Depoimentos para Colegas de Sala de Aula

Cerca de 968 depoimentos para Colegas de Sala de Aula

Texto redigido há quase 10 anos deslindado num desses cadernos antigos numa época em que o Colégio Santa Mônica formulava uma série de advertências para a mamãe Zenaide assinar.Hoje,dia 14/11/2012,este vem à tona.

Título:Daniel,

Estou hoje no quarto escuro,
meus pais não se falam,
as luzes queimaram,
acendi a vela.

Não sei o porquê rezo se nada funciona.
Tiro notas vermelhas como vulcão;
notas incapazes de transmitir quem eu sou,
ou quem sou capaz de ser.

Existe um vasto caminho entre o "Era uma vez" e o "Nunca mais";
este extenso a que de vida quem o chamarás?
E que nenhuma professora na escola ensinar foi capaz.

Vou morrer só,
talvez me forme num curso inútil num futuro ainda mais,
talvez;
não sei quem serei ou mesmo se quero ser,
não sei.

O que descubro desse mundo é que ser inteligente é ser cruel,
e como em todos os rascunhos dessa folha;
Daniel.

(07/10/2003) Aquele menino revoltado de 13 anos estava certo e o mundo errado.

Daniel Muzitano

Um garoto adolescente, excluído do colégio e sem muitos amigos, se apaixona perdidamente pela garota mais legal que ele conhecera até ali. Ela, no entanto, namora um garoto mais velho e bem babaca, e não liga muito para nosso protagonista. Ele vai até seu confessor, uma das únicas pessoas com quem tem intimidade para fazer esse tipo de pergunta, seu professor de literatura. E diz: Por que algumas pessoas se apaixonam pelas pessoas erradas? Ao que o professor responde: Charlie, nós aceitamos o amor que achamos que merecemos.

Quem viu uma das pequenas pérolas do cinema do ano passado, As Vantagens de Ser Invisível, reconheceu o diálogo acima na cena entre Logan Lerman e Paul Rudd. É uma das frases que valem o filme (e o livro no qual ele foi inspirado). Aqueles momentos em que você para e pensa: não é que é assim mesmo?

Quantas vezes você já não saiu de um namoro que, seis meses depois, soava deslocado, fora de sentido? Como eu pude me apaixonar por esse cara? Jura que eu passei tanto tempo com uma mulher assim? Pois é, passou. Às vezes foi por conformismo mesmo. Por não conseguir olhar para fora de si e imaginar novas aventuras que valessem a pena, por fechar uma janela para o resto do mundo por preguiça (ou medo, muito medo) de ter que se esforçar mais do que o confortável para buscar a felicidade em outra pessoa.

Mas às vezes o problema está mais a fundo. Porque medo a gente reconhece e, munido de uma boa lanterna contra o escuro e o desconhecido, a gente eventualmente enfrenta. Mas auto-estima é um problema daqueles que cola e não desgruda mais. Que está tão colado, tão fundo, que a gente nem percebe que a maior parte das nossas ações é decidida não apenas por nosso poder de escolha, mas pela imagem que fazemos de nós mesmos. Matricular-se na academia, voltar a estudar, mudar de emprego estão sempre condicionados ao “eu me acho capaz disso?”.

E no amor não é diferente. Eu me acho capaz de amar mais do que isso? De viver um amor de verdade, arrebatador, gigantesco, fundo e completo? É o famoso “Ela conseguia coisa melhor” que um amigo fala pro outro quando conhece o novo namorado da fulana. Ela até poderia conseguir alguém que a tratasse melhor, que a amasse mais, que fizesse a abraçasse bem forte ao invés de virar pro lado na hora de dormir, que a respeitasse mais, que, quem sabe, vai saber, até a admirasse. Que ficasse sorrindo de bobeira na hora em que ela trocasse de roupa. Que repetisse, de vez em quando só pra lembrar, que ela é a mulher mais incrível que ele já conheceu na vida. Mas nós aceitamos o amor que achamos que merecemos. E quem acha que merece tudo isso, né? Alguém mais feliz.

