Escola

Cerca de 1183 frases e pensamentos: Escola

A escola pública hoje está ao alcance de todos, pena que a educação ainda não esteja.

Prof. Nilo Jeronimo Vieira

O mundo é uma escola, em que as vezes somos alunos, as vezes professores!

José Henrique

Eu nasci em uma cidade pequena
Sou pobre
Mas sou honesto
Já repeti uma vez um ano na escola
Mas não é por isso que eu vou disistir de viver
não por isso
Eu amo do jeito que eu sou e do Jeito que eu Nasci
Eu não quero ser um Albert Ainstein, mas só quero ser uma boa pessoa e abrangar o meu penssamento para esse mundam a fora...



Nunca mude para agradar ninguem nem a sua propria Familia!

Raul Lafayett

Artigo/Opinião:


A Culpabilidade dos Professores da Escola Pública




Os professores nunca ganharam tão mal no Estado de São Paulo como agora, apesar dos esforços do governo federal para tentar viabilizar melhorias financeiras e dar perspectivas de suportes funcionais e estruturais na área, já que sem uma ótima educação pública um pais não prospera, não avança, não recompõe dívidas sociais impagas desde primeiro de abril de 1964. Os professores nunca foram tão estranhamente culpabilizados pela mídia em geral como agora, principalmente quando o governo federal potencializa verbas públicas para investimentos na carreira profissional, além de estímulos que facultem aos educadores uma melhor qualidade de vida (os direitos humanos dos professores), de estudos evolutivos (qualificação é sempre), de valoração profissional que promova o que faz melhor para ganhar melhor e mudar o meio para melhor.

No entanto, paradoxalmente nunca se viu tanto suspeito amigo do alheio querendo palpitar sobre educação, a maioria deles (de repente suspeitos amigos da escola) que já estiveram no poder e tiveram todos as razões e motivos para revolucionarem métodos e práticas, no entanto, inoperantes, impotentes, foram incompetentes para mudar o que precisa ser mudado, mas ainda assim fizeram políticas públicas duvidosas, desviaram verba pública para antros neoliberais privados, e agora, periga ver, querem falar de teorias em praticas que não tiveram, pior, colaboraram com o sucateamento das políticas públicas básicas, como em São Paulo, que tem suas entidades públicas propositalmente falidas, para não dizer da alta grana das privatarias que ninguém sabe onde foi parar, ninguém viu, ninguém investiga a chamada “máfia russa” das privatizações-roubos paulistas-paulistanas.

Quem é que vai pagar por isso? Que partido de forma direta ou indireta mais lucrou com isso, inventando os podres poderes dos new-richs? Pensar pode.

No mesmo contexto, professores com curso superior ganhando menos do que policiais com ensino médio (e a segurança pública também falida), enquanto a sociedade ainda sofre as seqüelas do falso “sucesso” do Plano Real, os milhões de desempregados, mais uma impunidade generalizada, falências gerais, máfias e quadrilhas neoliberais governando os governos, e, no contexto, pais incompetentes que geraram filhotes ímprobos também palpitando para encobrir erros familiares graves, e, ainda, os governos trabalhando com uma educação que se vale de estatísticas, dígitos, quando são seres humanos que trabalham com outros seres humanos, numa área que deveria buscar um humanismo de resultados, para uma educação vivenciada com rumos de investimento ético-comunitário para comunidades carentes.

O professor mal remunerado, numa escola pública propositalmente sem estrutura (mais a terceirização neoescravista no entorno pouco funcional), os filhos da sociedade se matando para sobreviver e pais pedindo demissão de serem pais (despejando os filhos mal educados na escola), uma mídia jogando contra (interesses escusos), um bando de incompetentes com poder opinativo dando palpites sem conhecimento da dura realidade histórica, algumas áreas acadêmicas com visões de gabinetes não vendo o professor enquanto ser e humano também, numa sociedade decrépita e um corpo discente carente em função de tudo isso, e, quando se vê, a policia incompetente não é culpada pelo grave aumento da violência, mas o professor é culpabilizado pelos problemas graves do ensino público?

