Detesto Você

Cerca de 1597 frases e pensamentos: Detesto Você

Detesto esse silêncio frio e aterrorizante que parece estar me engolindo e atende pelo nome de Solidão

Harry

Das poucas coisas que detesto, não por gosto, mas por ser humano, é a ironia. Mente como a falsidade, provoca como o sarcasmo e judia com a felicidade de quem a recebe.

Federico Ezequiel Devito

Eu detesto hipocrisia, egocentrismo e falsidade. Pessoas que gostam de posar de boazinhas e ser centro das atenções.
Não gosto quando dão mil voltas antes de chegar ao assunto, discursos vazios e palavras sem emoção. Fico extremamente irritada com as pessoas que não respeitam o mau-humor alheio, sociáveis demais, que reclamam quando xingo ou quando acreditam que sou obrigada a ouvir lições de moral. Detesto quando usam esses clichês idiotas como "no final dá tudo certo" ou "tenha paciência". Não gosto que me subestimem, mintam pra mim e também não suporto gente medrosa. Detesto tudo que é normal demais, simples demais, igual demais.
Quem sou? Ah, eu também gostaria de ter essa resposta. Sou complexidade, confusão, dúvida, anormalidade, mistério. Sou o desconhecido, o intocável, o indecifrável. Ora mulher decidida, ora menina vulnerável. Eu? Ah, sou um ponto de interrogação.

Thaís Muniz

Detesto medos sem fundamento...e arrependimentos no meio do caminho...detesto brasas mal acesas e fogueiras que não queimam...

Danielle Sgorlon

Detesto jogo de baralho porque me lembra namoro. Tenho de ficar supondo o que a outra pessoa está pensando.

Ricardo Barbosa

Eu insisto nas pequenas atitudes, nos pequenos gestos, nas pequenas (grandes) palavras. Detesto quem não cumpre o que promete. Se você disse que ia fazer, por favor, faça. Se você disse que ia responder um e-mail, que ia retornar uma ligação, que não ia mais gritar com o gato, que ia guardar suas roupas no armário, faça. As pessoas têm a triste mania de não honrar com as palavras e com os compromissos. E isso pra mim é a pior falta de respeito que existe. Palavra não existe à toa.

Clarissa Corrêa

Adoro receber elogios, afinal, quem não gosta? Só não venham querer dizer que sou perfeita. Detesto perfeição.

Letícia Beppler

Aqui pra nós,
Detesto o que limita minha beleza,
minha educação e meus bons costumes,
gosto do meu sorriso, da minha integridade,
do que sou e do que posso ser,
não sou boazinha, apenas vivo de reciprocidades,
não me prendo a um espelho que só tem reflexos,
gosto do que é real....
gosto de mim...

Cecilia Sfalsin

"Eu te odeio", disse ela para um homem cujo crime único era o de não amá-la. "Eu te odeio", disse muito apressada. Mas não sabia sequer como se fazia.

Clarice Lispector

Preciso parar, preciso esperar. Mas a solidão dói e eu sigo inventando personagens. Odeio minha fraqueza em me enganar. Eu invento amor, sim e dói admitir isso. Mas é que não aguento mais não dar um rosto para a minha saudade. É tudo pela metade, ao menos a minha fantasia é por inteiro.. enquanto dura. No final bruto, seco e silencioso é sempre isso mesmo, eu aqui meio querendo chorar, meio querendo mentir sobre a vida até acreditar. E aí eu deito e penso em coisas bonitinhas. E quando vou ver, já dormi.

Tati Bernardi

“Eu não fumo, eu odeio cigarro, eu odeio atravessar a festa inteira pra chegar até lá fora, eu odeio a amizade instantânea das rodinhas de fumantes que não se conhecem, eu odeio festas em geral, eu odeio papos de festa, eu odeio conhecer gente que não tem nada a ver comigo, e sorrir para os papos mais furados do mundo. Eu sei, eu deveria beber. Mas pra quê? Pra achar essas pessoas legais? Pra suportar o insuportável? Sou cínica demais pra dar esse gostinho ao mundo.”

Tati Bernardi

Há pouco estive chorando, sem saber exatamente por quê. Às vezes odeio esta vida, estas paredes, essas caminhadas de casa para a aula, da aula para casa, esses diálogos vazios.

Caio Fernando Abreu

"E eu odeio o mundo por isso, eu acho o mundo muito medíocre, eu tenho pena de todas essas pessoas que não sabem o que é encaixar o rosto no vão das suas costas e querer ser embalsamado ali por mil anos. Amor de verdade não acaba, é o que dizem, mas eu tenho medo. Eu tenho medo de quantos mijos, bocejos, cinzas e óculos de surfistas eu ainda vou ver sem você, eu tenho medo dos meus pedaços espalhados pelo mundo, eu tenho medo do vento passar enquanto eu estou míope, e eu ficar míope pra sempre. Eu tenho medo de tudo isso apagar e o vento levar suas cinzas, desse fogo todo ser de palha, como dizem. Da dor que se dissipa a cada respirada mais funda e cheia de coragem de ser só. Eu tenho medo da força absurda que eu sinto sem você, de como eu tenho muito mais certeza de mim sem você, de como eu posso ser até mais feliz sem você. Pra não pensar na falta, eu me encho de coisas por aí. Me encho de amigos, bares, charmes, possibilidades, livros, músicas, descobertas solitárias e momentos introspectivos andando ao Sol. E todo esse resto de coisas deixa ao pouco de ser resto, e passa a ser minha vida, e passa a enterrar você de grão em grão (…)"

Tati Bernardi

Você sabia que todos aqueles “eu te odeio” foi na esperança de ouvir um “..mas eu te amo”?p

Pequena Sereia

Há pouco estive chorando, sem saber exatamente por quê. Às vezes odeio esta vida...

