Envolver

Cerca de 308 frases e pensamentos: Envolver

Nem Príncipes, Nem Princesas

Amor não é se envolver com a pessoa perfeita,
aquela dos nossos sonhos.
Não existem príncipes nem princesas.
Encare a outra pessoa de forma sincera e real, exaltando suas qualidades, mas sabendo também de seus defeitos.
O amor só é lindo, quando encontramos alguém que nos transforme no melhor que podemos ser.

Cleiton Santos

Não se deixe envolver por pessimismo e tristeza, esses sentimentos não levam você a nada. Obscurecem sua vida o impedem de ver novos horizontes e trazem sofrimentos que atrasam a sua vida. Acredite que tem um Deus a te olhar e seguir teus passos, seja feliz.

Prof Lourdes Duarte

Se me contar, eu esqueço. Se me mostrar, eu apenas lembro. Agora, se você me envolver, eu realmente compreendo.

silverado

Amor não é se envolver com a pessoa perfeita,aquela dos nossos sonhos. Encare a outra pessoa de forma sincera e real, exaltando suas qualidades, mas sabendo principalmente de seus defeitos, pois algo que se conhece muito, não faz surpresa. O amor só é lindo, quando encontramos alguém que nos transforme no melhor que podemos ser.

Matheus NOVELLI

"Estendi meu olhar sobre o misterio, o luar em poemas.Assisti a dança dos astros, o envolver das carnes, que tanto me embriagavam os olhos...a alma

Magaiver Welington

Escandir um poema é envolver mais com ele, não só com o lado esquerdo, mas com o lado direito do cérebro também; é viver um aqui e um agora do poema; é fazer uma experiência mais sensorial da Poesia.

Diógenes Pereira de Araújo

Eu queria um amor...
um amor para se envolver, para se perder...
em um abraço escorrer, em um sorriso dissolver,
em um anoitecer se esquecer e no amanhecer
nossos corpos embalar.
Priscilla Rodighiero

Priscilla Rodighiero

Não tenha medo de se envolver, de gostar, de sentir, se apaixonar... deixe seu coração bater, deixe seu corpo suar e tremer... sinta a intensidade da vida.

aline ignacio

Gosto de me envolver quando eu realmente gosto. Não tenho medo de traição, indiferença ou falta de consideração. Tenho medo de não sentir ou de me permitir viver uma relação sem sentimentos, de aparências ou por interesses fúteis. Eu me permito ao que vale a pena viver. Se o outro lado não quer, erra, ignora, deixa pra lá, fazer o que?! Uma hora a gente cansa. Mas deixar de acreditar na felicidade a dois? Nunca. Por mais que distorçam hoje em dia o significado do que é amor, eu ainda acredito nele.

Valmir Mizio

Acreditar, fazer, envolver e compartilhar seu sucesso com outras pessoas faz parte da vida.

Helgir Girodo

Olhar para dentro é disciplinar-se, a ponto de não se envolver com os acontecimentos.
Isso não implica em não ver, não ouvir, não sentir.
Sinta!
Até porque não tem como ser de outra forma.
Mas mantenha a clareza de que eles não têm significância nenhuma.
Deixe que tudo passe sob total consciência, sem repressão nem negação.
Seja apenas a presença consciente, vendo que aquilo que vem, também vai.
Não julgue nada!
Mesmo diante dos acontecimentos mais terríveis, não se envolva.
Permaneça incólume, exerça a sua natureza.
Você não é quem você pensa que é.
A sua natureza é observação!
Observe.

Satyaprem

Quando o silêncio te envolver de uma tal forma que você não consiga mais expressar seus pensamentos, acalme-se é a razão que está te protegendo e não o coração.

RODRIGO FERREIRA

A arte de fotografar não se resume em pegar uma lente e tirar uma foto, mais saber envolver toda uma paisagem em apena um click.

Victória Catarina

Quando a saudade bate forte e a
tristeza insiste em me envolver,
procuro lembrar o seu sorriso
pra alegrar o meu viver...

João Prezado

"O conflito é a violação da harmonia. Ao se envolver, você fará parte do problema. Não da solução."

Johnny De Carli

Amar alguém não é se envolver com a pessoa perfeita, aquela dos nossos sonhos. Não existem príncipes nem princesas. Encare a outra pessoa de forma sincera e real, exaltando suas qualidades, mas sabendo também de seus defeitos. O amor só é lindo, quando encontramos alguém que nos transforme e nos completa no melhor que podemos ser...

