Depoimento minha Mana

Cerca de 15 depoimento minha Mana

“As escolhas que você fez no passado, te trouxeram onde você está hoje. Mas as que você fizer no presente te levará à um futuro que você nunca imaginou. “

MANÁ

"A minh`alma ao viajar pelo deserto da solidão, compôs o poema da felicidade,retornando repleta de maturidade" (Mana Celani)

Mana Celani ( minha autoria)

"…E EU QUE ACHEI UMA COISA MAIS AMARGA QUE A MORTE, A MULHER CUJO CORAÇÃO SÃO REDES E LAÇOS, E CUJAS MÃOS SÃO ATADURAS; QUEM FOR BOM DIANTE DE DEUS ESCAPARÁ DELA, MAS O PECADOR VIRÁ A SER PRESO POR ELA…"

Autoria: [ECLESIASTES 7:26] Bíblia Maná, livro atribuído ao Rei Salomão anos de 940 e 935 a.C.

Abraços perfumados para você!…
Chrisma-Sampa Brasil

Autoria ECLESIASTES 726 Bíblia Maná

Quando um amigo te vê comendo o maná de Deus ele não pede um pouco e se você lhe oferece ele não aceita. Nessas horas um amigo se enche de felicidade e observa em paz enquanto você come o maná que Deus bondosamente te deu.
Mas há horas na vida em estamos comendo o pão que o diabo amassou, nessas horas o amigo senta do nosso lado nos olha nos olhos e diz, com um sorriso nos lábios: "Me dá a metade desse pão, que eu to morrendo de fome".

Felipe Guilherme Ferreira da Silva

Enquanto o " Calado " fica Calado, a Mana Mingota está a dar o " Show " looooooooool

Hermógenes Constantino

PAIXÕES

família, sol, confiança, mana, chocolate branco, fotografias, Jullia, sorrir, conversar, companhia, futebol, flores, surpresas, pizza, Thais, abraço, longas ligações, Griffin&Phoenix, crespúsculos, olhares, Internacional, mensagens, sons, tons, segurança, frio na barriga, Anjos e Demônios, conhecer, morder, recíprocidade, matar a saudade, Ágatha Christie, praia, intensidade, liberdade, Adam Sandler, músicas, intimidade, individualidade, dormir, violão, cachorros, mil livros, Dermot Mulroney, artes cênicas, Taquarí, letras&melodias, esoterismo, fim de tarde, flertar, arrepios e arrepiar, programa com as amigas, dar as mãos, relação mãe-e-filha, The Sims 2, madrugada, mudar, renovar, conquista, Martha Medeiros, apoio, pessoas divertidas, Patch Adams: O amor é Contagioso, comunicação, rostos, unhas, sorrisos, expressões, sobrancelhas, corer, testes, Itália, cafuné, comida caseira, criminologia, decoração, misturar, superar, personalidade, frases, mil filmes, demonstrações públicas de afeto, começar, recomeçar, aulas do Marcelo, noites de verão, céu estrelado, meia estação, privacidade, reconhecimento, popularidade, boas piadas, Shakespeare, conforto, análise, desafio, carinho, edredom..