Caio Fernando Abreu

EU ODEIO PARQUE DE DIVERSÃO!

Eu não gosto de montanha-russa. Quando vou ao parque por alguma necessidade filantrópica (acompanhar amigas que esqueceram de crescer), eu prefiro atividades que me causem pouco estresse. Jogar argolas em caixas de fósforo para ganhar bolas gigantes e coloridas (que você inevitavelmente dá para alguém) ou andar naqueles aviõezinhos ridículos que voam a dois metros de altura. No máximo isso. Mas quando o assunto é vida amorosa, não existe escolha. Quando a gente vê, está lá. Sentada na cadeira, sem cinto de segurança, pronta para um loaping. Frio na barriga. Embrulho no estômago. Vontade de sumir. Ai, pára o mundo que eu quero descer! Se analisarmos nossas reações, a vida de solteira é mesmo um parque de diversão. Você acha que é brincadeira e quando vê, seu coração parou. Adrenalina na veia quando o telefone toca. Bombons sonho de valsa se o mundo não dá sinal. Nessas horas, eu (que odeio celular!!) fico olhando para o pobre do aparelho, como se telepaticamente ele pudesse me ajudar. Nada. Nem um sinal. Você deixa pra lá, pensa que foi melhor assim e entra de luto por um dia e meio por essa pessoa sem noção que não teve a decência de te ligar. (Sim, ficamos agressivas quando o assunto é silêncio). O tempo passa. O telefone continua mudo, emails vêm e vão e você nem se lembra mais que tudo aconteceu há uma semana. Até que um dia: pânico. Você atende o telefone furiosa achando que é o psicopata-tarado que vai arrumar seu computador e - surpresa! - uma voz fala tudo o que você quer ouvir. Mentira. A voz fala Oi! e um monte de ecos e você - pega de surpresa - tenta ser doce, divertida e inteligente, tudo ao mesmo tempo. Você (que também não tem capacidade de discernimento) acha que este é o momento decisivo para pegar seu ingresso e entrar de novo no jogo. Ok. Você fica tão afobada que nem deixa a pessoa respirar. Nem falar. Você desliga o telefone. Você canta musiquinhas bregas. Você fica feliz. Você compra uma blusa de bojo. Você liga para a melhor amiga. Você marca salão para fazer as unhas do pé e da mão (sem saber se terá tempo). Você sonha com um possível beijo. Você desce da montanha-russa e acha que entrou no "Mundo da Imaginação". Engano seu. Você não é a Xuxa. A voz - maravilhosa! - te leva para um Interprise tosco e te vira de cabeça pra baixo, sem direito a tomar fôlego. Mas você está brincando, não está? Então você manda uma mensagem doce (porque você é boba mesmo) e a pessoa não te responde. Como assim? Você não acredita. Você fica com pulgas e percevejos atrás da orelha. Remexe seus pensamentos e imagina o que fez de errado. O que falou de errado. Ah... Você falou demais! Você sempre fala demais! Claro que você assustou a pobre-criatura que deve te achar uma ninfomaníaca de marca maior. Não, você foi super discreta. Talvez seja isso. Talvez não. Talvez seja os 260 ml de silicone que você tem em cada peito. É... Muito peito para um encontro só. Talvez seja isso. Mas não importa. Você fica arrasada assim mesmo. Você acha que existe uma conspiração contra meninas solteiras que não querem mais ser solteiras. Você então resolve que não precisa mais malhar. Nem ler Nietzsche. Nem tentar entrar para o Clube das lindas porque você já foi excluída. Droga! Tinha tudo pra dar certo! Tudo! Claro que vocês nem se conheciam direito, mas havia alguma coisa no ar (Não é assim que acontece?). Você então radicaliza: abre uma lata de leite condensado e joga um monte de sucrilhos lá dentro. (Alguém já me viu fazendo isso?). Você come. Se lambuza. Come mais. Está doce até a alma. Depois dessa overdose calórica, você deita na cama, começa a achar sua barriga enorme e começa a escrever abobrinhas para ver se o tempo passa e sua decepção consome o açúcar ingerido. Não, você não está louca. Você foi ao parque achando que era brincadeira. Você queria apenas se divertir. Mas brincadeiras também têm seu preço. Vale a pena correr o risco de novo? Ou melhor: Quando se trata do coração, sempre embarcamos numa montanha-russa?

Fernanda Mello

Odeio saber que terminou. Odeio encarar a solidão de não ter mais pra quem me consertar. Odeio não ter mais por que me consertar. Odeio a liberdade de poder ser eu mesma. O tal do livre arbítrio nunca me fez feliz. Mas você sim, você me fazia feliz.

Maria Paula Fraga

Odeio saber que terminou. Odeio encarar a solidão de não ter mais pra quem me consertar. Odeio não ter mais por que me consertar. Odeio a liberdade de poder ser eu mesma. O tal do livre arbítrio nunca me fez feliz. Mas você sim, você me fazia feliz. E eu odeio ter que ser feliz sem você. E odeio a certeza de que você consegue ser feliz sem mim. Odeio a sua felicidade. Odeio a minha vontade que você seja infeliz. Odeio não saber ser feliz. Odeio querer que você volte. Odeio tentar te esquecer sabendo que não vou conseguir. Odeio não conseguir. Odeio tentar. Odeio odiar.

Maria Paula Fraga

Odeio você...
Odeio quando fica tentando me irritar.
Odeio o jeito como me olha.
Odeio quando joga o cabelo por cima dos olhos.
Odeio o tom da sua voz.
Odeio quando me faz surpresas.
E principalmente, odeio não conseguir te odiar.
Basta parar e pensar para perceber:
Odeio = Amo...

Isabelle Nunes