Depoimento de Despedida

Cerca de 670 depoimento de Despedida

E a cada partida sem despedida, fica um sentimento de dor sem formas de remediar. Talvez o tempo (quem saberá?).

Andreza Filizzola

Em toda minha vida me fez te amar,
Em cada despedida me fez chorar...
Amei e fui infeliz...
Jurei nunca mais amar!

Ataíde de Lima Moreira Neto

CARTA DE DESPEDIDA AO SENHOR ESTRANHO:


18 de Abril de 2011, Brasil.


Estranho,


“Sei que é uma decisão tardia, diante os fatos ocorridos, mas tudo tem seu tempo pra acontecer, se isso só aconteceu agora, deve-se ter lá seus motivos. Vá entender!

Enfim, resolvi não te querer mais.

Mesmo que meu coração ainda reclame sua ausência.

Resolvi mudar o costume de ter você em tudo. De ter você nos cantos da casa, de ouvir você abrindo a porta, de ouvir o barulho do seu carro, de sentir sua respiração... Tudo isso de maneira imaginária, pois você não está mais aqui. Fato. E eu preciso me acostumar com isso.

Resolvi pensar sozinha, imaginar meu futuro sem você. Você não vai voltar.

Resolvi guardar as recordações numa caixa grande, de aparência simples, para que ali ficassem enterrados os nossos momentos bons, ou melhor, os momentos que tanto apreciei. Momentos sublimes e que, na realidade, eram tão vazios... Guardei dentro dela todas aquelas pequenas coisas que me fazem ter você na lembrança, tudo que me faça sentir a sua energia: suas camisas, bermuda, roupa intima, escova de dente, fotos, cartas escritas, bilhetes, vidros de perfumes, aliança, coleção de CDs...

Criei uma caixa imaginária dentro de mim pra guardar tudo que vivemos: as palavras ditas, as noites amor, as conversas por MSN, as conversas por telefone até amanhecer o dia, as mensagens no celular, o som do seu sorriso, a lembrança dos seus olhos, da sua respiração, o beijo que você dava na minha mão ao dirigir, a sua cara ao ler a mensagem que escrevi no espelho, as reticências, o “quem sabe um dia!”, o “inclusive”, as músicas, as nossas vídeo chamadas, as suas mãos calejadas, a ponta da orelha, o seu silêncio, a paz que encontrávamos juntos...

Guardei nela também a saudade que sinto e que você nunca sentiu.

Guardei os planos, os projetos, as incansáveis noites em claro esperando por noticias suas, a minha insistência em fazer com que você acreditasse que eu seria a pessoa certa pra você, as minhas lágrimas de apelo, o meu sofrimento por vezes tão grande que me causava dores físicas, a minha insegurança, minha preocupação e o meu medo de perder você.

Guardei a esperança, o desejo, a vontade, o amor por você, a espera, a paciência, a sinceridade, a compreensão, o meu respeito e admiração por te achar tão perfeito.

Resolvi mudar o perfume, meus produtos de banho, comprei lençóis novos, toalhas novas. Não quero nada que seja intimo misturado com a sua lembrança.

Olha, vou comprar uma cama nova! Não agüento mais dormir no sofá, pois não consigo olhar pra cama e pensar o quanto você foi sórdido ali! Acho que foi nela que você mais mentiu... principalmente ao fingir fazer amor. Acho que você desconhece o real significado da frase.

Penso apenas que não suportaria mais suas mãos sobre o meu corpo, apesar do desejo ainda ser forte, eu não agüentaria tanta humilhação. Não agüentaria olhar pra você e pensar que tudo é fingimento.

Eu que sempre me entreguei verdadeiramente. Eu que sempre acreditei na nossa cumplicidade. Acreditei em você. Confiei. Agora me encontro perdida em meio a sentimentos tão frios e procurando as palavras certas para descrevê-los.

Tenho raiva do meu corpo por saber que nele você despertou sensações maravilhosas que ninguém nunca conseguiu fazer o mesmo.

Tenho raiva de mim por não conseguir me permitir que outro o toque, pois ainda sinto como se ele fosse seu.

Repito pra mim mesma, cheguei a escrever as frases ditas por você (colei em espelhos, guarda-roupa, geladeira... eu precisava que delas!), pois foram elas que me fizeram enxergar que eu não sou o bastante... não sou o bastante pra você. Não por ser inferior. Não. Mas porque pra você, você se basta. Você é tão você, que os outros não são nada. Você brinca com os sentimentos, com as pessoas, você muda a vida, a rotina, você tem o dom de transformar o céu em inferno! É triste. Mas é a realidade. Você tem um dom de cativar e de destruir tudo em segundos, com a mesma facilidade.

