Escritores Brasileiros

Cerca de 411 frases e pensamentos: Escritores Brasileiros

Nós não podemos fugir do amor, nem correr atrás dele. Os grandes escritores costumam compara-lo com uma borboleta, mas mais certo que uma borboleta seria compara-lo a uma joaninha. A borboleta sempre é vista, independente se pousa ou não em você, o que a difere das joaninhas, impossíveis de serem vistas pelo jardim a fora, só sendo, com muita sorte, vista a pousar em você... Jamais vemos o amor chegar, seja de perto ou de longe vagando pelos cantos, como podemos ver as borboletas. Ele, assim como as joaninhas, chega sem dar avisos. Quando menos esperamos la esta a joaninha a pousar , doce-mente, em nosso corpo. Assim é o amor, pousa no coração e quando nos damos conta já o preencheu por completo. Nós nunca sabemos o quanto o mundo e as coisas que há nele são boas enquanto não encontramos nosso verdadeiro amor. Uma vez apaixonados jamais nos desligaremos desse sentimento, pois ou se ama para sempre ou nunca se amou verdadeiramente.

Kellyndinha

Não escrevo para mim achar melhor que os outros escritores. Escrevo porque eu tenho dom de escrever.

Eduardo Henrique Correia da silva

Escritores, em seu derradeiro sentimento de vaidade, são como os espartanos; lutam bravamente para fazer-se notável na eternidade.

Patrick DiPeixoto

Borracha desgastada, lápis sem ponta, até o melhor dos escritores uma hora cansa de tentar escrever a mesma história. Mude a aventura, os personagens e crie um novo cenário. Ponha menos drama, mais humor, amor e uma pitada de suspense. Tenha um final feliz!

Vivian Galvão

Não acreditem no amor, os escritores mentem mentir é seu ganha pão.

Gabriel Floriano

MANIAS DOS ESCRITORES




O escritor Wolfgang Von Goethe escrevia em pé. Ele mantinha em sua casa uma escrivaninha alta.


O escritor Pedro Nava parafusava os móveis de sua casa a fim que ninguém o tirasse do lugar.


Gilberto Freyre nunca manuseou aparelhos eletrônicos. Não sabia ligar sequer uma televisão. Todas as obras foram escritas a bico-de-pena, como o mais extenso de seus livros, Ordem e Progresso, de 703 páginas.


Euclides da Cunha, Superintendente de Obras Públicas de São Paulo, foi engenheiro responsável pela construção de uma ponte em São José do Rio Pardo (SP). A obra demorou três anos para ficar pronta e, alguns meses depois de inaugurada, a ponte simplesmente ruiu. Ele não se deu por vencido e a reconstruiu. Mas, por via das dúvidas, abandonou a carreira de engenheiro.


Machado de Assis, nosso grande escritor, ultrapassou tanto as barreiras sociais bem como físicas. Machado teve uma infância sofrida pela pobreza e ainda era míope, gago e sofria de epilepsia. Enquanto escrevia Memórias Póstumas de Brás Cubas, Machado foi acometido por uma de suas piores crises intestinais, com complicações para sua frágil visão. Os médicos recomendaram três meses de descanso em Petrópolis. Sem poder ler nem redigir, ditou grande parte do romance
para a esposa, Carolina.


Graciliano Ramos era ateu convicto, mas tinha uma Bíblia na cabeceira só para apreciar os ensinamentos e os elementos de retórica. Por insistência da sogra, casou na igreja com Maria Augusta, católica fervorosa, mas exigiu que a cerimônia ficasse restrita aos pais do casal. No segundo casamento, com Heloísa, evitou transtornos: casou logo no religioso.


Aluísio de Azevedo tinha o hábito de, antes de escrever seus romances, desenhar e pintar, sobre papelão, as personagens principais mantendo-as em sua mesa de trabalho, enquanto escrevia.


José Lins do Rego era fanático por futebol. Foi diretor do Flamengo, do Rio, e chegou a chefiar a delegação brasileira no Campeonato Sul-Americano, em 1953.


Aos dezessete anos, Carlos Drummond de Andrade foi expulso do Colégio Anchieta, em Nova Friburgo (RJ), depois de um desentendimento com o professor de português. Imitava com perfeição a assinatura dos outros. Falsificou a do chefe durante anos para lhe poupar trabalho. Ninguém notou. Tinha a mania de picotar papel e tecidos. "Se não fizer isso, saio matando gente pela rua". Estraçalhou uma camisa nova em folha do neto. "Experimentei, ficou apertada, achei que tinha comprado o número errado. Mas não se impressione, amanhã lhe dou outra igualzinha."