Renata Mulinelli

Murmurações, Maná e Codornizes – Números 11

O maná, do 11º capítulo de Números, representa a provisão de Deus estritamente necessária para a manutenção da nossa vida.
Há muitas situações em que muitos servos de Deus são assim providos pelo Senhor, para serem provados em sua fé, de modo que possam se revelar gratos pela Sua misericordiosa provisão, sem a qual não poderiam sobreviver.
Todavia, não são poucos os que murmuram, quando são encontrados nesta condição de terem que sobreviver com o estritamente necessário, porque se sentem frustrados em não alcançarem tudo quanto têm ambicionado.
Era exatamente esta a situação que Israel estava experimentando em sua caminhada no deserto, só que em vez de serem gratos e se regozijarem em Deus, pela misericórdia de lhes dar o maná de forma miraculosa, eles se deixaram vencer por suas cobiças carnais e endurecidos pelo pecado, vieram a murmurar não poucas vezes, porque estavam se rebelando contra a situação que estavam sendo obrigados a experimentar pela vontade do Senhor.
Eles não queriam se submeter ao desígnio de Deus, ao contrário queriam satisfazer aos desejos do seu próprio coração, e assim, queriam ter de volta a mesma alimentação que tinham à sua disposição no Egito, ainda que debaixo de escravidão.
A fraqueza da lei pela carne (Rom 8.3) revelou-se plenamente na Antiga Aliança, pois apesar de estarem sob o regime da lei, a lei descobriu o pecado dos israelitas, mas não pôde destruí-lo.
Tão logo partiram do Sinai, em face das dificuldades do deserto, no qual haviam caminhado três dias, como vimos no capítulo anterior, eles reclamaram e mostraram abertamente o seu descontentamento, e isto despertou o fogo do juízo de Deus, que consumiu as extremidades do arraial, e o povo clamou a Moisés, e este clamou ao Senhor, e o fogo apagou (Núm 11.1,2).
Deus admite a nossa queixa quando há uma razão justa para isto, como vemos, por exemplo, no Sl 142.1,2:
“Com a minha voz clamo ao Senhor; com a minha voz ao Senhor suplico. Derramo perante ele a minha queixa; diante dele exponho a minha tribulação.”
Queixar-se da condição é uma coisa, e queixar-se de Deus é outra muito diferente, e é nisto que consite a murmuração.
Então, quando esta queixa é contra o Senhor, podemos estar certos de despertar a Sua ira contra nós, assim como se deu com os israelitas.
O fogo que havia consumido Nadabe e Abiú estava cercando os israelitas e ameaçando consumi-los.
Eles haviam murmurado várias vezes desde que haviam saído do Egito, mas não houve nenhuma manifestação da ira de Deus contra eles, como estava ocorrendo agora, porque eram indesculpáveis, pois conheceram perfeitamente qual era a vontade do Senhor em relação a eles, nos doze meses em que permaneceram no Sinai.
Aquele fogo havia sido apenas um fogo de advertência, de modo que não viessem a murmurar no futuro, e a evitarem assim, que lhes sobreviesse algum juízo.
Aquele lugar recebeu um novo nome, a saber, taberá, que significa queima.
Porém, por influência do misto de gente que havia se juntado aos israelitas, quando deixaram o Egito, que é denominado no hebraico por aspesof, que significa mistura, e pelo grande desejo manifestado por eles de voltarem ao Egito, para comerem das comidas daquela terra, o povo de Israel se deixou influenciar fortemente e veio a murmurar de novo contra o Senhor, porque queriam especialmente comer carne todos os dias, e não estavam satisfeitos em terem que comer o maná.
Aqueles que eram de outra nacionalidade, e que haviam deixado o Egito juntamente com os israelitas, queriam apenas a terra prometida, mas não o Senhor, e muito menos passarem pelas provações que seriam necessárias até que viessem a alcançá-la.
Certamente, pouco lhes agradava terem que se submeter às ordenanças de Deus. Este fermento levedou a massa inteira.
Por isso a Bíblia é bastante enfática em ordenar aos cristãos a não se colocarem em jugo desigual com aqueles aqueles que desprezam o Senhor e os Seus mandamentos, para participarem das suas práticas e/ou ficarem debaixo da influência dos seus hábitos e costumes, pois o resultado será sempre este que o povo de Israel experimentou, a saber, desviar-se dos caminhos do Senhor.
Sempre será oportuno atentar para a ordem do apóstolo:
”E com muitas outras palavras dava testemunho, e os exortava, dizendo: salvai-vos desta geração perversa.” (At 2.40)
As pessoas que levaram Israel à ruína, nos dias de Moisés, sequer haviam sido contadas quando foi feito o censo, porque não tinham qualquer participação na genealogia dos filhos da promessa, a saber, dos descendentes de Jacó.
Com isto não se sentiam obrigados a terem qualquer compromisso com Deus.
Muitos israelitas se igualaram a eles, apesar de saberem que estavam arrolados entre os aliançados com o Senhor, pela promessa que Ele havia feito aos patriarcas.
É preciso saber distinguir entre o amor que é devido a todos os nossos semelhantes, pela nossa descendência comum em Adão, mas é preciso também reconhecer que fazemos parte de uma nova Cabeça, de uma nova criação, e que as coisas antigas já passaram, pois em Cristo tudo se fez novo.
Quando a semente santa se mistura àqueles que vivem escravizados ao pecado, os seus ouvidos se fecharão às instruções dos ministros de Deus, e se deixarão conduzir por doutrinas, costumes e hábitos estranhos e abomináveis ao Senhor.
A porta da salvação está aberta para todos. A graça de Jesus está disponível para todos os que se arrependerem do pecado.
Então não se trata de discriminação ou acepção de pessoas, porque o próprio Deus não o faz. Mas o que se pode esperar quando alguém faz acepção de Deus e o rejeita deliberadamente? Que se minta ou que se disfarce, dizendo que faz parte do contingente daqueles que o amam e servem?
O espírito de queixa se alastra como fogo, e todas as famílias de Israel vieram a chorar reclamando que nada tinham para comer além do maná.
Foi tão grande a pressão que fizeram sobre Moisés, lhe pedindo que lhes desse carne a comer, que ele derramou toda a aflição de sua alma perante o Senhor, pedindo até mesmo que lhe tirasse a vida, pois o encargo de conduzir todo aquele povo era pesado demais para ser suportado por ele.
No meio da calamidade o Senhor proveria um alívio para Moisés, designando setenta anciãos aos quais revestiria com o poder sobrenatural do Espírito, para que o auxiliassem.
Como sinal de que estes tinham recebido o Espírito de Deus, para também liderarem o povo, debaixo da liderança geral de Moisés, foi-lhes dado que profetizassem, e até mesmo dois deles que não se encontravam no ajuntamento, por não estarem na tenda da congregação, mas fora no arraial, que também profetizaram, e se diz que nenhum deles profetizou depois disto, porque Moisés era o profeta de Deus entre eles, e isto evitaria que viessem a disputar a posição de Moisés no futuro, movidos por ambição, ciúme, rebelião ou por influência de Satanás.
Deus poderia fazer com que todos tivessem os mesmos dons e poderes espirituais, para o exercício da liderança, mas isto faria com que muitos deixassem de reconhecer aqueles que Ele tem levantado para liderar o Seu povo.
Nós vemos este cuidado e critério do Senhor, ao longo de toda a história da Igreja, e desde os dias apostólicos, quando muitos, eram batizados com o Espírito Santo, somente quando um dos apóstolos estivesse presente entre eles, apesar de terem sido evangelizados antes, por outros servos de Cristo (At 8.16; 19.3-5).
Quando o Senhor ordenou a Moisés que dissesse ao povo que se santificasse, porque lhes daria carne para um mês inteiro, Moisés se sentiu constrangido e protestou diante de Deus, porque como diria aos israelitas que Ele havia prometido dar carne, para um mês inteiro, porque somente de homens preparados para a guerra havia mais de 600.000 mil almas?
Mas a resposta do Senhor foi dada com uma pergunta: “Porventura tem-se encurtado a mão do Senhor?”, e a isto acrescentou: “agora mesmo verás se a minha palavra se há de cumprir ou não.”
Moisés disse as palavras do Senhor ao povo, e a Bíblia nada fala sobre a reação deles, mas é bem possível que muitos tenham não apenas duvidado da promessa de Deus, em face da Sua grandiosidade, e não seria nada improvável, que muitos deles tivessem até escarnecido tanto de Moisés, quanto do Senhor, e não seria de se estranhar que os que viriam a ser submetidos ao juízo que lhes sobreviria, quando estivessem comendo a carne, fossem contados entre estes que não eram dignos de se alimentarem do milagre operado por Deus, em face da sua incredulidade.
