Feridas

Cerca de 638 frases e pensamentos: Feridas

Sinto ainda feridas em meu peito, quando recordo-me de ti...

Jose Vitor Braga

Você já ouviu dizer que a distância cura feridas?Pois eu lhe digo que uma ferida no coração não pode ser curada com a distância ou com o tempo,Porque está dentro de nós

Edjane Mendes

Escrevo para descascar as feridas, não necessariamente as minhas.

Alexandre Paranhos

Lágrimas são rios que lavam as feridas,
mas se demasiadas afogam a coragem.
Leva-se a vida plantando sendas floridas,
porém podem ruir num só ato de bobagem.

José Luiz da Luz

Pérolas



As pérolas da vida
Estão nas mãos sofridas
Mesmo cheias de feridas
Elas brilham; não estão perdidas.

A pérola é a luz
É o conhecimento
Mesmo na cruz
Ela é esclarecimento.

Aquele que sabe sofrer
Entende a eternidade
Não se prende a banalidade
Porque a meta é crescer.

Sergio Antonio Meneghetti

"O verdadeiro amigo é aquele que pode até nos ferir pela dureza de suas palavras. As feridas provocadas pelo amigo sincero, são as mesmas que irão desenvolver em nós a cura capaz de nos levar às mais elevadas realizações".

Teco Nicolau

Palpite


Julia é uma mulher que tem lá suas feridas, umas já fechadas, e outras bem escondidas; tem sempre um sorriso no rosto, independente de como esteja por dentro; é apaixonada por música, cinema, Vinícius de Moraes e brigadeiro; tenta não se arriscar tanto quando o assunto é coração – embora não tenha muito sucesso quando tenta evitar –; ama o sol e adora um dia de chuva, daqueles pra ficar embaixo do cobertor, vendo filme.

Rodrigo é egoísta, talvez até demais; não é daqueles que contam a sua vida de primeira e diz “acabou”, ele é completamente o contrário; às vezes surpreende como ele é tão complicado e difícil de entender; gosta do sol, mas prefere uma boa chuva; não é lá muito preocupado com o futuro; gosta de observar os sorrisos dos olhos – diz que é o mais sincero – e adora soltar umas cantadas ao pé do ouvido só pra poder ver um sorriso envergonhado.

Embora possa não parecer – ao menos nesse pedacinho contado de cada um -, eles são umas das pessoas mais parecidas que eu já vi... A maior diferença é que Rodrigo tem uma namorada, e o maior problema foi o destino tê-los apresentados na hora errada.

Ou não, vai ver que era pra ser assim mesmo: um amor incomum, que dispensa explicações; que só de olhar, você já entende. É exatamente como Rodrigo definiu: esse amor deles é uma espécie de amor-amizade.

Bem, eles se conheceram num bar, e Julia nunca pensou que isso viesse dar em algum lugar, muito menos nessa amizade que eles têm hoje... Afinal, a primeira coisa que Rodrigo disse para ela foi logo uma reprovação. Ele a viu pedindo cachaça, olhou estranhamente, e deve ter pensado algo como “porque diabos uma mulher ia pedir cachaça? Ela parece tão frágil! Deve estar é querendo afogar as mágoas na cana mesmo”, quando falou:

- Cachaça? Mas que coisa feia, rapaz!

Julia o olhou com uma cara um tanto quanto desprezível, em relação ao comentário dele, mas logo abriu um sorriso e soltou sem nem pensar:

- Mas o que é que tem de feio? Nunca visse uma mulher beber cachaça não, foi? Hahahaha.

- Claro que já, mas é que você parece tão...

- Frágil? Eu sabia que tu tinha pensado alguma coisa desse tipo...

- Bem, era o que eu ia dizer... Mas é que não sei explicar, eu acho que não combina muito bem contigo. Além do mais que cerveja é bem melhor, não acha não?

- Hahahaha, eu não gosto muito de cerveja não, ainda tô aprendendo a gostar. Mas e aí, me conta o que tu pensou quando me viu pedindo cachaça?

E daí em diante, começaram a conversar sem nem saber o quão especial um seria para o outro.

