Augusto Cury: Não quero que sejam andarilhos como...

Não quero que sejam andarilhos como eu.mas sonho que sejam andarilhos nas vielas de seu próprio ser.Percorram territórios que poucos intelectuais se arriscaram a explorar.Não sigam mapas nem bússola.Procurem-se,percam-se.façam de cada dia um novo capítulo,de cada curva uma nova história. (O vendedor de sonhos e a revolução dos anônimos)

Augusto Cury