O que há por trás de tudo isso? Quem quer enganar quem? Uma impunidade generalizada de impunes ex-presidentes a ex-governadores e ex-prefeito, juizes corruptos e ladrões soltos, e ninguém fala na falência de uma justiça filha da elite que, amoral, sim, tarda, falha, é tendenciosa e parcial, principalmente entre os corruptos e ladrões membros da pior oposição que o Brasil teve, a oposição ao governo federal.

Porque o governo federal pauta uma reforma educacional investindo como nunca no professor, é que antros de máfias e quadrilhas querem desviar o foco do investimento visando lucros impunes, desmoralizando uma categoria que sempre está na ponta do problema, quando havia tempo em que um professor ganhava o mesmo do que um juiz, e os nossos magistrados marajás nunca são culpabilizados pelo que geram de impunidades por atacado. O que isso quer dizer?

Vamos malhar o professor que é agora o inventado “culpado de ocasião” por incompetência de nefastas políticas públicas suspeitas (como em São Paulo tucano-liberal do DEMO); vamos desviar alta verba da educação para propaganda política enganosa; vamos falar em choque de inclusão, gerenciamento, balelas, enquanto isso o povão, claro, vai continuar votando nos mesmos, tudo continua como está, como em São Paulo em que professor ganha trinta por cento a menos do que no Piauí, e, pior, a falência do estado generalizada (empresa estão indo embora pois o estado cresceu só três por cento quando o Brasil todo cresceu quase sete por cento), e assim, as funestas e hipócritas políticas neoliberais – apoiadas pela FIESP, OAB, Rede Globo e agiotas do capital emboaba – vamos desmontando o estado, sem prover o povão de alguma maneira, e assim, quebrando a escola, daremos o filé da enorme grana federal (que o governo banca disponibilizar), para ONGS suspeitas, amigos do alheio fingindo de amigos da escola (ex-secretários e ministros da Educação hipócritas e sujos), empresas grandes desviando altas verbas do fisco para cênicos investimentos fantasmas montados, embustes financeiros camuflados para roubar o Imposto de Renda, e assim, tudo continua como está, todo mundo ganha, menos a educação pública propriamente dita, e, como precisa mesmo sempre aparecer um culpado para ser malhado, fica todo problema na mão do professor que, mal remunerado, se matando para sobreviver, acúmulos vários (vários empregos), saúde debilitada, vendendo de Avon a bijuterias, e assim caminha a mediocridade imediatista de se pensar a categoria dos professores como única culpada de ocasião, quando é vitima da situação toda e nunca devidamente provido salarialmente, para que, afinal, a mentira deslavada saia ganhando e o modelito do estado mínimo (da força da grana que ergue e destrói coisas belas) ganhe potência midiática entre os podres poderes.

Professor? Respeito muito suas lágrimas.

E os Direitos Humanos dos Professores da Escola Pública?

-0-

Silas Correa Leite
E-mail: poesilas@terra.com.br
Teórico da Educação, Jornalista Comunitário, Coordenador de Pesquisas da FAPESP-USP em Culturas Juvenis

Silas Correa Leite

''A escola só tem valor quando a própria educação é combustível de alunas e professores.''

