Fria

Cerca de 1268 frases e pensamentos: Fria

É incrivel como depois desta noite fria,
O dia amanheceu ensolarado.
Não como se fosse uma coisa boa para nós...
Mas como se fosse uma claridade na escuridão que ficou minha vida.
Acredito que um dia ainda iremos nos permitir reecontrar-nos, e viver momentos intensos de pura e limpida amizade.
Acredito tambem que meus dias, serão prosperos longe de ti, por que saberei que não estando comigo, estará sempre melhor. Sinto ainda o amor borbulhando aqui dentro... mas é como a agua no fogão... quando apaga, ela esfria.
E quando esfriar, quero ve-la tão bem quanto como estavamos indo.
Quero ver seu sorriso, raiando como este dia de sol no Inverno. Poder sentir vc proxima a mim, sem precisar de você estar ao meu lado.
Deixo mais uma carta de amor.

Bruno Lopes Maciel de Lima

a mortalha fria cobrindo o corpo pálido já inerte, mais
uma vida de acaba, mais uma luz que se apaga.

O espirito confuso e libérto, por ELE clama e pergunta:

DEUS, a morte é um prêmio ou um castigo

rmf

Viver na paz! È o que eu quero, mais nao aquela paz fria de um cemiterio...

jessica

titulo: Patria amada BRASIL

Mas uma noite, uma brisa mais fria como a de costume,varia meus raciocinios.Caminho de uma rua para outra com a sensaçao da ultima vez!Sem problema algum! Pois durante toda minha vida ,sempre pratiquei a liberdade,só nao sabia que seria fruto dessa depressao incurável por qualquer coisa,,ou tantos outros sorrisos simpaticos; acolhido de coraçao aberto pelos falcetes da vida!Minha alma já me esperava em meu leito de óbito,à espera de meu corpo que ainda vagava pela cidade na esperança de remotos arrependimentos,uma ultima gota de otimismo antes de me entregar ao destino!Que me prometerá uma perfeita sincronia de fatos cotidianos, nao cumpridos por frases alcoolizadas.
Me entreguei ao tédio, nao sentia mais meu corpo. Apenas vozes do além a me encorajar a essa viagem! Onde as nossas demencias se realizavam !
Um resalvo da alma desabafou!
"Que toda essa caretisse va pro ceu,ja que sou tao culpado,,,,ja sei minha sentença,,o hipocrita inferno!!!Onde moram condenados por pensar diferente,,,condenados que sabem demais ,bruxas,,e poetas brasileiros!"Sera o inferno uma ferramenta ficticia,,,para quem sonha em ter boa indole!!!

Thiago Augusto de Oliveira

Se numa noite fria e errante, restarem somente as lembraças e se um pensamento ambulante vier e levar todas as esperanças não tema apenas corra atrás do pensamento se não der pega um taxi

DHS

“Sempre vai ter alguém que vai jogar um balde de água fria quando você estiver sonhando. Sempre haverá alguém que irá chutar seu castelinho de areia. Sempre! Mas não mate os sonhos dentro de você, acredite em si mesmo. O céu sempre estará a seu favor.”

