Depoimentos para Avó

Cerca de 193 depoimentos para Avó

A gente nasce, cresce, começa a criar nossas raízes, vive, apanha. Cria novas histórias, novos laços, amigos e momentos, nos perdemos no tempo, nos erros, caímos e choramos. Nos reerguemos, recomeçamos e aos poucos nos repomos, cultivamos novas amizades, resgatamos os laços e amizades verdadeiros e continuamos. Por fim envelhecemos, experientes, calejados e sábios, até o dia em que deixamos de fazer parte desta vida. Assim é a vida, um ciclo, onde nascemos, vivemos o nosso tempo e partimos, onde passamos anos tentando fazer o certo, da melhor maneira possível, quando na verdade fazer o correto da vida é viver o presente sem se preocupar com o amanha, pois hoje nos sabemos o que podemos fazer, para onde ir... No amanha, tudo pode mudar e a vida é uma caixinha de surpresas... Não permita-se ficar preso as suas emoções, deixe-as fluírem, viva a vida da forma que queres, seja feliz enquanto há tempo, pois não sabemos quanto tempo ainda nos resta!

Rodolfo Rodrigues dos Santos

"TERRAS CATARINAS"

Lembro dos campos nevados
das poças congeladas
que meus pés de menino
insistiam em pisar
até quebrar
até congelar
até saciar...

Lembro da mata em setembro,
das flores do Jacatirão
da ameixeira torta
de tantos frutos
já cansada
quase morta...

Lembro da velhinha de pés descalços,
descendo a montanha faceira
um balaio de aipim na cabeça
como se peso não houvesse
como se ver os netinhos
fosse-lhe o céu prometido...

E tudo pra ela era fácil:

Raio era "a luz do céu"
trovão um boa noite de deus...
Os ventos de Junho e Julho
tinham que existir
para quebrar os galhos das árvores
que queimariam no fogão
para ferver a agua
para fazer o mate
que nos reuniria
em volta da quente chapa

e o calor das pessoas
era mais quente que o fogo...

Lá na Serra Catarina
de onde me sorri uma menina
que há muito tempo se foi...

(M. J. Ventura, Macapá, AP, 2006)

Mario Jose Ventura

Viagem dos Filhos

Viajando em companhia do silêncio
A saudade turva meus olhos
É o passado pedido: “Volta só um pouco”
Algo que não tenho em minhas mãos

Mas tenho boas lembranças e isso me conforta muito
Sei que essa ansiedade estará tudo resolvido nesta viagem.
No final desta longa estrada, os seus braços estarão abertos.
E sei que seu sorriso estará aberto em sua linda face.
Recebendo-me melhor do que imaginei

Mas porque será que me atrasei?
“Ah, claro! Para fazer paradas “
São paradas para fazer historias e deixar saudades
Fiz amigos e em algum ponto acho que você me guiou. Sensacional!!!!

Vejo verdes campos e também lugares de difícil acesso. Perigosos sim.
Recordo-me que minha vida toda foi assim mesmo

Não consigo mais prosseguir. Hora de parar para descansar.
O pessoal da parada trata a gente muito bem. São anjos com certeza. São amigos.
Nesta viagem são muitos os obstáculos. Da onde eu parti tive boa orientação
Não será problema. Orientação daqueles que me esperam no final desta vigem.

Meu pai sempre pediu que eu fosse firme, porém falando com olhos adocicados. Meu pai era algo Fantástico.

Seguindo a rota

Não tenho mais a palavra nem o roteiro dos meus avós queridos para me guiar.
Eles conheciam bem o caminho.
Que Saudade.
Então vamos ser fortes.
A estrada é escura e eu não tenho idéia de onde estou indo. Mas sabia que era este o caminho certo.

Chegando à CIDADE LUZ, um senhor barbudo me entrou na frente e com a mão estendida sorrindo diz: “Estávamos a te esperar. Você só não derrapou porque sua carga estava cheio de SAUDADES.”

Senti alguém pegar minha mão e quando olhei ao meu lado vi que era meu PAI.

“Fique firme filho.
Nada de ruim irá te acontecer.
Não acorde. Não agora.
Fica mais um pouco com seu Velho Pai!”

Acontecido

Sergio R.Zamproni

Sergio Zamproni

Papinha do bebê
no rostinho rosado
- que avô babão!

Rogério Viana

Sinto saudade ...