Bruna Roberta Alves Cunha

Escola X Educação?
A escola para uma criança ou adolescente deveria ser o segundo lar, pois é o local onde eles permanecem por mais tempo depois da própria casa. Não acho que a escola deva ser a responsável por 100% da educação, mas certamente deve ser um complemento e, talvez em alguns casos, ser responsável por educar em 100% aqueles jovens em que os pais são ausentes ou negligentes com a educação dos seus filhos. Muitas vezes os pais esperam que a escola faça milagre como ensinar seus filhos a respeitar os mais velhos, adquirir o amor pela leitura e por línguas estrangeiras, boas maneiras ao tratar os colegas, professores e funcionários, etc. Como fazer um aluno não falar um palavrão na escola se em casa isto é bem comum, como impedir um aluno de agredir outro se em casa os pais se agridem e agridem os seus filhos, como um jovem vai gostar da leitura se nunca viu os pais lendo um livro sequer? Isto sim é milagre, mas milagres são possíveis. Existem muitos jovens que são uma aberração, passam aprontando na escola, não querem saber de estudar, são violentos, parecem que vão para escola apenas para cumprir uma mera formalidade para algum dia receber um certificado de conclusão. E muitos pais destas aberrações acham seus filhos o máximo, acham que os professores tem a obrigação de aturar a falta de educação, que os professores jamais devem impor sua autoridade e que os filhos estão certos. Errado. Estes filhos vão sempre acreditar que ser uma pessoa mal educada, violenta, desinteressada está certo porque seus pais, que são a sua principal referência, lhes dão razão. Já vi até pais, que também são professores, terem este comportamento. Isto é inacreditável! Existem também aqueles pais interessados na boa educação de seus filhos mas que são ingênuos, porque mandam seus filhos para a escola e não fazem o devido acompanhamento. Seus filhos podem se misturar aquelas "frutas podres" e acabar se estragando. Não basta ter proporcionado boa educação, tem que acompanhar, saber como está a escola, como estão as tarefas, as notas, com quem está saindo, onde vai, como vai, o que vai fazer. Geralmente os filhos reclamam destas cobranças, principalmente na adolescência, mas no fundo gostam, porque sabem que são amados e que seus pais se interessam por eles. Felizmente ainda existem aqueles filhos esforçados, estudiosos, com pais que valorizam a cultura e a boa educação e que são a motivação de muitos professores em continuar na luta. Pais que muitas vezes não tiveram a mesma oportunidade que seus filhos estão tendo e querem fazer o máximo em proporcionar o melhor. Claro que deixar um terreno, uma casa, um bem material é importante. Mas isto pode acabar um dia. O conhecimento, o estudo, a cultura, a educação, isto não acaba nunca, só aumenta. E quando pais e filhos tem a consciência disto, melhores serão as chances de sucesso no futuro. Mas, voltando para as escolas. Acho que também não estão completamente certas. Acho que entraram no ritmo da folia. Ao menos algumas. Cobrar mais. Mais leitura, mais deveres de casa, mais reuniões periódicas com pais e alunos, reprovação no caso de incapacidade do aluno em seguir em frente, valorização dos alunos esforçados, mais disciplina no pátio, nos corredores e punição severa para os "infratores". Sei que não deve ser fácil. Muitos fatores impedem os administradores das escolas tomarem atitudes mais drásticas. Mas uma escola é como qualquer outra instituição, e assim deve ter normas claras e que devem ser respeitadas pelos alunos desde as séries iniciais. Os pais e alunos que desejam fazer parte desta instituição, devem se adequar a estas normas. A escola deve ser firme nesta cobrança, e isto só será possível quando tiver o respeito da comunidade, senão as cobranças serão inúteis, porque não serão levadas a sério.

Andréa Dias Fernandes

Despedida.

- Vamos filha ou irá se atrasar para seu primeiro dia de aula na escola nova.
Bom,essa gritando é a Jean,minha mãe.
- Já vou mãe!
Estou tão ansiosa ,é meu primeiro dia de aula desde as férias,é claro.Mas não estou ansiosa porque é meu primeiro dia de aula,e sim por causa da escola.Meus avôs, bisa avôs e meus pais estudaram lá,pena que alguns não estejam mais com agente.É só são eu e minha mãe. O meu pai morreu em um acidente de carro,quando eu ainda era um bebê.Foi muito duro para mim e minha mãe.

Então,Dizem que é fantástico em Nova Era ,existe de tudo um pouco lá,principalmente pessoas da minha mesma espécie.

