Diva

Cerca de 149 frases e pensamentos: Diva

A complicada arte de ver
Rubem Alves

Ela entrou, deitou-se no divã e disse: "Acho que estou ficando louca". Eu fiquei em silêncio aguardando que ela me revelasse os sinais da sua loucura. "Um dos meus prazeres é cozinhar. Vou para a cozinha, corto as cebolas, os tomates, os pimentões - é uma alegria! Entretanto, faz uns dias, eu fui para a cozinha para fazer aquilo que já fizera centenas de vezes: cortar cebolas. Ato banal sem surpresas. Mas, cortada a cebola, eu olhei para ela e tive um susto. Percebi que nunca havia visto uma cebola. Aqueles anéis perfeitamente ajustados, a luz se refletindo neles: tive a impressão de estar vendo a rosácea de um vitral de catedral gótica. De repente, a cebola, de objeto a ser comido, se transformou em obra de arte para ser vista! E o pior é que o mesmo aconteceu quando cortei os tomates, os pimentões... Agora, tudo o que vejo me causa espanto."

Ela se calou, esperando o meu diagnóstico. Eu me levantei, fui à estante de livros e de lá retirei as "Odes Elementales", de Pablo Neruda. Procurei a "Ode à Cebola" e lhe disse: "Essa perturbação ocular que a acometeu é comum entre os poetas. Veja o que Neruda disse de uma cebola igual àquela que lhe causou assombro: 'Rosa de água com escamas de cristal'. Não, você não está louca. Você ganhou olhos de poeta... Os poetas ensinam a ver".

Ver é muito complicado. Isso é estranho porque os olhos, de todos os órgãos dos sentidos, são os de mais fácil compreensão científica. A sua física é idêntica à física óptica de uma máquina fotográfica: o objeto do lado de fora aparece refletido do lado de dentro. Mas existe algo na visão que não pertence à física.

William Blake sabia disso e afirmou: "A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o tolo vê". Sei disso por experiência própria. Quando vejo os ipês floridos, sinto-me como Moisés diante da sarça ardente: ali está uma epifania do sagrado. Mas uma mulher que vivia perto da minha casa decretou a morte de um ipê que florescia à frente de sua casa porque ele sujava o chão, dava muito trabalho para a sua vassoura. Seus olhos não viam a beleza. Só viam o lixo.

Adélia Prado disse: "Deus de vez em quando me tira a poesia. Olho para uma pedra e vejo uma pedra". Drummond viu uma pedra e não viu uma pedra. A pedra que ele viu virou poema.

Há muitas pessoas de visão perfeita que nada vêem. "Não é bastante não ser cego para ver as árvores e as flores. Não basta abrir a janela para ver os campos e os rios", escreveu Alberto Caeiro, heterônimo de Fernando Pessoa. O ato de ver não é coisa natural. Precisa ser aprendido. Nietzsche sabia disso e afirmou que a primeira tarefa da educação é ensinar a ver. O zen-budismo concorda, e toda a sua espiritualidade é uma busca da experiência chamada "satori", a abertura do "terceiro olho". Não sei se Cummings se inspirava no zen-budismo, mas o fato é que escreveu: "Agora os ouvidos dos meus ouvidos acordaram e agora os olhos dos meus olhos se abriram".
Há um poema no Novo Testamento que relata a caminhada de dois discípulos na companhia de Jesus ressuscitado. Mas eles não o reconheciam. Reconheceram-no subitamente: ao partir do pão, "seus olhos se abriram". Vinicius de Moraes adota o mesmo mote em "Operário em Construção": "De forma que, certo dia, à mesa ao cortar o pão, o operário foi tomado de uma súbita emoção, ao constatar assombrado que tudo naquela mesa - garrafa, prato, facão - era ele quem fazia. Ele, um humilde operário, um operário em construção".