Vana Medeiros

A MARCA DO AMOR
Um menino tinha uma cicatriz no rosto,
as pessoas de seu colégio não falavam com ele e nem sentavam ao seu lado,
na realidade quando seus colegas de colégio o viam, franziam a testa porque a cicatriz era muito feia.
Então a turma se reuniu com o professor e foi sugerido que aquele menino da cicatriz não freqüentasse mais o colégio. O professor levou o caso à diretoria do colégio.
A diretoria ouviu e chegou à seguinte conclusão:
Que não poderia tirar o menino do colégio,
e que conversaria com o menino e ele seria o último a entrar em sala de aula
e o primeiro a sair, desta forma nenhum aluno via o rosto do menino,
a não ser que olhassem para trás.
O professor achou magnífica a idéia da diretoria,
sabia que os alunos não olhariam mais para trás.
Levado ao conhecimento do menino a decisão, ele prontamente aceitou a imposição do colégio,
com uma condição:
Que ele compareceria na frente dos alunos em sala de aula,
para dizer o por quê daquela CICATRIZ.
A turma concordou,
e no dia marcado o menino entrou, dirigiu-se à frente da sala de aula e começou a relatar:
- Sabe turma, eu entendo vocês,
na realidade esta cicatriz é muito feia, mas foi assim que eu a adquiri: minha mãe era muito pobre e para ajudar na alimentação de casa e passava roupa para fora,
eu tinha por volta de 7 a 8 anos de idade...
A turma estava em silêncio atenta a tudo.
O menino continuou:
- Além de mim, havia mais 3 irmãozinhos, um de 4 anos, outro de 2 anos e uma irmãzinha com apenas alguns dias de vida.
Silêncio total em sala.
-... Foi aí que não sei como,
a nossa casa que era muito simples, feita de madeira, começou a pegar fogo. Minha mãe correu até o quarto em que estávamos, pegou meu irmãozinho de 2 anos no colo, eu e meu outro irmão pelas mãos e nos levou para fora. Havia muita fumaça, as paredes que eram de madeira pegavam fogo e estava muito quente...
Minha mãe colocou-me sentado no chão do lado de fora e disse-me para ficar com eles até ela voltar,
pois tinha que pegar minha irmãzinha que continuava lá dentro da casa em chamas.
Só que quando minha mãe tentou entrar na casa em chamas as pessoas que estavam ali
não deixaram. Eu via minha mãe gritar:
- Minha filhinha está lá dentro!
Vi no rosto de minha mãe o desespero, o horror e ela gritava,
mas aquelas pessoas não deixaram minha mãe buscar minha irmãzinha...
Foi aí que decidi.
Peguei meu irmão de 2 anos que estava em meu colo e o coloquei no colo do meu irmãozinho de 4 anos e disse-lhe que não saísse dali até eu voltar.
Saí por entre as pessoas sem ser notado e quando perceberam eu já tinha entrado na casa.
Havia muita fumaça, estava muito quente,
mas eu tinha que pegar minha irmãzinha.
Eu sabia o quarto em que ela estava.
Quando cheguei lá ela estava enrolada em um lençol e chorava muito...
Neste momento vi cair alguma coisa,
então me joguei em cima dela para protegê-la,
e aquela coisa quente encostou em meu rosto...
A turma estava quieta atenta ao menino e envergonhada. O menino continuou:
- Vocês podem achar esta CICATRIZ feia, mas tem alguém lá em casa que acha linda e todo dia quando chego em casa, ela, a minha irmãzinha, me beija porque sabe que é marca de AMOR.
Vários alunos choravam,
sem saber o que dizer ou fazer,
mas o menino foi para o fundo da classe e quietamente sentou-se.
Para você que LEU esta história,
pense o seguinte: o mundo está cheio de CICATRIZES.
Não falo da CICATRIZ visível mas das cicatrizes que não se vêem.
Estamos sempre prontos a abrir cicatrizes nas pessoas,
seja com palavras ou nossas ações.
Autor Desconhecido

Via Loba branca

Tudo começou quando uma aluna do terceiro ano no meu colégio estava de aniversário, nesse sábado. Não pude ir, eu apenas fiquei sabendo sobre o que aconteceu na festa.

"Ai, fulano ficou com fulana, beltrano ficou beltrana, acredita que ciclana agarrou o ciclano no meio da festa e a festa toda parou só pra ver eles??? Por essa, eu não esperava! Aí a tia Claudia (mãe da aniversariante) adorou eu a beltrana porque não ficamos com ninguém na festa!"

Ué, não fez mais do que ter bom senso. Os jovens, hoje em dia, consideram o fato de 'pegar' alguém como uma conquista, uma façanha, e que deve ser exibida para todos em redes sociais. Eles fazem isso apenas por diversão, mas não por se amarem de verdade. É só aquela coisa 'do momento' e já acabam (aquilo que nunca começou de verdade) e continuam a 'pegar' mais gente. Isso não leva ninguém a lugar algum. Só fica famosinho entre os jovens babacas por ter ficado com um monte de gente, mas e pra vida, você vai levar algo bom disso? Vai te tornar uma boa pessoa? Vai fazer com que você seja bom naquilo que você faz ou trabalha? Vai te tornar mais inteligente? A resposta é mais do que óbvia, mas essa juventude se deixa levar pelos prazeres e não pensa nisso. Isso tudo é muito banal. Se algum dia eu 'ficar' com alguém, é porque eu realmente amo essa pessoa. E por isso, eu gostaria que ela lesse esse texto.

cyclonesword

QUEM SOU EU...

