Dedicatorias de Avó para Neto

Cerca de 2190 dedicatorias de Avó para Neto

O CARNAVAL ACABA AMANHÃ E VAI TER MUITAS MÃES CANTANDO:

- RÁ RÁ RÁ RÁ RÁ RÁ RÁ GANHEI UM NETO !

Francisco Coelho

Já dizia ele:
Tem dias meu neto que "denoite" é assim mesmo.

Jordano

João Cabral de Melo Neto

Meu caro João,
Dono do cão sem plumas
Dos retirantes surrealistas
Um belo engenheiro da poesia
Amado poeta do sertão,
Da luz balão!

Enterra os ossos com a lâmina da faca
Germina a poesia popular
Na educação pela pedra
Nada de tradicionalismos
Nada de convencionalismos
Retira o relógio da gaiola
Esquece o regimento
Come os versos, as estrofes
Lança assovios e flores
De um arquiteto da luz livre
Toma umas aspirinas
Abusa das rimas
Das vidas divinas toantes.

Do fazer poético
No catar feijão
Tecendo a manhã
Com a Morte e vida Severina
Semeando a poesia no sertão
Deixou seu coração
E a esperança do amanhã.

Danielli Rodrigues

Um dia contarei pro meu neto:
existia um cara na TV chamado Silvio Santos.
Ele fazia coisas impossíveis hoje em dia.

Roberto Reis

Não importa onde estiver se estiver bem, qualquer lugar serve.
Julio Ramos da Cruz Neto

