Homenagem a quem Faleceu

Cerca de 223 frases e pensamentos: Homenagem a quem Faleceu

De repente a correspondência faleceu. As constelações pararam de brilhar naquela noite. O sol nasceu, mas não tão radiante quando se existia o amor. O mais doce açúcar azedou... A fonte secou... A força cessou... E assim surgiu a ferida incurável de algo que parecia infinito num dia; e que, noutro dia, finito se tornou. Acostumar o coração e adaptá-lo pra determinadas situações é desconfortante. Sorrir estando triste, pode ser até forte, sendo que a alma se desaba a cada instante.

Inacio Morais

Eu fiquei triste quando a Avalanna faleceu,eu chorei tanto...ela era tão especial,era forte,acreditava em seus sonhos,não parava de sorrir mesmo com sua doença.O Justin é o melhor ídolo do mundo,fez de tudo para vê-la feliz,para fazê-la feliz...ele a amava muito,ele chorou e ficou triste quando ela faleceu como nós.Ela era um anjinho,arrancou os sorrisos mais lindos e sinceros do Justin como ele arrancou os dela.Nunca vamos te esquecer Avalanna e amamos vocês.

Romário Kassiano

Hoje a minha mãe faleceu... Sei, agora, o que significa um dia nublado!

RONALDO RHUSSO

Sabedoria da velhice
Seu Juventino era meu vizinho de apartamento. Era, porque faleceu. Sua única filha, solteira por opção, trabalhava fora o dia todo, e sua esposa, dona Norma, é quem ficava com a obrigação de cuidar do homem que no passado fora um empertigado militar, mas que devido a um câncer no cérebro deitou-se um dia e não conseguiu mais levantar. Quando dona Norma saía para o mercado vinha a minha porta e pedia: ‘pode olhar o Juventino um pouco?’ Era uma mulher admirável essa senhora. Em cima de seus setenta anos era mais forte que qualquer um. Em corpo e espírito.
Quando eu chegava para ‘olhar’ o doente, sentava a seu lado e ele, ainda muito lúcido apesar das dores, desfiava a falar e falar, quase um monólogo. Eu o deixava ir em seus devaneios de doente que não tem muito com quem conversar.
Uma das coisas que Seu Juventino gostava de repetir era, que os velhos como ele, a cada dia deteriora algo. Toda manhã percebia alguma coisa deixando de funcionar direito. É claro que um pouco pela doença. Mas a maior parte pela velhice e inanição. ‘E o pior é que as pessoas acostumam com isso’, ele dizia. Um dia um zumbido no ouvido, outro uma dor no joelho, e às vezes até surdez. Vão perdendo a audição devagarzinho, e quando dão por si estão surdos e nem sabem como foi. A cegueira também. ‘Já vi muito velho cego e surdo e nem sabe que é’ ele falava quase sussurrando. Eu ria muito com suas conversas, mas tenho que admitir ser a pura verdade. Velho não gosta de ser velho. Mulher então! Nem pensar! Depois que faz quarenta esquece-se de fazer aniversário pelo resto da vida. Pelo menos a maioria delas.
Agora, verdade seja dita, não acontece só com os velhos não. A pessoa entra na cozinha para fazer alguma coisa e esquece. Aí lembra que tem de fazer algo na sala, só que quando chega lá não lembra mais o que tinha que fazer. Coloca o celular no bolso e sai pela casa à procura do tal que não sabe onde o deixou. Passa a procurar a chave do carro e acha o celular no bolso, mas aí não sabe mais onde está a chave do carro. Velhice? Coisa nenhuma! Todos se esquecem um pouquinho das coisas.
Seu Juventino gostava de lembrar-se de seu tempo no Exército. Tempo bom era aquele! Corrida por três horas a fio pelas ruas comandando um pelotão de rapazes fortes e saudáveis. Subindo e descendo morros. Pulando obstáculos e caindo no rio para travessia a nado. E ele não cansava. Os jovens sim.
Nunca falava sobre sua doença. Não gostava. Afinal, fora ela, a doença traiçoeira que o deixara fora da vida por quase dez anos. Dez anos de sofrimento.
Quando ele morreu fiz um pequeno poema em sua homenagem. Dona Norma mandou inscrever na lousa de seu túmulo. ‘Ele vai ficar feliz’, disse-me ela. Assim espero. Porque lá eu disse o quanto era importante ser velho e sábio como ele fora. E que amigos não se escolhe pela saúde, cor ou religião, mas pelo conteúdo da alma.
E velhos não são os que têm muita idade. Velhos são os que não acumulam sabedoria. Em qualquer idade.