O meu nome e Wesley, tenho 14 anos, estudo no colégio João Caminha de Oliveira na minha vida eu passei por várias dificuldades depois da separação dos meu pais ao os três anos de vida minha mãe arranjou uma pessoa ele começou ser meu pai eu mim perguntava porque os meus pais si acebaram chegou um dia minha mãe falou por que ela sobe que estava sento traída ;o meu pai não mim dava de comer eu i minha fomo para casa do meu avo chegou um dia que ele ficou doente levaram ele para o hospital posso um dia ele morreu; a minha mãe estava gravida do Gabriel, eu sentia soe-me do meu irmão por que ela cuidava mais deli menos de mim etc .

Wesley Amaral

Qualquer formatura de colégio, hoje, é mais produzida do que os shows que os Beatles fizeram.

Humberto Gessinger

As aulas da vida

Quando no colégio todos os dias
Eu aprendi e vou te contar
Só nao passa de ano
Quem não quiser estudar

Nas aulas de matematica
Eu aprendi a contar
Eu contava os segundos
Pra aquela aula acabar

Nas aulas de português
Aprendi a ler e soletrar
Eu lia cartas , lia bilhetes
Menos o que o livro queria ensinar

Nas aulas de quimica
Eu prendi a quimica de um olhar
Queria juntar meu dna no dela
Pra uma nova vida formar

Na fisica eu aprendi
Que dois corpos a se tocar
Acaba gerando atritos
Causa varias reaçoes faz incendiar

Com as aulas de história
Eu vi que tudo vai passando
Mas o passado deixa rastros
Que é dificil de se apagar

Aprendi com a biologia
Que a vida nao pode parar
Nao fique ai sozinho
Ache logo alguem pra ficar

Nas aulas de sociologia
Eu aprendi a me socializar
Debatendo os assuntos
Para minha vida melhorar

Com a filosofia aprendi a pensar
Pensei como um pensador
Refleti sobre quase tudo
Mas meus pensamentos era só sobre amor

Me e nas aulas de inglês
Eu nao prestava atenção
Eu ja sabia dizer i love you
Me achava bilingue , só que não

Nas aulas de geografia
Aprendi como me guiar
Olhando as estrelas no céu
De norte a sul posso te encontrar

E nas aulas de artes
Eu ja sabia o que desenhar
Desenhava feito um artista
Rosas e coraçao sem olhar

Nao posso me esquecer
Educaçao fisica nao podia faiar
Brinquei feito uma criança
Nao me cansava de jogar

Em todas as materias eu passei
A minha formaçao , é quase completou
Os anos se passaram
Mas as aulas ainda não acabou

No colegio eu fui um bom aluno
De tudo um pouco eu conheci
Mas só com uma mulher
O melhor da vida eu aprendi

Mas isso é a aula aqui fora
Aula que nao posso faltar , nem gazear
Entao deixo a voçe uma lição
Tenha o privilégio de aqui estar

Lucaz Antunez

Acordei um passarinho...

Um dia destes eu cheguei do colégio tão cansado que fechei os olhos, dormi, acordei um passarinho...um pardal marronzinho da cor da terra, um passarinho tão comum que ninguém nota, não notam quando voa, não notam quando pousa e nem quando canta...
Todo mundo conhece o canto do sabiá, conhece o canto do canarinho, do bem-te-vi...e do pardal? nem sabem se canta, mas canta, canta feliz, canta livre, ninguém prende pardal em gaiola por isso quem quer ver, enxerga os pardaizinhos tomando banho nas poças d’água, comendo pitanga nas pitangueira da beira do rio e até alguns que se aventuram e entram pela janela para comer as migalhas da mesa do café...
É ontem eu fui dormir um gurizinho, e quando o sol brilhou eu era um passarinho!

Andre Saut

Sempre quis o melhor, sempre acordei as 7 e meia da manha pra ir pro colegio, sempre vi aqueles prédios gigantes e sempre quis a cobertura.
Mais por um acaso eu acordei mais cedo abri a janela e vi o dono da cobertura daquele prédio saindo pra trabalhar olhei no relogio e era arrecem 6 horas.
Quando passei pelo prédio me contentei com o primeiro andar.

