Depoimento que Descreva como sou

Cerca de 21 depoimento que Descreva como sou

A tantas coisas a dizer , e ao mesmo tempo não consigo dizer nada que descreva o que sinto , é uma mistura de raiva , magoa , amor e saudade , nao penso em me vingar não sou assim , fazer ciúmes? muito menos ! por que te amo , te amo e isso da raiva muita raiva , espero que seja feliz com quem esriver , óbvio que queria que essa felicidade fosse comigo , mas já que não é , rezo para sua felicidade , daria a vida por ti , se pudesse te abraçar e dizer quão importante es pra mim , mas não posso , meu orgulho esta em alta , sinto sua falta mas não posso mas sonhar , tenhp saudades dos seus olhos , do seu sorriso , do seu cabelo , da dua fala , do seu geito , queria ler seu pensamento ,seria mais facil te esqueçer , ou não ! mas te amo , que raiva é te ama , rezo todo dia para meu amor acabar , mas aumenta .. seja feliz , pegue meu coração , ele é seu , não faz parte de mim mais , ele ja tomou tatuou sua face nele , o gosto de seu beijo , voce tornou-se uma droga pra ele , e agora não tem cura , pelo menos não agora.

Ana Carolina

Sou o veneno, o mel e o sal...o ódio, o amor e o mal! Me descreva como quiser, receba de mim o que merecer...

Daiane Rabelo

Se me pedem para que me descreva, sou como uma pintura de Van Gogh, bela e densa, definitiva e tensa.

Jeocaz Lee-Meddi

"Se um dia, me fizessem o seguinte questionamento,
-Descreva a moça em uma só palavra.
Eu provavelmente pensaria por alguns instantes e chegaria a seguinte resposta.
-Não consiguo, pois, não existe em nosso vocabulário uma única palavra que possa descrever tanta simpatia, beleza, humildade, carisma, alegria, que chegue a ter a ousadia de se comparar com aquele sorriso, e acima de tudo a incrivel capacidade de preencher toda a parte vazia do meu ser.
Eu sei que Eu Te Amo, não diz tudo, mas eu estou disposto a provar que posso, e quero, merecer este amor.
T Amo!"

Filipe Martins

Do que eu fui, apenas lembranças restam; o que sou, não existe palavra que descreva; o que serei, nem a na mais louca alucinação conseguirá descrever

Ricardo da Cunha

Não busque qualidade que não seja sua, não procure caracteres que não o descreva. Busque apenas sua própria personalidade agindo naturalmente e terás orgulho de se encontrar. ( Prz-M)

Preza

Não conheço uma palavra que descreva o amor, o amor é algo surrealista,vivido apenas por aqueles sonham sonhos impossíveis.

Carh Matos

Descreva de mim como quiser e receba de mim o que merecer...

Suellén Terto

Palavras para quê?

Toca-me
Beija-me
Abraça-me
Sim!
Descreva com a palma macia da sua mão
Cada contorno do meu corpo quente
Esfregue a tua pele na minha…
Isso!
Agora faça-me vibrar
Com o seu alarme sedutor
Adivinhe o meu ponto fraco
Aí não,
Também não,
Hai céus!
Que prazer, que satisfação!
Se fores a massajar-me com a língua
Juro que te compro o vestido mais caro da loja das damas
Não!
Não faças isso
Ponha-te na posição inicial
Toca-me
Beija-me
Gostei de te amar!

Laguna de Jesus

Não tem palavra que me descreva. Sou um pouco de cada, mas nenhuma por completo.

Katarine Norbertino

A pergunta mais difícil do mundo, é uma palavra que á descreva !

Weslley Araujo

Tua beleza é algo incomparável.
Desafio os poetas a encontrar a
Metáfora que descreva tua beleza.

Fabricio Canalis

Se um dia alguém me pedir que eu descreva o tipo de mulher que me faria feliz, eu sou capaz de dizer até o teu nome.

Gilderson Cardoso

Dane-se os versos, as rimas, todos os poemas, escreva da sua maneira quando for pra mim, descreva o que sente, faz palavras do seu amor, quero você poeta que só declara em letras pra mim, porque de olhar e atitudes, quem te vê, já sabe disso tudo.

Gabriela Stacul

Ela: Não consigo achar uma palavra que descreva isto. Adorar escrever, e nunca encontrar as palavras certas.
Ele: Agoniante.
Ela: Como?
Ele: Agoniante, esta é a palavra.

Pamela Cristina Belai Ginez

Não me descreva pelo meu sorriso , as vezes ele é o disfarce de minha maldade .