Aos poucos, foram se descobrindo... Era como se em cada dia, Rodrigo contasse um capítulo de sua vida – o engraçado é que ele ainda não acabou o seu “livro” até hoje – e Julia contasse um pedacinho do que ela era. Descobriram gostos iguais para tudo: pra música, pra sentimento, pra escrever, pra olhos e pra sorrisos. O tempo passava rápido para eles, quando na verdade passava tão lento que só fazia uns três meses que eles se conheciam... E mesmo assim, já tinham um laço tão forte como alguém que se conhece há anos.

Num dia, sem nem ter porquê, discutiram que sobre o destino. Disseram que ele havia se atrasado, que havia feito as coisas numa ordem inversa, que eles deviam ter se conhecido antes, só pra ter mais tempo. Mudaram de assunto. Falaram sobre alguns textos, uns filmes e sobre o clima. Caíram no assunto “nós”. Discordaram e concordaram, ficaram sem resposta e sem saber o que dizer. Por fim, chegaram numa conclusão: que deixasse a vida levar, porque o que tivesse de acontecer, iria acontecer de todo jeito.

Ficaram por quase uma semana sem se falar – o que era muito para eles -, até que Rodrigo ligou pra Julia e cantou:

- “Tô com saudade de você, debaixo do meu cobertor. De te arrancar suspiros...”

- “... Fazer amor.” Que música mais indecente pra cantar pra mim, num acha não? Hahahaha.

- Hahahahaha, acho não. Tô com saudade de você... Vamos sair? Agora?

- Agora? Às onze e meia da noite?

- É, agora! Bora pra aquele bar, onde a gente se conheceu?

- Tá bom... Vou só trocar de roupa e a gente se encontra lá em quinze minutos, tá?

- Tá certo, não demora!

- Relaxa. Beijo.

Julia desligou o telefone e ficou só ouvindo o barulho que seu coração fazia... Ou era amor, ou era saudade. Ela só não sabia bem do que se tratava.

Quando Julia desligou, Rodrigo correu pro banho. Não conseguia parar de pensar no tamanho da saudade que tava sentindo. Saudade do sorriso dela... Das conversas, do carinho. Saudade deles dois.

Julia chegou, e cinco minutos depois, Rodrigo também. Sentaram-se, ele pediu uma cerveja e falou:

- Cachaça, senhorita?

- Hahahaha, não, engraçadinho. Para você que não sabe, agora eu tomo cerveja – e o olhou desprezando o comentário dele de novo.

Parecia que estava tudo igual. O mesmo lugar, o sentimento, eles, a amizade... Tudo estava como era pra ser. Ficaram por lá até quase uma hora da manhã, e nesse tempo, conversaram muito; tanto, que não sei como eles ainda tinham do que falar.

Foram juntos até o carro, estava chovendo. Antes que Julia entrasse em seu carro, Rodrigo a puxou e sussurrou no ouvido dela:

- Me diz como é que você conseguiu me viciar assim, desse jeito, me diz?

- Só te digo uma coisa. Ou melhor, duas. Uma: nem venha com isso agora... Pare. E outra: eu tenho um palpite. Sobre a gente.

- Como é que eu posso parar com você sorrindo pra mim desse jeito e com seus olhos âmbar me olhando assim?

- São verdes, já disse.

- Pra quê tu insiste que são verdes? Âmbar é muito mais bonito.

- Então tá bom, eu deixo que eles sejam âmbar só pra tu.

- Hahahaha, obrigado. Me diz aí, qual é o teu palpite?

- “Eu sinto a falta de você, me sinto só... E aí, será que você volta? Tudo à minha volta é triste... E aí, o amor pode acontecer. De novo, pra você, palpite.” Era esse.

Rodrigo puxou-a pra mais perto e disse, perto da boca dela:

- “Tô com saudade de você, do nosso banho de chuva, do calor na minha pele, da língua na tua”. E esse era o meu pra você.

Beijou-a.

Na cabeça de Julia vinham milhares de coisas para serem gritadas, mas ela só conseguia mesmo era pensar que acabava de descobrir se era amor ou se era saudade. E não era nenhum dos dois.

Rodrigo não conseguia pensar em mais nada, só na chuva fria e o beijo que o esquentava por dentro, e na vontade de ter Julia sempre por perto.

Soltaram-se. Julia o olhou com os olhos cheios da confusão que brotara na sua cabeça, mas com a certeza que vinha de dentro do seu coração e disse:

- Como é que tu conseguiu roubar um pedaço do meu coração assim, tão facilmente?