Keller Vieira

''COLÉGIO'', uma palavra, 7 letras, e um só significado fica para sempre cada momento que passamos nele.

Deborah Rossony

O Tênis Vermelho

Um garoto caminhava pela rua a caminho do colégio. Procurava obsessivamente muros onde pudesse se esconder e observar as pessoas que passavam. O motivo era a vergonha que então sentia pelo tênis que estava usando e que comprara com sua mãe havia dois dias.

A cor do calçado era vermelha e o menino se encantou logo que o viu pela primeira vez. A mãe elogiou e disse que o tênis ficava ainda mais bonito em seus pés...

O primeiro dia de uso foi na escola. Para a tristeza do garoto, o tênis não agradou aos colegas, que logo começaram a zorra. O menino escutou todos rirem dele calado, pois não encontrava força para reagir. Apenas uma frase ficou em sua mente, como um eco infinito:

- Você é mesmo muito esquisito!

Na volta para casa, as lágrimas eram maiores que seus passos. Quando a mãe soube do ocorrido, lamentou a tristeza do filho e teve que lidar com a situação de não poder fazer algo, afinal carecia de dinheiro e o tênis foi comprado depois de muita economia.

No dia seguinte, o menino não teve outra escolha a não ser ir ao colégio com o tênis vermelho, e foi daí que a história começou a ser contada. Entre um muro e outro, foi interrompido por um senhor sentado na calçada que tinha barba e cabelo bem grandes e brancos. O senhor perguntou o que se passava e o garoto desabafou. Comovido, o senhor se lembrou do seu passado, quando todos os colegas fizeram piada do boneco de pelúcia que ele carregava escondido dentro da mochila. Mas o que ninguém sabia era que o boneco era a única lembrança deixada por sua falecida mãe, que tanto fazia falta...

Na época, sua tristeza foi consolada por um morador de rua que ficava em frente ao colégio, dizendo que "o mal do homem é criticar aquilo que ele não sabe o motivo da existência". Por isso, o senhor se achou na obrigação de dizer algumas palavras ao menino, na condição de morador de rua que se encontrava. Então ele pensou por um instante e citou o pensamento oriundo de sua reflexão:

- Todos nós somos um pouco estranhos. A normalidade não existe, a não ser na mente iludida dos ignorantes. A vida é mais que os risos da crueldade, que os risos da escuridão. Esses foram os risos que você ouviu, risos sem luz; sem verdade. Pergunte a si mesmo: eu sou estranho ou os outros é que são normais demais?

O garoto pensou e em seguida respondeu com segurança:

- Os dois.

A resposta foi validada pelo senhor:

- Exatamente. Os outros são normais demais porque não se conhecem, porque preferem ser um padrão social. Já você é estranho porque eu também sou e porque todos somos, porém só alguns sabem e entendem esse segredo. Parabéns pela sua estranheza que te faz sábio!

O senhor então foi embora e levou junto a angústia do menino, que estranhou o sorriso que ficara em seu rosto...

tiago oliveira

Quando a estrutura fracassa

Aprendemos deste o tempo de colégio, que todos participamos de uma democracia, temos hierarquias e nossos representantes são eleitos pelo voto popular. Aprendemos a respeitar leis e que de certa forma temos direitos e deveres, o que a principio no papel parece ser lindo e eficaz.
Passa o tempo e acabamos por descobrir, que é função do governo garantir bom atendimento na área de saúde, segurança para todos e educação de qualidade, inevitavelmente começamos a nos deparar com questionamentos, se é função do governo aplicar a pesada carga tributaria para o bem do povo, por que o povo não o recebe da forma correta?
Vemos com o passar das eleições que entra partido e sai partido, as ideologias nas propagandas são diferentes, mas as atitudes na realidade são as mesmas. Acusações de privatizações e corrupção.
O governo é uma estrutura que teoricamente não visa lucro, ele recolhe impostos e com estes impostos ele melhora a qualidade de vida de seu povo. Quando ele privatiza ou terceiriza um serviço, ou entrega um bem publico para ser dirigido por pessoas do núcleo privado o foco muda, passa-se a visar o lucro, pois diferente do governo empresas que assumem esse papel visam cifras e muitas vezes não o beneficio do povo.
Mas os impostos não diminuem mesmo essas estruturas estando administrados por terceiros, uma despesa a menos para o governo e uma carga tributaria a menos para o povo, um bom sonho. Mas não basta apenas demonstrar incapacidade de gerir a maquina publica, é necessário corrompe-la, desviar a verba publica.
Hoje em dia a politica é vista como uma forma de enriquecer, muitas pessoas entram nesse meio não para melhorar suas cidades e estados, mas porque sabem que os salários fora da realidade o faram mudar de patamar, ter melhor vida, já que o trabalhador comum pena com uma renda que beira o vexatório.
As manchetes de revistas e jornais são sempre as mesmas, denuncias e mais denuncias, apenas um reflexo das escolhas mal feitas e da cultura imposta no país. Mas em determinados momentos, raros momentos a estrutura racha, fica praticamente insuportável suporta-la, é quando os protestos começam a ganhar força.
Está escrito na história do mundo, grandes mudanças somente acontecem quando o povo se une por um ideal, não importa a nação, quando as pessoas chegam ao seu limite, quando elas saem do estado de letargia se dá inicio a mudanças significativas na estrutura e na cultura de um país.
Isto não é mais raro de acontecer, com o avanço da comunicação, do esclarecimento, da informação na velocidade da luz, está cada vez rápido tomar conhecimento da dilaceração que existe na politica. O que nos remete a varias perguntas como se estamos no modelo de economia certo, se estamos no modelo politico correto e se estamos no modelo de sociedade ideal.
Ter cidadania, ser justo e correto nem sempre é aceitar o que se apresenta como verdade, é questionar e buscar mais respostas, e se não encontra-las, exercer o direito legitimo de liberdade de expressão. Talvez as pessoas tenham confundido, pagar impostos, calar-se diante das indiferenças, estar confortável em seu sofá muitas vezes é estar tendo uma existência mecânica, viver muitas vezes exige riscos e sentir-se vivo é lutar pelos seus ideais, mesmo que muitas vezes sozinho.

