Depoimento de Despedida

Cerca de 634 depoimento de Despedida

Um adeus é a metade da morte. É uma despedida que dói, uma incerteza de um reencontro, é uma saudade permanente, é uma lembrança marcada para vida.
65.

Hupomone Vilanova

Eu fui de encontro ao desencontro.
O peso da despedida ainda esta sobre meus ombros...
Você continua indo embora pra sempre.
E esse pra sempre é tão sem fim...

Aislan Fonseca

Despedida
Autoria: Dayane Ribeiro - trecho da coletânea de contos Apenas Ensina-me
-Quando foi a última vez que dançamos?
-Puxa... Faz tempo. Acho que em nosso casamento.
-Ah, sim! Eu me lembro... Você estava lindo, com o rosto sorridente.
-Eu estava feliz, acabara de ganhar na loteria.
-Alguém precisa lhe ensinar o que é loteria! Você tem uma ideia estranha sobre isso.
-Sete mil e novecentos dias que conheci e amei você, isso foi o que vivi ao seu lado, na alegria, na tristeza, quatro meninos lindos... Não são estas coisas que me fazem um homem de sorte?
-Creio que aos olhos de Deus, te faz abençoado.
-Então não discuta loteria comigo, eu sei o que digo.
-Que música dançamos em nosso casamento? - ela retomou o primeiro assunto.
-Moonlight Serenade.
-Então, me abrace e finja que ela está tocando, feche os olhos e imagine-se de volta, reviva esta alegria.
Assim ele o fez, e, enquanto estavam abraçados, de olhos fechados, com suas mentes no primeiro dia deles como marido e mulher, Sílvia partiu.

Dayane Ribeiro

Já não tenho em mim
o gosto amargo da partida...
Sinto-me leve com a despedida,
pois não mais há motivo pra ficar!

Levo comigo o teu sorriso
numa marca de batom
e deixo pra ti o meu cheiro
que ficou no edredom...
Lembranças de uma noite
em que o dia não amanheceu,
porque o que brilhava estava em nós,
éramos o sol!

Robson Ruas

Despedida

Sabe aquele momento da vida
em que chega a hora de despedir?
Pois é... como tenho dificuldade
para lidar com este momento.
Quando você é o aluno mais antigo
daquela perua ou daquela escola.
Quando você precisa cumprir
aquele último mês de aviso prévio.
Quando você sai toda vestida de branco
para formar outra família.
Quando você decide terminar
aquele relacionamento que não deu certo.
Quando se despede daquele encontro
que tudo foi uma graça.
Quando olha seu melhor amigo
partindo pra longe... por outros caminhos.
Quando quem você ama com tanto carinho
parte deixando você para sempre.
Está vendo? Meus olhos encheram de lágrimas.
E mesmo sabendo que despedir é libertar,
eu definitivamente não sei lidar com despedidas.
Por isso... por mais que doa uma despedida,
e aproveitando que você está presente:
que tal sorrir, abraçar, amar, perdoar,
confiar, festejar, chorar, viajar, rezar,
brincar, dançar, ler, comer, viver...
juntos... bem juntinhos... sem preconceitos...
sem medos... nem julgamentos... nem penalidades...
Porque um dia um de nós vai partir.
E para cada encontro existe uma despedida.
E se existe algo pior que a despedida,
é o remorso por não ter amado.
Eu já vi tanta gente partir da minha vida,
algumas partiram para sempre,
partindo meu coração:
mãe, pai, parentes, mestres, amigos...
Até pessoas com as quais eu não convivi,
partiram deixando saudades:
meus avós, meu irmão, meu filho, escritores, "ídolos"...
Meus olhos encheram de lágrimas novamente.
Como dói despedida.
Se após uma despedida ficaram saudades,
é porque valeu a pena o relacionamento.
A gente só sente saudades do que foi bom.
Quando se despede de quem se ama,
este alguém sempre leva um pedaço de você
e você sempre carrega um pedaço dele.
A verdade é que somos sempre parte de alguém.
Com o lenço na mão e os olhos lacrimejados,
eu lembro-me de todos com carinho.
Apesar de ser tão difícil dizer adeus,
me sinto muito bem dizer “A Deus”,
para quem partiu para sempre.
“A Deus vos recomendo.”
Faz-me muito bem acreditar no céu.
Uma vez que pra mim o céu se define em duas palavras:
Encontro e Festa.
Encontro com os que já partiram e os que vão chegar
e festa para comemorar a saudades que morreu.
No meu céu não haverá despedida.
Olha que coisa boa!
Por isso enquanto viver
não quero saber lidar com despedidas,
até porque por de trás de uma despedida
sempre há uma vida nova chegando
e sempre há uma vida pra ser vivida.

gilberto angelo begiato

O encontro é uma obra de deus.
A despedida é ato dos homens.