E eu não quero ao meu lado alguém tão singular. E eu preciso me libertar desse sentimento doentio que é amar você, porque definitivamente, você não é o quem eu amo. A sua realidade é diferente da pessoa que amei. Eu imaginei, ou vivi, não sei ao certo, algo inexistente.

Você tantas vezes me disse que me amava incondicionalmente... o que é ser incondicional pra você?
Acho que você nunca vai saber o quanto eu amei você e a sua real importância para mim.

Senhor Estranho, encontre-se. Porque agindo assim você vai fazer com que muitas pessoas boas e de sentimentos puros, se percam. E definitivamente, ninguém merece ser usada assim.

Boa sorte em seu caminho, porque agora eu vou refazer o meu e concertar os estragos que você o fez.
Seja feliz.”

...

(são três pontos finais, só pra ter certeza que acabou.)”

Laila Monteiro

Ele deve estar tão confuso...
tão repleto de alegria por ter reencontrado quem a despedida o dilacerou um dia, mas ao mesmo tempo tão desolado por deixar tantos amados assim, igualmente, dilacerados.
Ao fazer a travessia trocamos uma dor por outra. Essa saudade e a impressão de ter deixado tanto por dizer e por fazer, é algo que perturba em ambos os mundos.

Maryanne Schramm

Uma nuvem nova do teu céu
Pra provar dessa chuva
Pra viver sem despedida
Sem tempo de mais nada.

Faça-me nervos de aço
Dê-me tua carne e ossos
Junte os meus destroços
Faça de mim um amor.

amauri valim

Faça de cada momento da sua vida, uma eterna despedida, pois não sabemos como será o amanhã.

Alexsandro Rosa Soares

Depois de passar a noite juntos, chega o seu momento de partir; Naquele instante de despedida, eu fico tentando encontrar algo para te dizer, algo com que faça as palavras que eu escolhi dominarem sua mente, fazendo-me ser o seu único pensamento até a noite virar dia. Porém, não encontro as palavras, pois me sinto perdida em teus braços, querendo unicamente te sentir como se naquele momento fosse o nosso último encontro. Então, tu se vais e deixa apenas o seu cheiro. Fico triste por saber que ficaremos longe... Aí o coração grita e me faz perceber que tu estás aqui tão pertinho de mim, fazendo-me experimentar uma felicidade que eu nunca havia conhecido antes.

Tamiresss Monteiro.

Não vai ser uma despedida, porque nessa vida ninguém sabe como será o fim.

Gabriela Stacul

Fica aqui marcada minha despedida! Adeus, iludida ilusão que me persegue! Cansei de esculpir amor nos olhos do desprezo...

Lia Beraldo

Não era uma simples despedida, ali havia amor.

-Luci, você vai ficar bem?
-Sim (olhos cheios d'água)
-Boa sorte pra você, torço para dar tudo certo.
-Obrigada! Bem... Ton, eu queria te dizer, que, pode me visitar quando quiser.
-Irei só se você quiser.
-Então se eu pedir você vai me visitar?
-Sim.
-Por que você não vai junto comigo? Assim não precisarei te ligar amanhã pedindo pra que vá me vê.
-Era isso que eu queria ouvir... (ela o interrompe)
-Mas você não viu isso em meus olhos?
-Vi, mas queria ter certeza, antes de largar tudo pra ficar com você. Eu te amo Luci.
-Eu te amo Ton.

Deixou de ser uma despedida pra ser uma decisão de amor.