Paola Rhoden

"Vidinha"

Com espera nasceste
Tão linda chorando
Com o tempo cresceste
Com fralda engatinhando

Aquele rostinho lindo
nada falava ,nada sabia
De um momento para o outro
Meu nome dizia

Quando algo queria
Tudo eu lhe dava
Se era negado
Manhosa chorava

Hoje é rouge
Batom e brinco na orelhinha
Minha mana cresceu
Já é uma mocinha.

Katia17Meu irmão fez essa homenagem a mim.Obrigado Marco

Desde que VOCÊ se Foi, minha vida ficou
dificil, muitas divergências, começou
me prendi em um mundo só meu, fiquei muito triste pois
aprendi realmente o que é a vida com a SENHORA.
Te Amo! Aonde eu for estarei cm Você em meus pensamentos
Vó. Saudades ETERNAS...

Homenagem a minha Vó ( Ladson SAntos Lima )

HOMENAGEM ESTER NUNES ESPOSA DE PAULO RICARDO PENSADOR

Feito estrela, brilha o seu olhar
Luz do luar, que me envolve
Me alucina, me leva pro céu
Seu infinito, tudo o que eu quero
E tanto amor, quando desejo vem
Que além de nós no mundo, não vemos mais ninguém
Que esse prazer nunca tenha fim
Que o nosso amor, seja sempre assim
Nunca tenha fim
Seja sempre assim

Quero você sempre comigo
Seu corpo em chamas queimando em mim
Você é dona dos meus sonhos
É minha vida, paixão que não tem fim


É tanto amor, quando o desejo vem
Que além de nós no mundo, não vemos mais ninguém
Que este prazer nunca tenha fim
Que o nosso amor, seja sempre assim
Nunca tenha fim
Seja sempre assim

PAULO RICARDO PENSADOR HOMENAGEM A ESTER NUNES

Quero amar você
Libertar a paixão
Fazer amor
Te fazer feliz
Alma e coração
Escuta por favor

Olha pra mim,
vamos supor
Que um dia Deus
Mandasse eu escolher
Entre te pertencer
E os tesouros do mundo
Mil vezes
Ficava com você

Os sinos vão tocar,
a terra inteira vai tremer
Quando eu te amar
Estrelas vão brilhar,
Milagres vão acontecer

Quero amar você
Alma e coração
Escuta por favor

HOMENAGEM DE PAULO RICARDO PENSADOR PARA ESPOSA ESTER NUNES

Homenagem a Charles Baudelaire

Ah!Baudelaire, então qual seria sua obra majestosa ?
Que me deslumbra de sentimentos lúgubres
e logo afana as dores que há em Paris
pois em moral pública vos digo meu irmão ,
não há obra sua mais simbolista e eterna
que nos arredores de uma imensa derrisão.

Um alento se vai, a cada verso escrito,
as pétalas das flores do mal são ásperas,
porém com uma brevidade e serenidade que nem os
deuses parnasianos poderiam conter,
arde a chama do espírito boêmio
ao escrever sua homenagem por verbetes simples
pensando em sua morte sem esmorecer.

Não quero mais escrever obras fátuas,
quero navegar no rio da poesia,
conhecer as feições mais geniais
e fazer amor com as sacerdotisas
mais perfeitas do monte parnaso.

Gabriel Silva Corrêa Lima

Gabriel SIlva Corrêa Lima

Homenagem as mulheres.

