Dedicatórias a Professora

Cerca de 160 dedicatórias a Professora

A vida é a minha melhor professora, pois ela me ensina melhor amar você

Amor

A Previdência e as viúvas

DEBORA DINIZ
Antropóloga, professora da Universidade de Brasília e pesquisadora da Anis - Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero.
Artigo publicado em 6/1/2015 no jornal

Cara presidente Dilma Rousseff, estou indignada: nós, mulheres, não somos as responsáveis pelo “rombo das contas públicas”. O ano suspirava seu final quando o então ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, anunciou medidas provisórias que alteraram as formas de proteção às famílias trabalhadoras. Tempo de conjugalidade, período de contribuição, idade dos beneficiários foram modificados e sem regras de transição. Trabalhadores jovens e velhos serão igualmente afetados por medidas econômicas que ignoram características fundamentais não só do mercado de trabalho, mas do modo como as famílias se reproduzem no Brasil. Tenho vontade de gritar minha surpresa — o tema não foi discutido, sequer anunciado durante a campanha presidencial —, mas guardarei minha indignação para os fatos. Entre as medidas de contenção, está o corte de 50% da aposentadoria para o cônjuge do trabalhador falecido. As medidas provisórias se protegem nesse falso universal neutro da língua portuguesa, pois o correto seria dizer “haverá corte de 50% na aposentadoria das viúvas idosas”.

Sou de uma geração em que as mulheres trabalham na casa e na rua — cuidam dos filhos e recebem salários. Muitas enfrentaram a difícil decisão sobre como cuidar dos filhos e se ordenar no mercado do trabalho, esse ambiente que ignora que as crianças vão à escola, adoecem, reclamam cuidados. Conheço mulheres mais jovens do que eu — e uma multidão de velhas — que optaram por cuidar dos filhos, pois consideraram que o salário de seus companheiros seria uma garantia de aposentadoria integral a ser compartilhada. Algumas delas escolheram empregos com menor remuneração, como forma de ajustes domésticos para os deveres de cuidado.

Uma divisão do trabalho doméstico e da rua foi acordada no passado com projeção para o futuro: cuidariam dos filhos — ela na casa e ele na rua —, mas casa e rua teriam a mesma proteção na velhice. Fizeram escolhas de longa data, pois acreditaram na estabilidade democrática. As medidas provisórias ignoram como as famílias se organizam no Brasil, mas principalmente ignoram a vida das mulheres que nos antecederam. Pergunto-me se essas mulheres não seriam também mães dos senhores que anunciaram as medidas provisórias — talvez uma amnésia os tenha feito esquecer quem os amamentou, limpou suas fraldas ou revisou seu dever de casa de matemática.

Em nome de uma economia que se anuncia como de bilhões, as medidas provisórias dizem a cada uma das senhoras idosas perto da viuvez que, além do luto, experimentarão empobrecimento. O Estado brasileiro passou a entender que o direito à aposentadoria é como patrimônio — a esposa teria direito a 50% dos bens. Por que falo em mulheres velhas? Porque é para elas que as medidas provisórias de “reforma da previdência” apontam o dedo como as responsáveis pelo rombo: elas seriam como sanguessugas do dinheiro público, mulheres que não trabalharam na rua, mas herdaram o direito conquistado pelo suor de seus companheiros. Há muito erro e injustiça nessa análise rasa das formas de conjugalidade e reprodução social. A aposentadoria não é apenas um direito do trabalhador, mas uma forma de proteção às famílias.

Na velhice, senhora presidente, a família se reduz à viúva. As mulheres morrem mais tardiamente do que os homens. Há explicações epidemiológicas e demográficas para a longevidade das mulheres que alcançam a velhice: cuidam melhor da saúde, e são mais jovens que seus velhos maridos. Nem perco tempo com a nova fantasia da previdência social sobre as mulheres — homens velhos que se casam com meninas jovens, eles oferecem segurança, e elas, juventude. Até mesmo para esse roteiro amoroso, as medidas provisórias lançaram a rede: o direito à aposentadoria não é mais vitalício para mulheres com menos de 44 anos e é preciso, ao menos, dois anos de conjugalidade para o direito. Sim, o alvo são as mulheres.