Otávio Conti

A paixão é uma bênção ou uma maldição...
Você só vai descobrir quando ela te envolver
Mudar a vida que até então,você conhecia
E essa conclusão só é possivel descobrir na prática.

Cissa Sousa

Eu nunca mais vou me envolver com alguém de novo. Cansei de quebrar a cara. Essa frase marca o início de um ciclo e o começo desse clichê que a gente repete na tentativa de se proteger na próxima vez. É mais ou menos como um mantra que já prepara o coração para o que vem: segura a surpresa, manda aquela alegria inicial de ter encontrado alguém bacana embora, dá uns tapas na expectativa e te faz prometer para si mesmo que dessa vez vai ser diferente: dessa vez você não vai se envolver.
Essa frieza é característica de quem já sofreu por amor ou por menos que isso. Mas frieza é uma palavra forte, então digamos que seja uma proteção. Essa proteção é a armadura impenetrável de quem foi convocado para a guerra, mas sofre de apatia. É o brigadeiro de panela quente para quem já queimou a língua. Essa proteção é a hesitação de quem não quer repetir um novo ciclo de descasos e esperanças. Ela funciona de forma radical e direta, porque descarta qualquer um antes mesmo dele chegar a algum lugar.
A formação de defesa de pessoas que optaram por “esconder os sentimentos” e viver na desconfiança é pesada. Os que não se declaram solitários por acidente, acabam pode depositar essa postura em outros. Isso porque sempre calha de aparecer alguém que finalmente “valha a pena” para você e essa pessoa vai ser o alvo de todas as suas inseguranças e negações passadas. A frustração de já ter se arrependido, faz com que você manipule as suas vontades e apare as atitudes. Vez ou outra, isso tudo te faz mais amargo, onde o sabor agridoce vai embora e você não percebe que está exagerando. Na sua cabeça, tudo funciona como um teste para o coitado (ou coitada) que tentar algo com você. É que eles estão vivendo a sua síndrome do “Dessa vez vai ser diferente. Eu não vou me envolver.”
Mas existe uma premissa certa nisso tudo: você vai quebrar a cara de novo. Independente da postura que se assuma, você vai passar por alguma frustração. Seja a frustração de estar sozinho, quando não é isso que se quer ou a frustração de finalmente se abrir de novo e se decepcionar. Parece um tanto quanto pessimista, mas é que você encara o “quebrar a cara” como algo negativo. Só que é uma experiência que faz parte de uma vivência maior. Quebrar a cara ensina, e muito, sobre nós mesmos. Ensina sobre padrões de comportamento que nós podemos cometer e erros que dizemos ser dos outros, mas na verdade nos pertencem. Ensina a aprender mais sobre as nossas expectativas e a forma com que lidamos com elas, além de mostrar que pessoas constituem a nossa vida de forma plena e quais podem ser descartadas quando há decepção. Aliás, isso ensina mesmo se foi decepção ou insistência, quando o problema da vez era com a gente. E ensina mais ainda que o ser humano, por mais burro e teimoso que possa ser, ainda possui a capacidade de amar de novo.
Você vai se encantar de novo e se perguntar se dessa vez vai ser diferente, por mais frio ou receoso que seja. Você vai engolir em seco e fingir que nada mudou, mas vai pensar em baixar a guarda. Essa esperança bonita que motiva e que também nos torna um pouco mais bobos e um pouco mais cegos é o que faz com que relacionamentos não sejam apenas relacionamentos. São situações que engrandecem e servem de auto-análise. E elas dizem muito sobre a gente e o nosso modo de ver o mundo. Revela vontades que a gente nem imaginava ter e devolve uma maturidade que vai sendo lapidada ao longo do jogo, com seus ganhos e perdas. E esfrega na nossa cara que a gente vai quebrar a cara de novo e que vai amar de novo. Por mais “evitáveis” que tenhamos nos tornado, ainda somos apaixonantes e apaixonáveis. E essas defesas que a gente cria, com um pouco de persistência e afeto, acabam caindo por terra. E isso pode ser bom ou pode ser ruim. Mas a gente só vai descobrir se der a cara à tapa. Mesmo que isso signifique quebrá-la depois e se apaixonar logo em seguida.

Daniel Bovolento Entre todas as coisas

Você vai quebrar a cara. E amar de novo.

