outra, somos humanos e propensivos a errar, mas é com o tempo que obtemos a maturidade suficiente para entendermos que o julgamento não nos leva a lugar algum, aliás, é um passo atrás de tudo que acreditamos. Deixar as pessoas ser como são, sem criar expectativas, curtir cada momento, seja ele bom ou ruim, sem pressão. Vamos aprendendo a lidar com as diferenças, ninguém é dono de ninguém, ninguém é dono de si.

Carolina Grein Xavier

O impulso inicial de julgar o próximo

Dados agregados de nossos valores nos fazem sempre achar defeitinhos nos outros, uma agenda de compromisso está sempre cheia porque só dou valor a quem quero, ou eu desprezo tal coisa porque tenho preconceitos em minha cabeça.
As pessoas dedicam muitos “cuidados” a vida alheia e como reação instantânea de “não, obrigada” nos abalamos com quem toma distância. O julgamento é infalível e a gente sobrevive.
O olhar do outro sobre nós não significa mudar seus valores ou sua identidade, muito menos ser artificial ou representar, as pessoas sentem necessidade de escolher um lado quando olham para a vida dos outros.
A vida é comum, extraordinária e surpreendente, passageira e precisamos ajustar o comportamento, mesmo que a gente reclame sem razão, mesmo sendo tratada com um desdém insensível, mesmo que seu livro seja uma porcaria.
Sempre temos uma impressão negativa de alguém, até dos mais próximos, é sempre um dito e feito manipulado pela nossa cabeça, talvez nossa existência seja julgadora como um trem descarrilado que perde a direção.
Esta é minha história, com vírgulas, falhas, fases, tropeços, com alegrias e alguma mudanças, mas sempre alguém quer que eu mude algo em minha essência, as coisas vão tomando um rumo que eu não gosto, já sofri tragédias e conquistei com elas amadurecimento. Ãrrã, talvez seja necessário sentir tragédias, mas é um lição muito dolorida, muito pior do que lendas urbanas de dar medo.
Cabelo desgrenhado deve ser escovado, ou o “Eu nunca faria isso”, ou eu preciso mostrar as minhas cicatrizes, pois são piores que as suas, ou tenho a desculpa do transtorno bipolar ou da fobia social.
Algumas pessoas não enxergam nenhuma qualidade que eu assinalara como desejáveis, parece familiar? A vida, o ser humano e seus medos de desagradar, somos bisbilhoteiros, só fui saber tarde da noite aquela fofoca quem nem me diz respeito.
E a desculpa de que o mundo é desse jeito ou o “tem que ser assim”. A gente Perde a privacidade, entre alegrias e lágrimas percebe as alegrias da vida, transforma lugares em farra permanente com os amigos.
Estou pensando em fazer assim, em ir aquele lugar, eu curtir as minhas noites, mas tenho que ouvir a opinião alheia, porque o mundo têm pessoas cruéis e com saúde de ferro. Será que é feio admitir que já desejei a morte de alguém?
Preciso sair daqui o quanto antes, preciso ter legitimidade em viver, não quero me sentir tensa, menosprezada ou negligenciada, preciso de um lar feliz, composto de pessoas felizes.
Acredito que a bondade ainda não morreu, basta enxergar através dos olhos, arrumar discussão para quê? Ser competitiva com que objetivo? Controladora? Atacar as femininas como fúteis, ou as chefes do lar como independentes demais e as mães como superprotetoras.
É importante viver enquanto vivemos. Faz parte! Eu costumava ser a cruz dos outros, tinha problemas com as pessoas bem-sucedidas na carreira, o que eu podia fazer além de mentir que estava feliz com aquela conquista quando na verdade achava o prêmio pelo puxa-saquismo.
O não julgamento é um sonhos possível para quem se encontra em harmonia com o essencial, mesmo que não saiba bem conscientemente, mesmo que não se tenha tempo para pensar, mesmo sem a facilidade de desligar essa personalidade de juiz que habita em nós.

Arcise Câmara

“Aquele que tem a atitude de julgar o próximo não tem a capacidade para julgar a si mesmo”.

Wesley D'Amico

A ordem do Mestre dos Mestres é não julgar ninguém... Cada um sabe de si, cada um sabe das sua dores, necessidades e limitações... Se não for p ajudar, não fale...Se for p duvidar, não se aproxime... Espere ser convidado para fazer qualquer juízo de valor sobre os problemas alheios e por fim, não receite para os outros, remédios que não usa para si. Tenha bom senso, suas atitudes falam bem mais do que as suas palavras.

Rosicarmen Xavier

ESTENDAMOS AS MÃO, MAS FECHEMOS OS OLHOS!!

Quando ando, olhando para chão, quem se move?
Será que os meus pés, levam para trás o piso ou me empurra para frente?
Será que, quando o próximo nós ajudamos, quem recebe a benção?
É quem faz por amor, ou recebe a benção, quem é ajudado?
O pecado não está na ação do que se faz, mas sim no sentimento no ato da ação feita.
Pode haver quem ajuda desejando o mal.
Pode ter pessoas que ao serem ajudados, querem o mal de quem lhe estende a mão.
Não importa o que há no coração do outro, mas sim o que há em meu coração.
Amar o próximo como a si mesmo.
É igual ajudar sem olhar a quem, e sem julgar seus pensamentos.
Quem somos nós para dizer o que se passa no coração das outras pessoas?

Lucio Sá

Deus é usado pra justificar tanta coisa, que tal usarmos para amar ao próximo?

João Molon Neto

"Se cada um se preocupasse um pouco mais consigo mesmo, certamente a preocupação com o outro tomaria um rumo diferente, porque é a partir de nós mesmos que passamos a compreender melhor o outro. Mas se não nos compreendemos como vamos fazer isto? Se nos julgamos, nos culpamos, nos maltratamos, não nos perdoando e portando-nos como carrascos, como vamos proceder com o nosso próximo? Como vamos enxergar o outro permanecendo indiferentes a nós mesmos?"

Silvana Lance

Se você ta feliz e em sua felicidade não consta em fazer mal ao próximo... que mal tem? A sua alegria pode ser diferente da minha. Mas ela ta errada? Para que vou perder meu tempo julgando, sendo que é melhor sentir o prazer de me alegrar com a sua felicidade.

Vaguinevaldo Júnior

Antes de julgares teu próximo, verifiques se não estás diante de teu próprio espelho...

ymeka

É fácil julgar o próximo em desalento... Não é o nosso momento!

Daienne

Bom seria se fôssemos menos preconceituosos e prepotentes na hora de julgar o próximo! Nunca se sabe quem o próximo pode ser e o que ele pode ser!

Renara Cerqueira

É Fácil julgar e apontar o dedo para o próximo,
dificil é se colocar no lugar da pessoa
e tentar entender para depois julgar os fatos.

Dênis Pacheco

Julgar o proximo é o reflexo de seus defeitos culpando os outros..E reprimindo seus desejos.

Patricia Coelho

Estranha essa mania de julgar o proximo pela aparência, pois a aparência não é nada.

Leo Cerqueira