De fato a incredulidade mata não somente com a morte física e espiritual, como também com a eterna, pois a única forma de se ter vida e vida em abundância é pela fé em Cristo.
Muitos descreem da promessa de Deus de nos dar não apenas provisão para um mês inteiro, no meio do grande deserto espiritual de nossas vidas, mas para a vida eterna, e não com o alimento que vai para lugar escuso, mas com o alimento espiritual que está em Jesus Cristo, e que permanece para sempre.
Realmente é uma oferta muito grandiosa, imerecida por nós, mas todos os que tiverem um coração simples e sincero, e a pegarem com a mão humilde da fé, receberão o seu cumprimento, e serão salvos.
O desejo dos israelitas seria satisfeito por Deus, pois lhes daria carne de codornizes para mais de um mês, e era tanta carne que eles levaram dois dias recolhendo aqueles pássaros no campo.
Entretanto a satisfação do desejo não seria para o bem deles, senão para juízo, pois não puderam ter o prazer de desfrutar com alegria e satisfação o que colheram, pois antes mesmo que engolissem o alimento, quando a carne ainda estava entre os seus dentes, muitos deles foram feridos com uma praga mortal que lhes sobreveio da parte do Senhor, em razão da manifestação da Sua ira contra o seu pecado.
O nome do lugar onde foram sepultados passou a se chamar Quibrote-Taavá, que significa no hebraico “túmulo do desejo”, pois o desejo deles foi sepultado juntamente com eles naquele lugar.
Aqui está uma grande lição que é mais importante ter pouco com contentamento do que muito sem estar satisfeito, porque sem a aprovação de Deus, nada do que venhamos a conquistar, mesmo da parte dEle, poderá fazer com que estejamos alegres, em paz e com contentamento em nossos corações.
Não havia nenhuma falha no maná, mas mentes descontentes acham falhas onde elas não existem.
Veem penúria onde está havendo provisão miraculosa da parte de Deus.
O mal humor há de dominar a todo aquele que não aprender a viver contente em toda e qualquer situação, que é a norma bíblica de vida para todos os filhos de Deus.
A falta de contentamento conduz imediatamente à ingratidão, e é da vontade dEle que em tudo Lhe demos graças.
É uma ofensa a Deus deixar os nossos desejos irem além da nossa fé.
É neste sentido que nos é ordenado não estarmos ansiosos por coisa alguma, porque os nossos desejos, não raro, podem nos conduzir à ansiedade.
Em I Cor 10.6 nós somos alertados que tudo o que foi registrado na Bíblia da história de Israel, foi para advertência da igreja de Cristo, de modo a não incorrer nos mesmos erros em que eles incorreram:
“Ora, estas coisas nos foram feitas para exemplo, a fim de que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram.” (I Cor 10.6).
Quanto à apropriada reação de Moisés ao zelo de Josué pela sua honra, quando lhe pediu que impedisse que aqueles dois que não estavam profetizando juntamente com ele na tenda, e que completavam o número dos setenta homens, que haviam sido indicados pelo próprio Moisés, para serem seus auxiliares na tarefa de governar os israelitas, cabe destacar que ela nos ensina um princípio sobre autoridade espiritual muito importante, para ser praticado na igreja.
Pois vemos que foi o próprio Moisés que escolheu os líderes, mas foi sob a ordem do Senhor que o fizera, e não foi Moisés que fez com que profetizassem para que fosse marcado diante dos israelitas, que estavam sendo guindados à posição de liderança, mas foi o próprio Deus que o fizera.
Assim, o zelo por um líder que nos leve ao não reconhecimento de outros, que estão sendo levantados ao seu lado pelo próprio Senhor, pode provocar facções e divisões terríveis no corpo de Cristo.
Paulo não consentiu com isto quando a Igreja de Corinto estava se dividindo em partidos prol Cristo, Paulo, Cefas e Apolo.
Os zelosos de Cristo não queriam reconhecer a autoridade de Paulo e dos demais apóstolos. Os zelosos de Paulo poderiam estar até mesmo rejeitando o próprio Cristo.
Se Deus levantar muitos líderes em nosso meio devemos ser-Lhe gratos por isto, em vez de nos deixarmos vencer por um espírito de ciúmes em favor de uns contra outros.
Que aprendamos a estimar e a honrar a todos aqueles que sabemos terem sido chamados por Deus para ocuparem as posições de liderança, que forem necessárias em cada congregação local.