Gabriela Stacul

Lições na Despedida de Jacó e José

Quando José foi notificado que Jacó, seu pai estava enfermo, ele partiu imediatamente para a terra de Gósen conduzindo consigo seus filhos Efraim e Manassés.
O fato de ter levado seus filhos é indicador de que a notícia que lhe foi dada informava que a enfermidade de seu pai era para morte.
Quando Jacó soube que José viera visitá-lo ele se esforçou e se assentou no seu leito de enfermidade para recepcionar o seu filho.
Ele se esforçou e foi fortalecido por Deus para abençoar com bênçãos proféticas que lhes foram dadas naquela ocasião pelo Senhor, não somente a José e seus filhos, como a todos os seus demais filhos.
A graça elegeu os dois filhos de José para serem considerados como filhos do próprio Jacó, para que tivessem herança na terra de Canaã (48.5).
A grandeza de hoje amanhã já não o será.
A honra de José duraria por um tempo no Egito, mas os descendentes de seus filhos viriam a compartilhar do cativeiro dos israelitas juntamente com todos os demais descendentes dos irmãos de José, pois este, apesar de estar em honra no Egito, continuava sendo um hebreu, e assim também seriam considerados os filhos que ele havia gerado.
A glória do Egito seria submetida aos juízos de Deus, cerca de quatrocentos anos depois de José, e os descendentes de seus filhos Efraim e Manassés estariam sendo livrados do cativeiro pela poderosa mão do Senhor para retornarem a Canaã, juntamente com as demais tribos de Israel.
Assim, o que parecia fraqueza na pessoa de Jacó e sua condição no Egito, e o que parecia grandeza no governo e honra de José, viria a ser invertido com o passar do tempo, e assim, as bênçãos de Jacó para José e seus filhos eram muito preciosas e melhores do que a presente condição deles no Egito.
Quem não contempla o futuro poderia se perguntar qual o valor da bênção de um homem velho e doente para o seu filho rico e poderoso?
Por que precisariam seus netos da sua bênção, sendo filhos de um pai que tinha a importância de José?
Mas o grande fato é que José não andava por vista, mas por fé, e ele contemplou a grandeza das promessas de Deus sobre a vida de seu pai e de seus descendentes.
Sendo governante sobre toda a terra, ele vem à presença de Jacó em sua fraqueza e velhice, e se inclina em terra perante ele (48.12).
Na verdade, como disse Jesus, o valor de uma pessoa não consiste na quantidade de bens que ela possui.
José sabia que era a seu pai que as promessas pertenciam, e eles seriam participantes daquelas bênçãos pelo que havia sido prometido por Deus a ele, e a Isaque e a Abraão, antes dele.
Por isso Jacó foi diretamente ao assunto com José, sabendo que estava às portas da morte, dizendo que Deus lhe havia aparecido em Luz, que é Betel, em Canaã e o havia abençoado e feito a promessa de torná-lo fecundo, e de multiplicá-lo, tornando-o uma multidão de povos, e que daria por possessão perpétua à sua descendência a terra de Canaã (48.3,4).
José creu nas palavras de seu pai, e por isso deu ordem aos seus descendentes que quando Deus os visitasse para levá-los do Egito para Canaã, eles levariam juntamente com eles os seus ossos que estariam guardados no Egito.
Os ossos de José foram enterrados em Siquém, na terra que Jacó havia comprado a Hamor, pai de Siquém, nos dias de Josué (Jos 24.32).
Os olhos de Jacó estavam escurecidos pela sua avançada idade, mas ele não agia pela vista nas coisas referentes a Deus, mas pela fé, e por isso não confiou pelo julgamento dos olhos quando abençoou os filhos de José, mas pela direção e mover do Espírito, porque em vez de colocar a mão direita sobre a cabeça do primogênito (Manassés), colocou-a sobre a cabeça do mais moço, e quando José alertou-lhe sobre o que havia feito, ele não mudou a posição da mão por ter permanecido firme na direção e autoridade que estava sobre ele naquela hora, e não sobre José, e disse-lhe que Efraim viria a ser um povo maior do que a descendência de Manassés (48.19).
É importante destacar que antes de Jacó abençoá-los, em José, ele proferiu a seguinte introdução:
“O Deus, em cuja presença andaram meus pais Abraão e Isaque, o Deus que me sustentou durante a minha vida até este dia, o Anjo que me tem livrado de todo mal, abençoe estes rapazes; seja neles chamado o meu nome, e o nome de meus pais Abraão e Isaque; e cresçam em multidão no meio da terra.” (Gên 48.15,16).
Assim, Jacó destaca as experiências que ele tivera da bondade de Deus para com ele.
As visitas particulares da Sua graça a ele, e a comunhão especial que tivera com ele e da qual não havia se esquecido.
Cita também o cuidado constante da providência divina para com ele durante todos os dias da sua vida.
O Anjo do Senhor lhe havia livrado de todo o mal.
Apesar dos seus muitos sofrimentos Deus lhe havia graciosamente guardado em todas as suas dificuldades.
Agora em sua morte, ele estava considerando que seria livrado para sempre de todo o mal, e já não haveria mais pecados pelos quais ter que se entristecer.
O fato de que o nome de Jacó, de Isaque e de Abraão ser chamado sobre Efraim e Manassés, como sinal de serem abençoados de Deus, é importante para nos lembrar que todos os verdadeiros filhos de Deus devem andar no mesmo exemplo de fé dos patriarcas.
Como já dissemos antes, um verdadeiro filho de Abraão deve ter a fé de Abraão e praticar as obras de Abraão, isto é, deve seguir os seus passos.
Um verdadeiro seguidor de Cristo e de seus apóstolos deve seguir nas mesmas pegadas de Cristo e dos apóstolos.
Não é, portanto uma simples questão nominal que está em foco, mas o fato de se ter o mesmo testemunho de vida.
Assim como os patriarcas devotaram suas vidas a fazerem a vontade de Deus, de igual modo os seus descendentes espirituais, isto é, que têm a mesma fé que eles, devem seguir o seu exemplo de devoção a Deus.