Julio Ramos da Cruz Neto

Um dia, sentei vendo todos os meus netos brincando num parque... E meu neto chega em mim e diz: vô! Por que não conseguimos seguir algumas coisas que tanto queremos? Na vida, tudo é tão difícil assim?
Nesse momento, peguei uma rosa branca, e comecei a contar uma historia sobre a minha vida...
Depende do que queremos ser, onde queremos ir. Mais não busque explicações em outros rostos, outras frases e palavras, está tudo dentro de você. E ninguém nem nada pode mudar isso.
Percebi que naquele momento, todos meus netos se reuniram em volta de mim. E continuei a me expressar de uma forma, que eles me entendessem.
Eu nasci pobre meus netos, eu não tinha nada de onde vim, vim de baixo sim! Mas a vida me ensinou a jamais desistir. Tive motivos sim, mas não atendi.
Comecei a perceber, que existiam pessoas que pela frente nos beijavam e diziam palavras lindas, e por trás no abaixavam, e diziam mentiras sobre nossa pessoa, mais dessas pessoas a inveja minha, jamais existiu.
Pois quem fala mal de mim por nada ter feito, apenas se reflete em um próprio espelho.
Superei as maldades do ser humano, e entendi uma coisa, vamos ter surpresas na vida, vai cair uma tempestade em uma linda tarde de sol forte.
Mais precisamos ter o nosso quadra-chuva para não nos molhar, mais se estamos nela, não tem problema. Pois vai secar.
E fui lutando, por tudo o que tanto almejei, se Deus assim quiser, assim vai ser.
Fui em frente, estudei e tive meu primeiro trabalho, foi difícil, pois não era do “nível” dos outros alunos. Era sim descriminado, mais isso me abalava. Por cinco anos fui e aprendi a não ligar, a palavra dita é o bumerangue que sempre volta. E não vai acertar a mim, e a sim os olhos de quem disse.
Então, eu guardei todo meu dinheiro do trabalho, e comprei as melhores roupas, fui guardando e pagando um curso, eu juro por tudo que nunca me esforcei tanto!
Deu vontade, de viver mais. Pra um dia poder contar para vocês meus netos, o que aconteceu.
Sabe, eu um garoto de 17 anos do interior, não era bem visto por algumas pessoas, e pessoas que não sabem de suas origens. Diziam que iriam ter 5 filhos e ter tudo o que queriam, me deixavam mal com coisas que eu realmente acreditava. Mais conquistei o que lutei para ter, mas tinha medo, medo de acontecer novamente tudo, eu tinha medo de falar o que pensava, eu tinha medo de me olharem torto, tive frente a frente com a morte o dia, que um ônibus me atropelou na volta do curso. Foi estranho, senti que minha vida teria acabado.
Mais não, eu refleti todos os 40 dias que fiquei lá, me recuperando.
Talvez quem sabe, foi lá que encontrei o meu pior inimigo. Aquele que me barrava muitas vezes. Saindo de lá, fui em busca de respostas, e entendi que as respostas somos nós. Não tinha mais medo de quem me falava mal, fui tentando conquistar.
Aprendi a dar valor pra mim, conheci uma garota, que me fez entender muitas coisas que não entendia, me deu um sentido a vida. E com ela fiquei 3 anos de minha vida. Acabamos, por traição. Minha vida realmente estava perdida. Eu estudei, fiz curso, e depois de um acidente minha vida muda totalmente. 4 anos depois me vejo novamente, sentado nesse ponto esperando o mesmo ônibus.
E foi nele, que refleti o meu pior inimigo. Sim, eu sou o meu pior inimigo, temos duas escolhas dentro de nós, nos barrar ou prosseguir. Ser um lobo ou uma águia. Ter um coração puro ou mal.
É, talvez entendi, eu precisei voltar ao mesmo ponto que mudou a minha vida, para entender quem estava me atrasando. Não foi quem pensava, não era que me maltratava, e sim meu medo de tentar, de não precisar de promessas.
Muitas vezes, não precisamos de fato voltar fisicamente, mais sim em pensamento. Refletindo um dia, entendendo o brilho do sol apagando para lua brilhar.
Não ter medo, das pessoas. Mais sim o que temos dentro de nós.
Hoje, sou um vencedor por que eu lutei por tudo que almejei. Pelo que quis.
Posso ver todos vocês em volta de mim, não desisti quando minha casa caiu, quando tive forças para lutar contra a morte, sim. Eu a vi, e ela não usa uma capa branca.
Passei na faculdade, e comecei a trabalhar, e ensinar pessoas menos favorecidas a ter o que queriam, ensinar a quem tem tudo uma leve dica de vida. Sobre os ventos e palavras ditas.
Estava em meu carro. Em meus 39 anos já casado e com 2 filhos. E vi ao lado. Um casal com 5 filhos ao lado. Gritando e desesperados, não sabiam como acalmar as crianças, usavam uma roupa velha, e rasgada. Eu parei e fiquei observado. Agora, me diz quem era eles?
Bom, o tempo vai passar, e só vai depender se você vencer o seu maior inimigo se vocês vão ser um vencedor ou um derrotado.

A musica do Charlie Brown Junior diz uma coisa que reflito hoje. “Mudei minha historia e foi melhor pra mim, nem sempre o que a vida me pede é aquilo que a vida me dá”
Mudei a minha historia, e hoje estou aqui. ( aplausos dos netos no fim ) e ele diz: Muito obrigado. E pede um abraço de todos!
Três dias depois, um neto corre e diz - Vô!!! Eu venci meu medo! Eu consegui vô! Eu não tenho mais medo de dizer o que penso, eu aprendi a fazer tantas coisas, vô muito obrigado! Eu te amo! –
Naquele momento, fiquei estático. Paralisado. Imóvel. Sem reação mesmo!
No mesmo dia, de noite dei uma palestra para uma empresa grande, e no fim recebi aplausos. E uma única pessoa me vaiou. E disse em voz firme “Não preciso do seus aplausos, a vida já me deu o maior aplauso de minha vida!”
Não disse no momento, mais foi o meu próprio aplauso. Em cima da casa olhando meus netos brincando, me aplaudi.