Devemos valorizar cada ação das mulheres
Que amamos em nosso favor.
Nos momentos mais importantes para elas
Devemos levá-las a se sentirem
Muito especiais enviando-lhes flores.

Para as amigas flores amarelas pela cumplicidade
Para a esposa ou namorada flores vermelhas pela paixão e fidelidade
Para a mamãe flores laranja ou cor de chá pela renúncia
Para as irmãs flores rosa pela vivência junta
Para as filhas flores brancas pela gratidão
Para mulher estranha flores diversas pela compaixão

Não se esqueça mande flores para todas
Em agradecimento pelas suas gentilezas
A nós demonstradas ao longo de suas vidas
Viva as mulheres!

Djalma CMF

(...) Ser amado de graça, por outro lado, não tem preço. É a homenagem mais bacana que uma pessoa pode nos fazer. Você está ali, na vida (no trabalho, na balada, nas férias, no churrasco, na casa do amigo) e a pessoa simplesmente gosta de você. Ou você se aproxima com uma conversa fiada e ela recebe esse gesto de braços abertos. O que pode ser melhor do que isso? O que pode ser melhor do que ser gostado por aquilo que se é – sem truques, sem jogos de sedução, sem premeditações? Neste momento eu não consigo me lembrar de nada.

Ivan Martins

Poema em homenagem ao dia das mães
Defeito de mãe
Mãe, tenho algo a lhe dizer
Como um anjo lindo você
Você veio me aparecer

Me deu amor, carinho
E cuidou de mim direitinho.

Viva sua vida alegremente,
As lembraças vivem na mente,
Mas você vai ficar no meu coração
Eternamente.

Um único defeito,
Que me entristece plenamente,
Deus não te fez eterna,
Mas será sempre eterna no meu coração,
E na minha mente...

Samara Pereira dos Santos (EM)

Homenagem as mães!
Ela le meus pensamentos..No silencio do teu abraço..
Ela me acalma,e me ouvi..Sem criticar,sorri,quando..
So sei chorar,e quando tudo esta ruim!Ela diz acalma-te,tenha fé..
Ha mamãe esta aqui..para sempre te ajudar!
Na sua infinita sabedoria,no seu intenso amor!
Mãe é mãe e nada ira substituir,esse amor sem nada em troca pedir!
Rogo a deus,que eu me vá primeiro,pois mãe é fortaleza!
E sem,ela minha vida seria somente tristeza!

Invasora

Minha homenagem ao Dia das Mães vai para essas três pessoas que me ensinaram o que é ter e ser uma mãe de verdade! Minha avó, que sempre esteve do meu lado, me ensinou tudo, me amou acima de qualquer outra coisa. Minha mãe que fez o que pôde e ainda faz, que também sempre esteve ao meu lado em todos os momentos, que sempre mostrou que eu podia contar com ela, pra sempre. E minha filha que me deu uma força absurda pra que eu mudasse a minha vida e me enxergasse uma pessoa especial. Depois que ela nasceu, eu soube o que era amor verdadeiro! Eu soube quem era eu! Sou uma pessoa melhor e abençoada por tê-la na minha vida! Amanhã, será o primeiro dia das mães sem minha avó, vou seguir o exemplo dela e fazer deste dia, um dia mais que especial ao lado de todas as pessoas que amo!

Érika Ribeiro Pinheiro

HOMENAGEM AO SEU DIA, “PAI”...

Creio em você, “filho”!

Creio no seu sorriso,
janela aberta do seu ser.

Creio nos seus olhos,
espelho de sua honestidade.

Creio em suas mãos,
sempre abertas para dar e receber...

Creio na sua alma,
acolhimento sincero de seu coração.

Creio na sua palavra,
exposição sincera do que você é!

Creio em você, filho amado,
na eloquência do seu silêncio!

Maria de Lourdes M. Abrahão
15/08/2009

Miguel M. Abrahão em blog do autor

E Disse Deus a Noé, Faça Backup Que Vou Formatar...

