Frases de Álvares de Azevedo

Cerca de 14 frases de Álvares de Azevedo

Invejo as flores que murchando morrem,
E as aves que desmaiam-se cantando
E expiram sem sofrer...

Álvares de Azevedo

Sou o sonho de tua esperança,
Tua febre que nunca descansa,
O delírio que te há de matar!...

Álvares de Azevedo

Respiro o vento,e vivo de perfumes
no murmúrio das folhas de mangueira;
nas noites de luar aqui descanso e a lua enche de amor a minha esteira

Álvares de Azevedo

Deus, que eu morra no palco!
Não me coroem
De rosas infecundas a agonia!

Álvares de Azevedo

"Bebamos!nem um canto de saudade!
Morrem na embriaguez da vida as dores!
Que importam sonhos, ilusões desfeitas?
Fenecem como as flores!"

Álvares de Azevedo - Noite na taverna

Feliz daquele que no livro d'alma não tem folhas escritas. E nem saudade amarga, arrependida,nem lágrimas malditas.

Àlvares de Azevedo - Desalento

Amo-te como o vinho e como o sono,
Tu és meu copo e amoroso leito...
Mas teu néctar de amor jamais se esgota,
Travesseiro não há como teu peito.

Luciane Schneider (Álvares de Azevedo)

Graciliano, José de Alencar, Alvares de Azevedo, Machado ou Drummond, que seja Quintana ou Lispector, que seja ainda, meus simplórios textos. Suas leituras me encantam.

Douglas Melo - Douglas Melo Compartilha

Eu não posso mergulhar nesse seu mundo meu querido Álvares de Azevedo, é sonhar demais, é amar unilateralmente.

Luana Moura

Fala-me, anjo de luz! és glorioso, á minha vista na janela à noite,como divino alado mensageiro
Ao ebrioso olhar dos froixos olhos(...)
A noite vai bela, e a vista desmaia
Ao longe na praia, do mar!

Álvares de Azevedo

Meu pobre coração que estremecia,
Suspira a desmaiar no peito meu;
Para enchê-lo de amor, tu bem sabia.
Bastava um beijo teu!

Álvares de Azevedo

Do meu outono os desfolhos,
Os astros do teu verão,
A languidez de teus olhos
Inspiram minha canção...

Álvares de Azevedo

E quando nas águas os ventos suspiram,
São puros fervores de ventos e mar:
São beijos que queimam... e as noites deliram,
E os pobres anjinhos estão a chorar!



Ai! quando tu sentes dos mares na flor
Os ventos e vagas gemer, palpitar,
Porque não consentes, num beijo de amor,
Que eu diga-te os sonhos dos anjos do mar!

Luciane Schneider (Álvares de Azevedo)