Você pode ter vários motivos para desistir, mais manter a cabeça no lugar e sobreviver a tudo o que dizem, é o primeiro passo. O que vem adiante, é encontrar o que tanto te barra, o que tanto não deixa você seguir em frente, e muitas vezes não é ele, ou ela. Mais sim eu mesmo. Você mesmo!
Liberte seus medos, sinta a brisa. Feche sua mão e descarregue em você, não no rosto e ouvido de um inocente.
Só por uma noite eu queria dizer. Eu posso te fazer chorar, mais eu jamais vou abandonar. Lado a lado com quem nos apóia.
Vou subir o mais alto possível, mais não vou esquecer de manter minha base, pois vou saber quando cair, onde me apoiar.

A vida é um mistério, e basta você desvendar o enigma que está em você. Sou um enigma, sou a louca pessoa que faz você pensa. Mais me diz. Quantas vezes eu fiz sorrir, chorar, ensinar a pesca em um rio escuro com apenas suas mãos.
Meus netos. Agradeço a todos.


PS: você pode ler este texto de muitas formas, seja um desafio na escola, uma superação na vida, mais você vai sempre encontrar seu inimigo em você mesmo.
DGR.

André Lucas de Almeida

Geraldo Neto lança mais um livro!

A editora Sal da Terra localizada na capital paraibana anuncia o lançamento do livro do escritor uiraunense Geraldo Rocha Dantas Neto popularmente conhecido por Geraldo Neto titulado como:“Textos que Rimam”, seu conteúdo traz poemas e poesias em suas diversificações, o livro terá como co-autor o professor e escritor cajazeirense Lucilândio Pereira Mareco autor do livro” Passeando pelas praças de cajazeiras PB”.
Em 2007 o escritor lançou o livro titulado por “Asas Poéticas” pela editora Real, seus trabalhos são espalhados por várias revistas, endereços virtuais onde se revela o Blog do Geraldo Neto um espaço de cultura e encontro com a poesia. Ele enfatiza que “escrever é um dos vícios da minha existência” e garante lançamentos de várias obras além de poesias e poemas na área sociológica, antropológica e jurídica que são marcas do seu próximo trabalho.
O livro “Textos que Rimam” está sendo comercializado pelo preço de 20,00 (VINTE REAIS) e quem quiser adquirir entrar em contato com o escritor Geraldo Neto pelo número 83-91452957

Geraldo Neto - Uiraúna PB - Textos que Rimam

Vontade de um neto.


E o medo de te perder me persegue novamente.
Me alcança e me devora.
Assim como uma criança devora um doce.
Assim como em muitos dias em minha infância, eu devorei todas as guloseimas que você, minha "vó" fazia.
E essa saudade vai me comendo, corroendo, corrompendo.

Como faço agora?
Se já não pode fazer minha vontade.
Agora a situação se inverte, pois é a vontade de te ter aqui, que me mastiga e me engoli.

Zade Bretas

UM BRINDE A NÓS QUE TENTAMOS COM TODAS AS FORÇAS FAZER DESSE UM MUNDO MELHOR PARA NOSSOS FILHOS,NETOS E FUTURAS GERAÇÕES.
OBRIGADA AS 146 MULHERES QUE FORAM CARBONIZADAS NUM INCENDIO NA FABRICA Triangle Shirtwaist, A ONU E A GETÚLIO VARGAS QUE EM 1932,DECIDIU QUE AS MULHERES TINHAM OS MESMOS DIREITOS QUE OS HOMENS.
EM AGRADECIMENTO Á ESSES FATOS NÓS, MULHERES, TEMOS A OBRIGAÇÃO DE CONTINUAR LUTANDO ATÉ O FIM PARA QUE ESSA IGUALDADE NÃO SEJA PERDIDA COM O PASSAR DO TEMPO.

PARABÉNS MULHERES!!!!!

