Depoimento para Marido

Cerca de 292 depoimento para Marido

A esposa que contraria as ordens do seu marido está impedindo que seu lar desfrute de uma paz duradoura.

Helgir Girodo

O marido que deixa de amar a sua esposa está convidando amarguras, ressentimentos e desajustes para o interior do seu próprio lar.

Helgir Girodo

Uma esposa que ama a Cristo supera qualquer problema com seu marido por meio da tolerância, fé e oração.

Helgir Girodo

Quando o marido deseja se satisfazer sexualmente, ele nega seu imediatismo, sua lascívia egoísta e descarta o objeto de seu prazer e conquista, com paciência, a felicidade de sua parceira.

Helgir Girodo

A mulher problema é aquela que se diz cristã e nem aceita a correção do marido, muito menos do Senhor.

Helgir Girodo

Tem Ex-marido que vive na "prisão emocional" por não perceber que está com a chave na mão!

Liberte-se... é assim que a felicidade acontece! (experiência própria)

Andréia Loureiro

Ser Mulher
Preocupação com casa, comida, filhos, marido, enteado, gato e cachorro.
Dar conta de tudo com ajuda ou sem ajuda.
Estar sempre pronta para o que der e vier, ser a bengala, o apoio, a força e a plenitude.
Ser livre em pensamentos, atos e ações.
Amar, desejar, viver, sentir tudo isso elevado ao quadrado.
Ter mau-humor, tpm, cólica, dor de cabeça e muitas e muitas vezes não reclamar.
Está em sintonia sempre consigo e com os outros.

Arcise Câmara

Tem gente que só não tá solteira, porque o marido tem preguiça de pedir o divórcio.

Alexsandra Zulpo

Edward Scissorhands, marido de Alice, fritava hambúrgueres e regava as flores.

Rafaela Legnaghi

Ex alguma coisa

Não é namorado, namorada, marido ou mulher.
Não conheceu minha mãe, não tomou café com meu pai e nem deu conselhos para o meu irmão.
Não me amou, não se apaixonou, sequer acho que gostou.
Não sou seu amigo, porque já te vi despida.
Nunca ouviu minhas lamentações, da mesma forma que eu nunca acalentei o seu choro.
Não temos retratos e nem grandes lembranças para serem chamadas de recordações.
Não viajamos juntos e nem fomos para um find em gramado.
Mas é alguém que lava a louça de manhã quando pousa aqui em casa.
Não entende o meu trabalho, mas se esforça em manter uma expressão comprometida quando não paro de falar dele.
Me beija a nuca, mas nunca fica para o café.
Nunca marcamos nada, mas sempre voltamos para a casa juntos.
Na balada prefere afirmar a nossa monogamia em abraços, beijos suspirantes e mão entrelaçadas, para que durante a semana possamos levantar a nossa opção por arelacionamentos.
Me tira do sério e me provoca, mas sei que jamais vai atender quando o telefone toca.
Eu nunca serei seu namorado, marido e nem simples amigo.
Em comum só temos o jeans que deixei na sua casa.
Não nos vemos faz um tempo, mas não demora nos encontramos, sempre e sempre, ex alguma coisa.

Rapha Fernando

QUANDO MEU MARIDO DIZ NÃO SAI DE BAIXO

MENDUINA

“Aos meus pais, meu amor eterno.
Ao meu marido, minha vida e amor completos.
Ao meu irmão, minha eterna admiração.
Aos meus sobrinhos, minha eterna alegria.
Aos meus poucos amigos, meu eterno carinho.
Aos que me viram passar, a minha lembrança.
Aos que vão, minha saudade.
Aos que ficam, minha gratidão.

A mim, minha insaciável vontade de ser.”

Camis Vasconcelos Chagas

Quero-te mais que qualquer namorado, mais que qualquer marido... mais que qualquer amigo... quero-te eternamente comigo!

Cristiano de Campos

Mulher virtuosa quem a achará? O seu valor muito excede ao de rubis.
O coração do seu marido está nela confiado; assim ele não necessitará de despojo.
Ela só lhe faz bem, e não mal, todos os dias da sua vida.
Busca lã e linho, e trabalha de boa vontade com suas mãos.
Como o navio mercante, ela traz de longe o seu pão.
Levanta-se, mesmo à noite, para dar de comer aos da casa, e distribuir a tarefa das servas.
Examina uma propriedade e adquire-a; planta uma vinha com o fruto de suas mãos.
Cinge os seus lombos de força, e fortalece os seus braços.
Vê que é boa a sua mercadoria; e a sua lâmpada não se apaga de noite.
Estende as suas mãos ao fuso, e suas mãos pegam na roca.
Abre a sua mão ao pobre, e estende as suas mãos ao necessitado.
Não teme a neve na sua casa, porque toda a sua família está vestida de escarlata.
Faz para si cobertas de tapeçaria; seu vestido é de seda e de púrpura.
Seu marido é conhecido nas portas, e assenta-se entre os anciãos da terra.
Faz panos de linho fino e vende-os, e entrega cintos aos mercadores.
A força e a honra são seu vestido, e se alegrará com o dia futuro.
Abre a sua boca com sabedoria, e a lei da beneficência está na sua língua.
Está atenta ao andamento da casa, e não come o pão da preguiça.
Levantam-se seus filhos e chamam-na bem-aventurada; seu marido também, e ele a louva.
Muitas filhas têm procedido virtuosamente, mas tu és, de todas, a mais excelente!
Enganosa é a beleza e vã a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa sim será louvada.

Salomão

Você nunca sabe até onde pode ir com ele? Seu marido é um carro velho?

Charles Canela

A amante, a esposa resignada e o marido, não apenas uma deles, mas os três são relegados e se tornam seres inferiores, pois não tem alguém que se possa entregar por inteiro.

Charles Canela

Dentro de sua casa você tem que ser um ótimo marido ou uma ótima esposa. Seja um excelente engenheiro, um exímio artesão, mas no seu escritório ou no seu ateliê.

Charles Canela

A mulher que é louvada pelo seu marido e filhos, é aquela que fala com sabedoria e ensina com amor. Pv 31.26

Belkis Braz

Eu e meu marido serviremos ao Senhor!!!

Anna Lucia

TÔ ANIMADO CAS FESTA

Sinhá!
To animado pra modi sê seu marido
Já tá quase tudo prontu pro acotecido

As orquestra tá insaiano no galinhêro.
Precisa vê os bichinho tudo nos pulêro!
I não se apreocurpe cuns fedô
Nem cuns mal chêro
Pra vaze adubu orgânico
Catêmo as bosta e us istercu

Ocê para de sê isibida
Pensano em sê artista
Capa de rivista só vistida
Num pode mostrá nem dicoti
Minha honra defendu cas morti

Sinhá, num esquece de passá
No cumpadri Antero Buticão
Se precisá abri a boca
Pelo menus os denti vão brilhá

Mas sinhá! Ocê sabe falá cada coisa!
Que inté fico se avermelhado tudo
E os trein fica quereno se mostrá
É melhó deixá pra lá ...

A delegada mais eu já se acertêrmo
Já dei minhas cordenada
A Grobo vai tá aqui?
E o casá vinte tamém?
Acho que vai tê confusão
A turma do Pânico tamém vem!

Antão vamu seguino cas arrumação
Esses palavriados da cidade num entendo muito não
Adispois vois mecê me ixprica?
Num encontrei nada no dicionário caipirêis

Sinhá!
Se tá cum vontade pode iscrevê
Num fique cum vergonha!
Nois vai sê marido e muié

Inté viu, sinhá!
Eu amo voismecê

Tânia Mara Camargo