Silvio Dutra

O momento da despedida não foi fácil, o silêncio tomou conta de nós, falávamos apenas com os olhos. incansáveis conversas pelo olhar, por mim ficaria ali eternamente! A boca dizendo: "vou embora!", enquanto os olhos diziam: "Por favor, não me deixe ir, eu não quero ir!". Depois de um abraço de longos minutos e lágrimas derramadas, o melhor era cada um seguir o seu caminho! Por mais que se amassem, o orgulho tomou conta do destino, e ali, naquele momento a despedida foi inevitável. Ele foi embora, olhando para trás e querendo ficar, os dois com o coração partido por não conseguirem conviver com as diferenças um do outro!

Palloma Lacerda

É o fim, e o encontro também foi a despedida, na próxima estação começa uma nova vida

Marcos Cavalcante

Todo encontro também é uma despedida, costumo a dizer que ela pode ser a última, por isso tenhas certeza do que farás, do que dirás nesse encontro, talvez não tenha a chance de dizer novamente.

Marcos Cavalcante

Último dia do Ano... Preparativos prontos pras festas de despedida de 2012, saudosismos e expectativas explodem como os fogos dentro de cada um de nós... Um novo ano, os sonhos esquecidos são trazidos pelos pensamentos, e sonhos novos borbulham como a champanhe que teima em fazer parte da nossa comemoração.
Este ano quero mais do que isto, mais que os sonhos são a metas, e o esforço do trajeto até alcança-las... Traçar esta meta é uma atitude de coragem, sacrificaremos finais de semanas, ou realizações de desejos supérfluos. É tornar-se responsável pela própria sorte que trabalhará junto com seu empenho.
2013 será um ano intenso.
Conhecer e esquecer pessoas...
Desfazer e obter, dar e receber, conhecer e reconhecer...
Máscaras vão cair... Desejos não serão mais o combustível do moinho da vida, mas os OBJETIVOS... Desejos são vulcões, Objetivos são montanhas fixas e inabaláveis.
Desejo aos meus amigos e familiares, uma Meta nova, persistência, gratidão, e paz...
Maturidade, serenidade, e sagacidade...
Desejo um simples, mas realizado ano, com coragem de ler a si próprio e respeitar o outro.
Deus está Conosco, Ele é fé, É Amor, e quem tem fé tem paz, quem tem amor não faz guerra.
Felicidades! Saúde! Prosperidade! Sucesso!
São meus sinceros votos a todos vocês e também a mim...

Rizza de Morais

Ao voltar de Juiz de Fora,
sempre sou outra:
redescubro no olhar
o rosto da última despedida.

Não estar perto dos meus entes querido
me torna uma mulher forte, pois
posso aguardar nos meandros do tempo,
enquanto não os vejo; refaço
os contornos dos olhos de cada um
e espero a imagem se dissolver
e se recompor novamente.

E assim vou seguindo:
Com o relógio se detendo
sobre as horas vivas
quando colho o calor
e me aqueço em silêncio.

Rosemary Chaia

Um adeus é a metade da morte. É uma despedida que dói, uma incerteza de um reencontro, é uma saudade permanente, é uma lembrança marcada para vida.
65.

Hupomone Vilanova

Eu fui de encontro ao desencontro.
O peso da despedida ainda esta sobre meus ombros...
Você continua indo embora pra sempre.
E esse pra sempre é tão sem fim...

Aislan Fonseca

Despedida
Autoria: Dayane Ribeiro - trecho da coletânea de contos Apenas Ensina-me
-Quando foi a última vez que dançamos?
-Puxa... Faz tempo. Acho que em nosso casamento.
-Ah, sim! Eu me lembro... Você estava lindo, com o rosto sorridente.
-Eu estava feliz, acabara de ganhar na loteria.
-Alguém precisa lhe ensinar o que é loteria! Você tem uma ideia estranha sobre isso.
-Sete mil e novecentos dias que conheci e amei você, isso foi o que vivi ao seu lado, na alegria, na tristeza, quatro meninos lindos... Não são estas coisas que me fazem um homem de sorte?
-Creio que aos olhos de Deus, te faz abençoado.
-Então não discuta loteria comigo, eu sei o que digo.
-Que música dançamos em nosso casamento? - ela retomou o primeiro assunto.
-Moonlight Serenade.
-Então, me abrace e finja que ela está tocando, feche os olhos e imagine-se de volta, reviva esta alegria.
Assim ele o fez, e, enquanto estavam abraçados, de olhos fechados, com suas mentes no primeiro dia deles como marido e mulher, Sílvia partiu.

Dayane Ribeiro

Fui deixada...
Sem adeus, bilhete de despedida, um último gesto de carinho...
Sozinha sem passaporte, sem documento, acho que até sem memória.
Fui deixada...
Dilapidada de sonhos, fantasias e olha que é carnaval!
Sou colombina sem arlequim e sem pierrô.

Ângela Beatriz Sabbag