“1 Depois o povo tornou-se queixoso, falando o que era mau aos ouvidos do Senhor; e quando o Senhor o ouviu, acendeu-se a sua ira; o fogo do Senhor irrompeu entre eles, e devorou as extremidades do arraial.
2 Então o povo clamou a Moisés, e Moisés orou ao Senhor, e o fogo se apagou.
3 Pelo que se chamou aquele lugar Taberá, porquanto o fogo do Senhor se acendera entre eles.
4 Ora, o vulgo que estava no meio deles veio a ter grande desejo; pelo que os filhos de Israel também tornaram a chorar, e disseram: Quem nos dará carne a comer?
5 Lembramo-nos dos peixes que no Egito comíamos de graça, e dos pepinos, dos melões, dos porros, das cebolas e dos alhos.
6 Mas agora a nossa alma se seca; coisa nenhuma há senão este maná diante dos nossos olhos.
7 E era o maná como a semente do coentro, e a sua aparência como a aparência de bdélio.
8 O povo espalhava-se e o colhia, e, triturando-o em moinhos ou pisando-o num gral, em panelas o cozia, e dele fazia bolos; e o seu sabor era como o sabor de azeite fresco.
9 E, quando o orvalho descia de noite sobre o arraial, sobre ele descia também o maná.
10 Então Moisés ouviu chorar o povo, todas as suas famílias, cada qual à porta da sua tenda; e a ira do Senhor grandemente se acendeu; e aquilo pareceu mal aos olhos de Moisés.
11 Disse, pois, Moisés ao Senhor: Por que fizeste mal a teu servo, e por que não achei graça aos teus olhos, pois que puseste sobre mim o peso de todo este povo.
12 Concebi eu porventura todo este povo? dei-o eu à luz, para que me dissesses: Leva-o ao teu colo, como a ama leva a criança de peito, para a terra que com juramento prometeste a seus pais?
13 Donde teria eu carne para dar a todo este povo? porquanto choram diante de mim, dizendo: Dá-nos carne a comer.
14 Eu só não posso: levar a todo este povo, porque me é pesado demais.
15 Se tu me hás de tratar assim, mata-me, peço-te, se tenho achado graça aos teus olhos; e não me deixes ver a minha miséria.
16 Disse então o Senhor a Moisés: Ajunta-me setenta homens dos anciãos de Israel, que sabes serem os anciãos do povo e seus oficiais; e os trarás perante a tenda da revelação, para que estejam ali contigo.
17 Então descerei e ali falarei contigo, e tirarei do espírito que está sobre ti, e o porei sobre eles; e contigo levarão eles o peso do povo para que tu não o leves só.
18 E dirás ao povo: Santificai-vos para amanhã, e comereis carne; porquanto chorastes aos ouvidos do Senhor, dizendo: Quem nos dará carne a comer? pois bem nos ia no Egito. Pelo que o Senhor vos dará carne, e comereis.
19 Não comereis um dia, nem dois dias, nem cinco dias, nem dez dias, nem vinte dias;
20 mas um mês inteiro, até vos sair pelas narinas, até que se vos torne coisa nojenta; porquanto rejeitastes ao Senhor, que está no meio de vós, e chorastes diante dele, dizendo: Por que saímos do Egito?
21 Respondeu Moisés: Seiscentos mil homens de pé é este povo no meio do qual estou; todavia tu tens dito: Dar-lhes-ei carne, e comerão um mês inteiro.
22 Matar-se-ão para eles rebanhos e gados, que lhes bastem? ou ajuntar-se-ão, para eles todos os peixes do mar, que lhes bastem?
23 Pelo que replicou o Senhor a Moisés: Porventura tem-se encurtado a mão do Senhor? agora mesmo verás se a minha palavra se há de cumprir ou não.
24 Saiu, pois, Moisés, e relatou ao povo as palavras do Senhor; e ajuntou setenta homens dentre os anciãos do povo e os colocou ao redor da tenda.
25 Então o Senhor desceu: na nuvem, e lhe falou; e, tirando do espírito que estava sobre ele, pô-lo sobre aqueles setenta anciãos; e aconteceu que, quando o espírito repousou sobre eles profetizaram, mas depois nunca mais o fizeram.
26 Mas no arraial ficaram dois homens; chamava-se um Eldade, e o outro Medade; e repousou sobre eles: o espírito, porquanto estavam entre os inscritos, ainda que não saíram para irem à tenda; e profetizavam no arraial.
27 Correu, pois, um moço, e anunciou a Moisés: Eldade e Medade profetizaram no arraial.
28 Então Josué, filho de Num, servidor de Moisés, um dos seus mancebos escolhidos, respondeu e disse: Meu Senhor Moisés, proíbe-lho.
29 Moisés, porém, lhe disse: Tens tu ciúmes por mim? Oxalá que do povo do Senhor todos fossem profetas, que o Senhor pusesse o seu espírito sobre eles!
30 Depois Moisés se recolheu ao arraial, ele e os anciãos de Israel.
31 Soprou, então, um vento da parte do Senhor e, do lado do mar, trouxe codornizes que deixou cair junto ao arraial quase caminho de um dia de um e de outro lado, à roda do arraial, a cerca de dois côvados da terra.
32 Então o povo, levantando-se, colheu as codornizes por todo aquele dia e toda aquela noite, e por todo o dia seguinte; o que colheu menos, colheu dez hômeres. E as estenderam para si ao redor do arraial.
33 Quando a carne ainda estava entre os seus dentes, antes que fosse mastigada, acendeu-se a ira do Senhor contra o povo, e feriu o Senhor ao povo com uma praga, mui grande.
34 Pelo que se chamou aquele lugar Quibrote-Taavá, porquanto ali enterraram o povo que tivera o desejo.
35 De Quibrote-Taavá partiu o povo para Hazerote; e demorou-se em Hazerote..” (Nm 11.1-35).