Em quanto arrumava minha mala vi a foto em cima da mesa do meu quarto que eu e Louise#11;minha melhor amiga tiramos ontem no shopping.
Pensando nela cadê ela que não chega em? Disse que iria se despedir de mim,eu acho que teve algum imprevisto ,acho que ela não vem,hum.

Peguei a foto sobre a mesa e guardei na mala rapidamente.
- Madelleny!!Vai se atrasar.Gritou a minha mãe.
-Já estou indo!
Desci as escadas rapidamente sem nem olhar para trás.Abri a porta,e lá estava a minha mãe.Mim esperando na frente de fora do carro. – Até que fim em?Guardo minha mala e entro no carro.
- Madelleny,Madelleny!!Espere.
Me viro e vejo Louise correndo igual a uma doida,pingando de suor na testa,molhando seu lindo cabelo louro de suor.A casa dela é meio longe para cá.
Sai do carro e fui ao seu encontro para lhe abraçar,tão magrinha,eu mim sentia um monstro ao seu lado,mas ainda sim do meu mesmo tamanho.
- Louise! Eu disse, - Louise disse minha mãe. – Como está Angeline?- Muito bem!! Disse Louise. Obrigada por perguntar! – Nada.
Louise se virou para mim.
- O que estava achando?Que eu iria deixar você parti sem se despedir de mim? – Não mesmo!
- Amiga,nem acredito que só vou lhe ver nas férias.- É tempo demais.Disse Louise.
- Eu achava que você não viria..
Eu estou com a Louise desde pequena quando nossas mãe se conheceram em um supermercado!Dá para acreditar?Logo a mãe dela virou minha babá quando pequena,e levava a Louise para brincar comigo.Assim somos amigas até hoje.
Olhando para meus olhos ela disse : - Eu estou aqui!! É isso o que importa amiga!
- Não esqueça de mim viu?Disse ela.
- É impossível esquecer de você.
- Acho bom.
- Madelleny! Falou Louise. – Quero que leve isto com você...Para se lembrar de mim,e..Lembrar que sou sua melhor amiga.
- A primeira! Eu disse.
- A primeira! Ela disse.
Mim deu um ultimo abraço e disse: -Até as férias!
- Até,amiga.
- Demos uma de riso,e eu entrei no carro sem dar as costas a ela!!
A Louise sabia tudo sobre mim, principalmente que eu era uma feiticeira.É isso é meio novo para mim.Tudo começou quando completei treze anos,bom eu já sabia que isso iria acontecer querendo ou não...Os meus avôs eram feiticeiros,meu pai,minha mãe é uma,ela mim contava como iria ser,cresci sabendo de toda á verdade,que existem outros por aí como:Fadas,bruxos(o),vampiros(a),lobisomens,duendes,ogros,anã,opor aí você tira uma idéia.
- Estamos quase lá! Disse minha mãe.
- ok mãe.
- Chegamos! Disse minha mãe.
Eu estava tentando retirar minha mala do carro,já tinha esquecido de como estava pesada.
Nós estávamos no Grand Central Terminal,em Nova York,eu cresci aqui!
- Venha.Disse minha mãe.
Na espera do elevador ela mim parou e disse: - Filha,se comporte e.. – Mãe!!eu já sei ‘qualquer coisa é só mim ligar’
- É isso mesmo,ligue sempre que puder.
- Eu vou,mãe..
- E outra coisa! – O que?Perguntei.
- Eu amo você,vou sentir muitas saudades.
- Eu também mãe.
Ela começou a beijar meu rosto,mim fazendo pagar um mico daqueles, de mãe.Quem nunca pagou um desses.
- Mas.. Mãe por que a senhora está se despedindo de mim antes de nem entrarmos no elevado?
- Vera! Fiquei sem entender,a minha mãe estava se despedindo de mim sem nem se quer entrarmos no elevador.
- Hum.. Plin – Eu acho que o elevador chegou.Ela me abraçou e falou : - Boa sorte!
- Mas...mas,mãe! Falei quando ela mim emperrava para dentro.
- Você não vai entrar? - Não queria!Seu passaporte está no bolso da calça,amostre ele para o cabineiro.
- A deus,queria.
- A deus mamãe.
A porta do elevador se fechou.
Será que o cabineiro era um de nós?Por que,que eu mostraria meu passa porte para um ser normal? Um cabineiro?
Hum.. – Desce mocinha? Há..sim.Como ele sabia que eu iria descer se já estávamos no Térreo?
O elevador desceu muito rápido,devia esta a mais de uns 290KM/H..Eu não sabia mais onde segurar.
plin,- chagamos! Ele agia como se o elevados não estivesse a mais de 290KM/H.
O fitei com os olhos.
- Como consegue? Perguntei.
- Anos de trabalho.
- hum..- Há,ok.Eu não sabia o que falar.
A porta do elevador se abril.
- Eu já...Estou indo.
O olho dele ficou laranja,e piscou para mim.
- Até..,a próxima..Ha..como se chama?
- Madelleny.
- Adeus,Madelleny.
- Há...Ta bom,a deus.