- Eu sempre fui um bom ladrão.

- Ridículo.

O silêncio fez-se presente por uns dois minutos, e eles sabiam o que havia acontecido ali. Além de ficarem ensopados de água, eles de descobriram o que sentiam. Julia sabia que precisava dele, e Rodrigo sabia que precisava dela; eles eram como um vício, um para o outro.

Rodrigo beijou-a na testa, e já ia embora quando Julia disse:

- Entenda só uma coisa: Eu nunca vou deixá-lo ir.



O resto ficou subentendido, como um parênteses em aberto na cabeça de cada um.

Aline Mariz

Ainda tenho feridas cicratizando e já me cortei d novo...

Fecho a porta... o vento abre a janela...

Tranco a janela... os vidros partem-se...

Alissa Regina de Lara

Miragem

Ó miragem...
Torna te Oásis.
Cura minhas feridas com teu balsamo,
Faz me repousar em tua sombra.
Sacia minha sede ,
Dando me forças para viver.

Ó miragem ...
Diante dos meus olhos
Tão nitida e tão irreal .
Tão perto e tão distante.
Meus pés, já se cansaram.
Minhas voz ,não mais ecoa.
O meu caminho ,eu já perdi.

Ó miragem torna te Oásis
E seja o meu refugio.....

Ana Jalloul

As feridas do amor são com certeza aquelas que mais deixam marcas, mas são aquelas que ao curar sempre deixam as melhores marcas.

SirFhodastic

O Amor sim, e não o tempo que cura todas as feridas.

Vitor Willyan

O que deixamos nessa vida são apenas sentimentos. O amor manifestado ou a dor e as feridas que causamos.

Warley Tomáz

Não é o tempo quem cura todas as feridas. É Deus.

Liizah

Aprenda que é o amor e não o tempo, que cura todas as feridas.

Melissa Lambrecht

Eu sou forte o bastante para cicatrizar minhas feridas, e toda vez que eu sinto medo, eu me agarro firme à minha fé e vivo mais um dia.

Ana Oliveirah

Meu coração ainda guarda as cicatrizes das feridas que você me deixou.
Sim, são apenas cicatrizes, as feridas já se fecharam, não estão mais na carne viva.
Você não sabe o quanto sangrou. Você não sabe o quanto doeu. Mas, eu superei. Eu venci a dor, as feridas e só me restou as cicatrizes.
Mas, estas estampas registradas em meu peito já não me incomodam mais. Se queres saber, são elas que me ajudam a dar a volta por cima diariamente.
Com elas eu aprendi que nada é insuperável, que um dia a gente esquece, e que o que o tempo não apaga ele pelo menos transforma em borro para amenizar a dor.
Foram elas que me ensinaram a ser menos ingênua, e isso me fez um bem incrível.
Foi você o grande responsável por tudo isso, e eu não posso deixar de agradece-lo.
Desejo igualmente a você tudo isso de volta. Muita dor. Muito sofrimento. Profundas feridas. E cicatrizes.
Quem sabe com elas você deixe de ser tão amargo e comece a enxergar o lado bom das coisas.

Mayara Teixeira

Cuidado, devo advertir, com tantos amores vêem tantas feridas. Mas delas sempre passei longe, até agora.

Lorena Pedrosa

Não tive coragem de lhe mostrar minhas feridas, elas ainda estavam abertas, ainda sangravam.

Isabelle Figueiredo

As guerras vêm da essência do não ser do homem,
acarretando perdas, mágoas e feridas, muitas vezes
quase irrecuperáveis, ficam como lembranças que
carregamos para a nossa vida e para as próximas.
Mas, como dizem, seria tudo para a evolução
da nossa estrutura psíquica e biológica humana
pois a vida na sociedade é apenas uma embalagem
que se muda, porem, não a nossa alma que é única.
Tristeza, dor, todos esses sentimentos são para em
algum ponto da vida nos ensinar, que não devemos
repetir os mesmos erros.

Dilene Rezende

beijinhos

Postado em 18/08/2010

Dilene Resende

Você não conseguirá curar minhas feridas. Você apenas conseguirá me dar outras com essa tentativa.

Daniela Fercas