SINTO SAUDADE DO ME AVÔ
A PESSOA MAIS LINDA QUE CONHECI
UMA PESSOA QUE ME AMAVA MAIS DO QUE A SI MESMO
QUE FAZIA DOS SEUS SONHOS OS MEUS
QUE ACREDITAVA EM MINHA MALUQUICES
QUE SORRIA DO MEU JEITO MOLECA DE SER
QUE ME ACONSELHAVA A CADA DIA ME ENSINANDO A VIVER
QUE QUANDO ME VIA TRISTE ME DIZIA SORRIA
QUE ME ENSINOU QUE TUDO É POSSIVEL BASTA ACREDITAR
QUE ME ESNINOU A VER O LADO BOM DE TUDO MESMO QUE RUIM
QUE ME MOSTROU O CAMINHO E ME TORNOU ESTA MULHER QUE SOU
QUE PASSAVA HORAS CONVERSANDO COMIGO NO BANQUINHO DA PRAÇA
QUE ME DIZIA QUE OS PROBLEMAS POR MAIORES QUE PAREÇAM UM DIA ACABA
QUE ME ENSINOU A SER FORTE NOS MOMENTOS DIFICEIS
QUE ME ENSINOU A AMAR O RPOXIMO COMO A MIM MESMA
NOSSA QUE FALTA ELE ME FAZ
SABE ANJO AS VEZES ME SINTIA A DERIVA MAS NO MEU MAR ELE TAVA ALI SEMPRE
PRONTO PRA ME GUIAR ,E HOJE SEM ELE POR PERTO AS VEZES ME PERCO
AS VEZES ME ENFRAQUEÇO E FICO A DERIVA ,E SINTO A FALTA QUE ELE ME FAZ
NOSSA E COMO FAZ...

Bruna Trenelly

O que eu sou ao certo eu não sei...Sou um pouco da minha mãe, da minha avó, Clarice Lispector, de Maysa, de Pagu e Marisa Monte...Sou feita de um pouco de cada mulher que eu admiro.

Cristiane Galvão

Minha avó sempre me diz, que amadurecemos com os danos, não com os anos.

Karol Palumbo

O preconceito é pai da ignorância e avô da estupidez.

Francis Iacona

TRECHO DE: AS MARGARIDAS DO QUINTAL DO MEU AVÔ

Você nunca entendeu o porquê eu tacava a bola com força em você, então. Não era pra te castigar, mas para te mostrar que você é tão frágil quando uma margarida. E que dependendo da força que você tacava a bola, deixava marcas, eternas. Mesmo que a eternidade da margarida durasse um dia.

Mayara Freire

No tempo da minha avó, as mulheres procuravam um homem trabalhador, e inteligente, hoje as mulheres procuram uma BMW e varias notas de 100.

Cristian Vidal

O BOM AVÔ é aquele que pensa e agem como os netos.
Interagindo emotivamente e racionalmente como se fossem da mesma idade deles.
Mas nunca esquecer de guia-los para DEUS.

Antonio S. Sousa

Exemplo de fé, humildade e sabedoria, avó do maior homem do mundo, santa Ana iluminai-me.

Aninha Leandro.

Não confie na frase de sua avó, de sua mãe, de sua irmã de que um dia encontrará um homem que você merece. Não existe justiça no amor. O amor não é democrático, não é optar e gostar, não é promoção, não é prêmio de bom comportamento. Amor é engolir de volta os conselhos dados às amigas. Não se apaixonará pela pessoa ideal, mas por aquela que não conseguirá se separar. A convivência é apenas o fracasso da despedida. O beijo é apenas a incompetência do aceno. Amor é uma injustiça, minha filha. Uma monstruosidade. Você mentirá várias vezes que nunca amará ele de novo e sempre amará, absolutamente porque não tem nenhum controle sobre o amor.

Carpinejar

Minha avó falava que a mulher do vizinho é sempre a melhor, mas aqui na minha rua todo mundo escolheu a mulher do mesmo vizinho, uai!

Charles Canela

Não confie na frase da sua avó, de sua mãe, de sua irmã de que um dia encontrará um homem que você merece. Não existe justiça no amor.
O amor não é censo, não é matemática, não é senso de medida, não é socialismo. É o mais completo desiquilíbrio. Ama-se quem a gente odiava, quem a gente provocava, de quem a gente debochava. Exatamente o nosso avesso, o nosso contrário, a nossa negação. O amor não é democrático, não é optar e gostar, não é promoção, não é prêmio de bom comportamento.
O melhor pra você é o pior. Amor é ironia.