Essa Fica Como Homenagem Ao meu ex-professor de Montagem e Manutenção Marcos! Abraço Vey...

jose antonio

Minha homenagem as mães

Mulher virtuosa quem a achará ?
O seu valor é maior do que o dos rubis.
Já dizia o sábio Salomão, mil anos antes de Cristo.
Posso afirmar, sem dúvida, que minha mãe é uma destas sábias mulheres.
A minha progenitora é uma guerreira, sacerdotisa e mãe maravilhosa.
Para ela e para todas as mães, escrevo estas linhas.

Sem mães o mundo não existiria, o caos imperaria.
A luz não iluminaria, pois o dia, sol não teria.
Quem tem mãe tem colo.
Quem tem colo tem carinho.
Quem tem carinho, tem auto-estima.
Quem tem auto-estima, enfrenta a vida com vantagem.

Mãe é perfume que se desprende da rosa.
Mãe é estrela que guia de noite.
Mãe é alegria na hora da tristesa.
Mãe é amor quando todo mundo te odeia.

Quem perde a mãe, perde muita coisa.
Quem perde a mãe perde afeto e atenção.
Quem perde a mãe perde emoção.
Quem perde a mãe é como se perdesse o coração.

Mãe te amo. Mãe te admiro.
Não pelos teus feitos heróicos que a mídia não dá valor.
Mas pela compreensão, na hora dos meus fracassos.
Foi você que me ensinou andar.
Foi você que me levantou quando tropecei e cai.
Foi você que creu em mim, quando todos se tornaram incrédulos a meu respeito.
Foi você o meu porto seguro, quando as águas do mar bravio, se precipitaram contra mim.

Mãe, eu ainda era um garotinho.
Garotinho teimoso e desobediente.
Quando você me ensinou.
Ensinou-me a amar a Jesus e seu livro de capa preta, a bíblia sagrada.

Obrigado mamães de todo o mundo.
Porque as maiores dádivas que vocês nos deram, não foram tesouros materiais.
Mas foi a vossa presença. O vosso amor. o vosso exemplo.
Mamãe, serei eternamente grato a ti, pelo que sou e ainda serei.
Porque mãe virtuosa como a minha, só pode ser um presente divino.
Parabéns mamães! esta semana é de vocês.

Davi Alencar Santana

Hoje faço minha homenagem para aquelas que detém o amor
que incentivam em nós a coragem e às vezes não damos valor

Do seu ventre ganhamos a vida, seus conselhos nos dão direção
Detentora de nossa guarida que não cabe num só coração

Impossível descrever em palavras seu amor incondicional
não há nenhuma ressalva que pondere o amor desigual

Por isso feche seus olhos e agradeça sempre a Deus
pela sua bondade infinita e pela mãe que Ele lhe deu...

Vinicius Trombini Martins

Homenagem póstuma,

Quantas manhãs de domingo já ocorreram? Esta chuva, fina, vista por tantos olhos. Através de tantas janelas. Ouço o ranger de minha alma através, não mais do castanho, mas do novo branco de meus olhos, que não refletem nem mais a sombra de minhas lágrimas, já com sabor de sal sem doce. A expectativa do ranger da porta de meu quarto é a maior de todas as torturas. A dor que aguarda para ser arrebatada. Impressionante, o costume ao som do silêncio. Tornei-me uma escritora. A tua ausência me obriga a escrever como uma forma de me calar. Por anos estive livre em sua prisão. Verdades e mentiras convivendo na mesma sela. As minhas demandas, hoje, estão me sufocando no pavilhão da solidão. E eu acreditando na sua ressurreição. Recebes esta homenagem póstuma, da desgraçada, com quem conviveste por 47 anos, e que sofre implorando a Deus, todos os dias, pelo último suspiro.

Augusto Vicente

ECT lança selo em homenagem ao inventor do rádio
Publicado em 21.01.2011, às 13h52

Selo em homenagem ao padre Landell de Moura, inventor do rádio
Divulgação/Agência Estado
A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) colocou nesta sexta-feira (21) em circulação um selo em comemoração aos 150 anos do padre Landell de Moura, inventor do transmissor de ondas.

