Frases de Fernando Pessoa

Cerca de 516 frases de Fernando Pessoa

Quanto mais diferente de mim alguém é, mais real me parece, porque menos depende da minha subjetividade.

Fernando Pessoa

Viver não é necessário. Necessário é criar.

Fernando Pessoa

O dinheiro é belo, porque é a libertação.

Fernando Pessoa

Saber interpor-se constantemente entre si próprio e as coisas é o mais alto grau de sabedoria e prudência.

Fernando Pessoa

Podemos morrer se apenas amámos.

Fernando Pessoa

Deus é o existirmos e isto não ser tudo.

Fernando Pessoa

Nenhum livro para crianças deve ser escrito para crianças.

Fernando Pessoa

Pode ser que nos guie uma ilusão; a consciência, porém, é que nos não guia.

Fernando Pessoa

O mais alto de nós não é mais que um conhecedor mais próximo do oco e do incerto de tudo.

Fernando Pessoa

Falar é ter demasiada consideração pelos outros. Pela boca morrem o peixe e Oscar Wilde.

Fernando Pessoa

Há tanta suavidade em nada dizer e tudo entender...

Fernando Pessoa

A beleza de um corpo nu só a sentem as raças vestidas. O pudor vale sobretudo para a sensibilidade como o obstáculo para a energia.

Fernando Pessoa

Ser imoral não vale a pena, porque diminui, aos olhos dos outros, a vossa personalidade, ou a banaliza. Ser imoral dentro de si, cercada do máximo respeito alheio.

Fernando Pessoa

A vida prejudica a expressão da vida. Se eu vivesse um grande amor nunca o poderia contar.

Fernando Pessoa

Um homem de génio é produzido por um conjunto complexo de circunstâncias, começando pelas hereditárias, passando pelas do ambiente e acabando em episódios mínimos de sorte.

Fernando Pessoa

O provincianismo consiste em pertencer a uma civilização sem tomar parte do desenvolvimento superior dela - em segui-la pois mimeticamente com uma insubordinação inconsciente e feliz.

Fernando Pessoa

A felicidade está fora da felicidade.

Fernando Pessoa

As nações são todas mistérios. / Cada uma é todo o mundo a sós.

Fernando Pessoa

Exteriorizar impressões é mais persuadirmo-nos de que as temos do que termo-las.

Fernando Pessoa