Se minha indignação por cada mulher idosa não for suficiente para fazer este governo envergonhar-se das medidas provisórias, apelo à estabilidade democrática. Essa é uma matéria da mais absoluta centralidade para o justo: não pode ser decidida por medidas provisórias e em período de recesso da atenção pública. Por isso, repito, não estamos falando de reformas, senhora presidente, mas da seguridade social, de desrespeito à boa democracia e, mais ainda, de fragilização da velhice.

DEBORA DINIZ

A vida é uma professora que nos aplica varias provas diárias, de diversas disciplinas, uma mais difícil que a outra e que valem nota de 0 a 10, tais como: CARÁTER, HONESTIDADE, INTEGRIDADE, BOM SENSO, EMPATIA, GENTILEZA, entre outras...

Que nota você está obtendo?

By: Alexandre Fareleski Abir

Alexandre Fareleski Abir

Um dia a professora me perguntou em quem eu me inspirava, eu respondi em mim, porque só eu mesmo vivendo a vida, poderia aprender a ser algo tão grande,quanto qualquer outra pessoa, não acho justo mascar o chicletes de um ídolo, seria como cuspir no próprio prato,somos todos iguais, disse eu a ela, ela não me entendeu, mais eu já me entendia.

Camila Mariotta

Claro que eu gosto dela, e esse é o problema, também já gostei da minha professora na 1º série, já gostei até da Xuxa.

Ney Mombach

Quando eu era criança eu queria muitas coisas, queria ser professora, cantora, engenheira. Queria me casar, ter uma família, eu queria uma vida normal como a de todo mundo. Eu não pensava em fugir, eu tinha medo de arriscar. Eu tinha medo das pessoas e do que elas iriam falar. Eu achava que era bom ser adulto e queria crescer. E hoje? Hoje eu vi o quanto eu era inocente. Hoje eu só quero viver.

Rafaela Corrêa

PROFESSOR(A)

[...]
Extintos não foram todos!
Restam poucos.
Ainda heroicos,
Ainda desbravadores.
Com raça rompem o silêncio,
superam as intempéries,
produzem matéria prima
de boa qualidade.
Rompem com o tradicional sistema,
subvertem-no.
Aprendem, ensinam, superam...
Adversidades.
Mestres sem pleito ou coroa,
ofício sem holofotes ou fama.
Glórias, injúrias, infâmias...
Perfeito contexto de infinitas possibilidades.
E vitórias e derrotas contínuas
no ato diário de moldar diamantes brutos
para o exercício da cidadania
no seio da sociedade.

J.W.Papa

Arita Damasceno Pettená (28 de junho de 1932) é uma poetisa, professora e política brasileira natural de Florianópolis e radicada na cidade de Campinas (São Paulo).

Arita Damasceno Pettená

"Gente da gente, professora Glaucy Abdon Amadei!
mostrou que a educação faz valer a pena.
Ofereceu-me seus ombros e no seu abraço a certeza da vitória conquistada.
OBRIGADA! Deus abençoe nossa caminhada!"
Rita de Cássia Francelino Souza

Rita de Cássia Francelino Souza

Essa mulher linda e exuberante, simpática e ativa como sempre, será a eterna e doce professora de piano de todos nós seus ex-alunos castelenses. Parabéns professora. Você continua jovem e atraente como antigamente. Beijos de seu ex-aluno.

Luiz Maria Borges dos Reis

- A naturalidade da professora deixou os alunos empolgados.
... A elegância de vestir-se de simplicidades.

Lívia Samara

A felicidade é matéria de gente burra, só a dor ensina, a alegria é aluna e não professora.