CJ-Hurley

Às vezes me flagro imaginando um homem hipotético que descreva assim a mulher dos seus sonhos:
“Ela tem que trabalhar e estudar muito, ter uma caixa de e-mails sempre lotada. Os pés devem ter calos e bolhas porque ela anda muito com sapatos de salto, pra lá e pra cá.
Ela deve ser independente e fazer o que ela bem entende com o próprio salário: comprar uma bolsa cara, doar para um projeto social, fazer uma viagem sozinha pelo leste europeu. Precisa dirigir bem e entender de imposto de renda.
Cozinhar? Não precisa! Tem um certo charme em errar até no arroz. Não precisa ser sarada, porque não dá tempo de fazer tudo o que ela faz e malhar.
Mas acima de tudo: ela tem que ser segura de si e não querer depender de mim, nem de ninguém.”
Pois é. Ainda não ouvi esse discurso de nenhum homem. Nem mesmo parte dele. Vai ver que é por isso que estou solteira aqui, na luta.
O fato é que eu venho pensando nisso. Na incrível dissonância entre a criação que nós, meninas e jovens mulheres, recebemos e a expectativa da maioria dos meninos, jovens homens, homens e velhos homens.
O que nossos pais esperam de nós? O que nós esperamos de nós? E o que eles esperam de nós?
Somos a geração que foi criada para ganhar o mundo. Incentivadas a estudar, trabalhar, viajar e, acima de tudo, construir a nossa independência. Os poucos bolos que fiz na vida nunca fizeram os olhos da minha mãe brilhar como as provas com notas 10. Os dias em que me arrumei de forma impecável para sair nunca estamparam no rosto do meu pai um sorriso orgulhoso como o que ele deu quando entrei no mestrado. Quando resolvi fazer um breve curso de noções de gastronomia meus pais acharam bacana. Mas quando resolvi fazer um breve curso de língua e civilização francesa na Sorbonne eles inflaram o peito como pombos.
Não tivemos aula de corte e costura. Não aprendemos a rechear um lagarto. Não nos chamaram pra trocar fralda de um priminho. Não nos explicaram a diferença entre alvejante e água sanitária. Exatamente como aconteceu com os meninos da nossa geração.
Mas nos ensinaram esportes. Nos fizeram aprender inglês. Aprender a dirigir. Aprender a construir um bom currículo. A trabalhar sem medo e a investir nosso dinheiro. Exatamente como aconteceu com os meninos da nossa geração.
Mas, escuta, alguém lembrou de avisar os tais meninos que nós seríamos assim? Que nós disputaríamos as vagas de emprego com eles? Que nós iríamos querer jantar fora, ao invés de preparar o jantar? Que nós iríamos gostar de cerveja, whisky, futebol e UFC? Que a gente não ia ter saco pra ficar dando muita satisfação? Que nós seríamos criadas para encontrar a felicidade na liberdade e o pavor na submissão?
Aí, a gente, com nossa camisa social que amassou no fim do dia, nossa bolsa pesada, celular apitando os 26 novos e-mails, amigas nos esperando para jantar, carro sem lavar, 4 reuniões marcadas para amanhã, se pergunta “que raio de cara vai me querer?”.
“Talvez se eu fosse mais delicada… Não falasse palavrão. Não tivesse subordinados. Não dirigisse sozinha à noite sem medo. Talvez se eu aparentasse fragilidade. Talvez se dissesse que não me importo em lavar cuecas. Talvez…”
Mas não. Essas não somos nós. Nós queremos um companheiro, lado a lado, de igual pra igual. Muitas de nós sonham com filhos. Mas não só com eles. Nós queremos fazer um risoto. Mas vamos querer morrer se ganharmos um liquidificador de aniversário. Nós queremos contar como foi nosso dia. Mas não vamos admitir que alguém questione nossa rotina.
O fato é: quem foi educado para nos querer? Quem é seguro o bastante para amar uma mulher que voa? Quem está disposto a nos fazer querer pousar ao seu lado no fim do dia? Quem entende que deitar no seu peito é nossa forma de pedir colo? E que às vezes nós vamos precisar do seu colo e às vezes só vamos querer companhia pra um vinho? Que somos a geração da parceria e não da dependência?
E não estou aqui, num discurso inflamado, culpando os homens. Não. A culpa não é exatamente deles. É da sociedade como um todo. Da criação equivocada. Da imagem que ainda é vendida da mulher. Dos pais que criam filhas para o mundo, mas querem noras que vivam em função da família.
No fim das contas a gente não é nada do que o inconsciente coletivo espera de uma mulher. E o melhor: nem queremos ser. Que fique claro, nós não vamos andar para trás. Então vai ser essa mentalidade que vai ter que andar para frente. Nós já nos abrimos pra ganhar o mundo. Agora é o mundo tem que se virar pra ganhar a gente de volta.

MGT

Mãe, pai, não há palavras que descreva meu amor e minha gratidão por vocês.

Danúbia Alves