Provérbio

Independente do que possa acontecer com a gente daqui para frente, já valeu ter lhe conhecido...

Leandro Flores

A vida é uma viagem imprevisível que pode ser resumida em dois momentos: o choro na chegada e o silêncio na despedida.

Nelson Barh

MEU ÚLTIMO POEMA

Muito tempo se passou desde o nosso reencontro
E eu ainda me vejo sentado naquele banco
Contando os minutos mexendo no celular
Quando de repente sinto uma mão a me tocar

Quando olho para traz eu a vejo me olhando
com o coração disparado já fui logo levantando
O meu grande desafio era apenas não demonstrar
Aquela vontade louca que eu estava de lhe beijar

Sentamos numa praça sobre a luz do luar
Foram horas de conversa até eu lhe perguntar
se estava preparada para um relacionamento
que compensaria todo o atraso dos nossos sentimentos

A sensação que senti quando sua boca toquei
não dominaram minhas lágrimas e foi aí que eu chorei
As lágrimas nos olhos não consegui controlar
devido a emoção indescritível de sua boca tocar

Depois as mesmas lágrimas já não foram de alegria
Mas sim de frustração e extrema agonia
pois não sei se ainda moro dentro do seu coração
ou se quando ouves o meu nome você sente comoção

Se nesta data lhe escrevo é porque ainda guardo em mim
Tudo o que de bom você me trouxe e que nunca terá um fim
Queria muito te encontrar para que possamos reaver
Tudo aquilo que um dia deixamos de fazer

Mas confesso que não tenho aquela mesma esperança
Pois suas fugas corriqueiras ainda vagam na lembrança
Preferiria que você me dissesse para não mais lhe procurar
Ao invés de me ignorar e nunca mais me contatar

Não sei se estou certo por ainda lhe escrever
Mas é que tudo é tão dificil para eu compreender
Eu até tentei te esquecer, de tocar, seguir em frente
Mas é que eu não consigo tirar você da minha mente

Me disseram que fui "chato", importuno e "sem noção"
Tudo isso só porque eu segui o meu coração
Me disseram que o que eu fiz, lhe incomodou e irritou
Contradizendo tudo aquilo que você um dia me falou

Você disse que errou deixando a entender
Que o que eu tinha era um nada para lhe oferecer
O que importa é saber que tudo que eu lhe fiz
Foi de coração aberto para que ficasse mais feliz

Me desculpe pelas coisas que um dia lhe irritou
Me desculpe se fiz algo que um dia te magoou
Não queria sua distância nem que esse fosse o fim
Mas respeito sua vontade de querer que seja assim

A partir de hoje deixarei você em paz
mesmo com a dor causada pela falta que me faz
E se caso algum dia você quiser me reencontrar
Estarei de braços abertos, basta apenas me contatar

Se eu não consegui cumprir com minha missão
Hoje deixo você livre para que seu coração
Encontre um alguém que realmente te mereça
Que não lhe incomode e que só lhe transpareça
Tudo aquilo que um dia você não enxergou em mim
Garantido uma bela história que nunca terá um fim

Vinicius Trombini Martins

Você não voltou, e talvez não precisaria mais, pois ficou, mesmo que eu acredite que nada é para sempre.

Adriana Vargas

Talvez a única dor que dói mais que dizer adeus é a de não ter tido a oportunidade de me despedir de você.

John Wesley dos S. Conrado

"Não guardo mágoa e nem cultivo ódio, só guardo o melhor de cada um.
Apago as dores e guardo lembranças.
Coleciono, risadas e histórias.
Levo em mim um pedaço de cada um e a certeza de que todo sentimento é eterno quando repleto de verdade. Aquilo que toca o seu coração merece pra sempre lugar dentro dele... Purifique seus sentimentos e entenda: Seu coração é o único lugar onde pessoas especiais viverão pra sempre!"

