Clarice Lispector: O que me mata é o cotidiano. Eu queria...

O que me mata é o cotidiano. Eu queria só exceções.

Clarice Lispector LISPECTOR, C. Um Sopro de Vida (Pulsações) . Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira. 3ª edição. 1978.
Postar no Facebook
Pensamento