Depoimento para um Filho que já Morreu

Cerca de 3484 depoimento para um Filho que já Morreu

O SILÊNCIO DA BATUTA DO MAESTRO







Morreu Artur da Távola. Calou-se para sempre sua voz tão cheia de sensibilidade que, em seus escritos ou apresentações televisivas, nos tocava, ensinava e encantava. Aquela que traduzia o clássico em linguagem popular.

No seu último programa “Quem tem medo de música clássica?”, olhei triste seu rosto abatido e, temerosa de que a morte se avizinhasse, fui tomada de emoção, pois não conseguia imaginar o momento de não tê-lo mais entre nós. Era uma premonição ou constatação, não sei...

E, no dia nove de Maio, seu espírito deixou seu corpo, enquanto dormia.

Costumo dizer que poucas pessoas merecem morrer dormindo. E, com certeza, ele era uma destas. Exemplo de ser humano, de cidadão, de político correto, em um tempo em que os indivíduos de caráter parecem ser uma rara exceção.

Sempre haverei de lembrar-me dele ao ouvir os clássicos. As palavras ária, sonata, piano, pianíssimo, allegro, cantante, e outras tantas do ramo haverão de remeter-me às suas belas lições, às suas análises criteriosas das músicas, que tanto mexiam com a sua e a nossa emoção.

Eu o admirava muito como jornalista, cronista, político e, ultimamente, como apresentador e analista musical. Aprendi muito com ele e as palavras com que terminava sempre o seu programa estarão caladas dentro de mim: “Música é vida interior e quem tem vida interior jamais padece ou padecerá de solidão.”

Recebendo pela televisão a notícia de sua partida, repeti o que costumo dizer quando morre alguém extraordinário: “Existem homens que jamais deveriam morrer.” Mas, pensando bem, qual o grande homem que morre, realmente? Todos eles deixam rastros de luz em nossos caminhos e, assim, vivem para sempre.

Acho que meu comentário usual deveria mudar para a constatação de que certos homens não morrem nunca. O certo, provavelmente, é dizer como o nosso grande autor do sertão, Guimarães Rosa: não morrem, “ficam encantados”. Assim, posso dizer que Artur da Távola “ficou encantado”. Em outras paragens, ele estará, decerto, despertando a sensibilidade daqueles que partiram sem alcançar a plenitude de sua humanidade.

Ah, meu prezado maestro, sentirei muito sua falta, mas pode ter certeza que, também, por ter lido seus livros, seus artigos, ouvido seus belíssimos comentários sobre Beethoven, Mozart e outros tantos, tornei-me uma pessoa melhor e cresci muito como ser humano. Você, em sua simplicidade, provavelmente, nem sabia que iluminava a vida de tantos.

Também porque o conheci e, junto com você, continuando as lições que recebi de meu saudoso pai, aprendi, mais e mais, a amar a música e sei que, desta forma, jamais haverei de padecer de solidão.

Enquanto existir a música, as auroras e crepúsculos, os amores e desamores, encontros e desencontros e meu coração continuar batendo, com a emoção tomando conta de meu ser, serei muito rica de vida interior. Poderei, inclusive, ouvir as músicas das esferas celestiais e, até nos meus silêncios, estarei ouvindo os sons da Divindade.

Sabe, grande maestro, repetindo palavras suas, citando não me lembro quem, devo dizer-lhe: “A dor da gente não sai no jornal”. E a minha dor pelo silêncio de sua batuta não pode ser traduzida em pobres palavras de jornal. Mas ficam aqui registradas.

E, como diz o Pe. Fábio de Melo, brincando com o poema de Drummond: “A festa acabou, a luz apagou e, agora, é você e Deus”. E Deus, certamente, gostará de ter em seu regaço um grande homem, um filho muito amado, que soube perseguir a Sua Luz e dignificar a arte e a política.

Maria Luiza Silveira Teles

Quem me dera poder abrir meu corpo.
Tiraria tudo que há de ruim de dentro de mim, tiraria minhas angústias,aquela mancha roxa que teima em ficar dentro de mim, tiraria meus amores que não está na cabeça e sim no coração, limpar o coração pra colocar tudo que há de bom dentro de mim.
Quem me dera poder tocar no teto do mundo. chegar até o limite dos limites, e provar pra mim mesmo que superei o limite de todos os limites.
Quem me dera poder modificar o vocabulário das pessoas, começaria sempre com por favor e terminaria com muito obrigado.
Quem me dera ser pequeno.
Não enxergaria pessoas perversas e tanta desumanidade, assim não precisaria olhar sempre para baixo.
Quem me dera voltar no tempo.
Para repetir meus erros em dobro, pois aprenderia em dobro.
Quem me dera fazer da gratidão um crime.
Pois o ser humano teima em fazer o errado.