Numa das viagens a Portugal, Cecília Meireles marcou um encontro com o poeta Fernando Pessoa no café A Brasileira, em Lisboa. Sentou-se ao meio-dia e esperou em vão até as duas horas da tarde. Decepcionada, voltou para o hotel, onde recebeu um livro autografado pelo autor lusitano. Junto com o exemplar, a explicação para o "furo": Fernando Pessoa tinha lido seu horóscopo pela manhã e concluído que não era um bom dia para o encontro.



Érico Veríssimo era quase tão taciturno quanto o filho Luís Fernando, também escritor. Numa viagem de trem a Cruz Alta, Érico fez uma pergunta que o filho respondeu quatro horas depois, quando chegavam à estação final.


Clarice Lispector era solitária e tinha crises de insônia. Ligava para os amigos e dizia coisas perturbadoras. Imprevisível, era comum ser convidada para jantar e ir embora antes de a comida ser servida.


Monteiro Lobato adorava café com farinha de milho, rapadura e içá torrado (a bolinha traseira da formiga tanajura), além de Biotônico Fontoura. "Para ele, era licor", diverte-se Joyce, a neta do escritor. Também tinha mania de consertar tudo. "Mas para arrumar uma coisa, sempre quebrava outra."


Manuel Bandeira sempre se gabou de um encontro com Machado de Assis, aos dez anos, numa viagem de trem. Puxou conversa: "O senhor gosta de Camões?" Bandeira recitou uma oitava de Os Lusíadas que o mestre não lembrava. Na velhice, confessou: era mentira. Tinha inventado a história para impressionar os amigos. Foi escoteiro dos nove aos treze anos. Nadador do Minas Tênis Clube, ganhou o título de campeão mineiro em 1939, no estilo costas.


Guimarães Rosa, médico recém-formado, trabalhou em lugarejos que não constavam no mapa. Cavalgava a noite inteira para atender a pacientes que viviam em longínquas fazendas. As consultas eram pagas com bolo, pudim, galinha e ovos. Sentia-se culpado quando os pacientes morriam. Acabou abandonando a profissão. "Não tinha vocação. Quase desmaiava ao ver sangue", conta Agnes, a filha mais nova.


Mário de Andrade provocava ciúmes no antropólogo Lévi-Strauss porque era muito amigo da mulher dele, Dina. Só depois da morte de Mário, o francês descobriu que se preocupava em vão. O escritor era homossexual.

Vinicius de Moraes, casado com Lila Bosco, no início dos anos 50, morava num minúsculo apartamento em Copacabana. Não tinha geladeira. Para agüentar o calor, chupava uma bala de hortelã e, em seguida, bebia um copo de água para ter sensação refrescante na boca.


José Lins do Rego foi o primeiro a quebrar as regras na ABL, em 1955. Em vez de elogiar o antecessor, como de costume, disse que Ataulfo de Paiva não poderia ter ocupado a cadeira por faltar-lhe vocação.



Jorge Amado para autorizar a adaptação de Gabriela para a tevê, impôs que o papel principal fosse dado a Sônia Braga. "Por quê?", perguntavam os jornalistas, Jorge respondeu: "O motivo é simples: nós somos amantes." Ficou todo mundo de boca aberta. O clima ficou mais pesado quando Sônia apareceu. Mas ele se levantou e, muito formal disse: "Muito prazer, encantado." Era piada. Os dois nem se conheciam até então.


O poeta Pablo Neruda colecionava de quase tudo: conchas, navios em miniatura, garrafas e bebidas, máscaras, cachimbos, insetos, quase tudo que lhe dava na cabeça.



Vladimir Maiakóvski tinha o que atualmente chamamos de Transtorno Obsessivo-compulsivo (TOC). O poeta russo tinha mania de limpeza e costumava lavar as mãos diversas vezes ao dia, numa espécie de ritual repetitivo e obsessivo.



A preocupação excessiva com doenças fazia com que o escritor de origem tcheca Franz Kafka usasse roupas leves e só dormisse de janelas abertas – para que o ar circulasse -, mesmo no rigoroso inverno de Praga.



O escritor norte-americano Ernest Hemingway passou boa parte de sua vida tratando de problemas de depressão. Apesar da ajuda especializada, o escritor foi vencido pela tristeza e amargura crônicas. Hemingway deu fim à própria vida com um tiro na cabeça.



O poeta português Fernando Pessoa tinha o hábito de escrever sob diversos pseudonimos, cada um com um estilo e uma biografia próprios. Ente os pseudonimos adotado estão Ricardo Reis, Alberto Caieiro e Álvaro de Campos.

Extraído de um site

Os escritores de antigamente parecem escritores de tempos modernos, já os de hoje são tão antigamente.

Flávio Cardoso

Corrupção no Brasil deveria ser a troca de livros por baixo dos panos entre escritores que se preferem.

Marianna Kiss

Os bons escritores usam palavras ordinárias, para falar sobre coisas extraordinárias.