Hellius Czar Monzon

E agora, Professor?
E agora, Professora?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Que você se deparou
Com tanta gente opressora?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Que te fazem salvador
De uma triste realidade?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Que esperam de você
Muito mais que capacidade?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Ensinará o conteúdo
A quem não quer aprender?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Já soube que o mundo todo
Depende muito de você?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Que descobriu a utopia
Que é a pedagogia?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Que aprendeu que a teoria
não serve para a prática?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Que precisar educar mentes
E barrigas extremamente vazias?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Que descobriu que outros
seu trabalho, melhor, faria?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Que você não tem valor
E nem tão pouco o respeito?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Que fará com tanta dor
E com tanta decepção?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Que o ano não acabou
Mas, você se esgotou?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Que mataram os seus sonhos
E te fizeram de vilão?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Que descobriu que seus méritos
Não são mais que obrigação?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Que colocaram na sua conta
Toda a deseducação?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Como ensinará o amor
Em meio ao caos e opressão?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Que diminuíram o seu valor
E te juntaram com pá e vassoura?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Que te culparam por toda
Falta de vontade e querer?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Que escancararam para todos
O quanto errado tu és?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
Vais apelar para o Senhor
Para a mamãe ou para o doutor?

E agora, Professor?
E agora, Professora?
E agora, Professor?
E agora, Professora?

Edson Luiz

Iai,vai se formar para ser professora(o)? Mas pera ai, vai fazer como esses tantxs outrxs ai. Simplesmente pra ser professora(o)e não ser reconhecido ?
Não,vc tem que ser professa(o) para ter um estatua de reconhecimento,por que são vcs que fazem o nosso futuro,nós e eles dependemos de vcs para ser alguém na vida. Vcs podem fazer seus próprios métodos de ensino e ensinar o que as pessoas realmente devem aprender,não deixem que o estado diga o que vc deve ensinar,vcs é muito mais inteligente que esses desumanos.
Eles estão impondo o que eles querem que agente aprende,se continuarmos assim,vamos viver sempre alienados e desinformados,sobre tais problemas .Vcs podem nos ensinar o que devemos aprender.

Paulo Vinicios

Fiquei sabendo que minha professora de sociologia do ensino médio se matou no começo do ano, daí acharam o corpo no apartamento depois de dois dias num estado horrível. Ela vivia dizendo nas aulas que havia uma resposta pra tudo, e que quando parecia não haver uma, apenas não sabíamos como interpretar o que estava bem na nossa frente. Ninguém quis encontrar uma resposta que justificasse esse final trágico, porque no fundo, as pessoas sabem o que causa o cansaço, e sabem também do caminho que leva uma pessoa à dizer que já basta. Você sai de casa pra tentar entender um pouco mais, e volta com outras vinte dúvidas. Algumas certezas apagam as luzes e te fazem bater a cara nos obstáculos, a verdade vicia, uma busca infinita por ideias descartáveis. Uma coleção de novos questionamentos. Por que não devo? por que não posso? por que comigo? A resposta está bem ali e você sabe, mas sua mente ignora as evidencias para manter-se intacta. Precisamos de uma nova dose que seja mais forte do que a anterior, uma verdade que nos obrigue a subir um monte até cairmos em um buraco negro de perguntas estupidas. Bom, ninguém sabe porque ela desistiu, mas ela sabia demais, e se pudesse escolheria não saber tudo, apenas o bastante pra não cair nas armadilhas da vida. Por hoje já chega de novas descobertas, ninguém foi bom o bastante para salvá-la das perguntas.

Sean Wilhelm

Não basta ser Professor(a), temos que honrar essa profissão, se dar o respeito e ensinar o que é o respeito, educar assim como os pais fazem em casa, com amor, educação, mas sem amedrontar os alunos, sem agredir tanto verbalmente como fisicamente como tem acontecido por aí a fora. É aluno que agride professor ou ao contrário. Ser um educador é fácil desde que queremos realmente isso, ensinar com o coração, ter várias formas para incentivar no aprendizado dos nossos alunos, acolher eles ou elas da mesma forma que nos procuram, até porque quem faz a escola são eles, e sem eles não há professores, não há escolas. Parabéns a todos nós educadores que honramos essa profissão!!!!!