Cristiane Fonseca

Caríssimo Neto Braga,

Nasci nos anos finais da década de 60, quando se exacerbava a importação de ídolos da música, da moda e até dos valores para nossa gente. Era chic ter calça Lee, ouvir Beatles e Rolling Stones, criar bandas com nome inglês, The Fevers, Blue Caps, marca USTOP. Sim! Começávamos a largar muito da bossa verde e amarela, passando a importar o que de fato devia nos importunar. Estávamos a permitir americanismos que, subliminarmente, manipulavam o sistema geral: capitalista dominador cujo Tio morava nos States... Mas também era chic parecer com eles!
Na roça, nossos heróis se mantinham igual, enfrentando secas, fomes, misérias, embora a superintendência do Desvio de Verba Pro-Nordeste, que por esse tempo, já mostrava suas barbichas, ou melhor, seus amplos bigodes, já maquiasse um pouco a realidade de nosso povo, mas que no fundo não passava de mais um coronel institucional a serviço de outros.
Tais heróis do campo, quando muito, ouviam o rádio de pilha e eram fotografados a preto e branco tal e qual a vida que levavam: “o preto no branco”, tudo às claras, a dura realidade, acostumados com a apregoação de um Deus que impunha estação severa de seca e flagelo sem fim, predestinados ao sofrer, mas que nunca desmereceram o solo que, com pés tão rachados quanto o local das pisaduras, numa cena telúrica inconfundível, compuseram as canções de suas vidas com garranchos, sol ardil, comida singela, viola ponteada como pingos ralos das chuvas miúdas do sertão, ajustadas ao piar dos pássaros.
Heróis sem o saber que continuavam a caminhada dos nossos lideres implacáveis do quilate de Antonio Conselheiro, dos beatos guerrilheiros, dos personagens asseverinados do engenheiro da poesia, João Cabral de Melo Neto, ou por outra, os retirantes das obras de Raquel de Queiroz, de Lins do Rego, outros seres ornados com as rimas de Moacir Laurentino, Cego Aderaldo, da coragem inata de Barbara de Alencar, de Jovita Feitosa, não nos forçando à evocação de mitos internacionais, embora ilustres como Luther King (americano), Mahatma Gandhi (indiano) ou até um deus olímpico para dar robustez ao caráter e nobreza dos nossos homens e mulheres, que, como já se pode ver, temos para exportar.
Não almejo chegar aos extremos do personagem ultrapatriota, “Major Quaresma”, de Lima Barreto, ao exortar um colega de trabalho que sonhava ir à Europa, dizendo-lhe: “Ingrato! Tens uma terra tão bela, tão rica, e queres visitar a dos outros!”
Creio que meu posicionamento não leve a desmerecer a valorização da cultura clássica, deixar de reconhecer o mérito de quem sabe o verdadeiro valor de ser exímio leitor, de amar os livros, o conhecimento, mas insisto, meu caro amigo Neto Braga, que se legitime o cerne da alma de marfim que todo sertanejo possui.
Com chave de ouro, para bem fechar uma página, vou de Patativa, renome internacional saído das brenhas do Assaré, que homenageia a natureza sertaneja, partido do seu eu coletivizado.
“ Eu sou de uma terra que o povo padece
Mas não esmorece e procura vencer.
Da terra querida, que a linda cabocla
De riso na boca zomba no sofrer
Não nego meu sangue, não nego meu nome
Olho para a fome, pergunto o que há?
Eu sou brasileiro, filho do Nordeste,
Sou cabra da Peste, sou do Ceará.”

Maria Lopes

Neto,
Hoje acordei ouvindo a chuva e apertei o travesseiro quando me lembrei dos seus olhos. Até o dia amanheceu triste. Faz 22 anos que não te vejo. Faz 22 anos que nesta data o pai some e a mãe, como sempre, tenta chegar ao final do dia longe da cama. Faz 22 anos que eu penso que tudo poderia ser diferente se você estivesse aqui.
Essa saudade é gigante, igual seu coração. Coração de anjo… e eles diziam “anjo tem que ficar no céu” e eu, certa vez, desejei que você nem fosse tão bom assim, pra não precisar ir pro céu e ficar aqui comigo.
Neto, eu espero só um coisa… que seja você quanto for a minha hora…

Trecho do texto Carta para um anjo:
http://josane.blog.terra.com.br/2010/09/27/carta-para-um-anjo/

Josane Hodniki

Pode ser neto da lua, mas nunca alcançará as estrelas.

