Homenagem a Alguém que Morreu

Cerca de 11 frases e pensamentos: Homenagem a Alguém que Morreu

Combater e morrer, é pela morte derrotar a morte, mas temer e morrer é fazer-lhe homenagem com um sopro servil.

William Shakespeare

Minha homenagem a Eduarda Mello Queiroz, minha doce e amada aluna que morreu jovem sem dizer adeus.
Morrer jovem é muito esquisito. É de uma ironia sem graça. De um espanto em que não cabem argumentos. Morrer jovem é muito estranho. Mesmo porque juventude é coisa relativa, num mundo em que Einstein já não está aqui para explicar.
Morrer jovem é como interromper uma música. É como cortar um filme ao meio, rasgar as páginas de um livro pra não se saber o final. É roubar de cena um ator em seu momento mais fantástico, em seu grande ato, sua cena mais brilhante. Porque morrer jovem é injusto. Injusto com as leis da natureza. Injusto com os que partem. Muito mais injusto com os que ficam. Pois saudade é morte lenta, passo-a-passo, emudecida, olhos cerrados, quase sem respirar.
Quem morre jovem não tem o que dizer. Vai calado, sem dizer palavra, num silêncio intrigante. Não tem quase história pra contar, não tem quase passado, não terá futuro. Quem morre jovem, seja qual for a forma, tem morte súbita. Porque é de repente se morrer jovem. Fica aquela sensação de poder ter feito mais. Poder ter dito mais. Aquela frustração de quem perdeu o jogo de sua vida.
Morrer jovem é contabilizar ao contrário. É descontar, é subtrair somente. É contar os abraços que deixou de abraçar, os beijos que não deu, as obras que não realizou, os sonhos que não viveu, a formatura que não aconteceu, o carro que queria e não veio, o namorado que amava demais da conta e que não deu conta de que você se foi. Morrer jovem é mais triste, porque a velhice é o que se espera e a juventude apenas vai acontecendo e a gente sempre se achando bem, se sentindo forte, audaz, capaz, feliz. Quando se morre jovem, se desdiz tudo o que tinha de haver. É a contramão da história. A volta de uma viagem que nem sequer chegou a existir.
Morrer jovem é não ter tempo. Não conseguir conhecer a beleza, não dar satisfação, não explicar, não dar até logo, ir direto ao adeus. Morrer jovem é mal educado, é nem pedir licença para levantar e sair. Morrer jovem é não aparecer no compromisso, é marcar a reunião e não ir. É fazer todo mundo de bobo. Dar um drible nos amigos, nos parentes, no cachorro. Morrer jovem é faltar a tudo que estava na agenda e se perdeu no ar. Morrer jovem é deixar para trás. É uma ida sem volta. Uma deslealdade. É ir a uma guerra e nunca mais voltar. É esperar por quem não vem. Morrer jovem é uma traição da vida em conluio com a morte. É uma armação para desesperar mães. É um desafio. Um fustigo. Morrer jovem é um deboche abominável.
Uma sacanagem sem noção.

Professor Galvão

Quem desejar homenagear alguém ou falar palavras de elogios, faça-o em vida, porque depois da morte, nada desta vida terrena tem o mesmo valor.

Prof Lourdes Duarte

Não é só o Tom Jobim que merece

Após vinte anos de sua morte, Tom Jobim foi homenageado com uma estátua nas proximidades do Arpoador. Não sei o porquê do sujeito ser mais homenageado quando morto, e não enquanto vivo. Músicos como esse em questão devem ser ouvidos e celebrados na vida e na morte.

Adendo: não gosto da justificativa que ele merece uma estátua por ter levado o nome do Brasil ao mundo. Michel Teló, se fôssemos raciocinar desse modo, também teria a sua. Tom merece gratulações por ter sido muito bom e ponto. E que não fiquemos congratulando apenas o âmbito da bossa nova e do samba. Raul, Renato Russo, Marcelo Nova, Lobão e outros - diferentemente de algumas merdas atuais que aí estão - merecem também nossa honraria, pois são, indubitavelmente, tão bons quanto. É isso.

danielmuzitano

Amigos de verdade é aqueles que nem a morte os separa... Eternos.
Homenagem ao meu eterno amigo Leonardo Stvenson +

Bruno Olhares

Por que será que elogios e flores só se recebem na morte? Quando vivo por muito custo é homenageado, ao contrário, tem criticas e discriminação. Será que o remorso é mais forte que a gratidão?

Wilson Vilella

"" AGUILHÃO DA MORTE ""

Temos medo do desconhecido, do monstro da nossa incógnita!....
Dos arremedos que tem sido, a incompreensão abalável e inóspita!...
Medo da morte, do irreversível corte, umbilical, do simples cordão...
Medo do escuro, neste grande furo, cicatriz que condiz com este aguilhão.

.........""MORRE-SE TODO O DIA, QUANDO SE DORME E DEPOIS SE IRRADIA, PARA O ALVORECER QUE NOS BATE À PORTA!..... MORRER, É VIDA QUE PRINCIPIA, OUTRA MORADA EM NOVA DIMENSÃO, QUANDO O AMOR QUE NOS EXORTA, ROMPE O CORDÃO, E DELICADAMENTE O CORTA!"".......................shell

MarceloShell

A morte de Bento Rodrigues
O que eu posso fazer é um poema,
Já que o meu dilema
Ninguém vai escutar.
A lama lambeu Mariana
E numa atitude insana
Passou também a vomitar.
Ficou tudo dejetado
Que até o meu compadre
Veio a se afogar...
Pobre de Bento Rodrigues
Que morreu soterrado
Na Barragem do Fundão.
O culpado, segundo atestado
Foi um tal de Samarco
Que fazia a exploração...
Agora ficou complicado
Pois até em Espírito Santo
Essa lama chegou.
Tudo foi contaminado
Pelo pior dos pecados
Que é a ganância
Desse povo explorador.