A diferença se encontra no lugar onde os olhos são guardados. Se os olhos estão na caixa de ferramentas, eles são apenas ferramentas que usamos por sua função prática. Com eles vemos objetos, sinais luminosos, nomes de ruas - e ajustamos a nossa ação. O ver se subordina ao fazer. Isso é necessário. Mas é muito pobre. Os olhos não gozam... Mas, quando os olhos estão na caixa dos brinquedos, eles se transformam em órgãos de prazer: brincam com o que vêem, olham pelo prazer de olhar, querem fazer amor com o mundo.

Os olhos que moram na caixa de ferramentas são os olhos dos adultos. Os olhos que moram na caixa dos brinquedos, das crianças. Para ter olhos brincalhões, é preciso ter as crianças por nossas mestras. Alberto Caeiro disse haver aprendido a arte de ver com um menininho, Jesus Cristo fugido do céu, tornado outra vez criança, eternamente: "A mim, ensinou-me tudo. Ensinou-me a olhar para as coisas. Aponta-me todas as coisas que há nas flores. Mostra-me como as pedras são engraçadas quando a gente as têm na mão e olha devagar para elas".

Por isso - porque eu acho que a primeira função da educação é ensinar a ver - eu gostaria de sugerir que se criasse um novo tipo de professor, um professor que nada teria a ensinar, mas que se dedicaria a apontar os assombros que crescem nos desvãos da banalidade cotidiana. Como o Jesus menino do poema de Caeiro. Sua missão seria partejar "olhos vagabundos"...

O texto acima foi extraído da seção "Sinapse", jornal "Folha de S.Paulo", versão on line, publicado em 26/10/2004.

Rubem Alves

É preciso disposição para o amor e para todos os seus desdobramentos.
Devo estar desequilibrada mesmo,
nunca falei tanta besteira.
Mas é fato, ando com preguiça de interpretar o mundo,
de entender as pessoas,
de procurar os sete erros.
Gostaria de ter todas as respostas na última pagina,
de ter um manual de atitudes sensatas,
de ter o pensamento voltado pra Meca.
Queria que houvesse um serviço de telessoluções entregues a domicílio em menos de meia hora.
Que gorjeta boa eu daria.
Cansei de filme de guerra, holocausto, tortura, exorcismo,
crise existencial, seqüestros, erro médico, suicídio, trapaça.
Agora só vejo comédia romântica,
dessas que não valem o preço do ingresso.
Ando abençoando a alienação,
eu que tinha uma dificuldade crônica em concordar com os outros,
que consumia arte e perversão, filosofia e rock´n´roll,
literatura e álcool, Almodóvar e beijos lascivos.
Lopes, me quero de volta, eu pago resgate.

Divã

Não era amor. Era uma sorte, uma travessura, uma sacanagem, dois celulares desligados. Não era amor, era melhor.

Divã

Dizer o que depois do que foi dito? Argumentar o que? Eu não amei aquele cara, eu tenho certeza disso! Não era amor. Então era o que? Eu estava feliz, estava tranquila, estava bem sintonizada, e levei uma porrada. Ah, sensação horrível... Não era amor. Não, não era amor, era... era uma sorte, uma travessura... uma sacanagem. Eram dois celulares desligados. Não, não era amor, não. Era inverno, era sem medo. Não era amor. Era melhor.

Divã

Amizade verdadeira é quando você entende a outra pessoa só pelo olhar ou pelo tom da voz. É também quando você pode dizer o que pensa mesmo que a outra pessoa não goste

Mel Fronckowiak

"Estou sonhando e não admito que ninguém me acorde"

"A gente só transformou uma vida chata em duas divertidas".

"medo de ser feliz p sempre"

"será que todo amor vira amizade?"

"Não era amor, era uma sorte. Não era amor, era uma travessura. Não era amor, eram dois travesseiros. Não era amor, eram dois celulares desligados. Não era amor, era de tarde. Não era amor, era inverno. Não era amor, era sem medo. Não era amor, era melhor."

"Medo de ñ dizer aquilo que é essencial..... pq o essencial... agnt nunk diz..."