Silvio Dutra

Caiu do céu, como um maná divino, uma pedra preciosíssima em minhas mãos. Voltei meus olhos para ela e a admirei, como se pudesse ver todo o paraíso celeste reluzido em suas cores e como se a supremacia absoluta da beleza tivesse parado do meu lado, gostando da minha companhia.

Pablo de Paula Bravin

NA ESTRADA (Para Mana)

Daqui de dentro, busco sobre a cidade
Teu olhar que era tão amigo e tão presente
Daqui de dentro, nem percebo a velocidade
O tempo passa e eu me sinto mais carente

Nada encontro, além das lembranças
Sei do infinito desse amor
Das nossas risadas, das nossas alianças
Daqui de dentro, eu ouço o que calou

Impossível, não sentir as lágrimas no rosto
Inevitável, lembrar da tua amizade
Inaceitável, dor que deságua em mim
Irremediável, travo da saudade

Daqui de dentro, olho Mariana
Aqui por dentro, tremo e choro
Daqui de dentro, vejo Mariana
Mas eu não vejo, peço a Deus, imploro!

Rayme Soares

Boom Diia Mana!!!
Hoje é um dia muito especial, pq é seu aniversário, desejo muita Paz, Saúde, Alegria e claro muiiito amooor!!!
Muitas pessoas irão entrar e sair da sua vida
mas somente verdadeiros amigos
deixarão pegadas no seu coração,por isso saiba que as minha pegadas no seu coração estou fazendo, qro que vc tbm deixe pegadas no meu coração,
pq amigas como vc não se encontra em nenhum lugar, vc é um tipo de pessoa que consegue levantar o astral da pessoa em qualquer momento,
depente dela estar triste ou não, a pessoa pode estar na maior dificuldade que for, mas vc é a única que consegue tirar nem que se for 1 sorisso.
Duuh gosto muito de vc, não escolho amizade por beleza, mas se escolhesse vc teria minha amizade.
Não escolho amizade por sentimentos, mas se escolhesse vc teria minha amizade.
Escolho amizade pelo oq a pessoa tem no seu coração e claro pela sinceridade da pessoa,e vc tem minha amizade.
Deu para ver que independente do modo em que eu escolher minhas amizades vc vai estar no coração...
Aproveite seu dia... Feliz Aniversário!!! Love U!!!

Desconhecido

O fim do lobo, do leão, do touro e do burro...
Não mais cairá sobre eles o doce maná...

Nostradamus

Aprendendo da História dos Israelitas dos Dias de Moisés

O maná, citado no 11º capítulo do livro Números, representa a provisão de Deus estritamente necessária para a manutenção da nossa vida.
Há muitas situações em que muitos servos de Deus são assim providos pelo Senhor, para serem provados em sua fé, de modo que possam se revelar gratos pela Sua misericordiosa provisão, sem a qual não poderiam sobreviver.
Todavia, não são poucos os que murmuram, quando são encontrados nesta condição de terem que sobreviver com o estritamente necessário, porque se sentem frustrados em não alcançarem tudo quanto têm ambicionado.
Era exatamente esta a situação que Israel estava experimentando em sua caminhada no deserto, só que em vez de serem gratos e se regozijarem em Deus, pela misericórdia de lhes ter livrado da escravidão no Egito, e lhes dar o maná de forma miraculosa, eles se deixaram vencer por suas cobiças carnais e endurecidos pelo pecado, vieram a murmurar não poucas vezes, porque estavam se rebelando contra a situação que estavam sendo obrigados a experimentar pela vontade do Senhor.
Eles não queriam se submeter ao desígnio de Deus, ao contrário queriam satisfazer aos desejos do seu próprio coração, e assim, queriam ter de volta a mesma alimentação que tinham à sua disposição no Egito, ainda que debaixo de escravidão.
A fraqueza da lei pela carne (Rom 8.3) revelou-se plenamente na Antiga Aliança, pois apesar de estarem sob o regime da lei, a lei descobriu o pecado dos israelitas, mas não pôde destruí-lo; pois isto pode ser feito somente pelo poder da graça.
Tão logo partiram do Sinai, em face das dificuldades do deserto, no qual haviam caminhado três dias, eles reclamaram e mostraram abertamente o seu descontentamento, e isto despertou o fogo do juízo de Deus, que consumiu as extremidades do arraial, e o povo clamou a Moisés, e este clamou ao Senhor, e o fogo apagou (Núm 11.1,2).
Deus admite a nossa queixa quando há uma razão justa para isto, como vemos, por exemplo, no Sl 142.1,2:

“Com a minha voz clamo ao Senhor; com a minha voz ao Senhor suplico. Derramo perante ele a minha queixa; diante dele exponho a minha tribulação.”