Leandro Flores
BH, 09/11/2015

*Em solidariedade as vítimas no desastre ambiental em Mariana-MG.

Leandro Flores

Amanha, 2 de novembro.
Muitas famílias homenageiam seus familiares que partiram com flores e orações.

Visitam seus túmulos,
numa tentativa de uma ultima conversa,
um ato de carinho a alguém que tanto amaram...

Amaram?
Nunca deixamos de amar.
A ferida da partida sangra a cada lembrança.

Sinto falta de minha mãe e de minha avó todo santo dia.
Não há despertar que não me venha à memória
as ausências de suas presenças.

Não sei se irei ao cemitério amanha.
Talvez fique em casa, com minha família,
homenageando essas mulheres que forjaram quem sou, cuidando dos que amo.

Dói cada vez que tiramos a casca dessa ferida.
Rezarei pelos amigos que partiram e, principalmente,
por suas famílias que aqui ficaram.

Estamos de passagem,
mas como nos apegamos a essa estação terrena...
Somos carnais demais.
Particularmente, sou.

A percepção desse meu apego a matéria
me faz pensar o quanto tenho que evoluir em minha Fé.

Quem tem Fé, Confia.
Confio no Soberano Árbitro dos Mundos.
Acredito em sua ação nossas vidas.
Mas como temo estar longe de seus planos.
Senhor, meu Deus, perdoe minha pouca Fé.
Que seja sempre feita a Tua Vontade.
Amém.

Emerson Castro

...desculpa mãe!



Sempre quis ser mais presente. Não pude até te perder e perceber que a única coisa que realmente importava na vida era estar perto de ti, o máximo de tempo possível. Perto da única amizade verdadeira que antes jamais tive.

Sempre quis ser um filho bom, não pude por conta de umas questões paralelas ai! Mas quis a vida inteira ser um bom filho, repeitar os mais velhos, ouvir-te sem questionar. Agora você se foi e eu estou aqui, vivendo estes dias tão tristes. A dor que me consome agora, também me paralisa. Olho ao redor e sinto os teus cheiros...

Lembro-me daquela comidinha gostosa que você preparava. Lembro de seu perfume, aroma de gordura e alecrim. Lembro-me de seus trejeitos inesquecíveis e da covinha em sua bochecha. Lembro dos teus olhos já quase sem brilho, esmaecidos pela vida. Lembro de quase tudo sobre você. Faz muito tempo, mas me lembro. Como poderia esquecer?

Tenho a sensação de que não vou aguentar tua ausência! Sinto sua falta todos os dias e, as vezes, tenho a sensação de que não vou aguentar. Durante a noite as crises são piores, você está em tudo, nem adianta cobrir a cabeça com o cobertor. Sinto tanta saudade de você!
Sei que já sou homem e que tenho de ser forte, mas veja seu neto como está, veja o quanto cresceu em tão pouco tempo! Você sempre quis ter um neto, lembra-se?

...Desculpa mãe! Volta pra casa! Volta.

J.W.Papa

A estátua de um poeta morto


Sozinho, caminho até a praça...
Dois ou três passos e paro.
Colho flores brancas entremeadas ao mato.
Mato grande, que cresce ali!
Um cercado de fios de arame enferrujado protege o jardim.
Desconsidero o aviso que diz:
-Não colha flores e, ou, plantas desse jardim!
(...)
Num segundo de descuido
um agudo espinho de esquerda
espeta-me o dedo polegar da mão direita.
Desço à terra!
Subo novamente à minha própria altura.
Recosto-me em uma estátua de cobre.
(...)
Um pássaro cinza voa no céu sobre mim.
Voa meio assim...
Meio torto, meio de lado.
Voa um tanto apressado.
Muito estranho!
O voo desse pássaro.
(...)
As pedras no chão...
-Vermelhas como estão-
parecem dançarinas de flamenco
tango, tchá...tchá, tchá!
Parecem dançar,
mexem-se sem parar!
Mexem-se. Sem parar.
(...)
De repente...
Ficam escuras!
Ficam duras!
Param de dançar.
Dói!
Dói-me a cabeça.
(...)
Os olhos ficam inquietos.
Nuveiam...
Nuveiam!
Somem as nuvens dos olhos
e até o sol para de brilhar.
(...)
Dá um sono!
Resolvo deitar ali mesmo.
Deito-me naquele lugar.
Penso-me morto.
Morto não hei de estar!
Não hei de estar.
Morto, eu? Será?
(...)
Num último e derradeiro esforço
tento me levantar.
Tudo parece estar tão distante...
O corpo está tão pesado...
Resolvo me aquietar!
Durmo por horas ao pé da estátua de cobre.
(...)
Estátua de poeta!
Homenagem 'post-mortem'.
O coitado morreu ali mesmo...
Naquele lugar!
Envenenado por um pico de espinho de rosas brancas
no polegar da mão direita.
(...)
Morto e transformado em estátua!
Pra sempre ali...
Parado!
Transformado em poesia dramática.
Eternizado em seu próprio universo,
e preso, em seu mais triste verso.
Morto!
(...)
Enquanto lamentava a sorte do pobre homem
o pássaro cinza que se remexia no céu sobre mim
mira e despeja toda a sua maldade em minha cabeça.
Numa casualidade quase transcendental,
salva-me da morte!
Livra-me da sorte de virar estátua.
Revivo e vou-me embora.

J.W.Papa