Joseh Silva

Ela disse que iria onde eu estivesse,
então eu fui
e fiquei sozinho.
Pra sempre...

Augusto Branco

Entre tantas idas e voltas suas percebi que quem tinha que ir embora era eu. E fui, mas não volto.

Adhara Costa

Não dá para negar que a experiência do intercâmbio está sendo incrível apesar de que não nos avisaram de que na metade dele passaríamos pela difícil experiência de nos despedirmos quase que ao mesmo tempo de muitos amigos que só estariam aqui por cinco meses.
Viajar é bom, “salir de fiestas” também. Porém são os relacionamentos mais próximos e profundos, e também os momentos difíceis que mais te fazem amadurecer. Aprendemos muito com eles nesse intercâmbio, muito mais que na universidade, diga-se de passagem.
O que acontece quando você vive com mexicano que “tem cara” de japonês, um alemão que “parece mexicano”, e um francês que não corresponde ao que você tinha escutado sobre um francês? Ou então quando você é um brasileiro que não joga bem o futebol e tampouco sabe “bailar” como os estrangeiros supõem que um brasileiro sabe? Você quebra estereótipos e faz com que os outros quebrem os seus também. Você aprende que as pessoas são quem são independente dos países de onde vêm. Tudo bem, depende da cultura, sim. Mas você se aproxima de alguém ou se afasta não porque é desse ou de outro país, mas porque se identificou com ela.
O que acontece quando você se torna irmão de um francês mais novo que você, de 19 anos, que te dá uma aula de maturidade? Você para e se pergunta: por que eu não posso fazer isso sem esperar que os outros façam primeiro? Por que não posso dar sem ficar esperando retribuição?
E quando você faz um amigo da Alemanha (país desenvolvido, de primeiro mundo) que "comparte" (compartilha) com você sua história e suas dores, suas alegrias e amores? Você aprende na prática a frase que diz “que as dores humanas ultrapassam as divisões de classe e cultura”. Não importa se seu país é rico ou pobre, se você é rico ou pobre, você é ser humano e viver às vezes vai doer do mesmo jeito.
Agora está terminando um ciclo. Doi dizer adeus, não saber se vai ver mais. Mas a gente sabe que a vida é assim, cheia de idas e vindas, chegadas e partidas, saudações e despedidas. A gente tem que se acostumar, dizer para si mesmo “deixa ele ir”, deixá-los partir. Mas na verdade, com despedidas a gente nunca se acostuma. O que a gente faz é se resignar, deixar ir porque não há o que fazer, não podemos aprisionar o outro e impedir que ele siga sua vida. E a gente tem que seguir a nossa também... Ninguém vai estar perto da gente a vida toda. É preciso saber deixar partir, abrir mão, desapegar-se. Vai haver dor, de qualquer maneira, então o que se há de fazer é chorar, viver o luto e conviver por algum tempo com o vazio da despedida. Até que finalmente a dor passa e estamos abertos para viver novos relacionamentos, conhecer novas pessoas, e deixar que os novos amigos conheçam, através de nós, através do que a gente carrega dos que se foram, um pouco da personalidade deles também, que um pouco já se tornou parte da nossa. Um pouco do trejeito, ou uma frase que eles falavam e a gente não esquece e já toma como nossa, a forma de se vestir, de sorrir, quem sabe... E aí o ciclo recomeça.

