Frases sobre o Rio de Janeiro

Cerca de 83 frases sobre o Rio de Janeiro

QUERER SEM PODER

Minh’alma se alegra
Euforia por dentro
Minh’alma se apega
Contagia-se te vendo
Minh’alma se cega
Inebria-se te querendo
Minh’alma não nega
Realizar-se-ia te tendo
Minh’alma se lembra
Tristeza por dentro
Minh’alma se entrega
Te quer não podendo.

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

LAÇOS DE AMOR

Os laços de amor,
São difíceis de desatar.
Quem de amor brincar
Pode até se machucar.
Ficará então a chorar
A ferida que teima
Em não cicatrizar.

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

UMA QUESTÃO DE TEMPO

Eu fico olhando
O tempo passando
Eu fico pensando
O tempo passando
Eu fico esperando
O tempo passando
Eu fico sonhando
O tempo passando
Até quando?
Até quando?
Até quando?
Não responda.
Estou só divagando.
E o tempo passando,
Passando, passando...

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

O INSUSTENTÁVEL PESO DO NÃO-SER

Quem diz que o nada
É a ausência de tudo?
Se em minha vida
Há espaços cheios de nada
E se no nada
Sinto a presença de tudo?
Tudo o que se faz ausente
No nada se faz presente
No corpo, na alma, da gente.
De corpo e alma – na mente.

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

Corrupção nos EXECUTIVOS de governos é ver o que tornou a Cidade do RiodeJaneiro,onde Convulsões TIROTEIROS é rotina em uma população chamada de COMPLEXOS FAVELAIS =140MIL.

Bindes Rio de Janeiro

A Cidade do RiodeJaneiro resolveu antecipar VENDA DE INGRESSOS pro OLYMPIO visa ANTECIPAR RECEITAS: DESEMPREGOS NA CONSTRUÇÃOCIVIL e o DINHEIRO?

Bindes Rio de Janeiro

XODÓ
Morena, meu chamego,
Tua ausência me tira o sossego.
Faz-me falta teu afago.
Se não voltares logo,
De saudades me afogo.
Como viver sem teu aconchego?

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

CALMA AÍ!

Vivi até hoje
Com sofreguidão
Agora a vida
Me impõe lentidão
Vivi até hoje
Com avidez
Agora as coisas
Vão de vagar
Uma de cada vez.

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

TUDO PASSA VOCÊ PASSOU!

Foi o tempo em que eu sorria
Por causa do seu humor.
Foi o tempo em que eu sofria
Por causa do seu amor.
Você é uma pessoa fria
Esqueça-me, por favor.

MANOEL DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

Sinto que preciso apertar o passo...o tempo, corre veloz nos ponteiros de meu relógio.
Juan Galvez ( pseudônimo de Gerardi Oliveira, 1961, brasileiro, natural do Rio de Janeiro-RJ).

Juan Galvez ( pseudônimo de Gerardi Oliveira, 1961, brasileiro, natural do Rio de Janeiro-RJ).

O tempo que corre, veloz...
As inevitáveis perdas...
O sofrimento...
Nos levam a refletir sobre a transitoriedade da vida...
Juan Galvez ( pseudônimo de Gerardi Oliveira, 1961, brasileiro, natural do Rio de Janeiro-RJ).

Juan Galvez ( pseudônimo de Gerardi Oliveira, 1961, brasileiro, natural do Rio de Janeiro-RJ).

Imensa... tão, que basta uns copos a mais de vinho, para destruir a sobriedade de um homem, fazendo-o perder o bom senso; e portanto, a razão!
Juan Galvez ( pseudônimo de Gerardi Oliveira, 1961, brasileiro, natural do Rio de Janeiro-RJ).

Juan Galvez ( pseudônimo de Gerardi Oliveira, 1961, brasileiro, natural do Rio de Janeiro-RJ).

"É MAIS INTELIGENTE, E HUMANO, PECAR PELO EXCESSO DE GENEROSIDADE, A
PECAR PELA AVAREZA, MESMO QUE DIMINUTA!"
Juan Galvez ( pseudônimo de Gerardi Oliveira, 1961, brasileiro, natural do Rio de Janeiro-RJ).

Juan Galvez ( pseudônimo de Gerardi Oliveira, 1961, brasileiro, natural do Rio de Janeiro-RJ).

"O Homem sensato, saborea com simplicidade o sabor de suas vitórias; e,degusta com resignação e paciência, o amargor de suas derrotas, pois sabe que tudo é passageiro."
Juan Galvez ( pseudônimo de Gerardi Oliveira, 1961, brasileiro, natural do Rio de Janeiro-RJ).

Juan Galvez ( pseudônimo de Gerardi Oliveira, 1961, brasileiro, natural do Rio de Janeiro-RJ).

O PRIMEIRO BEIJO


O beijo é uma isca
Experimente-o ligeiro,
Como quem belisca,
Se arrepia o corpo inteiro
Ou se sai apenas faísca
O momento é prazenteiro.
Depois, pode seguir á risca:
Ninguém quer só o primeiro,
Quer experimentar tudo... Por inteiro.

MANOEL DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

ALMA DE LUA

Hoje é lua cheia
E minh’alma
Ainda mais vazia
Hoje é lua crescente
Como a dor
Que minh’alma sente
Hoje é lua minguante
E em minh’alma
Mingua a alegria restante
Hoje é lua nova
E em minh’alma
A tristeza se renova.

MANOEL A. DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

“AMOR PLATÔNICO”

Quando li
O Guarani,
Não entendi
Aquele devotamento e abnegação
De Peri por Ceci.
Quando te vi,
Naquele momento – de coração,
Entendi,
- Eu faria o mesmo por ti.

MANOEL DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)

“VOCÊ É COMO EU SONHAVA”

Depois que te conheci,
Parece que todos os poemas
Que escrevi
Foram escritos para ti!
Depois que te conheci,
Todos os olhos que vi,
Esqueci!
Só tenho olhos para ti!

MANOEL DE ALMEIDA ( Copyright 2010 - Direitos Autorais Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro, RJ)