Pablo Gabriel Ribeiro Danielli

- Porque que sempre que , você ta conversando com alguem do seu colégio , você tem que perguntar " Tu vai pro colégio amanha " ?!

CarolinaSiebra

Reprovar no colégio por causa de namorado, sem comentários, no futuro ela vai dizer "Olha amor virei lixeira por sua causa que lindo né?"

Darkyn

Sempre me dei bem com despedidas, contando as vezes que mudei de colégio. Meus amigos nunca duraram mais que três anos, digo em presença material mesmo, porque alguns levo para sempre. Hoje eu entendo a minha frustração em lidar com amizades quando elas começam a crescer, porque nunca sei direito em que ponto elas podem terminar. Ouço constantemente frases como “você é tão frio” ou “porque nunca demonstra o que sente”, e confesso que também não sei responder. Talvez esse seja o meu jeito, ou talvez foi isso o que sobrou de mim. Quando falo em sobras, me refiro aos desencontros e as angústias em levar prazo de validade em tudo o que aparece na minha vida. Quando, na verdade, o prazo de validade está em mim.

Matheus Silva

Pare! Olhe em volta, passamos a vida toda tentando ser perfeitos. Notas altas no colégio, melhor cargo na empresa, queremos ser melhores em tudo, e apenas esquecemos de viver, e do nada tudo pode ser levado com apenas um descuido, na hora de atravessar a rua por exemplo, pare de perder tempo tentando ser o melhor, seja você! Viva intensamente, ria bastante, aproveite, pois não sabemos se estaremos aqui amanhã.

Desconhecido

A espera e você me notar.
Tem dias que eu chego em casa do colégio com uma vontade de passar o dia na cama só chorando. Queria ser aquela menina que você sonha em um dia namorar, aquela que você sente desejos em beijar em estar junto para sempre. Como posso ser essa garota sem nem ao menos sou bonita e você nem sabe que eu existo? Queria que você me notasse e percebesse que sou eu quem você sempre quis que sou eu a sua garota perfeita dos sonhos...

Jessy Mikaelly

Perigo algum é maior, para a sociedade, do que está alguém no colégio com a aparência de aluno e não ser um aluno de objetivo.Tem preguiça de trazer para escola o livro que ganhou. O convite para lanchar de graça é o maior motivo para largar o professor falando sozinho e sair correndo derrubando as cadeiras e messas. Estes vão deixar a bicicleta, que ganharam do governo em casa, e virão para escola a pé com preguiça de pedalar. Outros vão descaracterizá-la para disfarça que não está no grupo dos tais... Eu nunca vi um ciclista comum de capacete. Vai desperdiçar dinheiro assim para lá!

Claudeci Ferreira de Andrade

É bom saber que você nunca está sozinho ,que pessoas maravilhosas do Colégio Pedro II podem te ajudar com um simples abraço e um simples sorriso.

Naatyzica

Sou daquelas que chegava no colégio, largava a mochila e ia jogar 3-1 com os meninos no ginásio! (LINHA!) Odiava pular elástico! --

Letícia Beppler