2. NOVA ERA

Hum..da próxima vez eu venho de jegue,de avestruz,até de disco voador,nesse elevador..Mais nunca!
Só quando saí do elevador,foi que avistei que estava em Nova Era.
Em uma estação em Nova Era,as pessoas eram bizarras,fadas,bruxos, anão.Um anão passou do meu lado.Não era uma simples estação,não. Era uma estação de elevadores. ‘Bem vindo a Nova Era’ O centro da terra.
Isso é perfeito,eu nunca imaginei,que seria assim.Pessoas com três olhos,verdes,muito brancas de olhos vermelhos.
- Vamos filinhas Uma mulher fada eu acho,ela parecia uma princesa com asas,e suas filhas também,eram três,tão lindas.
Eu,não entendo por que minha mãe só me mandou para esse lugar agora,e não antes,é perfeito.Acho que é por que os poderes de bruxas demoram para se desenvolver,já se passarão dois anos desde quando ganhei metade dos meus poderes quando tinha treze anos,hoje tenho quinze anos.
- Passa portes aqui, - Passa portes,para High School Era!
Eu acho que é esse o elevador.
Eram tanta gente naquele lugar,gente de tudo que tipo,e os elevadores eram transparente,eram muitos,era engraçado eles sugavam as pessoas
e do nada elas sumiam,no passe de magia.
Entrei na fila para o elevador,fila curta,não tão grande!
Eu não percebera o garoto atrás de mim.
- Oi.Ele falou
ele era bonito um pouco mais alto que eu branquinho com cabelo preto escorrido com meio grande,com uma franja a testa mais o menos corpo normal.
- Oi! Eu disse
- Você é nova aqui sim?
Por um momento me distrai olhando a roupa de escola que ele usava,um

Ruana Gomez

Ninguém nasceu para ser guarda de museu. Mas para edificar, deixar rastro, abrir escola, constituir família, ditar filosofia, ficar como modelo de muitos.

Pe. Vasconcelos

tens uma salva de prata
onde poes os alfinetes
Chega me ai uma escola
que eu esqueci de lavar os dentes

anônimo

A escola não ensina que crianças são rejeitadas
e sofrem tentativas de homicício durante toda a sua gestação…
E que já no ventre recebem drogas, socos e gritos…
A escola não ensina que crianças são rejeitadas ao nascer,jogadas no lixo, afogadas, abandonadas em praças…
Ela não ensina que são maltratadas, abusadas sexualmente
e agreditas com palavras olhares e gestos todos os dias…
A escola não ensina que essas mães são crianças mal preparadas e revoltadas com a própria sorte, muitas vezes…