A arte do selo é de Lídia M. Hurovich Neiva, com colaboração de Marco Aurélio Cardoso Moura, e retrata Landell de Moura falando ao microfone em sua invenção. Ao fundo, são reproduzidas a patente obtida em 1904, nos Estados Unidos, e a planta do aparelho. No lado esquerdo inferior, uma onda de rádio modulada em amplitude (ou AM, do inglês Amplitude Modulation, transmissão da voz humana a longas distâncias sem utilização de fios).

O selo tem valor facial de 1º Porte Carta Comercial (R$ 1,05), tiragem de 300 mil exemplares e poderá ser adquirido na loja virtual, na Agência de Vendas a Distância ou nas agências dos Correios.

O padre Roberto Landell de Moura, considerado o inventor do rádio, nasceu em Porto Alegre no dia 21 de janeiro de 1861.

Guglielmo Marconi levou a fama, mas a obra do italiano foi o telégrafo sem fio, ou seja, pontos e traços do Código Morse sendo enviados pelo espaço. Já o padre Landell fez as primeiras experiências de transmissão da voz humana em 1893, antes de Marconi e de Nicolá Tesla, gênio nascido na Croácia, que desenvolveu grandes experimentos e que é reconhecido nos Estados Unidos como o inventor do rádio.

A existência das ondas eletromagnéticas foi teorizada pelo escocês James Maxwell em 1873. O alemão Heinrich Hertz fez a primeira demonstração prática do fenômeno em 1888.

A década de 1890 fervilhava com a ideia da transmissão de mensagens a distância sem a necessidade de fios, fossem elas em código Morse, sons ou imagens.

Mas, mesmo que sejam desconsideradas as experiências pioneiras de Landell de 1893 e seja levada em conta apenas a transmissão de 3 de junho de 1900, na Avenida Paulista, em São Paulo, testemunhada e registrada na imprensa, vê-se claramente que o padre porto-alegrense foi o primeiro a levar a palavra do homem à distância sem o uso de fios. Só seis meses depois, em dezembro de 1900, haveria notícia de um feito semelhante, do canadense Reginad Fessenden, nos Estados Unidos.

O rádio nasceu pelas mãos de Landell. Apesar de ter obtido patentes para seus inventos no Brasil e nos Estados Unidos, no Brasil ele foi considerado louco e féis da igreja como alguém que tinha pacto com o demônio.

Landell trabalhou com recursos próprios. O interesse do padre pela ciência já o havia colocado em contato com dom Pedro II, ainda durante o império. Pedro II foi um homem de visão e aficcionado pelas novidades científicas. No entanto, mais tarde, em 1904, já sob o regime republicano, quando Landell procurou o presidente Rodrigues Alves para obter auxílio em seus experimentos, foi visto como doido. Ele chegou a dizer que, futuramente, seu invento possibilitaria a comunicação interplanetária.

Landell estava certo. Existem hoje as espaçonaves não tripuladas Voyager, lançadas pela Nasa em 1977, saindo do sistema solar e enviando imagens e sons para a Terra.

Outro episódio marcante na vida de Landell foi a invasão e destruição de seu laboratório, construído a duras penas. Fiéis da igreja invadiram o local de trabalho e destruíram tudo.

Por volta de 1910, com outros cientistas estrangeiros levando as experiências adiante e ganhando as glórias pelo invento do rádio, Landell de Moura abandonou a ciência. Levou sua vida até 1928 apenas no exercício do sacerdócio.

Muito da sabedoria de Landell se perdeu por causa do descaso ou pela ação do tempo. Mas o jornalista Hamilton Almeida, maior pesquisador e autor de dois livros sobre o inventor brasileiro, registra que Landell tinha outras investigações científicas. Abordava até a possibilidade de comunicação entre as pessoas diretamente pelo que chamava de logus, ou "verbo mental". São mistérios que, como o próprio Landell disse, teria que levar para o túmulo.

Fonte: Agência Brasil

Agencia Brasil