André Anacoreta

Sempre a mesma coisa.

Dizem que muitos escritores reescrevem sempre o mesmo livro, diretores de novelas as mesmas tramas, políticos os mesmos discursos, esposas as mesmas reclamações e por aí afora.
Para algumas pessoas o dia é sempre a mesma coisa. Acordar, comer, assistir novela, bisbilhotar a vida dos outros na internet e dormir.
Para algumas pessoas o dia parece que tem quarenta e oito horas, tantos os compromissos e afazeres. Há tantas variedades e variações no acordar (com quem), almoçar (onde), assistir novela (qual) e depois disso ainda encontram imaginação e energia para sair, dançar, beber, rir muito, voltar para casa dirigindo embriagado (ou ser levada para não sei onde) e dormir, dormir, dormir muito, até meio-dia, uma ou duas horas da tarde.
Não sou desses. De nenhum desses. Acordo cada dia numa hora e isso pode querer dizer quatro, cinco ou oito horas da manhã.
Almoço sempre fora de casa o que me dá a oportunidade, ainda que no mesmo restaurante, comer todo dia coisas muito diferentes.
Não assisto novelas. Nenhuma. Nunca. Nem morto!
De vez em quando vejo um telejornal, nunca o Datena (perdão, se aquilo é jornalismo ou jornal, só serve para forrar o canto do cachorro).
Logo ao anoitecer Amanda Palma serve uma bela sopa, deixa para mim uma salada de frutas na geladeira, me serve um café delicioso, feito em parceria com a nossa cafeteira Dolce Gusto.

Gosto de assistir filmes na TV e para isso conto com o meu controle remoto único e definitivo, a Amanda Palma.
Além de todas as outras facilidades, utilidades, complexidades, amenidades, etc. (não me peça para explicar o etc., por favor.) Amanda Palma procura, escolhe, me chama e assistimos juntos os primeiros cinco minutos do filme. Depois disso ela dorme, eu durmo ou ambos dormimos. Raramente assistimos juntos até o fim, para em noventa por cento dos casos concordar que seria melhor termos dormido do que assistir o tal filme.
Quanto à internet, passo o dia nela, com ela e dependendo dela.
Leio as notícias, vejo todas as imagens que eu tenho vontade, já que sou mais visual do que qualquer outra coisa, escuto a musica que quiser de graça e com muita qualidade e ganho uma graninha. Há um ligeiro desacordo nesse item. Ganho menos do que gasto, gasto menos do que gostaria e se der para trocar de Mercedes todo ano e ir para a Europa passar pelo menos quinze dias já tá bom (sonhar é preciso).
Para mim a vida tem sido de uma riqueza incontável, uma diversidade inigualável e uma felicidade diferente e renovada a cada dia.
Graças a Deus!

Marinho Guzman

Que não sejamos um casal de uma historia, mais eternos escritores...Tu és a minha alacridade, minha diva, é o sinônimo da palavra amor.

Antonio Souza

Admiração extrema mesmo pelos escritores, jornalistas, dramaturgos, enfim.. Pelas pessoas que exercem a arte de escrever músicas, poemas, crônicas. Pessoas que começaram desde cedo e não abriram mão dos seus sonhos. O resultado? Eles tornaram-se realidade, e hoje eles são conhecidos pelo mundo inteiro. Se eu fosse citar todos os escritores que eu venero, acho que já até eu me perderia na quantidade.

Lubs__

Começo a acreditar que nem todos os escritores são verdadeiros em suas palavras, porque é tão fácil falar sobre o amor,amizade, e blábláblá ... Verdade se encontra no anonimato,onde não é a fama,nem os aplausos, que os mantém, mas um amor expresso através de atitudes que na maioria das vezes são simplesmente ignoradas, isso resume “VERDADADE” . medíocres são as palavras não acompanhadas de atitude.

Genielly Moura

Os brasileiros clamam por educação, mas, via de regra, poucas pessoas gostariam de ser educadas.

Francis Iacona

SOU UM PENSADOR
O PENSAMENTO QUASE ME MATOU
MAS SE NÃO FOSSE O PENSAR
EU SÓ SERIA O "JÁ PENSOU?"

Boné Guerrilla

P - Qual a relação entre o mito da caverna e os dias de hoje? Sociologia?