Carpinejar

a menina nasceu
aos olhos do avô ausente
uma mãe, duas meninas

(para Marcela Viana Franzol, minha primeira neta, nascida em 15 de abril de 2005)

Rogério Viana

Velho Estêvo chamando para a ladainha, em dia de festa,
na fazenda do meu avô paterno :
Simbora gente, que depois da reza tem dança.

Estêvo (Nunca soube se tinha sobrenome)

“AVO RAINHA”

Ao topo da serra da Borborema,
Encravada no meio de tantas belezas
Formosa está eu.

Gentil, pacata e hospitaleira.
Aberta aos que me visitam
Com orgulho a recebê-los.

Amando-os, mesmo sem os conhece-los.
Sempre sou correspondida,
Por aqueles que me visitam.

Todos se apaixonam por minhas belezas.
Amo a todos e sou amada por todos.
Que mais? Para ter orgulho de rainha.

Sou Veneza paraibana
A natureza assim me fez.
Bela hostil e hospitaleira.

Com honradez ostento a coroa
Da paz, da fraternidade e harmonia.
De rainha do Vale do Sabgy

Amo tanto o sabugy,
Do pedestal de rainha.
Sinto-me mão ou mesmo avó
Daquelas que se desgarraram
Pra terem suas próprias belezas.

Noaldo Machado de Souto

Ora, se deu que chegou
(isso já fez muito tempo)
no bangué do meu avô
uma negra bonitinha
chamada Nega Fulô.
Essa Nega Fulô!
Essa Nega Fulô!
Ó Fulô! Ó Fulô!
(Era a fala da Sinhá)
- Vai forrar a minha cama
pentear os meus cabelos
vem ajudar a tirar
a minha roupa, Fulô!
Essa Nega Fulô!
Essa negrinha Fulô!
ficou logo pra mucama
para vigiar a Sinhá
pra engomar pro Sinhô!
Essa Nega Fulô!
Essa Nega Fulô!
Ó Fulô! Ó Fulô!
( Era a fala da Sinhá)
vem me ajudar, ó Fulô,
vem abanar o meu corpo
que eu estou suada, Fulô!
vem coçar minha coçeira,
vem me catar cafuné,
vem balançar minha rede,
vem me contar uma história,
que eu estou com sono, Fulô!
Essa Nega Fulô!
`` Era um dia uma princesa
que vivia num castelo
que possuía um vestido
com peixinhos do mar.
Entrou na perna dum pato
saiu na perna dum pinto
o Rei-Sinhô me mandou
que vos contasse mais cinco ´´
Essa Nega Fulô!
Essa Nega Fulô!
Ó Fulô! Ó Fulô!
Vai botar para dormir
esses meninos, Fulô!
´´ Minha mãe me penteou
minha madrasta me enterrou
pelos figos da figueira
que o Sabiá beliscou``
Essa Nega Fulô!
Essa Nega Fulô!
Ó Fulô! Ó Fulô!
( Era a fala da Sinhá
chamando a Nega Fulô)
Cadê meu frasco de cheiro
que o teu Sinhô me mandou?
Ah! Foi você que roubou!
Ah! Foi você que roubou!
O Sinhô foi ver a negra
levar couro do feitor.
A negra tirou a roupa.
O Sinhô disse: Fulô!
( A vista se escureceu
que nem a Nega Fulô)
Essa Nega Fulô!
Essa Nega Fulô!
Ó Fulô? Ó Fulô?
Cadê meu lenço de rendas,
cadê meu cinto, meu broche,
cadê meu terço de ouro
que o teu Sinhô me mandou?
Ah! Foi você que roubou,
Ah! Foi você que roubou.
Essa Nega Fulô!
Essa Nega Fulô!
O Sinhô foi acoitar
sozinho a Nega Fulô.
A Nega tirou a saia
e tirou o cabeção,
de dentro dele pulou
nuinha a Nega Fulô.
Essa Nega Fulô!
Essa Nega Fulô!
Ó Fulô! Ó Fulô!
Cadê, cadê teu Sinhô
que nosso Senhor me mandou?
Ah ! Foi você que roubou,
foi você, Nega Fulô?
Essa Nega Fulô!

Jorge de Lima