Samir de Sena Osório

Antes de sair do Brasil e me meter nessa aventura inimaginável em minha vida, assisti a uma palestra sobre autodesenvolvimento em que a psicóloga dizia que fazer um intercâmbio era como amadurecer cinco anos em um. Agora, faltando menos de dois meses para que eu volte pra casa, tenho que concordar com ela.
Esse semestre conheci pessoas especiais como no primeiro semestre. E umas das mais especiais eu conheci um pouco menos de dois meses antes de que eles voltassem para o país deles, Romenia. Talvez eu os tenha conhecido um pouco tarde. Mas pode ser que, se os tivesse conhecido antes, a amizade não teria sido tão boa como foi. Sabe aquelas pessoas que você conhece e com as quais em pouco tempo você se identifica e percebe que com elas você não precisa fazer esforço para fingir ser quem não é, e a amizade flui, e cada um acaba buscando a companhia do outro natural e reciprocamente? De modo que você se expõe, se torna vulnerável, mostra o que você tem de pior, e isso, em vez de te distanciar delas, acaba te aproximando? Então, minha amizade com eles foi assim, até que um mês e meio depois que os conheci, eles foram embora.
Porém se tem algo com que eu me resignei nesse intercâmbio é a dura verdade de que viver é despedir-se. Despedir-se do dia que passou, do amigo que foi e não volta, despedir-se da gente mesmo, de quem a gente era e agora já não é mais. Despedir-se da cidade da qual vamos embora e pra qual não sabemos se regressamos. Até que um dia chega a última despedida, que é o dia em que a gente tem que se despedir é da vida mesmo.
Mas viver também é reencontrar-se. Reencontrar-se com um amigo que há muito não se via. Reencontrar-se com a família que saudades de você sentia. Reencontrar-se com sua cidade natal, de onde você quase nunca saía até que uma experiência de intercâmbio te força a sair dela para, quem sabe, saindo da zona de conforto, você possa reencontrar-se consigo mesmo.
Ao voltar para o Brasil em algumas semanas, vou reencontrar minha família e amigos e vou precisar de muito tempo para tentar passar pra eles o que foi esse intercâmbio, mesmo sabendo que só saberão mesmo o que é um quando fizerem um. Vou ser cuidadoso, vou tentar não transformar tudo que passou em um conto idealizado, vou dizer que conheci lugares novos, pessoas especiais, fui a festas divertidas, mas vou dizer também que às vezes foi difícil, sabe, que tive momentos de estresses, momentos em que queria voltar para o aconchego da casa dos pais, voltar a comer a comida da mãe. Ou momentos comuns, em que não tinha nada para fazer, ou não queria fazer nada, e ficava “aburrido” (entediado) em casa navegando na internet. Que teve momentos que comparei o Brasil com os países da Europa e disse que queria viver aqui para sempre e outros momentos que achei que tudo no Brasil era melhor e queria voltar logo para casa.
Estou ansioso pelo reencontro. Pela troca de experiências, por saber também por quais dificuldades passaram durante esse ano e quais alegrias tiveram. Um reencontro com quem já não são mais os mesmos, ainda que o sejam. Eu também não sou o mesmo, mesmo que seja. Cinco anos mais maduro, embora só tenha passado um ano fora. Eles, também mais maduros, ainda que tenham passado no mesmo lugar.

Samir de Sena Osório

Ali, o corpo. Para sempre, o espirito.

Clivson Ruy

Saudade começa a ser sentida antes mesmo de ser ausência.

Andreza Filizzola

Foi embora. Deixou-nos. “Maldito câncer”, pensei. Mas não havia nada que eu pudesse fazer, não estava em minhas mãos, nem nas mãos de qualquer outra pessoa, mas nem por isso deixa de doer. Apenas me ligaram, eu não hesitei e peguei um avião. Vê-la em um caixão me chocou, eu esperava que ela se levantasse e dissesse que era uma piada, que estava bem, que estava feliz de ver toda a família reunida, que era o que ela realmente queria. Antes de entrar no avião chorei na rua, no departamento, no metrô, enquanto almoçava, enquanto embarcava e, quando cheguei. Senti que o ar frio e seco, junto com a cara de tristeza da minha mãe me esperando, despertou dentro de mim mais choro, recordações e momentos estavam retornando à minha mente para morrer no mesmo momento em que o caixão foi fechado. Eu escrevi uma carta que ela nunca vai ser capaz de ler, eu queria que soubesse, onde quer que esteja agora, que eu nunca vou esquecê-la, que nunca vou deixar de lado as lembranças que criei ao seu lado. Eu chorei tanto que meus olhos estão doendo até agora. A vida segue de uma maneira tão descarada após a morte de alguém que eu comecei a sentir um pouco de raiva, cada pessoa deveria representar mais do que um corpo, mais que algo finito. O mundo deveria parar como parou nesses últimos dias para mim.

Onecyna Alves

E já que você foi embora, eu pensei sobre as coisas que deveríamos ter feito. Eu deveria ter te beijado lá, de surpresa. Eu deveria ter dito coisas que você queria ouvir olhando em meus olhos. Eu deveria ter aproveitado todas as segundas chances que tivemos. Eu deveria ter te feito ficar. Eu ainda deveria te ter aqui.

Dalila Maitê Rosa Sena