Queixar-se da condição é uma coisa, e queixar-se de Deus é outra muito diferente, e é nisto que consite a murmuração.
Então, quando esta queixa é contra o Senhor, podemos estar certos de despertar o Seu juízo contra nós, assim como se deu com os israelitas.
O fogo que havia consumido Nadabe e Abiú estava cercando os israelitas e ameaçando consumi-los.
Eles haviam murmurado várias vezes desde que haviam saído do Egito, mas não houve nenhuma manifestação da ira de Deus contra eles, como estava ocorrendo agora, porque eram indesculpáveis, pois conheceram perfeitamente qual era a vontade do Senhor em relação a eles, nos doze meses em que permaneceram no Sinai para o fabrico do tabernáculo e para receberem a Lei e os mandamentos de Deus para eles.
Aquele fogo havia sido apenas um fogo de advertência, de modo que não viessem a murmurar no futuro, e a evitarem assim, que lhes sobreviesse algum juízo.
Aquele lugar recebeu um novo nome, a saber, Taberá, que significa queima.
Porém, por influência do misto de gente que havia se juntado aos israelitas, quando deixaram o Egito, que é denominado no hebraico por aspesof, que significa mistura, e pelo grande desejo manifestado por eles de voltarem ao Egito, para comerem das comidas daquela terra, o povo de Israel se deixou influenciar fortemente e veio a murmurar de novo contra o Senhor, porque queriam especialmente comer carne todos os dias, e não estavam satisfeitos em terem que comer o maná.
Aqueles que eram de outra nacionalidade, e que haviam deixado o Egito juntamente com os israelitas, queriam apenas a terra prometida, mas não o Senhor, e muito menos passarem pelas provações que seriam necessárias até que viessem a alcançá-la.
Certamente, pouco lhes agradava terem que se submeter às ordenanças de Deus. Este fermento levedou a massa inteira.
Por isso a Bíblia é bastante enfática em ordenar aos cristãos a não se colocarem em jugo desigual com aqueles que desprezam o Senhor e os Seus mandamentos, para participarem das suas práticas e/ou ficarem debaixo da influência dos seus hábitos e costumes, pois o resultado será sempre este que o povo de Israel experimentou, a saber, desviar-se dos caminhos de Deus.
Sempre será oportuno atentar para a ordem do apóstolo:

”E com muitas outras palavras dava testemunho, e os exortava, dizendo: salvai-vos desta geração perversa.” (At 2.40)