Carlos Machado Filho

Deixe ir
E DE CONTA QUE
ALGUMAS PESSOAS
SAO PARTE
DE TUA HISTORIA,
POREM NAO DE TEU DESTINO..

Flavio Gonçalves Filho

Se um dia pensar em me esquecer, por favor, esqueça de pensar.

Edno Muniz Filho

Se um dia você sentir que está lhe faltando algo, não fique triste...também sinto isso ás vezes.
É apenas a saudade nos fazendo lembrar que eu estou com um pedaço teu e você com um meu

Edson Sodré Filho

O ser humano nasce verdadeiramente quando aprende a amar.

Eduardo Siqueira Filho

Se não puderes me ter, sonhas comigo, pois quem sabe no sonho serei teu...

Edson Sodré Filho

Deus é o poeta, você é o papel, a tinta é a vida.

Silvio Alves Filho

O melhor perdão é aquele que se conquista por algo que você próprio julgava imperdoável

Hermes Dalvia Filho

Dentre as milhares voltas que o mundo dá, o amor vai de carona...
...de mansinho na bagagem da ironia,
nas costas da falta de coragem,
e por fim,
pendurado nos últimos fiapos de esperança de uma sublime saudade.

Edson Sodré Filho

Após a morte do astro, no mundo das constelações; nos resta a seguinte questão: - Quem é mais idiota?! O ídolo, os fãs, os paparazzos ou a fama?

Theócrito Britto Filho

Sonhos são como as conchas que o mar depositou na costa. Você deve coletá-los e ouvir a sua voz.

Flavio Gonçalves Filho

Hoje vou abrir os olhos quando acordar e ver como meu teto é lindo, abrir a janela e reparar que se passa um dia frio lá fora, em seguida agradecer ao meu lençol e travesseiro que meus pais me deram sem me pedir nada em troca. Abrir a geladeira e me deparar com belas frutas que me lembra que tenho que come-las antes que estraguem, que isso seria um disperdício com tantas pessoas lá fora querendo uma só parte da minha maçã. Hoje vou vestir minha roupa, qualquer roupa. Não vou reparar como ela me deixa gordo nem a marca de gordura que se destaca nela. Hoje vou me olhar no espelho para reparar meu rosto sem aumentar meu ego. Hoje vou sair na rua e a primeira pessoa que encontrar, vou falar bom dia!
Hoje vou pintar meu cabelo de verde,pular de para-quedas e realizar todas meus desejos loucos, pois isso é tudo que sempre quis fazer, mas nunca tive corajem. Hoje vou soltar tudo que há de ruim dentro de mim, para que as coisas boas possam entrar sem precisar dividir esse espaço dentro de mim.
Hoje vou cometer erros, para reparar como somos tolos. Hoje vou ver pessoas que tem como alimento um pão, para reparar como somos ignorantes.
Vou comprar um celular de ultima geração pra me sentir pior, vou fazer uma doação pra me sentir melhor. Hoje vou contar uma piada pra escutar uma risada, vou reunir os amigos pra fazer simplismente nada.
Hoje vou cantar sem medo de desafinar,chorar de alegria,chorar de tristesa,dar um beijo com espontaneidade,falar eu te amo quando estou odiando,interromper uma frase para dar um sorrido,deixar o orgulho para elogiar.
Hoje vou deitar minha cabeça no travesseiro e pensar: “Somos todos iguais. Uns com ignorância a menos, outros com ignorância a mais.”

Amanhã vou abrir o jornal e ver tragédias.
Amanhã vou sair de casa com a dúvida se vou voltar.
Amanhã vou passar pela praia e não sentir o cheiro da maresia, pois sou obrigado a andar com os vidros fechados.

Carlos Machado Filho

Ame A Quem Te Ama, E Não A Quem Te Faz Sofrer, Pois Se Você Não Se Amar...Quem Te Dará valor??

Gilberto Filho (gcsf77gmail.com)

O que pensei ser, na realidade não fui; Apenas um alguém que tentei por detro me esconder.

Edson Sodré Filho

O que me faz dormir pensando em você e acordar desejando estar com você é o seu jeitinho complexo de me fazer amar você.

Edson Sodré Filho

Não tenho orgulho do que sou ... tenho conciência do que posso fazer.

Francisco Elio Filho

"As verdadeiras batalhas acontecem na mente... e as maiores
vitórias também."

Eduardo Siqueira Filho