NH

We're all sinners! - #Somostodospecadores

O dia se inicia numa sexta-feira fria em Curitiba. Estou em casa. Sinto-me em casa. Relaxo um pouco depois de uma semana cheia de turbulências. E que semana!
Sexta passada um monstro da literatura brasileira se foi: João Ubaldo Ribeiro. No sábado, foi a vez da despedida de Rubem Alves. Na quarta, Ariano Suassuna deu seu último suspiro e nos deixou.
Em meio às perdas literárias, já se passam mais de 15 dias em que o mundo acompanha as notícias de centenas de mortes em Gaza, fruto de um embate cuja explicação contém sempre muitos hiatos, muitas reticências.
Ainda nesta semana de turbulências, participei de um ato em solidariedade às vítimas palestinas na região do conflito em Gaza - pela vida, pela paz, pelo consolo às famílias enlutadas.
Porém, o que mais me surpreende é a repercussão e o desvio que muito do discurso em favor da paz pode assumir, uma verdadeira subversão aos verdadeiros propósitos da defesa dos Direitos Humanos: a demonização do outro.
Independentemente da posição que se assuma em qualquer situação, o que permite o diálogo e a busca pela paz e soluções plausíveis dentro do respeito aos Direitos Humanos nunca envolve a violência como resposta, muito menos o discurso de ódio, a despeito da atitude alheia.
É muito fácil, em nossos dias, com o pouco de informação e experiência ao nosso alcance, assumirmos um discurso belo e formoso que em pouco tempo se transforma numa campanha em favor do aniquilamento de quem nos agride, seja manchando seu nome, sua reputação, ou incitando a violência contra ele.
Não se trata de defender a agressão nem omitir justiça, trata-se de reconhecer a humanidade de toda e qualquer pessoa, seja quem ela for, bem como seus direitos como tal. Apontar o dedo e gritar: "Assassino!" é relativamente fácil. Difícil é perceber a repercussão que nosso discurso tem nos ouvidos dos incautos, e toda a inconsequência que se segue gerando novos atos de violência como resposta.
Não sei bem como essa reflexão chegará aos ouvidos e corações de muitas pessoas, mas não posso me omitir.
Quando muitos me vêem segurando uma bandeira palestina numa foto, abraçando líderes judeus, dialogando com ateus e teólogos cristãos e me envolvendo em discussões e pesquisas teológicas e em Direitos Humanos, sempre corro o risco de ser mal compreendida.
Por isso, quando me recordo da narrativa do evento de Jesus diante da mulher adúltera (João 8:1-11), quando sua fala permitiu aos ouvintes uma tomada de postura autocrítica, fico realmente imaginando-me na cena, se me considero com autonomia tal que possa atirar a pedra que for no outro que me ofende em palavras, atitudes ou ataques às minhas mais sinceras convicções.
Justiça precisa ser feita, mas de maneira humana e digna, sem que se assuma os mesmos meios de violência e ataque através dos quais se sofre a ação de outrem.
Vingança e discurso de ódio se auto-reproduzem por si só, e precisam ser neutralizados com misericórdia, justiça, firmeza e solidariedade. Essa ideia é uma verdadeira revolução subversiva ao sistema que está há tanto enraizado em nossos corações. Somos imersos numa sociedade justiceira, que se manifesta quando se sente ameaçada.
É por isso que, mesmo em se tratando de uma reflexão pessoal como tantas outras que me permito fazer, desejo, de coração, que os leitores sejam desafiados da mesma maneira que estou sendo nesta semana de tantos embates internos e externos. Somos desafiados a repensar nossa maneira de responder às injustiças sofridas, a questionar nosso hábito de demonizar a pessoa humana, quando sua atitude nos agride de alguma maneira.
Quem, neste mundo, se habilita a ser juiz do erro alheio, da falta de caráter e de amor? Quem, em todo este mundo, é perfeitamente capaz de, imparcialmente, distanciar-se de uma situação de injustiça e morte, e julgar o outro, exigindo do mesmo que pague com a própria vida, saúde, reputação ou dignidade, pelo mal feito a terceiros? Quem é capaz de determinar uma pena perfeitamente justa àquele que tira a vida de outro, sem recorrer à mesma atitude homicida?
São questionamentos que venho me fazendo nesta semana de milhares de perdas por todo o mundo.
Me solidarizo com as famílias enlutadas, não somente em Gaza, mas também em Angola, na Venezuela, na Colômbia, na Coréia do Norte, na Ucrânia, na Eritrea, na Síria, no Brasil, na Nigéria, nos Estados Unidos, na China, na Rússia, em Moçambique, e em tantos outros lugares. Como escrevi num poema, a morte nunca chega bem, mesmo quando vem silenciosa.
Mas não precisamos combater a morte com mais morte. Podemos levantar nossas vozes num discurso diferente, um discurso de paz, de vida, de ação consciente, de cuidado com as palavras que pronunciamos, porque inevitavelmente elas geram vida ou morte naqueles que a ouvem.
São palavras, que lanço numa tentativa de refletir mais a respeito, sem a pretensão de encerrar questões tão complexas como as que se nos apresentam.
Trata-se de uma reflexão humana, para corações humanos, passível de erro, como qualquer outra ação humana.