R - Os brasileiros em sua maioria vivem o mito da Caverna. Na parede da caverna dos brasileiros é projetado de tempo em tempo imagens luxuosas do carnaval com suas escolas de samba no Rio, quase todo dia uma partida de futebol, e diariamente histórias irreais e alienantes nas novelas da Globo e da Record fazem a cabeça de muitas pessoas, além de pastores evangélicos fazendo e prometendo para um grande público um mundo fantástico que não existe. Os poucos brasileiros que escapam dessa trama arquitetada pelos donos do dinheiro, procuram em vão acordar os demais brasileiros para a realidade e buscar a educação. Tudo em vão. E o Governo que devia dar apoio a esses brasileiros que escaparam da Caverna da ignorância, ao invés disso promove mais ignorância para o povo, com a nítida intenção de mantê-los no cabresto sob seu governo. E onde entra a sociologia nessa história? Penso que a sociologia, caso coloque em prática o que prega, poderia dar a esse número imenso de cidadãos ignorantes, uma poder maior de participar da educação que é oferecida à minoria, quer pelo custo, quer pela oportunidade. A Educação e a vontade de implementar os conhecimentos adquiridos podem dar um basta à escravidão dos brasileiros na Caverna, levá-los para fora e mostrar a eles que o mundo é muito maior que imaginam. E livres de seus preconceitos e conscientes da importância que têm passarão eles a exigir do Governo o que lhes é de direito, uma vida melhor para todos.

https://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20140512092619AAEvSYU

Carlos in Yahoo Respostas

No mundo todo sabem que a FIFA nada mais é que um grande cafetão. E isso nos irrita, pois vemos o tanto que nós brasileiros somos prostituídos.

Erish Von Savoya

Estou vendo algumas pessoas se manifestarem de forma crítica com relação a ação dos ativistas do caso dos Beagles da Royal. Todo mundo agora deu pra se "preocupar" com os enfermos no SUS, na expectativa de surgirem ativistas em prol dos humanos desfavorecidos também, "salvando-os" do inferno que é viver no país da corrupção e da impunidade.
Acho digno! Porém uma coisa está ligada a outra, basta pensar um pouco...
Ser humano tem raciocínio e livre-arbítrio para usar, mas certas pessoas preferem deixar que outros decidam e vivam por elas, muitas vezes por pura preguiça de refletir na hora de votar, por exemplo. Preferem vender (trocar, negociar...) seus votos, por uma melhoria imediatista e pessoal, sem pensar a longo prazo e na comunidade. Nessa hora ninguém fica preocupado com os enfermos do SUS, não é mesmo?
Todo o caos que vivemos hoje na educação pública, saúde e segurança públicas é resultado de escolhas "nas coxas" feitas desde sempre, justamente porque desde sempre fomos treinados (ou manipulados) a preocuparmos-nos somente com nós mesmos, uma vez que vivemos numa sociedade capitalista, competitiva e individualista.
Não sabemos viver em comunidade, onde tudo é compartilhado com todos em partes iguais, sem distinção de pessoas, independente de raça, cor, religião, classe social, espécie, condição física e mental...
Chegamos num ponto do egoísmo humano que nos esquecemos de que TUDO é responsabilidade nossa, de TODOS sem exceção, responsabilidade essa que inclui o respeito e cuidado com o meio ambiente, do qual fazemos parte e "dividimos" com os animais.
Porém os animais não decidem, não votam, não escolhem seus destinos. E justamente por isso são explorados!
Se formos parar para pensar mesmo, fazendo um paralelo, nós brasileiros somos os "Beagles humanos" sendo explorados e manipulados pela "Royal" denominada Poder Político. Porém, com consentimento disso, já que pudemos um dia escolher e optamos por ser diariamente testados de forma sobre-humana, vendendo nossa alma por uma promessa de conforto e comodismo que nunca chega, pois não existe! Não para nós, meros mortais desalmados e enfraquecidos, cobaias escravizadas em tempos modernos, esquecidos (por pura opção), aguardando que a "Lei Áurea dos desfavorecidos" seja assinada por algum ativista super herói a nos salvar de nós mesmos. Afinal, estamos sempre esperando dos outros tais atitudes que temos preguiça de tomar, jogando a responsabilidade para os que tomam para si a responsabilidade que deveria ser nossa.
Daí é fácil criticar os que fazem a diferença, num mundo em que a autocrítica é quase nula, onde poucos se distinguem da massa que aguarda sentada o milagre acontecer...
Portanto, sejamos ativistas nas urnas! Isso é o mínimo que podemos fazer para que um dia possamos cobrar alguma coisa.
E quanto aos ativistas dos Beagles... Que sirva de exemplo para nós, espécie de animais racionais que pouco usa do melhor que tem em comparação aos animais irracionais - a capacidade de escolha - pois é somente essa a nossa diferença deles, e ainda assim saímos perdendo...

Ket Antonio

0636 | Alguns brasileiros são mais fiéis aos respectivos times de futebol do que às esposas, aos patrões e às religiões. | horlandohalergia.net

Horlando Halergia

Os políticos brasileiros sempre tiveram uma relação promíscua com a democracia. Eles a usam para se elegerem, mas não suportam protestos contras suas desventuras políticas.

Eduardo Varandas Araruna