A escola não ensina que o poder é do mais forte,
seja pelo dinheiro que possui ou pela arma que carrega
e pelo silêncio que me obrigada a fazer…

A escola não ensina que a fome,
a raiva e a revolta fazem bandidos…
A escola não ensina que pessoas são cruéis, mentirosas,
preconceituosas e humilham o seu semelhante…

A escola não ensina…

Viviane Dick

Sem escola iniciática
Freqüentei a alternatividade
E lapidei minha verdade
Que se apresenta em forma de amor
Nos braços da diversidade

William Contraponto

MOMENTOS [...]
A vida é uma escola & a gente tem que aprender, nós ajudamos & quando mais se precisa virão as costas pra você;
Em momentos tão difíceis que pode está fazendo sol, mas basta você colocar os pés na rua a chuva cai, momentos tão ruins que pelas circunstancias da vida é você mesmo que atrai;
Alguém te pede uma mão & você dá duas, mas quando se precisa todo mundo está cotó;
& quando a ficha de fato cai, você percebe que está só;
Você sai para trabalhar, se arruma fica limpinho & de repente surgi um carro do nada, passa por uma poça & te molha todinho;
Ao apagar das luzes você deita pra dormir, as lágrimas começam a chegar & quanto mais você seca, mas elas decidem rolar;
Pensamentos como o mar, vem & vão, são pensamentos com lembranças que atormentam sua mente & machucam seu coração;
Mais, assim é a vida, a escola do ser humano, numa unidade você passa & fica feliz, na outra perde & fica chorando;
J.Gomes

Jônatas Gomes

Na escola, por que você não foi?
Ela: É, eu tive que ir ao médico.
Ele: Ah, mesmo? Por que?
Ela: Ah, nada. Consultas anuais, só isso. Então, o que tivemos em matemática hoje?
Ele: Você não perdeu nada demais. Só um monte de anotações.
Ela: Ok, bom.
Ele: É.
Ela: Ei, tenho uma pergunta.
Ele: Fale.
Ela: O quanto você me ama?
Ele: Você sabe que eu te amo mais que tudo. Por que a pergunta?
Ela: (silêncio)
Ele: Tem algo errado?
Ela: Não, nada mesmo.
Ele: Ok.
Ela: O quanto você se importa comigo?
Ele: Eu te daria o mundo numa batida de coração, se eu pudesse.
Ela: Daria?
Ele: É, claro que eu daria. (parecendo preocupado) Tem alguma coisa errada?
Ela: Não, tá tudo bem.
Ele: Tem certeza?
Ela: É.
Ele: Ok, eu espero.
Ela: Você morreria por mim?
Ele: Eu me jogaria em frente uma bala para ela não te atingir, a qualquer dia.
Ela: Mesmo?
Ele: Mesmo. Mas agora, sério mesmo, aconteceu alguma coisa?
Ela: Não, eu tô bem. Você tá bem, nós estamos bem. Tá todo mundo bem…

Ela: Bom, tenho que ir. Te vejo amanhã na escola.
Ele: Tchau. EU TE AMO.
Ela: Também te amo, tchau.

O OUTRO DIA NA ESCOLA:
Ele: Ei, você viu minha namorada hoje?
Amigo: Não. Ela não estava aqui ontem também não.
Ele: Eu sei, ela estava agindo estranho no telefone ontem
Amigo: É cara, você sabe como as garotas são de vez em quando.
Ele: É, mas ela não.