"Se na minha vida eu tive algum problema, com certeza não foi por falta de felicidade"

"ele nao disse enfim sos, ele disse, enfim juntos "

"Pra mudar é preciso dar o primeiro passo!"

" O fim nunca é bom, se fosse bom seria o começo..."

"Preciso saber se eu sou uma pesoa desejável, ou então se provoco encantamento gratuito"

"Sempre falei dela no presente...
Será difícil falar no passado..."

"E agora Mercedes? Separados, quem somos?
Somos um programa de televisão que saiu do ar e como ninguém desliga o aparelho o aparelho de TV fica aquele chiado incomodando no escuro.
Somos a lembrança de um beijo que não foi dado.
Se vc não queria ser infeliz comigo, saberá ser infeliz sozinha?"

"Ser infiel...é diferente de ser desleal" ou "ele é infiel mas não é desleal"

"pq mulher não envelhece, mulher fica loira!"

"então chora mermo Mercedez, chora mermo q esse negóciu de ñ chorar isso é invenção de samurai, de caubói..."

"Se um dia eu já tive problemas, não foi por falta de felicidade"

Divã - Filme

A saudade é um espaço, que voce não preenche.
Tristeza, é a falta da realização de um desejo.

Diva Barbosa Nunes

Procure manter a tranquilidade, ela será a única passagem para encontrar as soluções.

Para encontrar um grande e verdadeiro amor, é necessário que primeiro ame a si próprio!

Diva Barbosa Nunes

"Existe aqui uma mulher
Uma bruxa, uma princesa
Uma diva, que beleza!
Escolha o que quiser
Mas ande logo
Vá depressa
Nem se atreva
A pensar muito
O meu universo
Ainda despreza
Quem não sabe
O que quer..."

Ana Cañas

•••••••••SOU UMA DIVAHH•••••••••

Diva não ama.......é amada!
Diva não anda........desfila!
Diva não danca.......arrasa!
Diva não se acha.....e procurada!
Diva não é boa......é otima!
Diva não e facil.........é inrresistivel!
Diva não e a melhor.....diva é exclusiva

POR ISSO Q EU SOU UMA DIVA!!!!♥

Gleici DivahH

Sou uma diva...Divas nunca descem do salto!
Sou uma Lady...Lady's não correm, apenas andam rápido!
Sou uma princess...Sempre delicada!
Sou fabulous...Para sempre linda!
Sou perfect...Glamour não me falta!
Sou fashion...Sempre na moda!
Sou poderosa...Sim e sempre!
Sou uma doll...Sim e verdadeira!
Sou sexy...Muito,se Deus não me deu vc é pq existe coisa melhor!
Sou convencida...Sinal que eu posso,sempre realista!
Sou uma star...Sim e pode deixar que eu sei que brilho mais que vc!
Sou patty...Não,só me produzo!
Sou metida...Vc que pensa,só mostro minhas qualidades!
Sou mara...Sim, pq eu posso,mais já vc, prefiro não comentar!
Sou inigualável...Sim,o resto é xerox,se for para copiar tente fazer melhor,duvido que consiga!
Me quer...Tenta.Estou aberta para negociações,mais vou logo avisando não sou para quem quer e sim para quem pode!
Sou díficil...Não,só me dou o devido valor que mereço!
Não gosta de mim...Lamento, não preciso agradar ninguém para ser feliz

eu(Bruna)

Tenha um objetivo e, mais cedo ou mais tarde, você acabará no
divã de um psicanalista. Minha visão é a de uma vida sem objetivos.
Essa é a visão de todos os budas. Tudo simplesmente é, por nenhuma
razão em absoluto. Tudo é simplesmente um completo absurdo. Se isso
for entendido, então qual é a pressa? E pressa para quê?

Osho

é uma atriz, tão menina, e de vez em quando umas entonações sabidas de balzaquiana, ironias de diva, charme de gatinha.

CFA