Eu nunca mais vou me envolver com alguém de novo. Cansei de quebrar a cara. Essa frase marca o início de um ciclo e o começo desse clichê que a gente repete na tentativa de se proteger na próxima vez. É mais ou menos como um mantra que já prepara o coração para o que vem: segura a surpresa, manda aquela alegria inicial de ter encontrado alguém bacana embora, dá uns tapas na expectativa e te faz prometer para si mesmo que dessa vez vai ser diferente: dessa vez você não vai se envolver.
Essa frieza é característica de quem já sofreu por amor ou por menos que isso. Mas frieza é uma palavra forte, então digamos que seja uma proteção. Essa proteção é a armadura impenetrável de quem foi convocado para a guerra, mas sofre de apatia. É o brigadeiro de panela quente para quem já queimou a língua. Essa proteção é a hesitação de quem não quer repetir um novo ciclo de descasos e esperanças. Ela funciona de forma radical e direta, porque descarta qualquer um antes mesmo dele chegar a algum lugar.
A formação de defesa de pessoas que optaram por “esconder os sentimentos” e viver na desconfiança é pesada. Os que não se declaram solitários por acidente, acabam pode depositar essa postura em outros. Isso porque sempre calha de aparecer alguém que finalmente “valha a pena” para você e essa pessoa vai ser o alvo de todas as suas inseguranças e negações passadas. A frustração de já ter se arrependido, faz com que você manipule as suas vontades e apare as atitudes. Vez ou outra, isso tudo te faz mais amargo, onde o sabor agridoce vai embora e você não percebe que está exagerando. Na sua cabeça, tudo funciona como um teste para o coitado (ou coitada) que tentar algo com você. É que eles estão vivendo a sua síndrome do “Dessa vez vai ser diferente. Eu não vou me envolver.”

Mas existe uma premissa certa nisso tudo: você vai quebrar a cara de novo. Independente da postura que se assuma, você vai passar por alguma frustração. Seja a frustração de estar sozinho, quando não é isso que se quer ou a frustração de finalmente se abrir de novo e se decepcionar. Parece um tanto quanto pessimista, mas é que você encara o “quebrar a cara” como algo negativo. Só que é uma experiência que faz parte de uma vivência maior. Quebrar a cara ensina, e muito, sobre nós mesmos. Ensina sobre padrões de comportamento que nós podemos cometer e erros que dizemos ser dos outros, mas na verdade nos pertencem. Ensina a aprender mais sobre as nossas expectativas e a forma com que lidamos com elas, além de mostrar que pessoas constituem a nossa vida de forma plena e quais podem ser descartadas quando há decepção. Aliás, isso ensina mesmo se foi decepção ou insistência, quando o problema da vez era com a gente. E ensina mais ainda que o ser humano, por mais burro e teimoso que possa ser, ainda possui a capacidade de amar de novo.
Você vai se encantar de novo e se perguntar se dessa vez vai ser diferente, por mais frio ou receoso que seja. Você vai engolir em seco e fingir que nada mudou, mas vai pensar em baixar a guarda. Essa esperança bonita que motiva e que também nos torna um pouco mais bobos e um pouco mais cegos é o que faz com que relacionamentos não sejam apenas relacionamentos. São situações que engrandecem e servem de auto-análise. E elas dizem muito sobre a gente e o nosso modo de ver o mundo. Revela vontades que a gente nem imaginava ter e devolve uma maturidade que vai sendo lapidada ao longo do jogo, com seus ganhos e perdas. E esfrega na nossa cara que a gente vai quebrar a cara de novo e que vai amar de novo. Por mais “evitáveis” que tenhamos nos tornado, ainda somos apaixonantes e apaixonáveis. E essas defesas que a gente cria, com um pouco de persistência e afeto, acabam caindo por terra. E isso pode ser bom ou pode ser ruim. Mas a gente só vai descobrir se der a cara à tapa. Mesmo que isso signifique quebrá-la depois e se apaixonar logo em seguida.

Daniel Bovolento Entre todas as coisas

Envolver-se com outra pessoa deve ser algo que vai muito além de um sentimento físico. Caso contrário, ao invés de somar, haverá abstração do verdadeiro sentido da troca, sem a concretização da verdadeira essência pretendida no relacionamento como uma expressão de amor e intimidade emocional.

Rosiana Carvalho