25 de julho de 2014.

Angela Natel

Estou em uma fase da minha vida que prefiro sentir o vento bagunçando meus cabelos, a chuva fria me molhando a pele, o sol aquecendo minha alma ao invés de me preocupar com futilidades... Ando assim flertando com a vida!

Marta Souza

nessa noite fria desejos no teu corpo nu,
sentimentos em tantos prazeres nessa madrugada
o gelo da noite demonstra tuas fantasias,
olho no fundos teus olhos sinto tua nudez.

Celso Roberto Nadilo

Esse chocolate quente está esquentando meu coração nessa noite fria.

Silvana Nunes

As vezes a vida é fria,
Mas não se deixe abalar
Levanta-te e volte a lutar

Eduardo Alvares

Noite fria
ruas vazias
ventava
chovia
E nos olhos dela
Havia um sol
Que me aquecia.

Bruno Belini

Também nem sei se sacio minha sede
tomando uma garrafa de vinho,
ou um litro de água fria.

Mas peco,
por desejar tanto tua presença.
Quem sabe tomado um porre até me liberto
dessa ansiedade.

Se, eu me negar a te querer,
meu coração não aceita..
se eu esquece-lo minha alma
também não concorda.

..

Sonia Solange da Silveira ssolsevilha Poetisa do Cerrado

Vai
assim,
ir tranquilamente para a noite,
tranquila serena e fria como a lua.
sem dizer uma palavra em voz alta,
mas em nossos corações,
onde todos falam fluentemente!

..

Sonia Solange da Silveira ssolsevilha Poetisa do Cerrado

Alma Fria!
O frio que me rodeia também é o calor que me queima
Você não é uma droga mais está em minhas veias
Como algo enjetável que vai até os poros
Que ultrapaça os polos
Que pode ser a febri e também me incendeia
Que muitas vezes me aqueci outras me alucina
Que por hora me adormece e me faz esquecer a dor
Que me tira do mundo real e me deixa sem saber onde estou
Que as vezes é a cura e muitas vezes a doença
Não sei distinguir se você é causa ou a consequência
Não sei a sequência
Só sinto o calafrio da sua ausência...

Pikena

BOM DIA MEUS QUERIDOS AMIGOS!!!

Aqui, manhã bastante fria
Acompanhada de ventania...
Bom para nos darmos as mãos
E aquecer nosso coração...

mel - ((*_*))

Melania Ludwig

Nessa noite fria segredos no me coração,
diante a janela do teu quarto, sinto a canção,
segredos dentro do teu coração,
nessa noite a chuva encontrou meu coração,
num escuridão que as trevas era tuas palavras,
num mundo de cordialidades só a crueldade...
tantos dizeres tão poucas esperanças,
meu amor é um sombra no coração,
me perco nas trevas de sonho chamado você.
minhas lagrimas são detalhes...
na sombras do coração...
existe algo penoso são tuas palavras,
julgando meu coração...
meu nome não é teu mundo...
...não jogo minhas palavras ao vento...
para que seria minha...
tão pouco conheço tal para lhe pedir clemencia...
sinto a escuridão sendo um clamor...
nessa noite dizeres afrigem, mas ferem mais,
tantas feridas se curam com teu ador...
não me importo com poucas dizeres, maldiz
tantas magoas me deixaram assim...
do teu veneno, do teu martilho...
minhas lagrimas são um profundo sonho...
deixado num deserto frio...

Celso Roberto Nadilo