Adriana Sanglard da Silva

Senhor, confesso que nunca pensei em ser professora, pois nas minhas veias corria um sangue que me impulsionava para uma outra direção, onde a criação em diversas linguagens artísticas, satisfazia ao ego da minha imaginação. Ahh... quanta saudade das exposições de pinturas e desenhos no clube da minha cidade... das minhas brincadeirinhas de teatro... das minhas letras e melodias, das criações das minhas poesias, inspiradas pelo lindo por do sol do meu sertão, assim como pelas maravilhas naturais do ambiente que cercava a minha infância em meio a serras e morros, cactos e flores que nascem coloridas e vibrantes até mesmo entre as pedras... Mas como viver de arte nesse país, onde a sobrevivência fala mais alto? Senhor, hoje eu reconheço e te agradeço, pela missão a mim predestinada , por ter-me mostrado, confiado e levado-me em seus braços até as salas de aula, por ser portadora para milhares de seres pensantes, a direção do reconhecimento das suas capacidades criativas. Confesso meu Senhor, que aprendi a amar essa profissão, que a mim foi dado o crédito. Sei senhor, que merecemos muito mais, mas estamos distantes da dignidade de direito. Entendo que, como em qualquer outra profissão, existem os bons e os maus condutores em suas áreas. Mas enquanto profissional que leva o entendimento do saber, procuro dar o melhor de mim, no exercício árduo e ao mesmo tempo gratificante de fazer a diferença com responsabilidade, infelizmente não jus ao salário que tanto rogamos, mas por amor a quem tanto prometemos engatilhar e transformar pessoas capazes de construir uma vida mais humana.

vilgete

Vem cá professora (o), preciso falar-te…
Pode ser que estejas cansada… Foram tantos os problemas desse dia. Foi penoso aturar o chefe. Foram longas as horas de trabalho. E pode ser que estejas preocupada…
São tantas as diferenças sociais! São tantos os problemas na família! E grande a responsabilidade que lhe confiamos!
Deves estar apressada… O trabalho fica tão longe. O ônibus está atrasado. A fila já dobra a esquina. A gasolina tão cara. Talvez esteja mesmo angustiada… A vida anda tão difícil. O salário já chegou ao fim.
Mas, apesar do cansaço, da pressa e da angústia… eu insisto: preciso falar-te! Preciso que me escute. Trago recados de tanta gente.
Houve alguém que praticou uma boa ação e manda dizer-te que foi porque teu exemplo convenceu.
Outro que venceu na vida e manda dizer que foi porque tuas lições permaneceram.
Um outro que superou a dor disse que foi a lembrança de tua coragem que o ajudou…
E toda a gente desta cidade, Estado e Pátria manda dizer que és importante, que sua presença na educação é fundamental…
Você tem nas mãos a grande arma… Seus alunos!
Você é especial… Parabéns!

Aline Black

Minha professora disse:
"Todo mundo é inteligente."

Concordo plenamente, mais isso não quer dizer que todos sabem usar. Vivemos em uma era de acomodismo entre pessoas.

Onde o conhecimento é extinto, onde ninguém para pra ler um livro a tarde.
Onde o povo cada vez mais se afuda na burrice e afundando, afundando na preguiça."

Alisson Santos

Superar


Já tive medo do escuro.
Medo de dormir em um quarto
sozinha.
Ou da professora reclamar por eu
não ter feito a tarefa.
Já tive medo de cometer erros, de não
ser um dos melhores alunos da sala.
Já tive medo de dizer o que sentia, e
acabei perdendo o primeiro amor
adolescente por vergonha de
demonstrar sentimentos, pois ele
também sentia o mesmo, mas sentia
o mesmo medo.

Hoje continuo tendo medo (sou
humana, Deus sabe disso).
Mas muita coisa eu superei, e uma
delas foi o medo de amar, o medo de
demonstrar o amor, o medo de falar
o que sinto.
E sei que posso me arrepender talvez
por não conseguir alcançar, mas não
vou me arrepender de ter lutado.

Juliana Félix