Nelci Lagoa

Menino levado a tona das cores
Filho de Macunáima
Neto da sensibilidade
Guerreiro amazônico da arte
Passeando de ubá com simplicidade.

Zeca Preto

A àgua que economizei para lavar meu carro hoje, vai matar a sede de seu neto amanhã.

Joélcio

CARTA AO NETO, ESPERO QUE NÃO SEJA PÉ-FRIO.

Em 1950, ano em que nasci, a Copa do Mundo foi realizada aqui no Brasil. Eu não pude torcer porque estava com 2 meses de idade e sem saber de nada fui um “ PÉ-FRIO “, a seleção brasileira perdeu no jogo final.
Naquele tempo Lucca, não tinha:
E-MAIL;
GOOGLE;
TELEFONE CELULAR;
WHAT’S-APP;
ORKUT;
FACEBOOK;
TWITTER;
INSTAGRAM;
DVD;
BLUE RAY;
CARTÃO DE MEMÓRIA;
PEN DRIVE;
TV LCD;
TV PLASMA;
TV LED;
TV 3D;
TV DIGITAL;
TV HD;
ETC. ...
O máximo que tinha era um rádio à válvula com muito “ chiado “.
Hoje Lucca, junho de 2014, quase 64 anos depois, a Copa do Mundo está sendo realizada aqui no Brasil novamente, e você também não pode torcer, pois está com 79 dias de vida, mas espero e tenho certeza que com toda a nossa torcida, monitorando pela tecnologia que mencionei, a seleção do Brasil vai ganhar pela sexta vez, e aqui em casa ( BRASIL ) e você vai ser um “ PÉ-QUENTE “ !!!

domingos flores maldonado

Segredo da Longevidade

Um velho vaqueiro contou ao seu neto:

- O segredo para uma vida longa e saudável é colocar uma pitada de pólvora em seu mingau de aveia todos os dias.

O neto levou este conselho a sério, e todos os dias para o resto de sua vida colocou uma pitada de pólvora em sua aveia todas as manhãs. Quando ele morreu com 132 anos de idade, deixou para trás 5 filhos, 12 netos, 35 bisnetos, 78 trinetos, e um buraco de 20 metros onde o crematório costumava ser

Renato Santos

"Neto e neta são netos, no masculino.
Filho e filha são filhos, no masculino.
Pai e mãe são pais, no masculino.
Avô e avó são avós"

Arnaldo Antunes

Está decretado! Dia do neto, 8 de junho.

Neto, pessoinha mais linda que existe.
Dá sentido a vida, preenche meu coração,
A estrela mais brilhante da constelação
Suave lembrança no pensamento persiste
E percebo sua existência como uma oração
No encontro que brilham os olhos felizes
Num abraço carinhoso repleto de emoção
E o sentimento de imensurável gratidão

Desculpe se exagerei, mas versejar é um exercício mental divertido, prazeroso e saudável para a mente e para a alma.

Sandra Ferrari Radich

ILUSTRES SEM LUSTRES
Sou neto do bisneto do Coelho Neto
Eu também sou ilustre
Sem lustres no meu teto
A lamparina é minha inspiração
Conheci a neta da empregada
Da bisneta da Princesa Isabel
Conheci D pedro ll,
Segundo rufino Balacobaco
Que plantava fumo e fabricava tabaco
Sou primo do agripino
Criado cheio de mimo
Que falava fino e e tinha má rputação
Duques e Barões de Coimbra
Vendiam laranjas e abacaxis
Nas esquinas da Chatuba
E falavam da invasão inglesa em portugal
Descendentes da burguesia lisboeta
Viviam de quitandas e padarias
Nas periferias da baixada fluminense
Oferecendo laranjas e tangerinas
Ou pães e sonhos
Aos que um dia foram colonizados...

tadeumemoria