AQUELA NOITE: (o telefone toca)
Ela: Alô?
Ele: Oi.
Ela: Ah, oi.
Ele: Por que você não foi na escola hoje de novo?
Ela: Ah, eu tinha outra consulta no médico.
Ele: Você está doente?
Ela: Hm, eu tenho que ir, minha mãe tá me chamando.
Ele: Eu espero.
Ela: Pode demorar, te ligo depois.
Ele: Tudo bem então, te amo (longa pausa)
Ela: (chorando) Olha, acho que devíamos terminar.
Ele: O que?! Por que?
Ela: Acho que é o melhor pra nós dois agora.
Ele: POR QUE?
Ela: Eu te amo. (ela desliga)

A GAROTA NÃO FOI PRA ESCOLA POR MAIS TRÊS SEMANAS, E NÃO ATENDEU AOS TELEFONEMAS.
Ele: E ai, cara.
Amigo: Oi. E ai, falou com sua ex?
Ele: Não.
Amigo: Então você não soube?
Ele: Soube o que?
Amigo: Não sei se eu seria a melhor pessoa para te contar, então, ligue nesse telefone. (passou um papelzinho para ele)

ELE LIGA NO NÚMERO DEPOIS DA ESCOLA.
Voz: Alô, Suppam County Hospital, aqui é a enfermeira Beckam.
Ele: Ah, eu devo ter ligado no número errado, estou procurando por uma amiga.
Voz: Qual é o nome dela? (o garoto dá as informações)
Voz: Sim, esse é o número certo. Ela é uma de nossas pacientes.
Ele: É mesmo? O que aconteceu? Ela está bem?
Voz: O quarto dela é o número 646, no prédio A, suíte 3.

Ele: O QUE ACONTECEU?
Voz: Por favor, venha aqui e veja o senhor mesmo, obrigada.
Ele: Espera! Não! (o telefone já tinha sido desligado)

O GAROTO FOI PARA O HOSPITAL. A GAROTA ESTAVA DEITADA NA CAMA DO QUARTO. ELA PARECIA FRACA.
Ele: Meu Deus, você está bem?
Ela: (silêncio)
Ele: Amor, fala comigo!
Ela: Eu.. eu tenho câncer. Estou em suporte de vida.
Ele: (começa a chorar)
Ela: Eles vão desligar tudo hoje à noite.

Ele: Por que?!
Ela: Eu queria te contar, mas eu não podia.
Ele: Por que não?
Ela: Eu não queria te machucar.
Ele: Você nunca poderia me machucar.
Ela: Eu só queria ver se você sentia o mesmo que eu sinto por você
Ele: ?
Ela: Eu te amo mais que qualquer coisa. Eu te daria o mundo em uma batida de coração. Eu me atiraria em frente a uma bala para te salvar. Eu morreria por você.
Ele: …
Ela: Não fique triste, eu sempre vou te amar, estando aqui ou não.
Ele: Então por que você terminou comigo?
Enfermeira: Ei, jovem, o tempo de visita já acabou.
O GAROTO SAI, AS MÁQUINAS DE SUPORTE DE VIDA FORAM DESLIGADAS. ELA MORREU.
Mas o que o garoto não sabia é que a garota só fez aquelas perguntas à ele para poder ouvir ele dizer aquelas coisas uma última vez, e ela só terminou com ele porque ela só tinha mais três semanas de vida e pensou que assim causaria menos dor à ele, dando um tempo para ele esquecê-la antes dela morrer.

NO PRÓXIMO DIA: O garoto foi encontrado morto com uma arma em sua mão, e com um pequeno papel na outra, escrito: Eu disse à ela que levaria um tiro por ela, assim como ela disse que morreria por mim.

desconhecido(a)

Na escola de hoje, muitos somos como marinheiros (esforçados ou não) que pintam (bem ou mal) as partes superiores do navio que naufraga inexoravelmente.

Danilo Gandin

"_ O que ensinam pra você na escola Hans-Thomas?
_ Perguntou meu pai.
_ A ficar sentado na carteira sem perguntar nada.
_ Respondi.
_ Está aí uma coisa tão difícil que a gente precisa de anos para aprender."

Jostein Garder O dia do Curinga

As pessoas não sabem como sou feliz hoje por ter duvidado de cada palavra ensinada na escola

André Macchione

Na escola nos ensinam a estudar
Na nossa vida aprendemos a aprender.

Renato de Souza Oliveira