As pessoas que levaram Israel à ruína, nos dias de Moisés, sequer haviam sido contadas quando foi feito o censo, porque não tinham qualquer participação na genealogia dos filhos da promessa, a saber, dos descendentes de Jacó.
Com isto não se sentiam obrigados a terem qualquer compromisso com Deus.
Muitos israelitas se igualaram a eles, apesar de saberem que estavam arrolados entre os aliançados com o Senhor, pela promessa que Ele havia feito aos patriarcas.
É preciso saber distinguir entre o amor que é devido a todos os nossos semelhantes, pela nossa descendência comum em Adão, mas é preciso também reconhecer que fazemos parte de uma nova Cabeça, de uma nova criação, e que as coisas antigas já passaram, pois em Cristo tudo se fez novo.
Quando a semente santa se mistura àqueles que vivem escravizados ao pecado, os seus ouvidos se fecharão às instruções dos ministros de Deus, e se deixarão conduzir por doutrinas, costumes e hábitos estranhos e abomináveis ao Senhor.
A porta da salvação está aberta para todos. A graça de Jesus está disponível para todos os que se arrependerem do pecado.
Então não se trata de discriminação ou acepção de pessoas, porque o próprio Deus não o faz. Mas o que se pode esperar quando alguém faz acepção de Deus e o rejeita deliberadamente? Que se minta ou que se disfarce, dizendo que faz parte do contingente daqueles que o amam e servem?
O espírito de queixa se alastra como fogo, e todas as famílias de Israel vieram a chorar reclamando que nada tinham para comer além do maná.
Foi tão grande a pressão que fizeram sobre Moisés, lhe pedindo que lhes desse carne a comer, que ele derramou toda a aflição de sua alma perante o Senhor, pedindo até mesmo que lhe tirasse a vida, pois o encargo de conduzir todo aquele povo era pesado demais para ser suportado por ele.
No meio da calamidade o Senhor proveria um alívio para Moisés, designando setenta anciãos aos quais revestiria com o poder sobrenatural do Espírito, para que o auxiliassem.
Como sinal de que estes tinham recebido o Espírito de Deus, para também liderarem o povo, debaixo da liderança geral de Moisés, foi-lhes dado que profetizassem, e até mesmo dois deles que não se encontravam no ajuntamento, por não estarem na tenda da congregação, mas fora no arraial, que também profetizaram, e se diz que nenhum deles profetizou depois disto, porque Moisés era o profeta de Deus entre eles, e isto evitaria que viessem a disputar a posição de Moisés no futuro, movidos por ambição, ciúme, rebelião ou por influência de Satanás; e disseminassem ensinos como sendo proferidos por Deus para o povo de Israel, quando na verdade não passariam de enganos.
Deus poderia fazer com que todos tivessem os mesmos dons e poderes espirituais, para o exercício da liderança, mas isto faria com que muitos deixassem de reconhecer aqueles que Ele tem levantado para liderar o Seu povo.
Nós vemos este cuidado e critério do Senhor, ao longo de toda a história da Igreja, e desde os dias apostólicos, quando muitos, eram batizados com o Espírito Santo, somente quando um dos apóstolos estivesse presente entre eles, apesar de terem sido evangelizados antes, por outros servos de Cristo (At 8.16; 19.3-5).
Quando o Senhor ordenou a Moisés que dissesse ao povo que se santificasse, porque lhes daria carne para um mês inteiro, Moisés se sentiu constrangido e protestou diante de Deus, porque como diria aos israelitas que Ele havia prometido dar carne, para um mês inteiro, porque somente de homens preparados para a guerra havia mais de 600.000 mil almas?
Mas a resposta do Senhor foi dada com uma pergunta: “Porventura tem-se encurtado a mão do Senhor?”, e a isto acrescentou: “agora mesmo verás se a minha palavra se há de cumprir ou não.”
Moisés disse as palavras do Senhor ao povo, e a Bíblia nada fala sobre a reação deles, mas é bem possível que muitos tenham não apenas duvidado da promessa de Deus, em face da Sua grandiosidade, e não seria nada improvável, que muitos deles tivessem até escarnecido tanto de Moisés, quanto do Senhor, e não seria de se estranhar que os que viriam a ser submetidos ao juízo que lhes sobreviria, quando estivessem comendo a carne, fossem contados entre estes que não eram dignos de se alimentarem do milagre operado por Deus, em face da sua incredulidade.
De fato a incredulidade mata não somente com a morte física e espiritual, como também com a eterna, pois a única forma de se ter vida e vida em abundância é pela fé em Cristo.
Muitos descreem da promessa de Deus de nos dar não apenas provisão para um mês inteiro, no meio do grande deserto espiritual de nossas vidas, mas para a vida eterna, e não com o alimento que vai para lugar escuso, mas com o alimento espiritual que está em Jesus Cristo, e que permanece para sempre.
Realmente é uma oferta muito grandiosa, imerecida por nós, mas todos os que tiverem um coração simples e sincero, e a pegarem com a mão humilde da fé, receberão o seu cumprimento, e serão salvos.
O desejo dos israelitas seria satisfeito por Deus, pois lhes daria carne de codornizes para mais de um mês, e era tanta carne que eles levaram dois dias recolhendo aqueles pássaros no campo.
Entretanto a satisfação do desejo não seria para o bem deles, senão para juízo, pois não puderam ter o prazer de desfrutar com alegria e satisfação o que colheram, pois antes mesmo que engolissem o alimento, quando a carne ainda estava entre os seus dentes, muitos deles foram feridos com uma praga mortal que lhes sobreveio da parte do Senhor, em razão da manifestação da Sua ira contra o seu pecado.
O nome do lugar onde foram sepultados passou a se chamar Quibrote-Taavá, que significa no hebraico “túmulo do desejo”, pois o desejo deles foi sepultado juntamente com eles naquele lugar.
Aqui está uma grande lição que é mais importante ter pouco com contentamento do que muito sem estar satisfeito, porque sem a aprovação de Deus, nada do que venhamos a conquistar, mesmo da parte dEle, poderá fazer com que estejamos alegres, em paz e com contentamento em nossos corações.
Aquilo que é alcançado pela obstinação do nosso ego carnal contra a vontade do Senhor para nós, não poderá jamais ser traduzido em bênção para as nossas vidas.
Não havia nenhuma falha no maná, mas mentes descontentes acham falhas onde elas não existem.
Veem penúria onde está havendo provisão miraculosa da parte de Deus.
O mau humor há de dominar a todo aquele que não aprender a viver contente em toda e qualquer situação, que é a norma bíblica de vida para todos os filhos de Deus.
A falta de contentamento conduz imediatamente à ingratidão, e é da vontade dEle que em tudo Lhe demos graças.
É uma ofensa a Deus deixar os nossos desejos irem além da nossa fé.
É neste sentido que nos é ordenado não estarmos ansiosos por coisa alguma, porque os nossos desejos, não raro, podem nos conduzir à ansiedade.
Em I Cor 10.6 nós somos alertados que tudo o que foi registrado na Bíblia em relação à história de Israel, foi para advertência da igreja de Cristo, de modo a não incorrer nos mesmos erros em que eles incorreram:

“Ora, estas coisas nos foram feitas para exemplo, a fim de que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram.” (I Cor 10.6).

Silvio Dutra